Autor: Hector Avalos
Tradução: Gilmar Santos, publicado originalmente no Rebeldia Metafísica

Sumário:
  1. Introdução
  2. Traduções
  3. Crítica Textual e arqueologia bíblica
  4. O Jesus Não-Histórico
  5. Crítica Literária e teologia bíblica
  6. Conclusão
1. Introdução
A única missão dos estudos bíblicos deveria ser colocar um ponto final nos estudos bíblicos como os conhecemos. Esta série explicará porque eu cheguei a tal conclusão. Para nossos propósitos, podemos sumarizar nossa defesa do fim dos estudos bíblicos como os conhecemos com duas premissas principais:
  1. O corpo de conhecimentos relativos à Bíblia acumulados até hoje demonstra que a Bíblia é o produto de culturas cujos valores e crenças sobre a origem, a natureza e o próposito de nosso mundo não mais são considerados relevantes, mesmo pela maioria dos cristãos e judeus.
  2. Paradoxalmente, apesar do reconhecimento de tal irrelevância, a profissão de especialista em estudos bíblicos ainda é centrada em manter, por meio de uma série de disciplinas eruditas cujos métodos e conclusões são muitas vezes filosoficamente inválidas (por exemplo, tradução, crítica textual, arqueologia, história e teologia bíblica), a ilusão de que tais crenças e valores ainda são relevantes.
A primeira premissa reconhece que de fato descobrimos muitas informações novas sobre a Bíblia. Os Manuscritos Do Mar Morto e a vasta quantidade de tesouros arqueológicos do Oriente Próximo antigo encontrados nos últimos 150 anos assentaram a Bíblia firmemente em seu contexto cultural original. Entretanto, são essas mesmas descobertas que mostram que a Bíblia é irrelevante na medida em que é parte de um mundo radicalmente diferente do nosso em sua concepção dos cosmos, do sobrenatural e do senso de moralidade humano.

“Irrelevante”, aqui, refere-se a um conceito ou prática bíblica que não mais é visto como dotado de valor, aplicável e/ou ético. Portanto, ao passo que a maioria dos americanos hoje considera o genocídio condenável, tal não era o caso em vários textos bíblicos. Na verdade, Michael Coogan, um respeitado estudioso da Bíblia, admite que algumas práticas bíblicas são tão objetáveis hoje que as igrejas tentam ocultar partes da Bíblia de seus membros. Nas palavras de Coogan:
Conspicuamente ausentes dos lecionários estão a maior parte ou mesmo a totalidade de livros como Josué, com seu relato do violento extermínio dos habitantes da terra de Canaã por ordem divina, ou Juízes, com suas horripilantes narrativas envolvendo patriarcalismo e agressões sexuais nos capítulos 11 e 19 – para não mencionar o Cântico de Salomão, com seu carregado erotismo, ou o livro de Jó, com seu desafio radical à visão bíblica dominante de um Deus justo e zeloso.[2]
De maneira similar, nossas instituições médicas contemporâneas eliminaram as explicações sobrenaturais para as doenças encontradas na Bíblia, tornando irrelevantes tais explicações. Eis mais alguns exemplos de “descobertas” científicas e eruditas que oferecem evidências adicionais da irrelevância da Bíblia:
  • Embora a ciência contemporânea tenha demonstrado o contrário, alguns autores bíblicos mantinham que o universo foi criado em apenas seis dias[3];
  • Apesar da importância atribuída pelos teólogos às palavras e feitos dos grandes personagens da Bíblia (Abraão, Moisés e Davi), as pesquisas sugerem que estas figuras não são tão “históricas” como se pensava.[4]
  • Não existem evidências independentes da vida ou dos ensinamentos de Jesus no primeiro século EC, o que significa que a maioria dos cristãos contemporâneos nem mesmo estão seguindo os ensinamentos de Jesus.[5]
  • Os autores bíblicos em geral acreditaram que as mulheres eram subordinadas aos homens.[6]
  • Mesmo quando várias pessoas no mundo atual ainda adotam ideias bíblicas (por exemplo, o criacionismo), isto ocorre em parte porque os estudiosos da Bíblia não são suficientemente eloquentes ao criticar crenças bíblicas obsoletas. Em vez disso, tais especialistas concentram-se na manutenção do valor do texto bíblico na sociedade atual.
Um caso em questão é o artigo de Daniel J. Estes publicado no Bibliotheca Sacra, um conceituado periódico cristão evangélico.[7] Estes também está preocupado com a questão da irrelevância; ele até mesmo desenvolveu uma “escala” para medir a relevância dos ensinamentos bíblicos. Algo próximo à extremidade zero seria considerado obsoleto, ao passo que algo próximo a dez seria considerado uma diretiva que os cristãos ainda devem seguir.

Ele então oferece o exemplo da lei das primícias em Deuteronômio 26:1-11, que ordena aos israelitas irem até um local escolhido por Javé para entregarem ao sacerdote os primeiros frutos de sua estação de colheitas. Estes coloca esta lei próxima do zero na escala (preceitos obsoletos) porque, entre outras coisas, em sua maioria os cristãos de hoje não são agricultores, tampouco reconhecem um lugar central escolhido por Javé.

Estes reconhece que “nenhum destes ítems específicos possui um correspondente exato na identidade e na experiência dos fiéis cristãos hoje… Várias das prescrições legais do Antigo Testamento pertencem a esta categoria, incluindo, por exemplo, a regulamentações dietéticas”[8] Quando pressionado a encontrar exemplos de “total continuidade” entre o público bíblico original e o público cristão atual, Estes admite que “exemplos indiscutíveis de continuidade total entre os dois públicos são relativamente raros”[9]

John Bright, considerado um dos mais destacados acadêmicos americanos do último século no campo dos estudos bíblicos, refletiu um sentimento parecido em relação aos anos sabáticos e do jubileu em Levítico 25, quando observou que “as regulamentações lá descritas são obviamente de tão pouca aplicação no contexto atual que um pastor pode ser perdoado se disser a si próprio que a passagem não contém absolutamente nenhuma mensagem relevante para seu rebanho.”[10] Na verdade, se fôssemos percorrer versículo por versículo, suspeito que ninguém sentiria falta de 99 porcento da Bíblia, na medida em que ela reflete várias práticas, injunções e ideias não mais aplicáveis do que as contidas em Levítico 25.

Nossa segunda premissa principal é que, apesar de reconhecerem esta irrelevância, os acadêmicos especialistas em estudos bíblicos, de maneira paradoxal e corporativista, promovem a ilusão de que a Bíblia é relevante. Almeja-se, com a manutenção desta ilusão, fazer os fiéis pensarem que possuem “A Bíblia” quando tudo o que eles realmente tem é um livro construído por uma elite de estudiosos contemporâneos. De modo que mesmo se 99.9 porcento dos cristãos modernos disserem que a Bíblia é relevante para eles, tal relevância é baseada em sua hipótese ilusória de que as versões contemporâneas de fato refletem a “Bíblia” original em alguma medida.[11] Promover a ilusão da relevância serve para justificar a própria existência da profissão de especialista em estudos bíblicos, e pouco mais do que isso.

Nosso argumento é que não há realmente nada em todo o livro que os cristãos chamam de “Bíblia” que seja minimamente mais relevante do que qualquer outra coisa escrita no mundo antigo. A minha visão dos estudos bíblicos é explicitamente humanista secular. Os estudos bíblicos como os conhecemos deveriam terminar. Deveríamos agora tratar a Bíblia como o documento bárbaro que é, não mais importante do que outras obras literárias que ignoramos diariamente. Os estudos bíblicos deveriam ser utilizados para ajudar a humanidade a romper seu vínculo com a Bíblia e solapar completamente sua autoridade no mundo contemporâneo. Então, a atenção poderia ser dirigido aos milhares de outros textos antigos ainda não traduzidos e não lidos. Um dia, a Bíblia pode até mesmo ser vista como uma das curiosidades de uma trágica era bibliólatra, quando a dependência em relação a um texto acarretou misérias inauditas e representou um obstáculo ao progresso humano. Podemos então estudar a Bíblia como uma lição sobre porque os seres humanos não deveriam jamais privilegiar qualquer livro nesta extensão.

Eu sustento que as principais subdisciplinas dos estudos bíblicos tiveram êxito em demonstrar que a Bíblia é o produto de culturas cujos valores e crenças sobre a origem, a natureza e o propósito de nosso mundo não mais são consideradas relevantes, mesmo pela maioria dos cristãos e judeus. Estas subdisciplinas incluem a tradução, a crítica textual, a história e a arqueologia bíblicas, a crítica literária e a teologia bíblica.

Notas:
1. Esta série foi extraída pelo editor (John W. Loftus) do livro de Hector Avalos The End of Biblical Studies (Amherst, NY: Prometheus Books, 2007), com pequenas edições e o acréscimo de algumas notas de rodapé. Usado com permissão do autor.

2. Michael Coogan, “The Great Gulf between Scholars and the Pew,” em Biblical Studies Alternatively: An Introductory Reader, ed. Susanne Scholz (Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall, 2003), 7. Vinte e quatro passagens bíblicas demonstrando este ponto podem ser conferidas em http://sites.google.com/site/thechristiandelusion/Home/the-will-of-god.

3. E que a Terra é plana e o céu é sólido e sustentado por pilares: veja Ed Babinski, “The Cosmology of the Bible,” em The Christian Delusion, ed. John Loftus (Amherst, NY: Prometheus Books, 2010): 109–47.

4. Veja por exemplo: Israel Finkelstein e Neil Asher Silberman, The Bible Unearthed: Archaeology’s New Vision of Ancient Israel and the Origin of Its Sacred Texts (New York: Basic, 2001); Thomas Thompson, The Historicity of the Patriarchal Narratives: The Quest for the Historical Abraham (Harrisburg, PA: Trinity Press International, 2002); e sumários e fontes em Paul Tobin, “The Bible and Modern Scholarship,” em Loftus, The Christian Delusion, 148–80.

5. Veja por exemplo: Bart Ehrman, Jesus Interrupted: Revealing the Hidden Contradictions in the Bible (and Why We Don’t Know about Them) (New York: HarperOne, 2009); Gerd Ludemann, Jesus After 2000 Years (Amherst, NY: Prometheus Books, 2001); Gerd Theissen e Annette Merz, The Historical Jesus: A Comprehensive Guide (Minneapolis: Fortress, 1996); Robert Funk and Roy Hoover, The Five Gospels: The Search for the Authentic Words of Jesus (New York: Maxwell Macmillan, 1993).

6. Por exemplo: Genesis 3:16; 1 Coríntios 14:33–35; 1 Timóteo 2:8–15.

7. Daniel J. Estes, “Audience Analysis and Validity in Application,” Bibliotheca Sacra 150 (April-June 1993): 219–29.

8. Ibid., 224.

9. Ibid.

10. John Bright, The Authority of the Old Testament (Nashville: Abingdon, 1967), 152. Para uma tentativa desesperada e completamente insatisfatória de defender que as leis do Antigo Testamento ainda são relevantes, veja Joe M. Sprinkle, Biblical Law and Its Relevance: A Christian Understanding and Ethical Application for Today of the Mosaic Regulations (Lanham, MD: University Press of America, 2006).

11. Abstemo-nos de dizer “100 porcento” porque há uma minoria de acadêmicos cristãos cientes de que as Bíblias contemporâneas são construções que guardam pouca semelhança com “o original”.

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem