Autor: Keith Parsons
Tradução: Iran Filho

[Esta palestra foi originalmente dada na Houstonians for Secular Humanism em 18 de outubro de 1998.]

O ateísmo tem sido alvo de hostilidade. Nas Leis, Platão recomendou vários graus de punição para ateus. Tomás de Aquino afirmava que os incrédulos deveriam ser “separados do mundo pela morte”. A famosa doutrina de tolerância de John Locke parou bruscamente com os ateus. No século XVIII, foi negado à David Hume, talvez o maior filósofo a escrever na língua inglesa, um posto universitário por 'suspeita de ateísmo'. Ainda no século XIX, ateus na Grã-Bretanha podiam ser processados ​​por blasfêmia. Nos Estados Unidos durante a década de 1950, "ateísmo" era praticamente sinônimo de "comunismo". Não é de admirar que uma doutrina tão desprezada tenha sido objeto de calúnia. Mesmo hoje, muitos conceitos errôneos sobre o ateísmo persistem.

 Acho que os sete equívocos mais comuns sobre o ateísmo são os seguintes:
  1. O ateísmo implica que a vida é absurda ou sem sentido.
  2. Os ateus, por não terem uma concepção do céu ou do inferno, não têm motivação para serem bons.
  3. O ateísmo é a afirmação de que não existem deuses. O ateísmo, portanto, deve provar uma negativa, mas é impossível provar uma negativa. Portanto, o ateísmo é uma doutrina impossível.
  4. Ateus, agnósticos e outros descrentes são uma pequena minoria, um “grupo marginal” dentro da população geral. Portanto, seus interesses e argumentos podem ser amplamente ignorados.
  5. Os ateus são intolerantes. Eles têm preconceito contra pessoas religiosas.
  6. O ateísmo mina o patriotismo e a boa cidadania. A América foi fundada em princípios cristãos, então o ateísmo destrói os próprios alicerces da civilização americana.
  7. Os ateus são os culpados do cientificismo, a deificação da ciência.
Alguns desses equívocos são populares principalmente entre os incultos ou pouco educados. O número três, por exemplo, é um gambito pseudo-intelectual comum, especialmente popular entre os jovens de dezenove anos que fizeram um ou dois cursos de filosofia e leram muito sobre Josh McDowell. Outros são mantidos por pessoas muito instruídas e sofisticadas. Devo considerar esses equívocos um por um.

(1) O ateísmo implica que a vida é absurda? O proeminente filósofo e apologista cristão William Lane Craig pensa que sim. Para o ateu, a vida humana é apenas um momento infinitesimal antes da sepultura eterna:
Se Deus não existe, o homem e o universo estão inevitavelmente condenados à morte. O homem, como todos os organismos biológicos, deve morrer. Sem esperança de imortalidade, a vida do homem leva apenas ao túmulo. Sua vida é apenas uma centelha na escuridão infinita, uma centelha que pisca e morre para sempre. Comparado com a extensão infinita de tempo, a extensão da vida do homem é apenas um momento infinitesimal; e, no entanto, durante toda a vida ele conhecerá... Pois embora eu saiba agora que existo, que estou vivo, também sei que um dia não existirei mais, que não existirei mais, que morrerei. Este pensamento é surpreendente e ameaçador: pensar que a pessoa que chamo de "eu mesmo" deixará de existir, que eu não existirei mais! (Craig, 1994, p. 57)
Quase não se sabe por onde começar ao comentar esta passagem notável. Acho que minha primeira impressão é de um egoísmo monumental. Certamente há algo monstruosamente egocêntrico em pensar que minha vida tem um significado tão transcendente que eu deveria ser uma exceção à lei cósmica - que meu ego deveria sobreviver quando planetas, estrelas e galáxias não existirem mais. Para quem realmente se preocupa com a "morte" definitiva do universo, o melhor conselho seria: "Vá viver!"

Mais especificamente, a premissa implícita da passagem acima é extremamente duvidosa. Por que a vida deve ser eterna para ser significativa? Por que não tirar a conclusão inversa e dizer que, uma vez que sabemos que a vida é passageira, devemos nos esforçar para experimentar todo o significado que pudermos dentro dessa curta bússola? A mensagem que devemos extrair de nosso conhecimento de nossa mortalidade é a seguinte: Você tem um número limitado de dias, horas e minutos. Portanto, você deve se esforçar para preencher cada um desses dias, horas e minutos com significado. Você deve se esforçar para preenchê-los com aprendizado e sabedoria, - com compaixão pelos menos afortunados, com amor pelos amigos e familiares, com fazer um bom trabalho, com lutar contra o mal e o obscurantismo e, sim, com desfrutar de sexo, TV, pizza e jogos de bola.

O que o Dr. Craig poderia dizer àqueles de nós para quem os tipos de bens mencionados acima - família, amigos, aprendizado, compaixão - constituem paradigmaticamente o sentido da vida? Acho que ele poderia dizer que estamos apenas nos enganando. Achamos que nossas vidas têm sentido quando, na verdade, são absurdas e sem sentido. Não sei o que dizer a alguém que insiste que minha vida não tem sentido quando me parece rica de sentido. Eu suspeito que ele está definindo implicitamente o “significado” de uma forma que começa a questionar. Mais provavelmente, acho que a negação de que a vida é significativa para os ateus é uma expressão de simples arrogância.

(2) Visto que os ateus não acreditam no céu e no inferno, que motivação eles têm para serem bons? Como Bertrand Russell observou há muito tempo, quem quer que faça essa pergunta não deve ter o conceito de bondade desinteressada. Não está claro se a questão do que motiva a moralidade realmente precisa de uma resposta. A virtude não deveria ser sua própria recompensa?

No entanto, talvez seja muito otimista esperar que as pessoas sejam boas sem uma recompensa e um castigo. O que os ateus podem dizer para a pessoa que diz "O que isso traz para mim?" quando advertido para ser bom? O que os ateus podem oferecer em comparação com o suborno do céu e o terrorismo do inferno?

Os ateus podem responder com referência a uma autoridade mais antiga que o Novo Testamento: Aristóteles. Aristóteles disse que o humano é um “animal político” e que as únicas criaturas que podem viver separadas da sociedade são as bestas ou deuses. Os eremitas são muito raros e quase sempre sociopatas ou fanáticos religiosos. Os humanos, então, são por natureza gregários. Encontramos nossa realização pessoal apenas nas relações com outras pessoas. Além disso, o bem-estar genuíno, eudaimonia para Aristóteles, só pode ser alcançado por meio da prática da virtude.

Por que ser bom? Porque ser bom - viver virtuosamente - é o único caminho para uma vida plena e autoatualizada. Vivendo virtuosamente, sustentamos aquelas relações sociais vitais - amizade, família, comunidade - sem as quais a vida é solitária, pobre, desagradável, brutal e curta. O vício leva à miséria. O pão-duro e o Filho Pródigo ficaram infelizes com seus vícios. A generosidade, que se encontra no meio-termo entre os vícios opostos da mesquinhez e da prodigalidade, promove a felicidade.

Mas Aristóteles não estava errado nisso? O mal não costuma nos deixar mais felizes do que o bem? Proverbialmente, a virtude não fica sem recompensa? Não é frequentemente dito, perversamente, que "nenhuma boa ação fica impune?"

Verdade, a vida é injusta. Os bons frequentemente sofrem, e os maus frequentemente morrem velhos, ricos e impenitentes. Mas não precisamos ir muito longe para afirmar que pessoas mesquinhas, podres e desagradáveis ​​geralmente têm vidas miseráveis. A prisão não é um lugar agradável. Mesmo que sejam inteligentes o suficiente para evitar a prisão, pessoas más geralmente têm vidas ruins. Eles podem ter bajuladores, mas poucos amigos de verdade. Eles podem comprar sexo de prostitutas ou esposas-troféu, mas raramente conhecem o amor verdadeiro. Seus vizinhos não falam com eles e seus filhos os abandonam. Eles podem morrer ricos, mas morrem sozinhos.

O espectro da punição eterna é um pouco demais para os ateus aceitarem, mas os ateus têm respostas prontas para aqueles que exigem "O que há de interessante para mim?" Além disso, todos os esforços dos pregadores do 'fogo e enxofre' não conseguiram tornar o inferno uma realidade para a maioria das pessoas. O medo de uma vida miserável no aqui e agora parece um motivador melhor.

(3) Os ferrenhos críticos do ateísmo costumam acusar o ateísmo de provar a proposição negativa “nenhum deus existe” e, uma vez que supostamente ninguém pode provar uma coisa negativa, isso mostra que o ateísmo é uma doutrina absurda. A primeira coisa a notar é que muitas vezes é possível provar negativas. Euclides provou que não existe um número primo mais alto. Posso provar que minha bicicleta não está no porão descendo as escadas, acendendo a luz e olhando ao redor.

Bem, e sobre a afirmação "deuses não existem?" Isso pode ser provado? Não, eu não acho que posso provar que Zeus, Odin, Yahweh, Quetzalcoatl, etc. não existem mais do que posso provar que unicórnios não existem. Mas nem toda crença racional têm que se apoiar em provas. Negamos a realidade de muitas coisas, não porque possamos contestá-las, mas porque simplesmente não há sentido em postular sua existência. Por que não acreditamos mais nos Motores Primários Aristotélicos? Porque não há necessidade deles em nossa compreensão atual do cosmos físico. Da mesma forma para deuses. O ateu simplesmente não vê que os deuses precisam ser invocados para explicar qualquer aspecto do mundo; agora temos melhores explicações. Mesmo onde nenhuma explicação física aceita existe atualmente, os ateus não veem razão para inventar um "deus das lacunas".

Além disso, a maioria dos ateus pensa que há evidências contra a existência de um deus em particular - o Deus do teísmo. Acho que a existência de uma infinidade de males aparentemente sem sentido é uma boa evidência contra a alegação de que um ser todo-poderoso e todo-bom criou o universo. Mesmo que essa evidência não seja uma prova, é um forte suporte para a afirmação de que Deus não existe.

Se, portanto, não há uma boa razão para pensar que Deus existe, e uma ou mais boas razões para pensar que ele não existe, é claramente mais razoável acreditar que Deus não existe do que acreditar que ele existe. Nesse caso, os ateus são eminentemente justificados em negar a existência de Deus, embora lhes falte uma refutação decisiva.

4) Um recente artigo na seção Editorial do Houston Chronicle descartou os descrentes como um “grupo marginal” - uma pequena minoria da população. A implicação é que, se há apenas algumas centenas ou mais de ateus ou agnósticos nos Estados Unidos, eles devem ser extremistas mal-humorados como pessoas sem-teto ou as que alegam ser abduzidas por alienígenas. Claro, essa objeção comete a falácia ad populum; a verdade não é determinada pelo número de seus adeptos.

Vamos jogar junto, porém, e ver se os descrentes são realmente um "grupo marginal" dentro da população.

De acordo com uma pesquisa recente do Gallup, 96% dos adultos americanos dizem que acreditam em Deus. No entanto, este número é menos útil do que parece, pois não indica o que os entrevistados quiseram dizer quando disseram que acreditavam em “Deus”. Sem dúvida, a vasta maioria entende por “Deus” a divindade tradicional e sobrenatural do Cristianismo ou Judaísmo ortodoxo. Certamente, porém, há um bom número de tipos da Nova Era e outros que querem dizer algo totalmente diferente quando afirmam acreditar em "Deus". Frequentemente, eles significam algo como "o Deus dentro de cada pessoa". Então, existem muitos unitaristas e outros cristãos “liberais” que afirmam acreditar em Deus, mas que interpretam “Deus” como uma metáfora ou algum outro conceito totalmente “desmitologizado”. Em outras palavras, o conteúdo real das crenças de muitos que dizem acreditar em Deus é provavelmente equivalente a ateísmo ou agnosticismo.

Aceitemos que apenas 4% da população adulta dos EUA não acredita em nenhum Deus ou deuses. Esta é provavelmente uma subestimativa, pelas razões apresentadas acima, mas vamos aceitá-la por uma questão de argumento. De acordo com o Resumo Estatístico dos Estados Unidos de 1997, a população dos Estados Unidos é de cerca de 265 milhões. Se definirmos “adulto” como aqueles com 20 anos ou mais, a população adulta dos Estados Unidos é de cerca de 189 milhões. Quatro por cento de 189 milhões são mais de 7,5 milhões. De acordo com o Resumo Estatístico de 1997, o número total de Metodistas Unidos nos Estados Unidos foi de cerca de 8,5 milhões. Assim, o número de descrentes adultos é quase igual ao número total de Metodistas Unidos, a segunda maior denominação protestante. Algum grupo marginal.

Claro, a América é um país notoriamente religioso. Se estendermos nossa visão em todo o mundo, a porcentagem de pessoas que não acreditam em deuses aumenta dramaticamente. Muitos milhões de pessoas no Japão e na China não acreditam em deuses. Mesmo que apenas 1% da população mundial não acredite em deuses, certamente uma subestimação grosseira, isso ainda é 60 milhões de pessoas - um número dificilmente desprezível.

5) Os ateus são intolerantes com pessoas religiosas? Há cerca de dez anos, dirigi um artigo às afirmações do apologista cristão J. P. Moreland. Afirmei que os ateus não arengavam com as pessoas nas esquinas ou visitavam pátios de escolas para distribuir folhetos. Em geral, afirmei, os ateus acreditam em “viva e deixe viver” e, ao contrário dos fanáticos fundamentalistas, fazem pouco esforço para fazer proselitismo.

Moreland questionou-me, dizendo que “só podia ficar maravilhado” com a minha afirmação de que os ateus geralmente não eram intolerantes com os crentes. Na época, eu só pude ficar maravilhado com sua surpresa. Nesse ínterim, fico triste em dizer, encontrei alguns ateus muito desagradáveis ​​que parecem ter prazer em atacar qualquer expressão de crença religiosa, não importa o quão inócua. Portanto, devo admitir a Moreland que, sim, os ateus às vezes podem ser tão ofensivos e desagradáveis ​​quanto os mais fanáticos fanfarrões da Bíblia.

Em geral, porém, os ateus são intolerantes com a religião? O que significa ser "intolerante com a religião?" Sou intolerante porque me oponho ao ensino do “Criacionismo Científico” ou orações obrigatórias nas escolas públicas? Sou intolerante porque me oponho ao uso de propriedade pública ou à alocação de dólares do contribuinte para promover a crença religiosa ou apoiar instituições religiosas? Sou intolerante porque me oponho à agenda política da Coalizão Cristã? Acho que se essas coisas me tornam intolerante com a religião, terei de aceitar o rótulo.

Vamos lembrar que muitos daqueles que lançam acusações de intolerância contra os ateus são eles próprios os exemplos mais notáveis ​​de intolerância em nossa cultura. Apesar das alegações nauseantemente hipócritas dos fundamentalistas de "amar o homossexual" enquanto "odiava seu pecado", os ataques histéricos contra gays pela direita religiosa é sintomática de um ódio profundo e visceral. Além disso, ativistas fundamentalistas representam o que Eric Hoffer chamou de "Mentalidade dos 100%". Se você não os apoia 100%, então não apenas você está errado, você é mau, literalmente "do diabo". Com pessoas assim, é difícil não ser considerado intolerante.

6) Os ateus podem ser bons cidadãos? A América não foi fundada em valores cristãos? As respostas curtas a essas perguntas são “sim” e “não”, respectivamente. Apesar do velho ditado, realmente houveram ateus em trincheiras. Os descrentes participam plenamente de todos os aspectos positivos da vida americana, incluindo o serviço militar e o serviço de júri. Eles pagam impostos, lutam para criar filhos decentes e cumpridores da lei e contribuem com dinheiro para instituições de caridade e tempo para trabalho voluntário. Simplesmente não há nenhuma evidência de que os ateus são menos honestos, trabalhadores ou patrióticos do que qualquer outra pessoa.

Mas não é o ateísmo uma ideologia antiamericana, oposta aos fundamentos cristãos da sociedade americana? A melhor resposta para essa pergunta é outra pergunta: Quais fundamentos cristãos? A Constituição dos Estados Unidos é um documento totalmente secular. Não há nada, absolutamente nada na Constituição que justifique qualquer afirmação sobre a política ou lei americana ser baseada na religião. Na verdade, a principal oposição à Constituição durante o período de ratificação veio de grupos religiosos que se opunham a ela como "ímpia".

Bem, as concepções de democracia, direitos humanos e dignidade humana não estão baseadas na tradição cristã? Não. A democracia foi inventada pelos pagãos gregos. O conceito de “direitos” é um produto de pensadores do Iluminismo que reagiram contra a visão cristã de que aqueles que discordavam do dogma estabelecido deveriam ser queimados. Quanto à noção de dignidade humana, que tipo de noção de dignidade humana pode ser fundamentada em um dogma que considera o ser humano digno da condenação eterna?

7) Finalmente, o ateísmo diviniza a ciência? Somos culpados de “cientificismo?” Tal como acontece com a questão da intolerância, gostaria de dar uma resposta pessoal. Considero a ciência a mais nobre das instituições humanas. A luta pela compreensão do cosmos, em face da sutileza da natureza e da malignidade do obscurantismo humano, é uma grande tarefa digna de nosso mais rico elogio. Além disso, acredito que a ciência é um empreendimento racional e progressivo que iluminou muitas coisas antes envoltas em trevas. Oponho-me veementemente aos esforços dos "pós-modernistas" para desacreditar as descobertas científicas como meras "construções sociais" e descartar os métodos científicos como "regras arbitrárias do jogo". Rejeito as epistemologias relativistas que consideram a ciência apenas como outra forma de discurso, nem melhor nem pior do que a poesia, a teologia ou a mitologia polinésia. Eu também rejeito as filosofias anti-realistas da ciência que negam que a ciência possa "dizer como é", mas só pode alcançar "adequação empírica". Esses compromissos me tornam "cientificista?". Nesse caso, mais uma vez, aceito com prazer o rótulo.

No entanto, certamente não considere a ciência como a única coisa valiosa na vida, como mostram meus comentários acima sobre o significado da vida. Mas e quanto a “outras maneiras de saber?” Não é científico insistir que a ciência é a única maneira de saber, e os ateus não costumam fazer isso ou afirmações semelhantes?

Estou curioso sobre essas "outras maneiras de saber". Quais são? Revelação? Bem, não vejo que a possibilidade de revelação deva ser excluída a priori. Mark Twain estava certo, porém, quando apontou que o que é revelação para você pode ser apenas boato para mim. A questão é que, se o conhecimento deve ser compartilhado, se deve se tornar propriedade da comunidade, deve ser de conhecimento público. Iluminações privadas, intuições pessoais e esclarecimentos místicos não devem ser menosprezados - na verdade, a própria ciência, pelo menos no contexto da descoberta, muitas vezes depende de palpites, palpites inspirados e até preconceitos. Mas, para convencer os outros, no contexto da justificação, simplesmente não podemos apelar para a experiência subjetiva. A ciência desenvolveu muitas ferramentas para testar afirmações e aprimorou essas ferramentas ao máximo. Onde essas ferramentas podem ser aplicadas, seríamos tolos se não as usássemos, mas é claro que nem todas as questões vitais para a vida humana podem ser respondidas com as ferramentas da ciência. Acho que se somos cientistas ou não depende de tentarmos aplicar as ferramentas da ciência onde elas são inadequadas. Exatamente onde devemos traçar a linha é uma questão de debate filosófico, e os filósofos, mesmo os filósofos ateus, discordam amplamente aqui.

Em conclusão, espero ter abordado os principais equívocos sobre o ateísmo. Tenho certeza de que minhas respostas não irão satisfazer aqueles para quem o ateísmo é um terrível bicho-papão. É claro que muitas pessoas seguem uma agenda política ou ideológica que exige que desacreditem o ateísmo. Para as pessoas de boa vontade, entretanto, talvez o ateísmo possa ser visto não como uma doutrina exótica ou extrema, mas como uma maneira razoável de atravessar este vale de lágrimas chamado vida.

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima.

Postagem Anterior Próxima Postagem