Tradução: Iran Filho

Introdução

Recentemente, participei de uma discussão pública chamada “How do You Know”, na qual o ateu Peter Boghossian travou um diálogo com o cristão Richard Shumack sobre vários assuntos de religião e epistemologia. Esta peça foi escrita em parte como uma resposta a esse evento, embora eu também aproveite e me refira às inúmeras outras interações que observei entre ateus e cristãos, e pontos comuns que observei nelas. É necessário esclarecer desde o início que o título desta peça foi descaradamente adaptado do livro de Richard Shumack, The Wisdom of Islam and the Foolishness of Christianity, e que, ao falar de 'Ateísmo' e 'Cristianismo' dessa forma, eu não pretendo fazer generalizações abrangentes sobre esses diversos corpos de pensamento. Então, por favor, não leia 'ateus' como significando “todos ateus”. Em vez disso, estou falando sobre tendências gerais que observei pessoalmente, por meio das quais muitos ateus frequentemente fazem certos tipos de argumentos e refutações que acredito serem incorretos e mal pesquisados. Desnecessário dizer que muitos cristãos também fazem isso, no entanto, o que quero focar neste artigo são casos, muito mais comuns do que acho que muitos ateus gostariam de admitir, quando os argumentos ou refutações feitas por ateus são de qualidade muito inferior do que os argumentos cristãos contra os quais são dirigidos.

Ateus e Cientificismo

“A pior parte da filosofia é a filosofia da ciência; as únicas pessoas, até onde posso dizer, que leem obras de filósofos da ciência são outros filósofos da ciência. Não tem impacto nenhum na física, e duvido que outros filósofos o tenham lido porque é bastante técnico. E por isso é realmente difícil entender o que o justifica. E então eu diria que essa tensão ocorre porque as pessoas na filosofia se sentem ameaçadas, e elas têm todo o direito de se sentirem ameaçadas, porque a ciência progride e a filosofia não” - Lawrence Krauss 
“Minha preocupação aqui é que os filósofos acreditam que estão realmente fazendo perguntas profundas sobre a natureza. E para o cientista é: 'O que você está fazendo? Por que você está se preocupando com o significado do significado?'” - Neil deGrasse Tyson 
“Quase todos nós às vezes devemos nos perguntar: Por que estamos aqui? De onde nós viemos? Tradicionalmente, essas são questões para a filosofia, mas a filosofia está morta [...] os filósofos não acompanharam os desenvolvimentos modernos da ciência. Particularmente a física”- Stephen Hawking
Existe uma vertente muito proeminente do pensamento ateísta que, com vários graus de precisão, pode ser descrita como "científica", defendendo a visão de que os processos científicos são os únicos métodos confiáveis ​​ou justificáveis ​​para chegar ao conhecimento do mundo. Peter Boghossian fez observações nesse sentido inúmeras vezes, argumentando repetidamente que os métodos científicos são o caminho para a verdade e que olhar para a evidência objetiva é a única maneira verdadeiramente confiável de formar crenças.

Tenho alguma simpatia por esta linha de argumento. Aqueles que já estão por aí há algum tempo sabem que já defendi argumentos em linhas semelhantes antes. No entanto, recentemente me afastei de pelo menos algumas das formas mais extremas e menos cautelosas de tal "cientificismo", uma vez que não acredito que seja filosoficamente defensável. Schumack disse durante o evento "Os neoateus acreditam no cientificismo, mas os filósofos não" e, em essência, concordo com essa afirmação. Existem numerosos problemas filosóficos profundos com a ideia de que os métodos científicos são os únicos válidos, ou que podemos determinar o que é verdadeiro "olhando para as evidências" da maneira relativamente direta que Boghossian parece sugerir, ou que podemos dispensar análise filosófica ao abordar esses tipos de questões. Abaixo, darei apenas alguns exemplos ilustrativos de tais problemas, que os ateus normalmente não abordam e parecem geralmente despreocupados com:
  1. Evidências: o que são evidências? O que há em certos eventos ou experiências que os torna evidências de outra coisa? Sem surpresa, esta é uma questão filosófica acaloradamente disputada, que a ciência parece não ter as ferramentas para abordar por si mesma. Problemas filosóficos particularmente relevantes incluem a dependência da teoria da observação (em resumo, que não é possível interpretar qualquer evidência empírica na ausência de algum arcabouço teórico pré-existente) e a subdeterminação da teoria pela observação (ou seja, que sempre há uma grande variedade de possíveis explicações igualmente consistentes com quaisquer observações). Essas e outras questões semelhantes em epistemologia ou filosofia da ciência são essenciais para lidar se alguém quer defender uma metodologia epistemológica robusta "baseada em evidências", no entanto os ateus raramente abordam essas questões.
  2. Explicação: sabemos que a ciência explica as coisas, mas o que exatamente é uma ‘explicação’? Quais propriedades distinguem as explicações boas das ruins? Há pouco acordo sobre eles entre os filósofos, e nenhuma maneira clara de responder à pergunta dentro dos limites do que é geralmente considerado como "ciência". Podemos também perguntar o que há nas explicações teístas ou sobrenaturais que as tornam tão inferiores às fornecidas pela ciência em todas as circunstâncias? Boghossian disse a certa altura que mesmo que Jesus aparecesse para ele na frente de uma grande multidão de testemunhas, ele ainda não estaria convencido (eu fiz declarações semelhantes), porque ele não poderia descartar explicações alternativas, como alienígenas. A questão é: com base em que devemos concluir (como ele sugeriu, e outros declararam explicitamente) que uma intervenção alienígena constitui uma explicação melhor, ou é mais provável, do que uma explicação sobrenatural? A menos que assumamos a priori que as explicações sobrenaturais são inerentemente implausíveis, parece difícil justificar essa afirmação, pelo menos não sem muito mais análise e esclarecimento de conceitos relevantes do que os ateus normalmente fornecem.
  3. Probabilidade: Boghossian mencionou várias vezes "a probabilidade de que alguém tenha crenças verdadeiras" (que é uma linguagem muito semelhante àquela que sou conhecido por usar). Existem, no entanto, várias interpretações diferentes de probabilidade que implicam em diferentes interpretações do significado de declarações probabilísticas, como aquelas feitas por Boghossian, e pouco acordo sobre qual delas é "correta" ou quando diferentes concepções podem ser mais aplicáveis. Novamente, é difícil ver como tais disputas podem ser resolvidas dentro da própria ciência, sem o recurso à análise filosófica.
  4. Semântica: uma crítica bastante comum da filosofia é que ela se preocupa predominantemente com debates intermináveis ​​e amplamente sem sentido sobre o significado das palavras. Neil deGrasse Tyson expressa essa visão em parte em sua citação acima, e Boghossian sugeriu algumas noções semelhantes em vários momentos em sua apresentação. O problema com essas críticas é que não podemos absolutamente deixar de debater sobre o significado das palavras. Considere esta declaração: ‘a filosofia não é muito útil para aprender sobre o mundo; a ciência é muito mais adequada para encontrar a verdade '. Esta declaração (ou outras semelhantes a ela) é produto de raciocínio científico ou filosófico? Para mim, parece muito o último e não o primeiro, caso em que os fortes pontos de vista anti-filosóficos expressos por certos ateus são auto-destrutivos - eles estão fazendo afirmações filosóficas no ato de denunciar a filosofia. Se precisamos fazer filosofia para considerar uma questão como "o raciocínio científico é um método fundamental para encontrar a verdade?", Em primeiro lugar, precisamos considerar o que significa a palavra "ciência". Da mesma forma, ao analisar conceitos como "evidência", "razão" e "explicação", não temos outro recurso a não ser discutir os significados dessas palavras e os conceitos que elas tentam descrever. Talvez pudéssemos dizer 'não use palavras tão confusas, apenas diga com mais precisão o que você quer dizer'. Mas o que é que queremos dizer exatamente? Que palavras poderíamos usar no lugar de "explicação" ou "razão" para ser mais preciso? Para responder a essa pergunta, precisamos saber o que significam essas palavras, que é precisamente a pergunta que esperávamos evitar. Espero que o ponto a que estou chegando seja claro: os ateus precisam absolutamente fazer filosofia, e isso necessariamente envolve debater sobre o significado das palavras. Reclamar sobre isso é tolice e não resulta na substituição da filosofia por sua prima muito melhor, a ciência, mas, em vez disso, na substituição de alguma filosofia por outras formas ruins de filosofia.

Ateus e Jesus

“Não tenho ideia se Jesus foi uma figura histórica real” - Peter Boghissian 
“É até possível montar um caso histórico sério, embora não amplamente suportado, de que Jesus nunca viveu [...] embora Jesus provavelmente tenha existido, estudiosos bíblicos respeitáveis ​​em geral não consideram o Novo Testamento (e obviamente não o Antigo Testamento) como um registro confiável do que realmente aconteceu na história”- Richard Dawkins
No passado, critiquei muito os cristãos sobre sua falta de envolvimento com o que considero aspectos, questões e questões essenciais pertinentes à historicidade da ressurreição de Jesus. Aqui eu quero mudar a direção de tal crítica e enfatizar alguns pontos que eu fiz antes (e na verdade fortalecê-los até certo ponto), no que diz respeito à falta de engajamento sobre esses pontos por parte da maioria dos ateus. Em particular, pela minha experiência, parece que se os cristãos talvez geralmente não sejam tão informados sobre as questões de historicidade como eu acho que deveriam ser, os ateus são, em geral, pelo menos dez vezes piores. Apenas um pequeno número de ateus parece ter algum conhecimento ou interesse em tais assuntos, e mesmo muitos que parecem usar o conhecimento que possuem parecem bêbados usando um poste: Para suporte ao invés de iluminação (eu não inventei essa frase adorável, como basicamente todas as minhas ideias, ela foi descaradamente roubada).

Aqui, quero me concentrar em abordar algumas das falsidades, equívocos e irrelevâncias comuns que ouço de muitos ateus, alguns dos quais foram levantados por Boghossian ou por vários membros da audiência durante o período de perguntas.

Declarações totalmente falsas

  1. Jesus provavelmente nunca existiu: Embora eu me sinta um pouco desconfortável com a linguagem de alguns apologistas cristãos respondendo a isso, que usaram frases como "historicamente certo" (não acho que nada seja certo, muito menos na história antiga), mesmo assim estou de acordo com o impulso dessa resposta, a saber, que rejeitar a existência da pessoa histórica de Jesus é rejeitar a esmagadora maioria dos trabalhos acadêmicos sobre o assunto, tanto seculares quanto sagrados. Não temos evidência totalmente inequívoca além de toda dúvida concebível de qualquer tipo de que Jesus existiu, mas negar a historicidade de Jesus é rejeitar o consenso de especialistas relevantes em um grau semelhante ao que negam as mudanças climáticas e outros proponentes de teorias pseudocientíficas. Não acho que o miticismo de Jesus seja tão ruim quanto o criacionismo da Terra Jovem, mas a diferença em termos de solidez do consenso acadêmico é mais uma questão de grau do que de tipo. Expressar desprezo por um por ser ignorante de eruditos relevantes enquanto simultaneamente abraça o outro é, em minha mente, profundamente problemático.
  2. A Bíblia é um completo conto de fadas e não é um documento histórico: Esta declaração vai longe demais até mesmo para o Antigo Testamento, e certamente para o Novo Testamento. Certamente, muitos estudiosos levantaram questões sobre a historicidade de detalhes particulares dos relatos do Novo Testamento, por exemplo, os milagres e as narrativas do nascimento, mas dizer que o NT não tem conteúdo ou valor histórico é mais uma vez rejeitar completamente o consenso de estudiosos relevantes. Os ateus que fazem isso arbitrariamente tratam os documentos do Novo Testamento de maneira diferente de essencialmente todos os outros documentos antigos, que são igualmente escritos por pessoas tendenciosas (no sentido de não serem totalmente desinteressadas em seu assunto ou nas reações dos leitores) que mantêm pontos de vista que hoje nós teríamos provavelmente considerada duvidosa. A menos que um ateu deseje rejeitar na maior parte ou totalmente essencialmente todos os documentos antigos, é injustificável para eles se recusarem a considerar a evidência histórica do NT com base em tais considerações.
  3. A Bíblia foi traduzida e re-traduzida várias vezes: Boghossian não afirmou isso, mas é algo que eu ocasionalmente ouço ateus dizerem. A afirmação é falsa - as traduções inglesas atuais são compiladas por grandes equipes de estudiosos trabalhando a partir de documentos escritos no hebraico antigo original, grego e aramaico. Essas traduções e os documentos dos quais derivam não estão isentos de crítica em certos pontos, mas, no entanto, não se pode dizer que a Bíblia sofreu com as múltiplas rodadas de tradução. (Nota: isso era verdade para as primeiras Bíblias em inglês, que acredito foram traduzidas da Vulgata latina, por sua vez traduzidas do grego, mas esse não é mais o caso com as traduções modernas).
  4. A história de Jesus tem muitas semelhanças com outros deuses míticos: É verdade que a história de Jesus tem algumas semelhanças com afirmações sobre outras divindades. Em particular, as ideias de um nascimento virginal e de um "deus que morre e ressuscita" são encontradas em outras mitologias do mundo antigo. Mas as muitas listas de supostas semelhanças que encontramos postadas em vários fóruns online são em sua maioria imprecisas: algumas das semelhanças são inventadas, outras exageradas e, em todos os casos, as diferenças são ignoradas (os leitores podem pesquisar os detalhes em seu próprio lazer, não entrarei neles aqui). Além disso, mesmo que tais semelhanças existissem, não me lembro de alguma vez ter ouvido um ateu apresentar uma explicação clara sobre o que poderia ser inferido desse fato. Pelo menos para mim, a noção de que revelações divinas corrompidas pertinentes a Jesus poderiam ter se tornado entrincheiradas na mitologia de vários povos antigos explicaria tais semelhanças tão bem quanto a noção de que foram o produto de cópia cuidadosa pelos autores do Novo Testamento.

Irrelevâncias e distrações

  1. Os relatos do NT foram escritos décadas após os eventos que eles descrevem: A maioria (embora não todos) dos argumentos cristãos para a historicidade da ressurreição dependem da afirmação de que pessoas como Pedro e Paulo afirmavam ter parecido com o Jesus ressuscitado (sozinho e em grupos), e mais tarde foram duramente perseguidos por suas crenças. Que conhecidos pessoais de Jesus (que Paulo não era, mas Pedro e os outros apóstolos foram) fizeram tais afirmações é amplamente aceito por estudiosos relevantes e, portanto, é problemático para os ateus negarem (veja também acima sobre Jesus nunca ter existido). Se este fato crucial for aceito, então é em grande parte ou totalmente irrelevante quanto tempo depois do evento os evangelhos foram escritos, porque os detalhes históricos chave que eles contêm pertinentes ao assunto já foram admitidos. Se o ateu deseja argumentar que os evangelhos foram escritos muito tempo depois do evento que mesmo esse fato central não é confiável, então eles estão indo contra o consenso da erudição.
  2. Existem contradições e imprecisões no NT: Junto com (eu acho, embora não tenha visto dados de pesquisa) a maioria dos estudiosos, eu concordo que há eventos registrados no NT que são muito improváveis ​​de serem históricos e que são ambos aparentemente contraditório internamente e em desacordo com evidências extra-bíblicas (as narrativas do nascimento são meu exemplo favorito, as genealogias sendo outro). Alguns cristãos não concordam comigo nesses pontos, mas isso é irrelevante aqui. O ponto-chave é que o que penso sobre essas passagens, e de fato o que outros estudiosos pensam sobre elas, não é essencialmente relevante para a maioria dos argumentos que os cristãos fazem a respeito das evidências da ressurreição. Não importa que as contas de nascimento sejam problemáticas. A evidência, prossegue o argumento, repousa no testemunho ocular fornecido pelos apóstolos e outros e registrado (talvez não em primeira mão, mas registrado mesmo assim) no Novo Testamento.
  3. Existem muitas outras alegações de milagres concorrentes: Isso não é completamente irrelevante (e na verdade eu escrevi bastante sobre a questão das alegações comparativas de milagres), no entanto, não é suficiente para um ateu meramente citar a existência de alegações de milagres concorrentes em outras religiões, visto que a existência de falsos milagres não exclui a existência de milagres genuínos (embora possa muito bem alterar probabilidades relevantes a respeito de nossa crença de que o milagre é genuíno). Como com qualquer coisa, os detalhes de uma reivindicação, incluindo as evidências disponíveis e a presença potencial de explicações concorrentes não milagrosas, precisam ser examinados e comparados com aqueles de reivindicações concorrentes. Tenho criticado os cristãos por fazerem relativamente pouco esforço para fazer isso, mas na minha experiência os ateus tendem a ser igualmente desinteressados ​​em tal esforço, o que talvez seja ainda mais problemático, dado que os ateus tendem a passar mais tempo falando (pelo menos em geral termos) sobre 'outras alegações de milagre'.

Conclusões

Meu propósito ao escrever este artigo não é apontar o dedo ou sugerir que os ateus são estúpidos ou ignorantes (embora, sem dúvida, alguns sejam). Meu propósito é antes promover um diálogo melhor e mais cuidadosamente considerado entre cristãos e ateus, onde todas as pessoas reservem um tempo para pensar cuidadosamente sobre seus próprios argumentos e os de seus oponentes. Os ateus normalmente se orgulham de ser racionais e basear suas crenças em evidências, mas muitas vezes descobri que eles são muito menos consistentes na aplicação desses ideais a questões de religião e filosofia do que deveriam ser - não que eu mesmo seja perfeito, mas acho todos nós podemos nos esforçar mais. Apresentar argumentos que desprezam grosseiramente o trabalho acadêmico em assuntos relevantes, como infelizmente os ateus frequentemente fazem, não é útil para avançar no diálogo sobre esses assuntos tão importantes. Também não é consistente com uma busca implacável e imparcial (ou o mais próximo que podemos fazer) da verdade, onde quer que essa busca nos leve. Esta é a busca em que estou, e convido calorosamente todos os outros, cristãos e ateus, a se juntarem a mim.

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima.

Postagem Anterior Próxima Postagem