Tradução: Iran Filho

Existem alguns fatos ontológicos fundamentais sobre o conceito “deus” que derivam de alguns de seus atributos básicos. Diz-se que um deus é o Criador de toda existência material. Mas se for esse o caso, então não pode ser material, visto que algo não pode criar a si mesmo.

Um deus também é um ser pessoal. Por definição, a personalidade depende da consciência (em qualquer grau), da capacidade de cognição, da capacidade de interagir com outras pessoas. Todas essas coisas podem ser incluídas na categoria mais geral de “mente” - uma mente de algum tipo é necessária para a personalidade.

Algum tipo de substrato material, computacional, é uma condição necessária para a existência de uma mente (se isso é suficiente é uma questão diferente e irrelevante). Em humanos, o cérebro é esse substrato. Conhecemos esse princípio como um fato científico, por cinco razões. Cito aqui The Case Against Immortality, de Keith Augustine.

(F1) A evolução das espécies demonstra que o desenvolvimento do cérebro obtém um desenvolvimento mental correspondente.
“Primeiro, a evidência filogenética se refere à relação evolutiva entre a complexidade do cérebro e as características cognitivas de uma espécie" (Beyerstein 45). Corliss Lamont resume esta evidência: “Descobrimos que quanto maior o tamanho do cérebro e seu córtex cerebral em relação ao corpo animal e quanto maior sua complexidade, mais elevada e versátil é a forma de vida” (Lamont 63).

(F2) O mesmo princípio é demonstrado pelo crescimento do cérebro em organismos individuais.
“Em segundo lugar, a evidência de desenvolvimento para a dependência mente-cérebro é que as habilidades mentais surgem com o desenvolvimento do cérebro; falha no desenvolvimento do cérebro impede o desenvolvimento mental" (Beyerstein 45).

(F3) O dano cerebral destrói as capacidades mentais.
“Terceiro, a evidência clínica consiste em casos de danos cerebrais resultantes de acidentes, toxinas, doenças e desnutrição que muitas vezes resultam em perdas irreversíveis do funcionamento mental (45). Se a mente pode existir independentemente do cérebro, por que a mente não poderia compensar as faculdades perdidas quando as células cerebrais morrem após um dano cerebral? (46). ”

(F4) Experimentos e medições no cérebro (EEG, estimulação de várias áreas) indicam uma correspondência entre a atividade cerebral e a atividade mental.
“Quarto, a evidência empírica mais forte para a dependência mente-cérebro é derivada de experimentos em neurociência. Os estados mentais estão correlacionados com os estados cerebrais; estimulação elétrica ou química do cérebro humano invoca percepções, memórias, desejos e outros estados mentais (45).”

(F5) Os efeitos das drogas mostram correspondência entre a atividade cerebral e a atividade mental.
“Finalmente, a evidência experimental para a dependência mente-cérebro consiste nos efeitos de vários tipos diferentes de drogas que previsivelmente afetam os estados mentais (45).”

As referências são Beyerstein, Barry L. “The Brain and Consciousness: Implications for Psi Phenomena.” In The Hundredth Monkey. Prometheus Books, 1991: 43-53, e Lamont, Corliss. The Illusion of Immortality, 1990.

Com (F1) a (F5), podemos ver que a seguinte conclusão é rígida:

(1) Nenhuma das mentes orgânicas que observamos pode existir sem um cérebro. (de F1 a F5)

Por indução, obtemos:

(2) Provavelmente, nenhuma mente orgânica pode existir sem um cérebro.

Para ser justo, não esperamos que um deus hipotético tenha uma mente orgânica. Portanto, estendemos (2) para:

(2b) Provavelmente, nenhuma mente pode existir sem um substrato material computacional.

Mas:

(3) Um deus não pode ser material.
(4) Um deus, se existe, tem uma mente.

Portanto :

(5) Provavelmente, os deuses não podem existir. (de 2b, 3 e 4)

Vejo duas objeções principais a esse argumento. Por exemplo, pode-se objetar à minha extensão a (2b), o que parece implicar que um substrato computacional é material. E se um deus fosse um sistema computacional, sem a necessidade de ser material?

Há algum mérito nesta afirmação, mas há dois problemas com ela. Por um lado, alguns objetariam que a materialidade é uma necessidade adicional a fim de obter uma mente, e que um sistema computacional sozinho não é a única condição necessária. Embora eu não compartilhe dessa posição, é importante perceber que a objeção não seria um problema para tal ponto de vista.

O segundo problema é a natureza ad hoc de tal construção. Como podemos dizer que um ser não natural pode ser computacional? Ser computacional requer a existência de partes, e não há razão para supor que um ser não natural pudesse ter partes. Na verdade, a Enciclopédia Católica argumenta explicitamente contra essa visão, alegando que o infinito não pode ser dividido. Visto que a natureza de um deus hipotético não tem sentido, a objeção falha totalmente. Além disso, todos os sistemas computacionais que conhecemos são materiais, então a indução também pode ser usada aqui.

Uma segunda objeção, que é muito mais comum, embora usada para justificar a existência de uma vida após a morte, é a existência de alegados fenômenos como EFC (Experiências Fora do Corpo), EQM (Experiências de Quase Morte), viagem astral, reencarnação, etc. Diante disso, devemos lançar (1) em dúvida.

Este não é o lugar para eu examinar cada afirmação paranormal. Tal discussão seria não apenas uma perda de espaço, mas também fútil, já que muitas pessoas a fizeram com grande habilidade (ver por exemplo “Reincarnation : A Critical Evaluation”, de Paul Edwards, e “Dying to Live”, de Susan Blackmore )

Basta dizer que qualquer avaliação é comparativa e devemos examinar os dois lados da equação. Como falei antes, temos a preponderância de evidências representadas por (F1) a (F5) para apoiar (1). Por outro lado, temos uma série de reivindicações vagamente definidas, logicamente duvidosas e cientificamente falidas. A questão, portanto, é: onde está o peso da evidência?

A menos que alguém pense que um dos fenômenos paranormais que listei tem mais evidências do que toda a neurociência e a evolução do cérebro, a resposta deve ser que (1) permanece válido. E o estado atual da pesquisa científica apoia essa conclusão.

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem