Autor: Ryan Stringer
Tradução: Iran Filho

Introdução

Há pouco mais de dois anos, eu estava trabalhando na defesa do argumento do mal na casa da minha mãe e, em algum momento, minha mãe e eu começamos a conversar sobre isso. Após uma longa e animada discussão, ela me perguntou por que defender o ateísmo era tão importante para mim. De todos os desafios que ela tinha para mim, eu não estava preparado para este. Embora eu tenha conseguido dar uma resposta, na época eu estava muito mais focado na luta do que no motivo de estar lutando. Desde então, refleti mais profundamente sobre esta questão, e o que se segue é minha primeira tentativa real de responder de forma ponderada à pergunta de minha mãe sobre o valor do ateísmo.

A questão do valor

Depois de aceitar a verdade do ateísmo, surgem questões sobre seu valor. Depois de concluir que provavelmente Deus não existe, o que acontecerá? Vale a pena defender esse fato? Os ateus deveriam se preocupar em refutar seus críticos e desenvolver argumentos para suas posições? Do ponto de vista “existencial”, acho que não há resposta certa ou errada; cada pessoa deve decidir por si mesma. Mas minha própria resposta é: sim, vale a pena defender o ateísmo, e certamente não pode ser feito sem refutar seus críticos e desenvolver argumentos a seu favor. No restante desta seção, apresentarei minhas razões para pensar que vale a pena defender o ateísmo.

Razões primárias

As principais razões pelas quais eu acho que vale a pena defender o ateísmo são as epistêmicas. A primeira dessas razões é bastante simples: o ateísmo é uma crença verdadeira ou racional. Como coisas valiosas tanto intrínseca quanto instrumentalmente, a verdade e a crença racional são bens muito importantes; portanto, qualquer crença será valiosa por ser verdadeira ou racional, e esse valor constitui um bom motivo para defendê-la. Outras razões epistêmicas para defender o ateísmo são constituídas por nossos deveres como agentes epistêmicos responsáveis. Como tais agentes, temos o dever de defender as crenças verdadeiras e racionais para seu próprio bem, bem como o dever de defender as crenças verdadeiras e racionais a fim de engendrar tais crenças em outros agentes epistêmicos. Claro, existem circunstâncias ocasionais em que seria imprudente ou insensível defender a crença verdadeira ou racional - por exemplo, tentar convencer um indivíduo delirante de que ele é irracional ou argumentar veementemente contra uma vida após a morte em um funeral. Mas, embora haja certamente casos em que há considerações morais ou práticas predominantes contra a defesa da crença verdadeira ou racional, a aceitação do ateísmo como uma crença racional verdadeira ainda fornece essas boas razões epistêmicas em favor de defendê-la.

Razões Secundárias

Existem várias razões secundárias para defender o ateísmo - razões que visam complementar as razões primárias. Se o ateísmo provavelmente não for verdadeiro ou racionalmente aceitável, então não vale a pena defendê-lo. No entanto, se alguém não deseja ou hesita em defendê-lo apenas pelas razões primárias, talvez as secundárias sejam suficientemente motivadoras.

1. Desprezo inspirado ou reforçado religiosamente

Uma vez aceito, vale a pena defender o ateísmo para combater o ódio, a violência e a discriminação que muitas vezes são motivados ou reforçados pela crença religiosa. Essa crença inspirou ou racionalizou inquisições, caça às bruxas, pessoas sendo queimadas na fogueira, cruzadas, ataques terroristas e assim por diante. Para algumas coisas, não está claro se a crença religiosa fornece motivação ou reforço. Indiscutivelmente, o monoteísmo ocidental tradicional foi e continua sendo hostil às mulheres (misógino), endossando ou sancionando as seguintes idéias. Primeiro, as mulheres são servas de segunda classe e propriedade dos homens. Em segundo lugar, as mulheres podem ser dadas aos homens pelos pais, compradas ou levadas como prêmios de guerra. Terceiro, as mulheres podem ser oprimidas internamente e ter seu acesso negado ao controle de natalidade. Quarto, as mulheres podem ser espancadas, queimadas, estupradas ou mortas impunemente (por exemplo, no Islã, as mulheres podem ser apedrejadas até a morte por não se cobrirem "adequadamente" ou queimadas com ácido por coisas como ir à escola). Finalmente, as mulheres são demonizadas como a fonte do mal por serem sexualmente desejáveis ​​(ou seja, são uma "tentação pecaminosa") e por serem supostamente responsáveis ​​pela queda da humanidade desde que, segundo a lenda, o primeiro homem aceitou livremente um fruto de a árvore do conhecimento oferecida a ele pela primeira mulher. Considerar as mulheres responsáveis ​​pela queda da humanidade, e vê-las como tentações para o pecado, provém unicamente da doutrina religiosa. Mas não está claro se as outras instâncias de misoginia são motivadas pela crença mais tradicional em Deus, ou se tal crença simplesmente reforça produtos já existentes de estruturas patriarcais. De qualquer forma, porém, a crença tradicional em Deus teve efeitos negativos na vida das mulheres por meio do ódio, violência e discriminação.

Os efeitos perniciosos da crença tradicional em Deus também afetam negativamente os não-heterossexuais. Talvez o exemplo mais saliente nos Estados Unidos hoje seja a negação do casamento e seus benefícios aos casais gays, que violam a "santidade" do casamento ou infringem o "plano de Deus". Aqui, a crença religiosa não apenas sanciona a discriminação flagrante, mas profana a Primeira Emenda e os direitos supostamente inalienáveis ​​garantidos aos cidadãos americanos pela Declaração de Independência. Claro, esse é o lado suave do heterossexismo religioso. Os não-heterossexuais também são vistos como desviantes do mal que merecem ser odiados e maltratados, e são até mesmo culpados pelos infortúnios de outros (aparentemente Deus pune algumas pessoas pelos pecados de outras). Isso pode resultar em agressões verbais, discriminação política e crimes violentos, como espancamentos e bombardeios. Em países totalmente teocráticos, os não-heterossexuais enfrentam a execução pelo estado. A defesa dos não-heterossexuais das ultrajantes injustiças de crentes zelosos anda de mãos dadas com a defesa do ateísmo.

Embora os não-heterossexuais e as mulheres constituam bem mais da metade da população dos Estados Unidos, um grupo ainda maior ameaçado pela crença tradicional em Deus são os “pecadores” - que basicamente englobam toda a raça humana! De acordo com as visões de mundo judaico-cristã e islâmica, a natureza humana é definida pela transgressão: Somos pecadores que cometemos nosso próprio pecado e herdamos o pecado de nossos ancestrais mais antigos e, portanto, necessitamos infinitamente de purificação. Esta caracterização negativa e desumanizante dos humanos, junto com a bondade de punir os malfeitores, torna muito mais fácil "punir" outros com maus tratos severos por pecados reais ou imaginários, e fornece às pessoas uma saída "legítima" e até "nobre" para seu sadismo. [1] Acabar ou prevenir o dano e a injustiça sancionados por esta racionalização para o sadismo, ao mesmo tempo que visa uma representação completa e mais precisa dos seres humanos, é outra razão para lutar contra a crença tradicional em Deus.

É claro que um crítico poderia admitir tais razões para defender o ateísmo, ao mesmo tempo que ofereceria razões semelhantes para atacar o ateísmo. O ateísmo também, pode-se argumentar, pode ter consequências negativas; basta olhar para os gulags de Stalin ou a repressão comunista na China. [2] Visto que tanto o teísmo quanto o ateísmo estão associados a consequências negativas, pode-se argumentar que esses tipos de razões são de ambos os lados e não apóiam a defesa de nenhum dos dois pontos de vista. Mas, embora os ateus sem dúvida tenham feito coisas ruins, é muito duvidoso que seu ateísmo tenha sido o fator motivador por trás de tal comportamento - pois não há textos canonizados, instituições ou ideologias do ateísmo que endossem a amoralidade ou que sugiram, exijam ou ofereçam grande recompensa por fazer coisas ruins em nome do ateísmo. Nos estados comunistas, não é o ateísmo que exige mau comportamento, mas sim certas interpretações do comunismo. Na verdade, como o comunismo funciona muito como uma religião - mais como uma ideologia política do que religiosa - esses exemplos não reforçam realmente essa objeção. Parece mais promissor para nosso crítico imaginário argumentar que o ateísmo pode reforçar o mau comportamento; mas isso também é bastante improvável, dado que não há textos canonizados, instituições ou ideologias do ateísmo para fazer o reforço. Claro, podemos imaginar casos em que a crença ateísta poderia reforçar o mau comportamento; mas mesmo nesses casos hipotéticos, tal comportamento é muito provavelmente devido à rejeição do teísmo conjugado com a falsa crença residual - promovida por várias tradições religiosas - de que os princípios morais e a motivação são baseados apenas no teísmo. Portanto, parece que haveria mais culpa pelo alegado mau comportamento vindo de ateus com a tradição religiosa do que com o ateísmo, pelo menos na medida em que a tradição religiosa afirma firmemente que Deus é necessário para que o comportamento moral tenha qualquer justificativa.

Suponha que admitamos que o ateísmo tenha algumas consequências negativas genuínas. Esse pode ser simplesmente o preço que temos de pagar pela promoção da verdade e da crença racional. Felizmente, em contraste com as consequências negativas do teísmo tradicional (que poderiam encher muitos volumes), as supostas consequências negativas da crença ateísta são provavelmente escassas, na melhor das hipóteses, e, portanto, o preço que devemos pagar é provavelmente muito pequeno. Além disso, ao contrário das presunções dogmáticas de muitos teístas, os ateus são como as outras pessoas no sentido de que tendem a não ser desviantes imorais e desonestos. Em vez disso, eles tendem a ser honestos e prestativos, liberais e tolerantes e menos propensos a ser violentos e cometer crimes do que certos tipos de indivíduos religiosos. [3] Portanto, mesmo que haja consequências negativas da crença ateísta, elas são minúsculas em comparação com as do teísmo tradicional e provavelmente não serão muito; portanto, lutar contra os efeitos negativos do teísmo tradicional ainda é uma boa razão para defender o ateísmo.

Finalmente, alguém poderia objetar que lutar contra as consequências negativas do teísmo tradicional não nos dá uma razão para defender o ateísmo per se. Tal razão poderia ser usada para justificar igualmente a defesa de qualquer sistema de crenças que tente combater os efeitos nocivos do teísmo tradicional, incluindo outros sistemas de crenças teístas. Embora isso seja verdade, não significa que combater os efeitos nocivos do teísmo tradicional não seja um bom motivo para defender o ateísmo. Na verdade, quaisquer boas consequências (ou potenciais) de defender crenças verdadeiras ou racionais fornecem boas razões para fazê-lo, independentemente de essas consequências resultarem ou não apenas dessas crenças. Por exemplo, se um aluno pode estudar igualmente bem em qualquer cafeteria da cidade, mas não pode estudar bem em seu apartamento, então ele tem um motivo igualmente bom para ir a qualquer cafeteria antes de um teste. Embora a necessidade de um bom ambiente de estudo não seja um motivo para ir a uma cafeteria em particular, em vez de todas as outras, ele ou ela ainda tem uma boa razão para ir a qualquer uma dessas cafeterias, porque isso estimularia os estudos. Da mesma forma, mesmo que diferentes sistemas de crenças combatam os efeitos nocivos do teísmo tradicional, ainda temos uma boa razão para defender o ateísmo porque é um sistema de crenças. Claro, pode não ser o caso de o ateísmo ser tão eficaz na luta contra os efeitos nocivos do teísmo tradicional quanto outros sistemas de crenças, então podemos ter uma razão melhor para defender um sistema de crenças diferente a fim de combater os efeitos nocivos do teísmo tradicional . No entanto, lutar contra os efeitos negativos do teísmo tradicional pretende ser uma razão suplementar para defender a verdade ou a racionalidade do ateísmo - não deve ser tomado isoladamente. Para voltar à minha analogia com a cafeteria, poderíamos dizer que o ateísmo é como a cafeteria que você deve ir porque, embora possa não fornecer o melhor ambiente de estudo, tem um ambiente de estudo muito bom junto com a única coisa que outros não têm: Aquele balconista encantador atrás do balcão que consome todas as suas reflexões românticas.

2. Desenvolvimento de Ética Secular e Políticas Públicas

Outra razão para defender o ateísmo é promover o desenvolvimento de uma moralidade secular e de políticas públicas baseadas nas preocupações de criaturas reais e sencientes. A moralidade religiosa normalmente trata os desejos de Deus como primordiais e considera seus mandamentos como inerentemente corretos, independentemente de seus efeitos sobre o bem-estar humano. Por exemplo, a Igreja Católica se opõe categoricamente ao controle da natalidade, embora isso pudesse impedir a superpopulação, reduzir a propagação da AIDS e impedir que crianças nasçam na pobreza, doença e violência. Além disso, o controle da natalidade permite que os seres humanos se envolvam em atividades sexualmente prazerosas com menor risco de gravidez indesejada e menor transmissão de doenças sexualmente transmissíveis. A posição de "abster-se ou reproduzir" da Igreja Católica é muito prejudicial ao bem-estar humano e não tem outra justificativa além do suposto endosso infalível de Deus.

Além de minimizar ou ignorar os interesses humanos, a crença tradicional em Deus tende a promover a obediência sobre a autonomia, a fraqueza sobre a força e a dependência sobre a independência. De todas as virtudes religiosas, a obediência a Deus é a mais fundamental. (Por exemplo, “Islã” significa literalmente submissão a Deus.) Essa obediência é cega e absoluta e, portanto, envolve a execução, sem dúvida, de qualquer ação que se pensa que Deus ordena. Mas essa mentalidade é antitética à nossa necessidade de pensar e agir como agentes racionais e autônomos; na verdade, nega que devamos ser agentes racionais e autônomos. Pode-se argumentar que tal obediência é incompatível com ser um agente moral que se engaja no raciocínio moral e adere aos preceitos morais. [4] Para ser virtuoso, deve-se agir de acordo com preceitos que possamos aprovar conscienciosamente após deliberação; mas isso é precisamente o que perdemos pela obediência perfeita. Para piorar as coisas, a exigência de renunciar à nossa autonomia incentiva a fraqueza e a dependência, que são então reforçadas por slogans como “Deus é a minha força”. Outra boa razão para defender o ateísmo, então, é encorajar a promoção de regras éticas e políticas públicas baseadas exclusivamente nos interesses de animais humanos e não humanos, e a promoção de verdadeiras virtudes compatíveis com a agência moral.

3. Resolvendo os problemas do mundo

Muitas pessoas pensam que acreditar em Deus é a solução para os problemas do mundo. No entanto, milhares de anos de crença religiosa generalizada fizeram pouco ou nada para resolver esses problemas e, em muitos casos, realmente causaram problemas adicionais ou intensificaram os existentes. Em vez de resolver nossos problemas, colocar fé em um ser inexistente para resolver nossos problemas para nós impede o pensamento fecundo e soluções reais. [5] A oração não acabou com coisas como guerra e fome; apenas os esforços humanos reais “no terreno” o mitigaram. Imagine como a vida poderia ser muito melhor se toda a energia atualmente consumida na oração fosse, em vez disso, direcionada para o trabalho genuíno com organizações que tentam acabar com a guerra e a fome, ou para pensar em novas soluções para esses problemas. Pense em todas as soluções reais para as doenças e enfermidades que a ciência oferece, e em como o mundo seria pior se a fé e a oração fossem consideradas as únicas soluções. Seguir os passos dos cientistas na busca de soluções reais para os problemas é mais um bom motivo para defender o ateísmo.

4. Restaurando o valor da vida terrena

A crença em um Deus tradicional freqüentemente resulta na desvalorização desta vida terrena em favor de uma vida após a morte. Se alcançar a bem-aventurança eterna ou evitar o castigo eterno é o único objetivo da vida terrena, então esta vida é um mero meio para um fim muito mais importante. Mas se a vida terrena tem apenas valor instrumental, e a vida após a morte é o foco real, então se torna mais fácil realizar e racionalizar atos horrendos se pensarmos que levam à salvação e à bem-aventurança eterna. Um exemplo óbvio disso são os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos por muçulmanos fundamentalistas que acreditavam que seus ataques garantiriam sua entrada no céu (onde 72 virgens estariam esperando para fazer sexo com eles na chegada - fale sobre um óbvio fantasia patriarcal!). Pior ainda, torna-se ainda mais fácil realizar e racionalizar atos horrendos se pensarmos que eles não apenas garantem a entrada no Céu, mas evitam o fogo eterno do Inferno. Com a perspectiva de recompensa máxima ou punição máxima, o que é feito na vida terrena, não importa o quão horrível, pode se reduzir à insignificância na psique do crente. Outra razão para defender o ateísmo, então, é combater essa desvalorização da vida terrena.

Claro, um crítico poderia admitir isso e mais uma vez tentar oferecer um motivo semelhante para atacar o ateísmo, porque ele pode levar à desvalorização da vida terrena também. Se não houver vida eterna após a morte, nem consequências eternas para nosso comportamento terreno, então o que importa o que fazemos? Por que não saquear a terra e usar tudo nela para o que quisermos? Embora tal consequência do ateísmo possa ser possível, está longe de ser comum e na verdade é um sintoma da visão de valor instrumental da vida terrena contra a qual os ateus provavelmente argumentarão. Pois tais questões surgem apenas se (a) a vida terrena é vista como apenas capaz de ser instrumentalmente valiosa e (b) não há vida após a morte e, portanto, não há fim para dar qualquer valor à vida terrena. Em contraste, tais questões não surgem se não pressupormos (a) e, em vez disso, tratarmos o conteúdo de nossas vidas terrenas como intrinsecamente valioso - todas as ações e eventos importam porque isso é tudo o que existe. Longe de desvalorizar a vida terrena, os ateus tendem a se interessar em maximizar a bondade de seu conteúdo, o que requer tratá-la como um fim em si mesma e não como um mero meio para uma vida fictícia após a morte.

5. Aceitando nosso lugar na biosfera

Outra ideia comum ligada à crença tradicional em Deus é a crença em nossa superioridade cósmica - que somos criados à imagem de Deus e que possuímos o mundo porque ele foi criado para nós por Deus. Segundo esse ponto de vista, nossos interesses são de suma importância, enquanto os de outras coisas vivas são insignificantes ou completamente sem importância. Consequentemente, reivindicamos direitos de propriedade sobre outros animais e os tratamos como desejamos, não importa o quão insensível ou cruel seja. Claro, esta não é uma consequência necessária da crença tradicional em Deus; alguns crentes concordam que os interesses e o bem-estar dos animais não humanos devem ser incluídos em nossos cálculos morais. No entanto, foi somente depois que Jeremy Bentham introduziu sua ética secular utilitarista que muitas pessoas concederam o status moral de animais; e o utilitarismo surgiu como uma alternativa à moralidade institucionalizada do cristianismo que dominou a civilização ocidental desde Constantino. Outra boa razão para defender o ateísmo, então, é lutar contra o especismo institucionalizado que freqüentemente acompanha a crença tradicional em Deus.

6. O Deus tradicional cria um modelo de papel terrível

Os crentes consideram amplamente o Deus tradicional do monoteísmo ocidental como o modelo de virtude moral; afinal, ele é moralmente perfeito por definição. No entanto, seus textos sagrados dificilmente retratam esse Deus como um modelo aceitável. Vamos começar com o relato de seus textos sobre seu comportamento como um tirano egoísta, cruel e faminto por controle: ele faz o que quer, comanda a obediência perfeita aos seus desejos primordiais e importantíssimos, nos ameaça com punição máxima eterna e administra punição terrena severa pela desobediência, e reitera direta e constantemente em todos os textos sagrados que os seres humanos devem temê-lo. Certamente não é o tipo de comportamento que esperaríamos de um ser onibenevolente e moralmente perfeito que nos ama. Além disso, o Deus tradicional é retratado como possuidor de uma vaidade inacreditável: ele não só precisa ser louvado e adorado constantemente, mas criou os humanos justamente para esse propósito, e criou um lugar de miséria eterna para aqueles que não cumprem esse propósito. Este retrato de um narcisista louco está muito aquém do nosso conceito de perfeição moral. Finalmente, embora Deus supostamente saiba o que precisamos antes de pedirmos, ele espera que imploremos e imploremos pelo que precisamos antes de possivelmente conceder. É esta cruel e gratuita demonstração de poder que nos humilha e degrada o que esperaríamos de um pai amável e amoroso ou de um ser moralmente perfeito? Imagine como o mundo seria pior se imitássemos esse tipo de comportamento para melhorar a nós mesmos. E, no entanto, um Deus que supostamente se comporta dessa maneira é considerado não apenas um modelo, mas também um modelo para a humanidade por muitos, se não pela maioria dos crentes. Permanecer firme contra a promoção desse tipo de Deus como um modelo para o comportamento humano é outra razão para defender o ateísmo.

7. Desprezo pelo pensamento livre

Minha razão final para me opor à crença tradicional em Deus é o antiintelectualismo que frequentemente a acompanha. Para muitos crentes tradicionais e instituições religiosas, a fé em Deus foi moralizada a ponto de a descrença ser considerada um pecado grave e, portanto, qualquer dúvida ou pensamento crítico que possa levar à descrença também é considerado pecaminoso. A crença tradicional em Deus também sustenta uma estrutura ideológica completa, onde qualquer investigação independente baseada em nossas faculdades racionais que possam desafiar essa estrutura é temida, desaprovada e combatida (por exemplo, biologia evolutiva). Como Bertrand Russell bem colocou, para muitos crentes e instituições religiosas, “é seu negócio expor uma verdade imutável, revelada de uma vez por todas na perfeição absoluta, de modo que se tornem necessariamente oponentes de todo progresso intelectual e moral”. [6] Portanto, além de impedir o progresso, a ideologia religiosa é inaceitavelmente hostil e condena nosso desejo de pensar livremente como seres racionais e autônomos - algo que podemos legitimamente reivindicar como um direito.


A questão da ação

Se aceitarmos que vale a pena defender o ateísmo - que devemos refutar nossos críticos e oferecer argumentos a favor do ateísmo - com que proatividade devemos promovê-lo? Desde que não encorajemos a violência (por exemplo, bombardear igrejas aleatórias) ou de outra forma promover um comportamento antiético, parece não haver uma resposta correta; cada pessoa deve escolher o quão pró-ativo deseja ser. Pessoalmente, acho que os indivíduos devem ser francos sobre seu ateísmo na maioria das circunstâncias e, no mínimo, responder a desafios diretos ou afirmações teístas (a menos, é claro, que haja considerações morais ou práticas imperiosas para não fazê-lo: não se deve ser estridente de que não há vida após a morte em um funeral). No nível mais extremo, os ateus poderiam bater de porta em porta, reclamar em campi universitários e esquinas, ou desafiar diretamente a família e amigos sem primeiro serem provocados; mas tenho aversão a encorajar os ateus a agirem como análogos aos evangelistas irritantes, hipócritas e francos.

Um nível mais respeitável de ativismo evitaria tais atividades contraproducentes. Pode incluir fazer panfletos e deixá-los na porta; montagem de cabines de informações em campi universitários; organização de fóruns ou debates públicos; escrever livros, artigos, poemas e assim por diante que promovam o ateísmo; ou perguntando a familiares e amigos se gostariam de ter uma discussão religiosa e permitindo-lhes entrar nela livremente. Esses métodos menos aversivos de apresentar o ateísmo às pessoas não seriam confrontadores ou invasivos; as pessoas podem jogar fora panfletos que não querem ler, passar por cabines de informações, se abster de fóruns ou debates públicos, ignorar a literatura ateísta ou se recusar a participar de discussões críticas sobre religião. Além disso, esse tipo de ativismo aberto parece tornar mais provável para os crentes ouvir nossas opiniões e dar uma consideração séria ao ateísmo. Em outras palavras, é prático e respeitável promover o ateísmo dessa maneira moderada.


Existem benefícios indispensáveis ​​do teísmo?

Nesse ponto, um crítico poderia argumentar que, apesar de minhas razões primárias e secundárias para defender e promover o ateísmo, os benefícios da religião são tão grandes e únicos que ainda é melhor para as pessoas acreditarem em um Deus tradicional. Esses supostos benefícios se enquadram em duas grandes categorias: Morais e psicológicos.


1. Benefícios morais

Uma linha de raciocínio muito comum sustenta que Deus é necessário para fundamentar quaisquer princípios morais e que os benefícios de reconhecer que existem tais fundamentos para se comportar moralmente superam as consequências negativas da crença tradicional em Deus. No entanto, a ideia de que Deus é necessário para fundamentar os princípios morais é patentemente falsa. Os princípios morais são determinados independentemente pela (ou fundamentados) na natureza das coisas, ou são determinados por outra coisa. Se supomos que nenhum padrão moral é determinado pela natureza das coisas, temos que concluir que a outra coisa que determina o certo e o errado é a vontade de Deus? Certamente não - em vez de tomar o decreto de Deus como a base da moralidade, poderíamos da mesma maneira determinar os princípios morais por nosso próprio decreto. Porque podemos fundamentar a moralidade nós mesmos pelo menos tão bem quanto Deus poderia, Deus não é necessário para fazer isso. Por outro lado, se supormos que existem padrões morais independentemente determinados pela natureza das coisas, então, novamente, Deus não é necessário para a moralidade porque está fundamentada independentemente dele.

Talvez Deus não seja necessário para fundamentar princípios morais, um crítico pode admitir, porque o certo e o errado são estabelecidos independentemente do decreto de Deus; mas um Deus onisciente ainda pode ser necessário para nos revelar o que é certo e o que é errado. Sem Deus, prossegue o argumento, não teríamos como saber dessas coisas. Mas por que devemos pensar que isso é verdade? Certamente não é óbvio que não podemos descobrir o que é certo e errado por conta própria, e não vejo nenhuma boa razão para acreditar que não possamos. E, em qualquer caso, os comandos e comportamentos descritos por Deus são horríveis - vários textos sagrados e instituições religiosas retratam Deus ordenando ou sancionando ações que estão em conflito com nossas sensibilidades morais por completo. Além disso, este mundo contém uma quantidade enorme de mal aparentemente gratuito, então é altamente duvidoso que qualquer Deus responsável por este mundo possa ser razoavelmente considerado moralmente perfeito. Consequentemente, a confiabilidade de Deus como um repórter moral é altamente duvidosa, deixando-nos apenas com nossas próprias faculdades cognitivas para decidir questões morais.

Mesmo que Deus não seja necessário para fundamentar princípios morais ou revelar o que é certo e errado para nós, há mais uma maneira pela qual Deus pode ser necessário para a moralidade. A crença tradicional em Deus está entrelaçada com a crença na recompensa ou punição pós-morte eterna por comportamento terreno. Se tal crença fornece uma motivação essencial (ou mesmo a única) para as pessoas ajudarem os outros ou se comportarem moralmente em geral, então pode ser socialmente benéfico demais para desencorajar. Sem a perspectiva de recompensa ou punição divina, prossegue o argumento, ninguém teria uma razão - ou talvez razão suficiente - para ajudar os outros ou agir moralmente. No entanto, a ideia de que a crença no julgamento eterno de Deus é necessária para motivar o comportamento altruísta e moral é novamente patentemente falsa. Afinal, muitas pessoas fazem coisas boas sem ter nenhuma motivação religiosa, porque ajudar os outros ou agir moralmente é intrinsecamente valioso - isto é, o bem por si só. Como tal, ajudar os outros ou agir moralmente não requer nenhuma motivação externa; em vez disso, é sua própria recompensa. Na verdade, muitos teístas prestativos e moralmente bons provavelmente exibiriam tal comportamento, independentemente de acreditarem ou não em Deus. No máximo, sua crença em Deus pode reforçar o fato de serem altruístas e morais, mas duvido muito que seja a principal ou única razão pela qual agem dessa forma. Pelo contrário, acho que pessoas altruístas e moralmente boas agem como agem porque tal comportamento é sua própria recompensa e, portanto, é intrinsecamente motivador - sejam eles teístas ou não.

Mas talvez nosso crítico imaginário defendesse uma afirmação mais fraca: a de que a crença tradicional em Deus fornece uma motivação essencial para que algumas pessoas pelo menos ajam moralmente. Embora a ameaça de punição humana possa fornecer algum incentivo para ser moral, é possível derrotar o sistema legal, dominar ou se esconder de punidores em potencial, ou fazer com que nossas ações imorais passem despercebidas. Sem a perspectiva de um castigo divino inevitável, prossegue o argumento, aqueles que não se intimidam com a ameaça de um castigo humano não têm motivos suficientes para serem morais.

Embora possa haver um pouco de verdade nessa preocupação, a crença em recompensas e punições pós-morte parece improvável que reprima muitas pessoas imorais. A maioria das pessoas é provavelmente motivada moralmente ou suficientemente dissuadida de agir de forma imoral pela perspectiva de punição humana. Os poucos que não o são, tampouco serão dissuadidos pela perspectiva de punição divina. Uma vez que qualquer punição pós-morte pelas transgressões de uma pessoa seria adiada por talvez décadas, a perspectiva de tal punição é provavelmente muito remota para ter o efeito dissuasor imediato necessário. Os humanos, como outros animais, respondem bem às recompensas e punições que seguem de perto seu comportamento. Quanto mais essas recompensas e punições forem atrasadas, menos provável será que influenciem nosso comportamento. Portanto, não é provável que a punição divina forneça motivação para ser moral para aqueles que não têm outra motivação para ser moral. Na verdade, nossas prisões superlotadas fornecem suporte empírico para isso e para a improbabilidade de que a crença na recompensa pós-morte forneça motivação moral suficiente para esses indivíduos agirem moralmente. Como a crença tradicional em Deus provavelmente não motiva o comportamento moral e (na melhor das hipóteses) pode motivar apenas um pequeno número de indivíduos, esse possível benefício é muito pequeno para compensar minhas razões para defender e promover o ateísmo na maioria das circunstâncias.


2. Benefícios psicológicos

Um benefício psicológico comumente alegado para a crença tradicional em Deus é que ela dá sentido e propósito à vida, que, se verdadeiros, podem superar os aspectos negativos dessa crença. Mas as pessoas podem (e fazem) criar seu próprio significado e propósitos sem buscá-los de Deus, adaptando seus projetos de vida e objetivos aos interesses deles e dos outros, ao invés de tê-los impostos de fora. Como esse benefício não é exclusivo da crença em Deus, não constitui um bom motivo para abster-se de defender e promover o ateísmo. (Na verdade, o benefício de significado e propósito pode ser encontrado na defesa e promoção do ateísmo.)

Outros benefícios psicológicos da crença tradicional em Deus, ou de suas instituições de apoio, podem superar quaisquer aspectos negativos dessa crença. Por exemplo, a crença em um Deus que nos ama, cuida de nós ou está ao nosso lado pode proporcionar conforto, confiança, força e auto-estima, dada a bondade intrínseca de ser amado e apoiado. Além disso, acreditar que somos todos filhos de Deus pode gerar um senso de comunidade que une as pessoas e fornece mais conforto, confiança, força e apoio geral. Embora seja verdade que a crença em Deus pode fornecer esses benefícios, mais uma vez tal crença não é necessária para garanti-los. Em vez disso, esses benefícios podem ser obtidos por meios seculares. Por exemplo, saber que outras pessoas nos amam, cuidam de nós ou estão ao nosso lado pode proporcionar conforto, confiança, força e auto-estima, dada a bondade intrínseca de ser amado e apoiado. Além disso, ser autônomo e autossuficiente (o que normalmente é desaprovado pelas instituições religiosas) é outra fonte de força e confiança.

Além disso, um senso de comunidade e seus benefícios relacionados podem ser gerados por crenças seculares - como o fato de que todos somos seres humanos com sentimentos, necessidades, desejos, interesses e objetivos, e vivemos em um universo indiferente e às vezes cruel. Como esses benefícios não se limitam àqueles que acreditam em Deus, eles não constituem um bom motivo para se abster de defender e promover o ateísmo.

Além disso, a crença tradicional em Deus está doutrinariamente ligada à crença em uma vida eterna após a morte que promete a recompensa máxima - especialmente a de se reunir com entes queridos mortos. Não parece haver nenhum equivalente secular aos benefícios psicológicos que acompanham a crença na vida após a morte. No entanto, a ideia da morte como um descanso eterno e uma libertação de todo o mal para nós e nossos entes queridos também é muito reconfortante e benéfica. Como Arthur Schopenhauer lindamente coloca, a morte é o retorno à "bendita calma do nada". [7] Além disso, o benefício de acreditar em uma vida eterna e maximamente gratificante deve ser temperado pelo custo de reconhecer a possibilidade correspondente de terminar em uma vida após a morte eterna e maximamente punitiva; e se um destino é tão provável quanto o outro, quaisquer benefícios psicológicos das crenças de vida após a morte que acompanham o teísmo tradicional devem ser cancelados por seus custos psicológicos.

Finalmente, os textos sagrados do monoteísmo ocidental tradicional retratam Deus como um punidor cruel e controlador, tornando a probabilidade de ir para o Inferno maior do que a de ir para o Céu (e os versos explícitos afirmam que poucos indivíduos vão para o Céu, como Mateus 7: 13-14). Conseqüentemente, os custos psicológicos das crenças tradicionais de vida após a morte podem, na verdade, superar seus benefícios. Claro, mesmo que a probabilidade de acabar no Céu seja maior do que no Inferno, ainda é uma aposta, enquanto a bendita calma da morte é garantida a todos em uma visão ateísta. Portanto, mesmo que a crença em uma vida após a morte eterna e maximamente gratificante tenha um grande e único benefício psicológico, adotar uma visão secular da morte pode garantir uma grande quantidade de benefícios psicológicos ao mesmo tempo que evita o custo psicológico de possivelmente terminar em uma vida após a morte eterna e maximamente punitiva. . Assim, o benefício psicológico de tais crenças religiosas não constitui um bom motivo para resistir a defender e promover o ateísmo.


Conclusão

Embora, em última análise, caiba ao indivíduo se deve ou não, e em que medida, defender e promover o ateísmo, argumentei que existem várias boas razões para os indivíduos o fazerem em um grau moderado. Resumidamente, acho que vale a pena defender e promover o ateísmo porque a crença tradicional em Deus é falsa, irracional e perigosa. Claro, a crença tradicional em Deus nem sempre produz as consequências negativas que constituem minhas razões secundárias para defender o ateísmo. Na verdade, muitos crentes não realizam tais consequências. Mas muitos o fazem, aceitando tais consequências de todo o coração, quando suas convicções religiosas particulares implicam que trazê-los à fruição é a vontade de Deus. Essa é uma justificativa suficiente para considerar minhas razões secundárias para defender e promover o ateísmo como boas. Finalmente, argumentei que não há benefícios para a crença tradicional em Deus que sejam tão grandes e únicos que constituam razões que se sobreponham às que apresentei para defender e promover o ateísmo. Portanto, a menos que se possa mostrar de forma convincente que o ateísmo é falso ou racionalmente inaceitável, concluo que vale a pena defendê-lo e promovê-lo.


Notas

[1] Bertrand Russell, “Por que Não Sou Cristão” em Por Que Não Sou Cristão e Outros Ensaios sobre Religião e Assuntos Relacionados ed. Paul Edwards (Nova York, NY: Simon and Schuster, 1957), p. 27

[2] Gostaria de agradecer a Larry Martens por apontar essa objeção.

[3] Benjamin Beit-Hallahmi, "Atheists: A Psychological Profile" em The Cambridge Companion to Atheism ed. Michael Martin (Nova York: Cambridge University Press, 2007), pp. 300-317.

[4] James Rachels, “God and Moral Autonomy” em Can Ethics Provide Essays? And Other Essays in Moral Philosophy (Boulder: Rowman & Littlefield Publishers, 1997), pp. 109-123.

[5] Bertrand Russell, “Can Religion Cure Our Troubles?” em Por que não sou Cristão e outros ensaios sobre religião e assuntos relacionados ed. Paul Edwards (Nova York, NY: Simon and Schuster, 1957), p. 193.

[6] Russell, p. 26

[7] Arthur Schopenhauer, "On the Suffering of the World" em Essays and Aphorisms (Londres: Penguin Books, 1970), p. 47

[8] Gostaria de agradecer a Keith Augustine por seus comentários muito úteis e emendas amigáveis ​​a este ensaio.

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima.

Postagem Anterior Próxima Postagem