Autor: Erik Wielenberg
Tradução: Alisson Souza 

Resumo: Neste artigo eu desenvolvo um novo desafio para teístas céticos.  Eu apresento uma linha de raciocínio que apela ao teísmo cético para apoiar o ceticismo sobre as afirmações divinas.  Eu afirmo que esse raciocínio é pelo menos tão plausível quanto uma estratégia teísta cética popular para responder a argumentos evidenciais do mal.  Assim, procuro empalar os teístas céticos nas pontas de um dilema: conceda que (a) o teísmo cético implica ceticismo sobre as afirmações divinas, ou (b) a estratégia teísta cética para responder a argumentos evidenciais do mal falha.  Uma implicação de (a) é que o teísmo cético está em desacordo com qualquer tradição religiosa segundo a qual existem certas afirmações de que podemos saber que são verdadeiras apenas em virtude do fato de que Deus nos disse que elas são verdadeiras.  Este resultado tornará a concessão (a) pouco atraente para muitos teístas céticos.  


Introdução 


A discussão do argumento do mal mudou das versões lógicas do argumento para versões indutivas ou evidenciais.  Uma resposta proeminente a tais versões do argumento do mal recebeu o rótulo de "teísmo cético". Neste artigo, desenvolvo um novo desafio para teístas céticos. Apresento uma linha de raciocínio que apela ao teísmo cético para apoiar o ceticismo sobre  afirmações divinas.  Eu afirmo que esse raciocínio é pelo menos tão plausível quanto uma estratégia teísta cética popular para responder a argumentos evidenciais do mal.  Assim, procuro empalar os teístas céticos nas pontas de um dilema: conceda que (a) o teísmo cético implica ceticismo sobre as afirmações divinas, ou (b) a estratégia teísta cética para responder a argumentos evidenciais do mal falha.  Uma implicação de (a) é que o teísmo cético está em desacordo com qualquer tradição religiosa segundo a qual existem certas afirmações de que podemos saber que são verdadeiras apenas em virtude do fato de que Deus nos disse que elas são verdadeiras.  Este resultado tornará a concessão (a) pouco atraente para muitos teístas céticos.  Antes de passar para o meu argumento principal, será necessária alguma montagem de palco.  Será essencial ter em mãos uma compreensão clara do teísmo cético em si, bem como a estratégia do teísta cético para refutar os argumentos evidenciais do mal.  


A natureza do teísmo cético 


Neste artigo, eu entendo o teísmo cético como teísmo (existe um único criador onipotente, onisciente, moralmente perfeito e necessariamente existente do universo) junto com a afirmação de que, pelo que sabemos, existem muitos bens  , males e conexões entre o bem e o mal, dos quais os seres humanos desconhecem. Podemos pensar na coleção de fatos sobre bens e males e as conexões entre eles como um iceberg.  O teísta cético afirma que simplesmente não sabemos quanto desse iceberg é visível para os seres humanos;  pelo que sabemos, vemos a maior parte do iceberg e, pelo que sabemos, vemos apenas sua ponta.  Como Michael Bergmann aponta, os teístas céticos não precisam sustentar que uma porção significativa do iceberg de fato não é visível para os humanos, ou mesmo que há razão para acreditar nisso;  a alegação é meramente que não podemos dizer quanto do iceberg é visível.  Como Bergmann coloca, o que o teísta cético mantém é simplesmente que "não seria nem um pouco surpreendente se a realidade [axiológica] superasse em muito nosso entendimento dela". Assim, o teísmo cético como vou entendê-lo aqui não inclui  a afirmação de que nosso conhecimento do bem, do mal e das conexões entre eles é maciçamente incompleto;  em vez disso, inclui a alegação mais fraca de que nosso conhecimento da integridade de nosso conhecimento do bem, do mal e das conexões entre eles é incompleto.  Quando se trata de bem e mal, não sabemos o quanto não sabemos.  Com este esboço de teísmo cético em mãos, consideremos como o teísmo cético se relaciona com o argumento do mal.  As seguintes definições serão úteis nessa tarefa: 


D1 E é uma instância de mal gratuito = df.  (1) E é uma instância do mal, e (2) nada justificaria Deus em permitir E (se houvesse um Deus).  

D2 E é uma instância do mal inescrutável = df.  (1) E é uma instância do mal, e (2) tendo pensado muito sobre o assunto, não sabemos de nada que justificaria Deus em permitir E (se houvesse um Deus).  

D3 A ação divina A tem uma justificação além de nossa compreensão = df.  (1) há algum grande bem, G, tal que (1) se Deus realizasse A, G justificaria Deus em realizar A, e (2) a conexão de G ou G com A está além do nosso alcance.  


