Tradução: Cezar Souza

[Nota do tradutor: essa é a segunda parte do debate entre William Lane Craig e Wielenberg, a primeira parte pode ser vista aqui, a segunda, aqui]

Resumo: Em um artigo recente neste jornal, argumentei que o relato teísta de William Craig sobre a origem do universo implica que, no primeiro momento do tempo, t1, Deus é atemporal e temporal, uma contradição (Wielenberg 2021). Craig respondeu a esse argumento; eu aqui respondo à resposta dele.

Na versão do meu artigo que Craig cita, atribuo a Craig a visão de que Deus “deve ser atemporal em t1 para ter o poder de criar o universo em t1” (Craig 2021, 2, ênfase adicionada). Há duas maneiras de ler essa passagem. Abaixo, a reivindicação A é a leitura que eu pretendia e a reivindicação B, a leitura de Craig da passagem:
Reivindicação A: Suponha que, em t1, Deus exerça Seu poder para criar o universo, fazendo com que o universo comece em t1. Dado tudo isso, Deus deve ser atemporal em t1 (nesta leitura, “em t1”, no final da passagem, indica o tempo em que Deus tem o poder de criar o universo).

Alegação B: Seja P = o poder de criar o universo em t1. Para ter P, Deus deve ser atemporal em t1 (nesta leitura, “em t1”, no final da passagem, é parte da descrição do poder de criar o universo em t1). 

Craig observa que, em sua opinião, um Deus que nunca cria e, portanto, não existe em t1 (porque não há t1), no entanto, teria O poder P (2021, 2-3) e, então, ele (Craig) não está comprometido em reivindicar B. Porque meu argumento depende da Reivindicação A em vez da Reivindicação B (e o exemplo de Craig não desafia a Reivindicação A), a resposta dele não aborda meu argumento.
Qual é a base para atribuir a reivindicação A a Craig? É que, como observo em meu artigo original, ao discutir sua versão do Argumento Cosmológico Kalam (KCA), Craig descreve rotineiramente o universo como um efeito temporal de uma causa atemporal, declarando, por exemplo, que “a causa é eterna, mas o efeito não é”(2008, 154). Essas descrições sugerem uma visão segundo a qual existe uma relação causal que se mantém entre uma causa atemporal e um efeito temporal, uma relação causal que conecta ou une o atemporal e o temporal. Além disso, Craig e Sinclair dizem que “dado que o tempo teve um início, a causa do início do tempo deve ser atemporal” (2009, 192) e “a eternidade atemporal de Deus é ... causalmente ... anterior à origem do universo ”(2009, 196). A interpretação mais natural de tais observações é que Deus é atemporal quando causa o começo do universo - ou seja, em t1.
Em sua resposta, Craig indica que, em sua visão, Deus é temporal ao invés de atemporal quando  cria o universo: “Em minha opinião, Deus é ... temporal em t1” (2021, 2). Esta posição parece confundir a caracterização de Craig do universo como um efeito temporal de uma causa atemporal e, além disso, torna Deus, em sua fase atemporal causalmente inerte, deixando-nos sem razão para postular a existência atemporal Dele. Agora parece que, na visão de Craig, Deus é temporal quando cria o universo e, portanto, apropriadamente descrito como temporal ao invés de atemporal. Mais tarde, em sua resposta, Craig afirma que "Deus criou o universo, trazendo o primeiro momento do tempo" (2021, 3). Portanto, na visão de Craig, a causa do tempo está inteiramente dentro do próprio tempo: em t1, um  Deus temporal agente-causa um evento temporal, e este agente causador (ele mesmo um evento temporal) faz com que o tempo comece. Não vejo maneira de conciliar esta visão com a declaração de Craig e Sinclair de que “dado que o tempo teve um início, a causa do início do tempo deve ser atemporal” (2009, 192) e, portanto, a contradição na posição de Craig, notada em meu artigo original, permanece sem solução.
Além disso, o endosso de Craig da visão de que a causa do início do tempo é em si temporal parece abrir a porta para uma variedade de alternativas não teístas para a explicação teísta de Craig do início do universo. Considere, por exemplo, a seguinte hipótese: Sem o universo, existe um objeto físico atemporal, infinitamente denso e adimensional, que podemos chamar de “Singularidade”. Em t1, o primeiro momento do tempo, ocorre o seguinte evento: a Singularidade começa a se expandir (chame este evento de “Primeira Expansão”). Deste primeiro evento, o espaço-tempo e seu conteúdo - o universo - finalmente emergem. (De acordo com Craig, “[a] singularidade inicial do Big Bang não é considerada parte do tempo físico, mas sim constituínte de um limite para o tempo” (2008, 156).)
A primeira expansão é um evento temporal não causado que faz com que o tempo comece. Nesses aspectos, assemelha-se exatamente à criação agente-causal de Deus do universo ("GA"). [1] GA e Primeira Expansão são eventos temporais; ambos não têm causa; ambos fazem com que o tempo comece. GA implica a existência de Deus; na opinião de Craig, quando ocorre AG, Deus "entra" no tempo. A primeira expansão não implica a existência de Deus. Em vez disso, implica a existência da Singularidade. Quando ocorre a Primeira Expansão, a Singularidade "entra" no tempo. Com seu aparente abandono da visão de que "[dado] que o tempo teve um início, a causa do início d tempos deve ser atemporal" (Craig e Sinclair, 2009, 192), não está claro qual explicação a visão de Craig fornece para a hipótese de que o universo é iniciado por GA ao invés da Primeira Expansão.
No geral, então, a resposta de Craig ao meu artigo inicial não aborda o primeiro dos meus dois argumentos principais, e o endosso aparente de Craig da visão de que a causa do início do universo é temporal (i) está em desacordo com sua caracterização do universo como um efeito temporal de uma causa atemporal, (ii) torna Deus em Sua fase atemporal causalmente inerte, nos deixando sem base para postular a existência de um Deus atemporal, e (iii) abre a porta para explicações não teístas do início do universo.

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem