Tradução: Cezar Souza

[Nota do tradutor: essa é a segunda parte do debate entre William Lane Craig e Wielenberg, a primeira parte pode ser vista aqui, a segunda, aqui e a terceira aqui]

Resumo: Erik Wielenberg busca avançar sua crítica ao argumento cosmológico kalam apresentando três outras críticas à visão de que Deus é temporal desde o momento da criação. Vê-se que essas críticas são equivocadas e não levam em consideração o que escrevi no outro artigo.

Agradeço aos editores convidados da TheoLogica por esta oportunidade de responder à contra-resposta de Erik Wielenberg a minha resposta a sua crítica do meu relato teísta da origem do universo. Sua contra-resposta foi motivada pelo fato de que minha resposta foi a uma versão não revisada de seu artigo que diferia um pouco da versão final revisada, que eu não tinha visto. Para deixar claro a diferença crucial, apresento aqui a versão original (OV) e a versão final (FV):

OV. “Deus deve ser temporal em t1, porque o universo existe em t1; no entanto, ele deve ser atemporal em t1 para ter o poder de criar o universo em t1.”
FV: “Deus deve ser temporal em t1, porque o universo existe em t1; no entanto, ele deve ser atemporal em t1 para ter, em t1, o poder de criar o universo.”

(OV) não especifica quando Deus tem o poder em questão, enquanto (FV) sim; e (OV) especifica o poder de criar o universo em t1, enquanto (FV) especifica simplesmente o poder de criar o universo.
Se eu tivesse visto (FV), minha resposta teria sido a de que isso me atribui uma visão logicamente incoerente que não subscrevo. É logicamente incoerente dizer que um Deus atemporal tem, em t1, um certo poder. Um Deus atemporal nem mesmo existe em t1, muito menos possui quaisquer propriedades naquele momento. Algo que não existe em um momento não pode possuir nenhuma propriedade naquele momento, uma vez que, então, não há literalmente nada para possuir.
Portanto, Deus deve existir em t1 para ter em t1 o poder de criar o universo. De fato, junto com as considerações decorrentes do conhecimento de Deus dos fatos tensos, a relação causal de Deus com o universo em t1 é a motivação para eu sustentar que Deus é temporal desde o momento da criação. Minha visão estudada, defendida longamente, é que Ele é atemporal sem a criação e no tempo desde o momento da criação.
Agora, em sua contra-resposta, Wielenberg faz três outras afirmações, que considerarei na ordem. Minha opinião supostamente:
(i) está em desacordo com minha caracterização do universo como um efeito temporal de uma causa atemporal. Mesmo se essa acusação fosse verdadeira, na melhor das hipóteses mostraria que sou culpado de uso infeliz da linguagem, não que minha visão estudada seja incoerente ou falsa. Eu declarei e defendi minha visão estudada claramente, e quaisquer expressões infelizes precisam ser lidas sob essa luz. Mas são expressões como “dado que o tempo teve um começo, a causa do começo dos tempos deve ser atemporal” infelizes? Não se o termo singular "a causa do início dos tempos" for usado referencialmente em vez de atributivamente. [2] Para ilustrar, o homem que diz: “Nunca beijei minha esposa antes de nos casarmos” (porque naquela época ela não era sua esposa!), está usando o termo “minha esposa” de maneira atributiva, não referencial, para fazer uma piada. Mais seriamente, podemos falar referencialmente de Deus sem o universo como a causa do universo, a fim de transmitir que a própria causa do universo não surgiu no momento da criação. 
(ii) torna Deus em Sua fase atemporal causalmente inerte e, portanto, não nos deixa nenhuma base para postular a existência de um Deus atemporal. Prefiro caracterizar Deus sem o universo como causalmente inativo, em vez de inerte. Mas por que postular a existência de um Deus atemporal? Como indiquei em minha resposta a Wielenberg, o proponente do KCA não precisa estar comprometido com a atemporalidade divina. Ele poderia concordar com Lucas, Swinburne e Padgett que Deus existe sem o universo, em uma espécie de tempo não métrico em que intervalos temporais e eventos não existem, de modo que a impossibilidade de uma regressão infinita de eventos não acarreta um início do próprio tempo. Mas argumentei longamente a favor da maior plausibilidade da visão de que Deus é atemporal sem a criação, e não há razão para repetir esses argumentos aqui. [3]
(iii) abre a porta para explicações não teístas do início do universo. Esta é uma objeção muito importante que independe de minha visão da eternidade divina. Por que não dizer que a singularidade cosmológica inicial é a explicação do início do universo? Bem, várias razões: o universo é composto de espaço-tempo e seus pontos de fronteira, de modo que se o universo começou a existir, deve haver uma causa transcendente para o universo. Além disso, a singularidade inicial, embora não no tempo físico, é plausivelmente no tempo metafísico, uma vez que é o estado mais antigo do universo e o universo evoluiu a partir dele. Ele surge e desaparece. É impreciso pensar, como diz Wielenberg, que "Quando ocorre a primeira expansão, a singularidade 'entra' no tempo." Não, a singularidade cosmológica inicial não dura mais do que um instante e não está em lugar nenhum hoje. Como tal, não é atemporal nem eterna no passado e, portanto, requer uma causa. Além disso, mesmo se a singularidade fosse atemporal, ela está causalmente conectada com o universo temporal, e a única maneira de explicar o surgimento de um efeito temporal com o início de uma causa atemporal, como argumentei, é se essa causa for agente-pessoal agente dotada de liberdade de vontade. [4]
No entanto, sou grato a Wielenberg por chamar mais atenção para questões tão fascinantes, não acho que sua crítica adicional seja mais bem-sucedida do que a original.

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem