Autor: Shlomi Tal
Tradução: Iran Filho

A questão de saber se a revelação de Deus aos ancestrais da nação de Israel ocorreu é de grande importância para a fé judaica, comparável ao debate da Tumba Vazia no Cristianismo. Assim como os cristãos fundamentalistas com este último, os judeus ortodoxos baseiam a fé no suposto fato histórico da revelação no Monte Sinai, dizendo que afirma a religião e nega todas as objeções a ela. Vamos examinar criticamente a questão e avaliar o caso da historicidade da Aliança do Sinai.

Argumento da Revelação Pública Única
O argumento para a historicidade de uma revelação pública é apresentado no Kuzari do Rabino Yehuda Halevi, e dado uma elaboração recente pelo Rabino Dr. Dovid Gottlieb da Ohr Somayach, uma rede de yeshiva de divulgação ortodoxa, em sua série apologética Living Up to Truth [1] .

O esboço do argumento é o seguinte:
  1. A história da revelação a toda a ancestralidade da nação de Israel não tem paralelo em toda a história.
  2. A razão de não ter paralelo é que essa história não pode ser fabricada.
  3. Somente revelações e milagres particulares podem ser fabricados; uma revelação pública deve realmente ter acontecido.
A questão principal é se um evento público, ainda mais diante de uma nação inteira, poderia ser contado sem ter acontecido. O autor diz que o argumento pode ser falsificado trazendo apenas uma reclamação de um evento público que se diz ter acontecido, mas sabidamente falso. Ele argumenta que não existe outra afirmação porque é impossível fazer tal afirmação a menos que o evento realmente tenha acontecido. Ele então refuta a alegação de que o Argumento do Sinai é resultado da formação do mito, dizendo que se o mito da Aliança do Sinai foi formado pela extrapolação de um evento impressionante, então deveria haver mitos paralelos. O fato da revelação no Sinai deve, portanto, ser real, passado de geração em geração sem falta, pois é impossível para um pai passar uma mentira para seu filho.

Formação de mitos públicos
Como exemplo do princípio, o Rabino Gottlieb conta uma história hipotética de árvores douradas crescendo em toda a Romênia por um período de vinte anos. Ele argumenta que se tal milagre público acontecesse, não precisaríamos procurá-lo, mas já saberíamos dele, por ser tão famoso e objeto de ampla literatura e relato. Essa alegação de copiosa documentação, entretanto, é falseada por mitos que não deixaram vestígios, exceto eles próprios. Por exemplo, as tradições do islamismo xiita dizem que no dia em que Husain ben Ali, o neto do profeta Maomé, foi morto, as pedras do Monte do Templo ficaram encharcadas de sangue o dia todo. Isso deveria ter deixado alguns comentários de outras fontes, como os cristãos que viviam em Jerusalém na época, mas vamos admitir que os não-muçulmanos não estavam interessados, e que o milagre aconteceu apenas por um único dia, e ainda temos um milagre público. Rabino Gottlieb diz, entretanto, que mesmo milhares de testemunhas, como em Alimentar as Multidões por Jesus, são assuntos "semi-privados". Mas os 600.000 ancestrais homens adultos dos judeus que estiveram no Sinai também são milhares de testemunhas, apenas mais milhares do que o número relatado para o milagre cristão. Como Gottlieb determina o número suficiente de testemunhas? Quanto público um milagre precisa ter para que não haja possibilidade de fabricação? Ao descartar arbitrariamente o número de testemunhas do Pacto das Multidões como insuficiente, mas aceitar o número de testemunhas do Pacto do Sinai como suficiente, Gottlieb está assumindo o que está tentando provar. Se a alimentação das multidões pode ser considerada um mito, e o encharcamento de pedras em sangue também, e também o decreto estadual do rei Shahrayar nas Mil e uma noites para trazer uma virgem solteira da Pérsia até ele todas as noites, para ser morto no dia seguinte (não um milagre, mas ainda um evento público de influência em todo o estado), e Gottlieb não considera nenhum deles como verdade, então por que a revelação no Sinai deveria receber tratamento preferencial?

Concordo que no espaço de uma ou duas gerações é impossível fabricar um evento público. Porém, quando o tempo é distante (digamos dez gerações), é perfeitamente possível fazer um mito sobre os ancestrais. A mitologia grega conta que Prometeu deu fogo aos primeiros humanos, e depois os deuses gregos deram a caixa de Pandora de doenças à humanidade. Esses dons, para o bem ou para o mal, foram dados aos primeiros humanos, que supostamente são os ancestrais de todos nós, da humanidade de todo o mundo. “Seus ancestrais foram testemunhas de que Prometeu lhes deu fogo”, poderia ser dito assim. O Rabino Gottlieb acharia estranho? Não é mais estranho do que sua própria afirmação, "seus ancestrais foram testemunhas do fato de que Deus lhes deu a Torá". Há tanta justificativa em acreditar no mito de Prometeu, mas um judeu ortodoxo já deu por certo que a mitologia grega deve ser falsa.

O Milagre Mundial de Josué 10
Neste ponto, o apologista do Judaísmo Ortodoxo pedirá que eu pare de dar exemplos aparentemente fabulosos como o mito de Prometeu ou o decreto estadual do rei persa Shahrayar e apresentará um exemplo real de um milagre muito público que dizem ter acontecido, mas aconteceu não realmente acontecem. Não acho que nenhum exemplo poderia satisfazer uma pessoa que já subscreveu uma doutrina, mas não importa, eu tenho um exemplo de ninguém menos que a Bíblia Hebraica (o TaNaKh, que os cristãos chamam de Antigo Testamento) em si. Josué 10:13 diz que o sol estava na metade (= meio) do céu e não se apressou em se pôr por cerca de um dia inteiro. Agora, gostaria de refletir sobre o milagre de Josué. Não recebe a mesma ênfase e destaque que a Aliança do Sinai, mas numericamente deveria ser. Considerando que a revelação no Sinai foi supostamente testemunhada por apenas uma nação, o milagre de Josué 10 deve ter sido testemunhado por toda a humanidade em todo o mundo. Deve ficar perfeitamente claro que se o sol permanecer em seu lugar o dia inteiro (na verdade, a terra, mas vamos deixar este belo pedaço de errância bíblica), então o mundo inteiro será afetado. Em nenhuma parte do mundo esse milagre poderia ter passado despercebido. Teria sido registrado em todos os lugares, ou pelo menos em todas as culturas que tivessem um sistema de escrita e consciência astronômica.

No caso desse milagre mundial, não apenas não encontramos nenhum registro em qualquer livro fora da Bíblia, mas encontramos evidências contra o milagre. Os egípcios e os babilônios tinham sistemas de escrita e cálculos astronômicos, mas não deixaram vestígios do evento em seus escritos. Além disso, as pirâmides egípcias estão alinhadas com as estrelas exatamente como se a suspensão dos assuntos cósmicos nunca tivesse ocorrido [2]. A evidência pode ser explicada pela hipótese implausível (e não suportada pelas escrituras) de que a ordem cósmica foi posteriormente restaurada ao que era antes do milagre, ou pela hipótese mais simples e provável de que nunca aconteceu. Portanto, temos um milagre público mundial que toda a humanidade supostamente testemunhou, mas muito provavelmente não aconteceu. O desafio empírico do Rabino Gottlieb de produzir uma história pública que não aconteceu é assim respondido, e não há lugar aqui nem mesmo para uma disputa numérica, pois o milagre de Josué 10 é o milagre mais público que poderia ser imaginado no mundo. [3]

Testemunha de Fonte Única
Desde o início, o Argumento do Sinai sofre por ter uma testemunha de fonte única, sem corroboração de fontes externas. O rabino Gottlieb tentou provar que nenhuma outra testemunha é necessária, pois o milagre público é auto-comprovado, mas eu mostrei como é possível que uma história pública, mesmo mundial, seja falsa apesar de tudo. A revelação no Sinai, portanto, está na mesma posição instável que as reivindicações de Jesus e Maomé (ambos homens solitários vindo com uma mensagem de Deus para a humanidade). Assim como não há evidência externa para o nascimento virginal de Jesus, ou para a recepção de Maomé do Alcorão do anjo, também não há fonte externa para a revelação no Sinai. O judaísmo ortodoxo e literal da Torá é, portanto, apenas outra fé teísta sem fundamento. Há evidência externa para algumas partes da Bíblia, como o cerco de Senaqueribe em Jerusalém, que está registrado em tábuas assírias, mas nenhuma corroboração para a Aliança do Sinai. A revelação é registrada em uma única fonte, que devemos acreditar ser verdadeira porque assim o diz. A evidência, porém, é o contrário: a alegada fonte divina está cheia de contradições e erros, [4] falhando até no ponto fundamental das origens (se Deus nos criou então o fez por meio da evolução, que a Bíblia curiosamente esquece de mencionar [5]). Portanto, é plausível concluir, como no caso da história do milagre mundial de Josué 10, que a revelação no Sinai nunca aconteceu. Foi formado muitas gerações após a consolidação da nação judaica, numa época em que ninguém podia saber o que os ancestrais tinham visto ou feito.

[1] O capítulo sobre o argumento do Sinai pode ser encontrado em http://www.ohr.edu/special/books/gott/truth-6.htm, publicado em 14 de junho de 2001.

[2] Explicado em General Anti-Creationism FAQ de Jim Meritt, em http://www.talkorigins.org/faqs/faq-meritt/bible.html, publicado em 14 de junho de 2001.

[3] Não se deixe enganar pela lenda da NASA Proves Missing Day.


[5] Veja a seção Ciência e Religião.

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem