Tradução: Cezar Souza

As pessoas tendem a se preocupar profundamente com suas crenças políticas, religiosas, éticas e filosóficas. Para muitas dessas crenças, no entanto, você conhece pessoas que discordam de você e são, tão inteligentes, informadas e de mente aberta quanto.

Como você deve reagir ao reconhecer esse fato? Você deve perder a confiança em suas próprias crenças, ganhar confiança, rejeitar suas próprias crenças, adotar as crenças dos outros, suspender o julgamento sobre a questão ou alguma outra resposta? Este é o problema epistemológico do desacordo.

1. Desacordo entre pares

Os filósofos tentam entender o significado epistêmico da discordância inicialmente examinando casos idealizados de "desacordo entre pares". As pessoas são “pares epistêmicos” sobre algum assunto quando têm a mesma probabilidade de estarem corretas sobre tal assunto: elas são aproximadamente iguais em termos de informação, inteligência e virtudes intelectuais - os fatores que as tornam prováveis ​​de terem crenças verdadeiras. (Discordâncias reais muitas vezes não envolvem pares epistêmicos genuínos neste sentido; isso é discutido abaixo).
O problema é que quando os pares discordam sobre algum fato, pelo menos um deles deve estar incorreto: ao menos um deles possui uma falsa crença sobre o assunto. A discordância entre pares é preocupante, porque , uma vez que os pares têm a mesma probabilidade de estarem certos, é tão provável que um dos pares tenha cometido um erro quanto o outro.
Então, o que é racional fazer ao descobrir que um colega discorda? Embora você deva buscar evidências adicionais e verificar novamente seu raciocínio, a questão epistemológica central diz respeito sobre o que você deve acreditar.
Existem duas posições principais sobre o assunto. As visões conciliatórias de discordância afirmam que, ao descobrir uma discordância entre pares, você é racionalmente obrigado a diminuir sua confiança em sua crença, se não desistir dela por completo. Visões constantes de desacordo sustentam que pode ser racional continuar acreditando como você fazia antes.

2. Pontos de vista conciliatórios

As visões conciliadoras afirmam que, ao descobrir que um colega discorda de você sobre alguma afirmação, você deve mudar de ideia.
Existe um amplo espectro de visões conciliatórias, dependendo de quantas mudanças eles afirmam ser racionalmente necessário. A visão conciliatória mais discutida é a Equal Weight. De acordo com ela, sua crença e a de seu colega devem receber o mesmo peso probatório: cada uma deve ser vista como igualmente razoável. Esta pesagem igual é pensada para exigir que ambos os pares ‘dividam a diferença’ e se encontrem no meio. Portanto, se um par acreditava que Deus existe e o outro não acreditava que Deus existe, a visão do Equal Weight requer que ambos os pares agora suspendam o julgamento sobre se Deus existe: qualquer outra resposta seria irracional.
Dois casos, entre outras considerações, suportam a visão Equal Weight. Primeiro, a caixa do termômetro:

Você e eu estamos na mesma sala. Cada um de nós tem o que acreditamos ser termômetros igualmente confiáveis. Vemos que meu termômetro lê '72' e o seu, '74'.

 

O que devemos acreditar sobre a temperatura da sala? Acreditar que a temperatura é 72, simplesmente porque é isso que meu termômetro lê, seria arbitrariamente tendencioso. Não acreditar que é 72, já que seu termômetro "discorda", seria excessivamente deferente. A resposta racional, ao que parece, é suspender o julgamento sobre se é 72 ou 74: não devemos acreditar na temperatura de forma exata.

Em segundo lugar, o caso do Restaurant Check:

Cinco pessoas saem para jantar. Todas concordam em dividir o cheque igualmente, sem nos preocupar com quem pediu o quê. Eva faz as contas na sua cabeça e fica altamente confiante de que as quotas são de 43 dólares cada. Enquanto isso, sua colega Ava faz as contas em sua cabeça e fica altamente confiante de que a parte de todos é de $45 cada. [1]

 

Intuitivamente, Eva deveria desistir de sua crença de que as ações custam $43 ao saber que Ava discorda. Mais uma vez, devido à discordância, ela não deveria ter nenhuma crença particular sobre cada parcela da conta, e nem qualquer outra pessoa à mesa.

3. Visões Steadfast

Nem todos concordam com esses vereditos, ou pelo menos que os resultados intuitivos desses exemplos se generalizam para outros casos de desacordo entre pares. De acordo com a visão Steadfast, pode ser racional continuar acreditando exatamente como você acreditava antes de descobrir que seu colega discordava de você.
Várias motivações foram dadas para as visões steadfast. Alguns pensam que faz diferença quem raciocinou corretamente. Voltando ao caso do cheque, se Eva, de fato, fez as contas corretamente, então esta é uma diferença importante. Se ela avaliou corretamente suas evidências, ela deveria continuar acreditando nas suas ações. Saber que outra pessoa cometeu um erro com as evidências não deve fazê-la desistir de sua crença. [2] O apoio adicional para tal posição pode vir se pensarmos em desacordos mais extremos. Por exemplo, e se Ava acreditasse que cada parcela da conta deu $4.500? Eva ainda deveria reduzir sua confiança ou simplesmente descartar esse cálculo? [3]
Uma segunda fonte de motivação para as visões Steadfast vem ao pensarmos sobre autoconfiança. A ideia é que faz diferença você ser uma das partes que discorda. A confiança que você deposita em si mesmo e em suas próprias faculdades deve vir primeiro (ao contrário de um termômetro), de modo que isso pode quebrar a simetria na discordância.

4. Conclusão

Os debates sobre desacordos entre pares idealizados são difíceis. Embora pensar sobre as divergências entre colegas deva nos ajudar a descobrir como lidar com as divergências do dia-a-dia, as coisas ficam ainda mais complicadas com as divergências do mundo real. [4] Quando se trata de crenças políticas, religiosas, éticas e filosóficas, você conhece muitas pessoas que discordam (e concordam) com você. A maioria, senão todas, essas pessoas não são nossos pares epistêmicos, às vezes porque são nossos superiores epistêmicos: eles têm mais probabilidade de estar certos do que você sobre o assunto. Então, como devemos pesar todas essas opiniões? [5] E onde isso deixa nossas crenças no final do dia? Navegar por desentendimentos reais é ainda mais complicado do que desentendimentos idealizados complicados, mas, dada a importância de nossas crenças, é um trabalho importante que devemos fazer.

Notas

[1] Este caso segue Christensen (2007) p. 193.
[2] Veja Kelly (2005) para uma defesa mais detalhada dessa visão.
[3] Veja Lackey (2010) e Christensen (2009) para mais informações sobre divergências extremas.
[4] Ver King (2011).
[5] Além disso, essas opiniões nem sempre são defendidas de forma independente. Portanto, determinar como os números importam não é uma coisa fácil. Veja Lackey (2013).

Referências

Christensen, David (2007). “Epistemology of Disagreement: The Good News.” Philosophical Review 116: 187-218.

Feldman, Richard (2006). “Reasonable Religious Disagreements.” In L. Antony, ed., Philosophers without Gods: Meditations on Atheism and the Secular Life. New York: Oxford University Press.

Frances, Bryan and Jonathan Matheson (2018). “Disagreement” (co-authored with Bryan Frances). Stanford Encyclopedia of Philosophy (Spring 2018 Edition), Edward N. Zalta (ed.), URL = <https://plato.stanford.edu/archives/spr2018/entries/disagreement/>.

Kelly, Thomas (2005). “The Epistemic Significance of Disagreement,” in T. Gendler and J. Hawthorne, eds., Oxford Studies in Epistemology, vol. 1. Oxford: Oxford University Press.

King, Nathan. (2011). “Disagreement: What’s the Problem? Or A Good Peer is Hard to Find.” Philosophy and Phenomenological Research 85(2): 249-272.

Lackey, Jennifer (2010). “What Should We Do When We Disagree?” In Oxford Studies in Epistemology, Vol. 3. Eds. Tamar Szabo Gendler and John Hawthorne. Oxford: Oxford University Press.

Lackey, Jennifer (2013). “Disagreement and Belief Dependence: Why the Numbers Matter.” In The Epistemology of Disagreement, Eds. David Christensen and Jennifer Lackey. Oxford: Oxford University Press.

Matheson, Jonathan (2016). The Epistemic Significance of Disagreement. Hampshire: Palgrave.


Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem