Autor: Graham Oppy
Tradução: Iran Filho

Resumo

Existem várias questões de fundo que precisam ser discutidas sempre que o tópico da conversa se volta para religião e ateísmo. Em particular, há perguntas sobre como esses termos devem ser usados no decorrer da conversa. Embora às vezes seja o caso de todas as partes de uma conversa sobre religião e ateísmo concordarem com o que querem dizer com 'religião' e 'ateísmo', muitas vezes essas conversas são malsucedidas porque as partes querem dizer coisas diferentes por 'religião'. ' e 'ateísmo'. Neste artigo, discuto uma série de questões sobre os significados de “religião” e “ateísmo” que devem ser levadas em conta quando estamos fazendo perguntas gerais sobre “religião” e “ateísmo”.

Definir “religião” e “ateísmo” é um tópico com muitas dimensões diferentes. Começo com um levantamento geral dos tipos de definição. Em seguida, volto-me para questões filosoficamente controversas sobre as definições de “religião” e “ateísmo”. Em seguida, faço algumas breves observações sobre a natureza contestada dos termos “religião” e “ateísmo”. Em seguida, considero as perspectivas de oferecer definições melhoradoras de “religião” e “ateísmo”, no estilo de Haslanger (2000). Por fim, aplico parte da discussão anterior a questões sobre ‘religião’ e ‘ateísmo’ em contextos não ocidentais, com foco particular em Thomas (2017). Argumento que há uma necessidade premente de revisar os instrumentos de pesquisa usados ​​para coletar dados sobre as atitudes globais em relação ao “ateísmo” e à “religião”. Enquanto a discussão está em toda parte animada, espero que ela atraia
atenção a questões que muitas vezes têm sido negligenciadas em disputas acadêmicas sobre as definições de “religião” e “ateísmo”.

Definição

Existem muitos tipos diferentes de defnições. Podemos distinguir, pelo menos, entre os seguintes tipos de definições: (a) do Dicionário; (b) Ostensiva; (c) Real; (d) Estipulativa; (e) Explicativa; (f) Nominal; (g) Descritiva; e (h) Melhorada (veja Gupta (2015) para discussão da maioria desses tipos de defnições).

Os dicionários fornecem informações sobre palavras para fins práticos. Muitas vezes, os dicionários fornecem informações sobre pronúncia, etimologia, uso apropriado e sinônimos aproximados (talvez em idiomas diferentes daquele ao qual o termo em questão pertence). As definições do dicionário raramente são úteis para fins filosóficos. Exemplos de definições de dicionário: Religião é a crença ou o reconhecimento de algum poder ou poderes sobre-humanos – especialmente um deus ou deuses – que normalmente se manifesta em obediência, reverência e adoração (OED). Ateísmo é a falta de crença ou forte descrença na existência de um deus ou deuses (Merriam-Webster).

A ostenção fornece definições por demonstração direta. O uso da definição ostensiva é limitado. Se você não pode apontar - literal ou figurativamente - para algo, então você não pode fornecer uma definição ostensiva disso. A definição ostensiva é mais fácil no caso de termos singulares – por exemplo, nomes próprios. As tentativas de definir tipos por meio de instâncias ostensivas desses tipos têm graus variáveis de sucesso. Exemplos de definições ostensivas: Com religiões temos o Cristianismo, Islamismo, Judaísmo, Budismo, Hinduísmo e similares. Os ateus são Richard Dawkins, Rebecca Goldstein, Avijit Roy, Susan Jacoby, Hafd Bouazza, Ayaan Hirsi Ali, Agomo Atambire, Maryam Namazie e outros. (Ateus historicamente importantes incluem, entre inúmeros outros: Ajita Kesakambali, Wang Chong, Abu al-'Ala al-Ma'arri, Lārī Mehmed Efendi, Jean Meslier, Paul Henri d'Holbach, George Eliot, Emma Goldman, Jawaharlal Nehru e George Orwell.)

Por princípio, as definições reais fornecem uma lista exaustiva das propriedades essenciais daquilo que está sendo definido. Ou seja, a princípio, as definições reais lhe dizem quais propriedades são necessariamente intrínsecas ao que está sendo definido, se houver algo que responda à definição. Na prática, é duvidoso que haja muita coisa em nosso universo para a qual possamos dar definições reais. Exemplos hipotéticos de definições reais: Religião é a crença em seres espirituais (Tylor, 1871:424). Ateísmo é a falta de crença em deuses (American Atheists, 2020).

A estipulação fornece definições por robustez. Um uso óbvio para a definição estipulativa é a introdução de novos termos. Um uso um pouco menos óbvio para definição estipulativa é a introdução de um novo uso para um termo já existente. Frequentemente, as definições estipulativas para termos já existentes têm ambição limitada: São feitas para os propósitos de um determinado argumento, discussão ou algo semelhante. Exemplos de definições estipulativas: A religião é uma exibição comunitária apaixonada de compromissos dispendiosos com mundos contra-intuitivos governados por agentes sobrenaturais (Atran & Norenzayan, 2004: 17). Ateísmo é a crítica e a negação das principais reivindicações de todas as variedades de teísmo (Nagel, 1967: 460).

As definições explicativas são uma espécie de definição estipulativa de termos já existentes. A princípio, as definições explicativas oferecem refinamentos sobre as definições imperfeitas existentes. Ou seja, em princípio, uma definição explicativa é uma sugestão sobre o que deveríamos significar – ou talvez sobre o que seria bom significar – por uma dada expressão. Exemplos hipotéticos de definições explicativas: Religião é um sistema relativamente ligado de crenças, símbolos e práticas que aborda a natureza da existência, em que a comunhão com os outros e a alteridade são vividas como se incorporasse e transcendesse espiritualmente ontologias de tempo, espaço socialmente fundamentadas , corporificação e conhecimento (James & Mandaville, 2010). Um ateu é uma pessoa que não acredita na existência de Deus (Smith, 1991: 35).

Em princípio, as definições nominais dão “os significados” das palavras. Ao contrário das definições de dicionário, as definições nominais não buscam meramente fornecer informações suficientes para gerar um entendimento suficientemente bom daquilo que está sendo definido. Em vez disso, as definições nominais procuram fornecer informações suficientes para gerar um entendimento totalmente adequado daquilo que está sendo defnido. Exemplos de definições nominais putativas: Religião são os sentimentos, atos e experiências de homens individuais em sua solidão, na medida em que eles se apercebem de estar em relação a tudo o que possam considerar divino (James, 1902: 31). Ateísmo é a atitude de uma pessoa que vive como se Deus não existisse (Zdybicka, Z. (2005: 20)).

As definições descritivas são definições nominais com vários graus de rigor. As definições extensionalmente adequadas estão isentas do contra-exemplo real. As definições intencionalmente adequadas estão isentas de possíveis contra-exemplos. Definições analiticamente adequadas estão isentas mesmo de hiperintensivos contra-exemplos. Na prática, é duvidoso que tenhamos definições analiticamente adequadas para muitos termos filosoficamente interessantes. É uma questão controversa se existem propósitos para os quais precisamos de definições analiticamente adequadas de termos filosoficamente interessantes que pertencem a domínios não formais, ou seja, a outros domínios além da matemática, lógica, teoria formal dos jogos e similares.

As definições melhoradas são espécies de definições explicativas e descritivas. Assim como as definições explicativas, as definições melhoradas oferecem sugestões sobre o que deveríamos significar – ou sobre o que seria bom significar – por meio de expressões dados nossos propósitos e objetivos políticos. Mas, como as defnições descritivas, as defnições de melhoria destinam-se a atender aos mais altos níveis de rigor atingíveis quando se trata da determinação de extensão, intenção e hiperintensão. Haslanger (2000) gerou uma discussão contínua de definições de melhoria de “homem”, “mulher”, “negro”, “branco” e assim por diante.

Guerras da "Religião"

Há amplos debates acadêmicos, em várias disciplinas, sobre “a definição de religião”. Esses debates estão principalmente preocupados com tentativas de construir definições reais ou descritivas de religião. Alguns críticos - por exemplo, Smith (1963), Fitzgerald (2000) – dizem que as tentativas de dar definições reais ou descritivas de “religião” importam um viés ocidental ou judaico-cristão para o estudo de outras culturas. Alguns críticos - por exemplo, Asad (2003), Dubuisson (2007), Josephson (2012) – dizem que tentativas de dar definições reais ou descritivas de “religião” não podem fazer justiça à complexa história da cultura humana. Alguns críticos - por exemplo, Norenzayan (2016) – dizem que tentativas de dar definições reais ou descritivas de “religião” não podem fazer justiça às variações complexas na cultura humana atual.

Não há como negar que os fenômenos que desejamos discutir são muito complexos. Em particular, é importante lembrar que há uma distinção entre perspectivas internas (“participantes”) e perspectivas externas (“observadores”). De uma perspectiva interna, nosso interesse está nas estruturas e práticas sociais dedicadas a cumprir os propósitos finais “impostos externamente”: satisfazer os desejos dos ancestrais, ou dos deuses, ou Deus, ou atender aos requisitos para escapar do ciclo de morte e renascimento, ou semelhante. De uma perspectiva externa, nosso interesse está em estruturas e práticas sociais que permitem alguma medida de domínio das ansiedades existenciais das pessoas sobre a morte, o engano, a doença, a catástrofe, a dor, a solidão, a injustiça, a carência, a perda e assim por diante, que justificam e permitem certos tipos de hierarquia e opressão, e que fornecem uma clara marcação dentro/fora do grupo para os membros. As práticas que são particularmente importantes incluem ritos e rituais relativos à pureza — comida, higiene, sexo e assim por diante; estruturas sociais relevantes são aquelas que apoiam a aplicação religiosa de hierarquias sociais de sexo, gênero, raça, classe e afins.

Dadas as complexidades envolvidas, é fácil fazer identificações equivocadas do que é globalmente – em oposição ao meramente local – significativo. Por exemplo, como muitos observaram, há uma ênfase na ortodoxia em algumas comunidades cristãs que difere marcadamente da ênfase na ortopraxia em algumas comunidades hindus. Esta é a verdade importante nos escritos daqueles que afirmam que a “religião” é uma lente distorcida: pode ser altamente distorcido ver as outras religiões do mundo através das lentes de sua própria religião. Mas é consistente com o reconhecimento desse ponto que podemos distinguir elementos “religiosos” e “não religiosos” nas estruturas e práticas sociais das culturas não-ocidentais. Em particular, muito do que marca os grupos sociais dentro das culturas diz respeito a estruturas geográficas, de classe, de gênero e raciais que não têm relação clara com o cumprimento de propósitos últimos ou com a gestão das ansiedades existenciais das pessoas, a justificação da hierarquia e da desigualdade, e marcação dentro/fora do grupo no nível cultural mais amplo.

Para dar um exemplo claro, claramente não é uma questão religiosa se alguém apoia o Delhi Capitals – em vez de, digamos, o Chennai Super Kings ou o Sunrisers Hyderabad – na Premier League indiana. Obviamente, em uma extensão muito significativa, o apoio provavelmente será determinado simplesmente pela geografia: Se você considerar Delhi como sua “casa”, provavelmente apoiará o Delhi Capitals. Essa lealdade não tem nada a ver com o fato de você se identificar como hindi, muçulmano, jainista, cristão ou qualquer outra coisa. Embora seja um erro supor que haja uma divisão absoluta entre considerações religiosas e outras considerações culturais, também é um erro supor que somos incapazes de identificar aspectos não religiosos de culturas não ocidentais.

Isso não significa que devemos supor que podemos dar definições reais ou descritivas de “religião”. Uma das lições da filosofia analítica do século XX parece ser que é extraordinariamente difícil estabelecer definições consensuais de quaisquer termos filosoficamente importantes: 'conhecimento', 'causação', 'obra de arte', 'propriedade', 'crença' e assim por diante. para frente. Talvez seja porque algo como a visão de semelhança familiar de Wittgenstein de nossos conceitos esteja correta; ou talvez seja porque, embora haja delineamentos precisos dos limites de nossos conceitos, nosso uso de nossos conceitos não depende de tornar explícitos esses delineamentos precisos.

Não confie em tornar explícitos esses delineamentos precisos. Não proponho dizer mais aqui sobre a história das definições filosóficas, fenomenológicas, funcionais e sociológicas de “religião”. Dada a distinção entre perspectivas 'internas' e 'externas' - e a distinção relacionada entre perspectivas 'locais' e 'globais' - é plausível que grande parte dessa história seja um jogo de gritos sem sentido no qual as pessoas que tentam definir coisas diferentes confundem eles mesmos estarem tentando definir a mesma coisa. (Para interpretações concorrentes sobre a definição de ‘religião’, veja, por exemplo: Bruce (2011), Droogers (2009), Harrison (2006) e Kuruvachira (2011).)

Guerras do "Ateísmo"

Há também uma considerável contestação acadêmica sobre a definição de “ateísmo”. De acordo com alguns, “ateus” são todos aqueles que não são “teístas”. De acordo com alguns, “ateus” são todos aqueles que não são algum tipo particular de “teísta”. Segundo alguns, “ateus” são todos aqueles que supõem que não existem deuses e que não existe Deus. De acordo com alguns, “ateus” são todos aqueles que supõem que Deus não existe. De acordo com alguns, “ateus” são todos aqueles que supõem que algum Deus em particular não existe. De acordo com alguns, “ateísmo” é uma espécie particular de irreligião. De acordo com alguns, “ateus” são todos aqueles que odeiam um Deus em particular. E assim por diante.

Dada a história da palavra ‘ateísmo’ em inglês, e dada a diversidade no uso atual do termo, é importante que aqueles que fazem uso acadêmico do termo estejam preparados para estipular um significado preciso para ele. Quando usei o termo, estipulei significados para quatro termos: “Teísmo” é a afirmação de que existem deuses ou que existe um Deus; “ateísmo” é a afirmação de que não há deuses e não há Deus; “agnósticos” são aqueles que suspendem o julgamento entre “teísmo” e “ateísmo”; e “inocentes” são aqueles que nunca consideraram se existem deuses ou se Deus existe. Esse uso é padronizado em uma distinção quádrupla que se estende a todas as afirmações: para qualquer afirmação de p, ou acredito em p, ou acredito que não-p, ou suspendo o julgamento sobre p, ou sou inocente sobre p. No meu uso dos termos ‘ateu’, existem ateus religiosos. No meu uso do termo ‘ateu’, existem ateus não naturalistas. No meu uso do termo ‘ateu’, existem ateus espirituais. E assim por diante.

Não digo que todos sejam obrigados a adotar meu uso estipulado. (Para formas contrastantes de usar o vocabulário relevante, veja, por exemplo, Beaman e Tomlins (2015), Keller et al. (2018) e Martinson (2012).) Além disso, dada a história e o uso atual do termo em inglês, você não pode usar minha definição estipulativa para interpretar corretamente muitos textos em que a palavra 'ateu' faz aparições frequentes.

Nas ciências sociais – particularmente, psicologia, sociologia e ciência política – ao longo dos últimos 60 anos, a palavra “ateu” tem sido regularmente usada para não inocentes que não são teístas ou que não são teístas de um tipo particular . Trabalhos científicos sociais que pretendem mostrar que os teístas desfrutam de vantagens sociais de vários tipos em relação aos ateus são mal compreendidos se você interpretar seus resultados no meu entendimento de “ateu”. Há um significativo – mas muitas vezes negligenciado – corpo de trabalho nas ciências sociais que sugere que, muito provavelmente, os teístas não desfrutam de vantagens sociais em relação aos ateus, no meu sentido do termo, pelo menos na maioria das democracias prósperas. (Ver, por exemplo, Paul (2005, 2009).)

Quando o termo “ateu” foi introduzido no inglês a partir do francês, mais de meio século antes da palavra “teísta” se tornar corrente, era um termo genérico de abuso para aqueles que não mantinham visões religiosas ortodoxas. Bem no século XVIII, era quase universalmente sustentado que não poderia haver "ateus teóricos" - pessoas sérias e reflexivas que mantinham a opinião ponderada de que Deus não existe - mas apenas "ateus práticos" - pessoas más que sabiam que Deus existe mas agiu como se não houvesse Deus e, em particular, nenhuma condenação para os ímpios. Essa categoria flexível poderia incluir hereges, bruxas, reformadores religiosos, apóstatas, aqueles em grande parte intocados por sentimentos religiosos e muitos outros tipos também.

É claro que, à medida que o livre-pensamento gradualmente ganhou uma posição mais segura no Ocidente, o termo “ateísmo” passou a ser visto como um distintivo de honra por uma pequena, mas crescente proporção da população. No início do século XXI, em alguns países do Ocidente, há apenas uma minoria de desaprovação do ateísmo; e, no início do século XXI, na maioria dos países do Ocidente, há uma parcela muito significativa da população que não desaprova o “ateísmo”. Embora existam resquícios de atitudes arcaicas de séculos anteriores em algumas leis de algumas jurisdições e em alguns padrões de prática, a maioria das pessoas no Ocidente se despediu sem arrependimentos das leis do século XVII no Reino Unido que previam a pena capital para aqueles que fez repetida profissão pública de 'ateísmo'.

Contestação

Uma questão que a discussão anterior pode colocar é se existe um entendimento comum de termos como “religião” e “ateísmo”. Alguns supuseram que existem termos avaliativos essencialmente contestados – ou essencialmente contestáveis, como “justo” ou “obra de arte”, para os quais não há um entendimento comum; alguns supuseram que 'religião' e 'ateu' deveriam ser incluídos entre esses termos (ver Gallie (1956).). Alguns supuseram que, embora não devêssemos pensar que existem termos essencialmente contestados - ou essencialmente contestáveis -, devemos insistir em uma distinção clara entre nossos entendimentos compartilhados de certos termos avaliativos e nossas teorizações divergentes desses termos avaliativos (veja, por exemplo, , Hart (1961) e Rawls (1971).)

Eu acho que, independentemente do que você mantenha sobre essas afirmações sobre termos avaliativos como “justo” e “obra de arte”, você deve ser cético de que existam afirmações semelhantes a serem feitas sobre “religião” e “ateu”. Pode haver “contestação essencial” sobre se, em geral, a religião é boa para a humanidade; mas não acho plausível supor que haja uma “contestação essencial” sobre se algo é religião que corre paralela à “contestação essencial” sobre se algo é justo ou outra coisa é uma obra de arte. Da mesma forma, embora possamos ter diversas teorias sobre os méritos das religiões, não é plausível que tenhamos diversas teorias sobre quais são os casos centrais das religiões. Um julgamento sobre se algo é uma religião ou se alguém é ateu não é, em si, um julgamento avaliativo, mesmo que seja verdade que, para uma determinada pessoa que faz tal julgamento, existem futuros julgamentos avaliativos que seguem quentes em seus calcanhares.

O que acabei de dizer não está em conflito com o pensamento adicional de que é possível que as pessoas promovam definições persuasivas de “religião” e “ateísmo”. Por exemplo, alguém pode alegar definir um “ateu” como alguém que ainda percebeu que Deus existe; e outra pessoa pode alegar definir um “teísta” como alguém que ainda não percebeu – e talvez nunca perceberá – que Deus não existe. É claro que tais “definições” são tiros retóricos baratos: Elas apenas impedem, e não promovem de forma alguma, uma discussão séria de diferenças de opinião.

Pode haver alguns que pensam que meu tratamento de definição persuasiva é cavalheiresco. Em particular, alguns podem pensar que, quando se trata de certos tipos de questões sobre identidade, todos nós consideramos certos pontos de vista “impensáveis”, ou “além dos limites”, ou algo parecido. Além disso, alguns podem pensar, quando se trata de discussão de pontos de vista que estão além dos limites, a única resposta adequada é o ridículo. Acho que há pelo menos duas razões para ser cético em relação a qualquer visão desse tipo. O primeiro ponto óbvio é que a distância doxástica é uma relação simétrica: qualquer que seja a justificativa que você considere ter para supor que os pontos de vista dos outros estão além dos limites, eles terão justificação análoga para supor que seus pontos de vista estão além dos limites. O segundo ponto óbvio é que sabemos, a partir de uma série de outros contextos, que o comportamento de bullying geralmente resulta de uma insegurança profundamente enraizada: se você está preparado para pensar que seu envolvimento em comportamento de bullying é aceitável em um determinado contexto, a explicação mais plausível é que você realmente não tem nada de bom para oferecer.

Definição de Melhoria

Um pensamento que talvez mereça alguma exploração é que podemos oferecer definições de 'teísmo' e 'ateísmo', e 'religioso' e 'não-religioso' no modelo das definições de melhoria de gênero e raça fornecidas por Sally Haslanger. Isto é, seguindo Haslanger (2000), podemos pensar em enquadrar os seguintes relatos de 'teístas' e 'ateus' para sociedades - como as do Reino Unido e da Europa Ocidental no século XVII - nas quais algum tipo de teísmo é o ideologia dominante:

S é um teísta se:
(a) S é regularmente e na maior parte observado ou imaginado como tendo certas características que se presume serem evidência da posição positiva de S aos olhos de Deus ou dos deuses;
(b) Que S tenha essas características marca S dentro da ideologia dominante da sociedade de S como alguém que deve ocupar certos tipos de posições sociais que são de fato dominantes e assim motiva e justifica S ocupando tal posição; e
(c) O fato de que S satisfaz (a) e (b) desempenha um papel no privilégio sistemático de S – ou seja, ao longo de alguma dimensão, o papel social de S é privilegiado e a satisfação de S (a) e (b) desempenha um papel nessa dimensão de privilégio

S é ateu se:
(a) S é regularmente e na maior parte observado ou imaginado como tendo certas características que se presume serem evidência da posição negativa de S aos olhos de Deus ou dos deuses;
(b) Que S, tendo essas características, marca S dentro da ideologia dominante da sociedade de S como alguém que deve ocupar certos tipos de posições sociais que são de fato subordinadas e assim motiva e justifica S ocupar tal posição; e
(c) O fato de que S satisfaz (a) e (b) desempenha um papel na subordinação sistemática de S - ou seja, ao longo de alguma dimensão, o papel social de S é opressivo e o de S satisfaz (a) e (b) desempenha um papel nessa dimensão de subordinação.

Além disso, novamente seguindo Haslanger (2000), podemos pensar em enquadrar os seguintes relatos do “religioso” e do “não religioso” em uma sociedade na qual uma religião particular é a ideologia dominante:

S é religioso se:
(a) S é regularmente e na maioria das vezes observado ou imaginado como tendo certas características que se presume serem evidência da posição positiva de S no caminho para a salvação;
(b) Que S, tendo essas características, marca S dentro da ideologia dominante da sociedade de S como alguém que deve ocupar certos tipos de posições sociais que são de fato dominantes e assim motiva e justifica S ocupando tal posição; e
(c) O fato de que S satisfaz (a) e (b) desempenha um papel no privilégio sistemático de S – ou seja, ao longo de alguma dimensão, o papel social de S é privilegiado e a satisfação de S (a) e (b) desempenha um papel nessa dimensão de privilégio.

S é não religioso se:
(a) S é regularmente e na maioria das vezes observado ou imaginado como tendo certas características que se presume serem evidência da posição negativa de S no caminho para a salvação;
(b) Que S tenha essas características marca S dentro da ideologia dominante da sociedade de S como alguém que deve ocupar certos tipos de posições sociais que são de fato subordinadas e assim motiva e justifica S ocupar tal posição; e
(c) O fato de que S satisfaz (a) e (b) desempenha um papel na subordinação sistemática de S - ou seja, ao longo de alguma dimensão, o papel social de S é opressivo e o de S satisfaz (a) e (b) desempenha um papel nessa dimensão de subordinação.

Essas definições devem ser pensadas como acréscimos às definições de 'homem', 'mulher', 'branco', 'negro', 'classe alta', 'classe baixa' e assim por diante que são fornecidas por Haslanger e aqueles que o seguiram. sua liderança (por exemplo, Jenkins 2016). Há muitas dimensões cruzadas de privilégio e opressão; a posição de um homem cristão branco rico no século XVII na Europa Ocidental era diferente em muitos aspectos da posição de uma mulher ateia pobre, não branca no século XVII na Europa Ocidental (Enquanto alguns negaram, e muitos duvidaram , que havia ateus pobres, não-brancos, no século XVII na Europa Ocidental, eu acho – seguindo Ryrie (2019) – que temos evidências claras de que havia ateus entre as 'pessoas comuns' em toda a Europa cristã desde o início do segundo milênio.).

Não estou sugerindo que essas definições de melhoria sejam apropriadas em todos os lugares do século XXI. Em particular, por exemplo, não acho que existam propósitos legítimos que seriam servidos pela adoção dessas definições por ateus e irreligiosos nos círculos em que me movo na Austrália no século XXI. Embora existam legados históricos infelizes de tempos em que havia propósitos legítimos que teriam sido atendidos pela adoção dessas definições por ateus e irreligiosos – por exemplo, na Inglaterra do século XVII –, acho que não é plausível afirmar que há opressão estrutural de ateus e irreligiosos nos círculos em que me movo na Austrália do século XXI. No entanto, é pelo menos uma possibilidade aberta que existam propósitos legítimos que seriam atendidos pela adoção dessas definições por ateus e irreligiosos que se movem em outros círculos em outras partes do mundo no século XXI.

‘Religião’ e ‘ateísmo’ em contextos não ocidentais

A discussão de religião e ateísmo em qualquer contexto requer atenção cuidadosa ao que queremos dizer com “religião” e “ateísmo”. Em particular, se estamos falando de algum contexto diferente do nosso, precisamos ser claros sobre se estamos usando os termos 'religião' e 'ateísmo' como são tipicamente entendidos em nosso contexto ou como são tipicamente entendidos no contexto. contexto em exame. Essa necessidade de cautela aumenta se estivermos usando “religião” e “ateísmo” como traduções de termos que pertencem a um idioma diferente do nosso. (Para visões contrastantes sobre os assuntos discutidos nesta seção, ver, por exemplo, Berger (2014), Dalacoura (2014) e Quack (2011).)

Uma consideração importante aqui é que pode ser que tenhamos um conhecimento muito mais profundo de variabilidade e especificidade em nosso próprio contexto do que temos de variabilidade e especificidade em outros contextos. Se somos metodistas australianos, podemos muito bem ter uma apreciação vívida, não apenas da gama de diferenças nas crenças e práticas religiosas dos metodistas australianos, mas também - pelo menos dada a sensibilidade e interesse apropriados de nossa parte - da gama de diferenças nas crenças e práticas religiosas de outros tipos de cristãos australianos. Talvez, se formos metodistas australianos, tenhamos alguma apreciação da gama de diferenças nas crenças e práticas religiosas dos australianos que se identificam com outras religiões, e da gama de diferenças nas crenças e práticas dos australianos que se identificam como não-religiosos. religioso. No entanto, se somos metodistas australianos, podemos ter pouca ou nenhuma apreciação da gama de diferenças nas crenças e práticas religiosas de pessoas que vivem em outros continentes. Para a maioria de nós, em algum momento, nossas representações das crenças e práticas religiosas (ou não religiosas) dos outros consistem em pouco mais do que estereótipos mal sustentados.

Considere Thomas (2017), que visa “mostrar as limitações do ateísmo ocidental para capturar a vida cotidiana dos cientistas indianos” (45). De acordo com Thomas, os dados etnográficos mostram que os cientistas ateus indianos - ao contrário dos cientistas ateus ocidentais - se autodenominam "ateus" mesmo aceitando que seu estilo de vida faz parte da tradição e da religião:

Conheci muitos cientistas que se autodenominavam “ateus”, “agnósticos” e “materialistas”. No entanto... paralelos não podem ser traçados entre suas idéias de ateísmo ou descrença e suas contrapartes ocidentais. É problemático procurar uma categoria homogênea [de ateus]. (47).

Conheci muitos cientistas que se autodenominavam “ateus”, “agnósticos” e “materialistas”. No entanto... paralelos não podem ser traçados entre suas idéias de ateísmo ou descrença e suas contrapartes ocidentais. É problemático procurar uma categoria homogênea [de ateus]. (47).

… vidas baseadas no ethos religioso ou cultural. Praticavam o vegetarianismo, usavam o cordão sagrado, admiravam canções clássicas em louvor aos deuses hindus, participavam do ciclo de vida tradicional e rituais sazonais… deram nomes religiosos/tradicionais aos filhos… frequentavam os cultos da Igreja... achavam que a religião e a crença em Deus fornecem socorro psicológico aos crentes em suas dificuldades, para que não se devesse se opor a ela... e criticavam as alegações feitas pelos ateus liberais ocidentais de que tudo pode ser explicado pela ciência. (59-60).

De acordo com Thomas, “devemos ser cautelosos com a generalização fácil que traça paralelos nítidos entre as tradições ateístas ocidentais contemporâneas – a posição de Dawkins sendo a dominante – e outros locais sociais e culturais” (62/3).

A aceitação da compreensão [de Dawkins] de ateísmo ou descrença impõe um fechamento aos múltiplos significados culturais assumidos por essas categorias. Qualquer tentativa de universalizar ou homogeneizar as experiências de descrença e ateísmo contra a escala da modernidade ocidental corre o risco de negligenciar o enredamento dessas categorias dentro dos complexos mundos de vida dos cientistas indianos. (65).

Não duvido dos dados de Thomas. Certamente existem muitos “ateus hardcore” na Índia, não apenas entre cientistas profissionais, que fazem algumas ou todas as coisas que Thomas menciona. (Veja, por exemplo, as partes relevantes de Quack (2011).) No entanto, parece-me que dados semelhantes justificariam a afirmação de que muitos “ateus ocidentais” têm vidas baseadas no ethos religioso e cultural. Os detalhes diferem. Por exemplo, há poucos vestígios de tradições de casamentos arranjados no “ocidente”. Mas há muitos 'ateus ocidentais', incluindo muitos 'ateus' que são cientistas, que admiram a música cristã clássica, participam do ciclo de vida tradicional e rituais sazonais (como Natal, Páscoa e Halloween), dão nomes religiosos/tradicionais (ex. João, Pedro, Maria, Raquel) a seus filhos, visitam igrejas, frequentam cultos religiosos, apoiam a manutenção da religião onde ela traz bens sociais para os outros e negam que tudo possa ser explicado pela ciência. Um tanto ironicamente para Thomas, até Richard Dawkins faz – ou fez – muitas dessas coisas.

Devemos ser cautelosos com generalizações fáceis que supõem que o que Thomas considera ser o entendimento de Dawkins de “ateísmo” e descrença caracteriza com precisão os significados culturais assumidos por essas categorias no “Ocidente”. Se Dawkins realmente pensa que tudo pode ser explicado pela ciência, então é importante ressaltar que não há evidências confiáveis ​​de que essa seja uma posição majoritária entre os “ateus ocidentais”. Os instrumentos de pesquisa usados ​​para coletar dados internacionais sobre religião – WIN/Gallup, World Values ​​Survey, PEW, censos nacionais, etc. – contêm apenas perguntas formuladas de forma muito grosseira sobre “ateus”. Por exemplo, o questionário WVS 2017–2020 pede que as pessoas se classifiquem como uma das seguintes: (a) uma pessoa religiosa; (b) não é uma pessoa religiosa; (c) um ateu; e (d) não sei. Como todos se enquadram em (a), (b) ou (d), e como um "ateu" pode se enquadrar em (a) ou (b), não é plausível que o questionário WVS nos forneça qualquer informação global confiável sobre 'ateus'. O tipo de crítica que fiz aqui generaliza que simplesmente não existe um instrumento de pesquisa administrado globalmente que nos forneça dados confiáveis ​​sobre o que Thomas chama de “ateus hardcore”.

Por favor, note que não estou argumentando que não há diferenças estatisticamente significativas entre “o ateísmo dos ateus ocidentais” e “o ateísmo dos ateus não-ocidentais”. É certamente plausível que existam diferenças estatisticamente significativas entre “o ateísmo dos ateus ocidentais” e “o ateísmo dos ateus não-ocidentais”. No entanto, existem dificuldades formidáveis que enfrentam aqueles que gostariam de fazer uma avaliação precisa dessas diferenças. Por um lado, há a elasticidade do termo “ateísmo”. E, por outro lado, há a aparente falta de interesse, entre as agências que atualmente realizam pesquisas globais sobre religião, no desenvolvimento de ferramentas de pesquisa que forneçam dados precisos do tipo necessário.

Eu não acho que seja impossivelmente difícil conceber perguntas de pesquisa que produzam informações melhores do que as atualmente em uso. Talvez algo assim.

Em uma escala de 0 a 10, onde 0='certamente não', 5='não faço ideia' e 10='certamente', classifique as seguintes afirmações: (a) Deus existe; e (b) há pelo menos um deus

Não importa como definamos “ateísmo”, podemos usar os resultados dessa pergunta para nos informar sobre a distribuição de “ateus”. Além disso, podemos incluir perguntas de pesquisa semelhantes para nos fornecer melhores informações sobre atitudes que se correlacionam com o ateísmo. Por exemplo:

Em uma escala de 0 a 10, onde 0='com certeza não', 5='sem ideia' e 10='com certeza', classifique a seguinte afirmação: não há perguntas que a ciência não possa responder.

Se fôssemos administrar uma pesquisa que incluísse esse tipo de pergunta, parece-me provável que descobriríamos diferenças estatisticamente significativas entre “o ateísmo dos ateus ocidentais” e “o ateísmo dos ateus não ocidentais”. Sem dúvida, há sutilezas na arte de projetar pesquisas que precisam ser acomodadas. Sem dúvida, também há algo perdido quando os instrumentos de pesquisa estabelecidos são significativamente revisados. Em particular, há um valor ligado à continuidade histórica no fazer perguntas. Mas — pelo menos na minha opinião — não há valor em continuar a fazer perguntas quando está claro que as respostas a essas perguntas evidentemente não fornecem informações úteis e de alta qualidade.

Observações Finais

Nós patinamos em muito terreno muito rapidamente. Nem tudo o que eu disse vai na mesma direção. Por um lado, para fins políticos locais, pode haver boas razões para insistir em definições de melhoria de “religião” e “ateísmo”. Por outro lado, dados os caprichos da linguagem, para certos tipos de propósitos acadêmicos, o melhor caminho pode ser (1) fazer definições estipulativas de 'ateísmo' e 'religião' que dão conteúdo preciso ao uso desses termos , ou então (2) para evitar o uso dos termos 'ateísmo' e 'religião' completamente. No mínimo, não é útil enquadrar as perguntas da pesquisa global em termos de “ateísmo”, quando podemos perguntar às pessoas diretamente sobre suas atitudes em relação às alegações de que Deus existe e que existe pelo menos um deus.

Agradecimentos

Sou grato a dois pareceristas anônimos da revista que forneceram comentários críticos amigáveis sobre a versão inicial deste artigo. Estou satisfeito por ter sido capaz de melhorar o trabalho seguindo seus conselhos.


Referências

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima.

Postagem Anterior Próxima Postagem