Deve-se notar que, de acordo com D3, o fato de uma dada ação divina ter uma justificação além de nosso ken não implica que a ação divina também não tenha uma justificação que está dentro de nosso alcance.  Além disso, D3 permite tanto ações reais quanto ações divinas meramente possíveis para ter uma justificação além de nosso conhecimento.  Pode haver ações divinas possíveis que Deus seria justificado em realizar, mas que Ele não realiza.  Algumas versões do problema do mal dependem da chamada "inferência noseeum", que pode ser entendida assim: 


A inferência noseeum E é uma instância de mal inescrutável;  portanto, (provavelmente) E é uma instância de mal gratuito.


Junto com a observação de que o mal inescrutável existe e a suposição de que a existência do mal gratuito é incompatível com a existência de Deus, a inferência noseeum leva à conclusão de que Deus provavelmente não existe.  Teístas céticos negam que a inferência noseeum seja boa.  Uma crítica teísta cética da inferência noseeum consiste em três elementos principais.  Para entender esses três elementos, suponha que um crítico do teísmo aponte para a existência de um mal inescrutável particular, E, e ofereça E como evidência contra a existência de Deus.  Em resposta, os teístas céticos primeiro apontam para nossa ignorância a respeito da integridade de nosso conhecimento do bem, do mal e das conexões entre eles.  Em segundo lugar, os teístas céticos afirmam que esta ignorância implica que 'estamos no escuro sobre se - e quão provável é' que o mal particular E é, desconhecido para nós, inextricavelmente conectado com algum bem tal que o ato de Deus de permitir E está além da nossa compreensão. Como Alvin Plantinga coloca, "Deus pode ter razões que não podemos entender". A afirmação do teísta cético aqui é que nos falta justificação para acreditar que é falso ou improvável que o ato de Deus de permitir  E tem uma justificativa além do nosso conhecimento.  Bergmann coloca desta forma: '[Nós] carecemos de qualquer boa razão ou base justificativa para pensar que não existe ... uma razão justificadora de Deus [para permitir E].' Isso leva ao terceiro elemento da crítica do teísta cético  da inferência noseeum: porque nos falta justificativa para acreditar que é falso ou improvável que o ato de Deus de permitir E tenha uma justificativa além de nossa compreensão, a inescrutabilidade de E não é uma razão para pensar que E é, ou provavelmente será, gratuito  .  Assim, os três elementos principais da crítica do teísta cético à inferência noseeum podem ser (aproximadamente) resumidos da seguinte forma: 


A crítica do teísta cético (STQ) 


(1) Não sabemos quão completo é nosso conhecimento axiológico.  

(2) Portanto, não sabemos quão provável é que o ato de Deus de permitir E tenha uma justificação além de nossa compreensão.  

(3) Portanto, a inescrutabilidade de E não justifica a afirmação de que E é (ou é provável que seja) gratuito (ou seja, a inferência noseeum falha).  


Seria um erro simplesmente identificar o teísmo cético com a rejeição da inferência noseeum.  Que a inferência noseeum falha é uma implicação do teísmo cético.  O fundamento da rejeição da inferência por parte do teísta cético é a afirmação de que "não seria nem um pouco surpreendente se a realidade [axiológica] ultrapassasse em muito nosso entendimento dela" . O teísta cético apela a esta afirmação para apoiar a afirmação (2  ) acima, e a reivindicação (2), por sua vez, é a base para a rejeição da inferência noseeum.  O tipo de raciocínio que os teístas céticos empregam para desarmar a inferência noseeum pode ser usado de outras maneiras também.  Considere o seguinte exemplo: Uma história no The Guardian (31 de maio de 2006) sobre o aquecimento global atribui a seguinte observação a um 'lobista de Washington na direita religiosa': 'Deus realmente vai deixar a terra queimar? 'Presumivelmente, o lobista  estava sugerindo implicitamente que um aquecimento global significativo não ocorrerá porque um Deus perfeitamente bom não permitiria que ele ocorresse.  Mas considere a seguinte linha de raciocínio: (1) Não sabemos quão completo é nosso conhecimento axiológico;  (2) então, não sabemos quão provável é que o ato de Deus de permitir um aquecimento global significativo tenha uma justificativa além de nossa compreensão.  Além disso, Deus certamente possui poder e conhecimento suficientes para permitir ou até mesmo causar o aquecimento global.  Assim, não temos motivos para acreditar que é falso ou improvável que Deus permitirá o aquecimento global - a menos, é claro, que tenhamos de alguma forma boas razões para acreditar que mesmo que o ato de Deus de permitir o aquecimento global tenha uma justificativa além de nossa compreensão, Deus  não agirá com base nessa justificação.  Visto que parece que não temos boas razões para acreditar nisso, o teísmo cético, junto com algumas premissas plausíveis adicionais, leva à conclusão de que não somos justificados em acreditar que é falso ou improvável que Deus permitirá um aquecimento global significativo.  Observação: não afirmo que esse raciocínio seja válido.  Em vez disso, minha posição é que esse raciocínio é pelo menos tão plausível quanto STQ.  Minha alegação é que se o teísmo cético gerar uma réplica bem-sucedida ao argumento do mal da maneira descrita em STQ, então o teísmo cético também gera incerteza mais ampla sobre o que Deus fará ou não, em pelo menos alguns casos.  


Mentiras divinas 


A Bíblia cristã descreve Deus fazendo certas declarações aos seres humanos sobre o que Ele fará ou não no futuro.  Por exemplo, o Antigo Testamento relata que Deus disse a Noé que 'nunca mais haverá um dilúvio para destruir a terra', e no Novo Testamento o escritor do Evangelho de São João atribui a Jesus a afirmação de que 'todos os que vêem o  Filho e acreditam nele pode ter vida eterna;  e eu irei levantá-los no último dia'. Será útil neste ponto apresentar mais uma definição e fazer duas suposições.  Primeiro, a definição: 


D4 Proposição p tem justificação da palavra de Deus apenas = df.  a única razão que temos para acreditar em p é que Deus nos disse que p.


Dada esta definição, vamos supor, para fins de argumentação, que (1) Deus disse as coisas atribuídas a Ele nas passagens bíblicas citadas acima, e (2) as proposições afirmadas por Deus nessas declarações têm apenas a justificação da palavra de Deus  .  A questão a considerar é a seguinte: dadas essas suposições, podemos saber se essas afirmações são verdadeiras?  Considere o seguinte raciocínio: 


A ameaça de engano divino (TDD) 


(1) SE o teísmo cético for verdadeiro, ENTÃO, para qualquer afirmação divina de que p, não temos justificativa para acreditar que é falso ou improvável que o ato de Deus de afirmar intencionalmente que p  quando p é falso tem uma justificativa além de nosso conhecimento.  (2) SE, para qualquer afirmação divina de que p, carecemos de justificativa para acreditar que é falso ou improvável que o ato de Deus de afirmar intencionalmente que p quando p é falso tem uma justificação além de nossa compreensão ENTÃO não sabemos p se p  tem apenas a justificação da palavra de Deus (a menos que tenhamos bons motivos para pensar que, mesmo que Deus tenha alguma justificativa para mentir sobre p, Deus não age com base nessa justificação).  

(3) Assim, o teísmo cético implica que não conhecemos qualquer proposição que tenha apenas a justificação da palavra de Deus (a menos que tenhamos boas razões para pensar que, mesmo que Deus tenha alguma justificativa para mentir, Deus não age sobre essa justificação).  

(4) Não temos boas razões para pensar que, mesmo que Deus tenha alguma justificativa para mentir, Deus não age com base nessa justificação.  

(5) Portanto, o teísmo cético implica que não conhecemos nenhuma proposição que tenha apenas a justificação da palavra de Deus.  


Ao pensar sobre esse argumento, é importante lembrar que ações divinas meramente possíveis podem ter uma justificação além de nossa compreensão.  Assim, este argumento não implica que quaisquer afirmações divinas sejam realmente falsas.  A premissa (1) pode ser sustentada por um raciocínio paralelo aos dois primeiros elementos do STQ.  De acordo com o teísmo cético, até onde sabemos, existem muitos bens, males e conexões entre o bem e o mal dos quais desconhecemos.  Assim, carecemos de justificativa para acreditar que é falso ou improvável que o ato de Deus de afirmar intencionalmente p quando p é falso tenha uma justificação além do nosso conhecimento.  As premissas (2), (3) e (4) podem ser apoiadas por um raciocínio paralelo ao raciocínio empregado acima em relação ao exemplo do aquecimento global.  Suponha que não tenhamos justificativa para acreditar que é falso ou improvável que o ato de Deus de afirmar intencionalmente p quando p é falso tenha uma justificação além de nossa compreensão.  Visto que Deus tem o poder e o conhecimento para afirmar p quando p é falso, carecemos de fundamentos para acreditar que é falso ou improvável que Deus tenha intencionalmente afirmado p quando p é falso - a menos que tenhamos boas razões para acreditar que mesmo se Deus agir mentindo sobre a justificação além de nosso-conhecimento, Deus não agirá sobre essa justificação.  Visto que parece que não temos boas razões para acreditar nisso, carecemos de justificativa para acreditar que é falso ou improvável que p seja falso e, portanto, não sabemos que p é verdadeiro.  Não afirmo que o TDD seja bom.  Em vez disso, afirmo que TDD é pelo menos tão plausível quanto STQ.  Se esta afirmação estiver correta, então (a) o teísmo cético implica que não conhecemos nenhuma proposição que tenha apenas a justificação da palavra de Deus, ou (b) o STQ falha.  Assim, os teístas céticos que endossam o STQ enfrentam um dilema: rejeitar o STQ ou aceitar que não conhecemos qualquer proposição que tenha apenas a justificação da palavra de Deus.  


TDD clarificado 


Para esclarecer a natureza do TDD, será útil identificar algumas conclusões que ele não apóia.  Por exemplo, considere estas observações de Bruce Russell: 


É a visão de que existe um Deus que, por razões além de nossa compreensão, permite o sofrimento que parece sem sentido para nós, qualquer diferente epistemicamente da visão de que existe um Deus que criou o universo 100  anos atrás e, por razões além de nossa compreensão, nos enganou fazendo-nos pensar que é mais antigo?  Parece que não.


Considere as seguintes afirmações: 


(a) Todos os que acreditam em Cristo terão vida eterna.  

(b) O ato de Deus de afirmar intencionalmente que (a) quando (a) é falso tem uma justificativa além de nossa compreensão.  

(c) O universo tem mais de 100 anos.  

(d) O ato de Deus de nos fazer acreditar em (c) quando (c) é falso está além de nossa justificativa.  


Dada a suposição anterior de que (a) tem justificação da palavra de Deus apenas, a relação entre (a) e (b) é significativamente diferente da relação entre (c) e (d).  Se nos falta justificativa para acreditar que é falso ou improvável que (b) seja verdadeiro, então não temos razão para aceitar (a);  no entanto, mesmo que não possamos avaliar a probabilidade de (d), podemos ter motivos para aceitar (c).  Isso ocorre porque a evidência para (c) não se limita exclusivamente à palavra de Deus;  temos muitas evidências empíricas que apóiam (c). Em contraste, dadas as nossas suposições anteriores, a única base que temos para aceitar (a) é a afirmação de Deus de que (a) é verdade.  Nessas circunstâncias, nossa posse de justificativa para acreditar que (b) é falsa ou improvável é essencial para conhecer (a) e, de acordo com TDD, o teísmo cético implica que não temos tal conhecimento.  Portanto, o TDD não tem como objetivo provar que o teísmo cético leva a um ceticismo abrangente;  em vez disso, TDD visa estabelecer a afirmação mais fraca (mas ainda significativa) de que o teísmo cético leva ao ceticismo sobre todas as proposições que têm apenas a justificação da palavra de Deus.


Em sua defesa de uma crítica diferente ao teísmo cético, Michael Almeida e Graham Oppy dizem o seguinte: 


Os teístas céticos não devem acreditar que os mandamentos de Deus fornecem razões para a ação consideradas todas as coisas.  Se alguém aceita que Deus pode ter razões além de nossa compreensão para permitir o estupro e o assassinato de crianças, então como alguém pode razoavelmente negar que Deus possa ter razões além de nossa compreensão para nos ordenar que façamos o que temos razões mais importantes para não fazer?  Mas se Deus pudesse ter razões além do nosso alcance para nos ordenar que façamos o que temos razão mais importante para não fazer, então certamente não é verdade que os mandamentos de Deus nos fornecem razões para ação consideradas todas as coisas.


Considere as seguintes afirmações: 


(a) Todos os que acreditam em Cristo terão vida eterna.  

(b) O ato de Deus de afirmar intencionalmente que (a) quando (a) é falso tem uma justificativa além de nossa compreensão.  

(c) Temos uma razão considerada em todas as coisas para amar nosso próximo como amamos a nós mesmos.

(d) O ato de Deus de nos ordenar que amemos nosso próximo como amamos a nós mesmos, mesmo quando não temos uma razão totalmente considerada para fazer  o mesmo aconteceu com a justificação além do nosso conhecimento.  


A relação entre (e) e (f) pode ser paralela àquela entre (a) e (b).  No entanto, enquanto o teísmo cético pode nos tornar incapazes de avaliar a probabilidade de (b), o teísmo cético não nos torna incapazes de avaliar a probabilidade de (f).  Há uma diferença importante entre (b) e (f), relacionada à diferença entre prometer ou afirmar por um lado e comandar por outro.  Em pelo menos algumas versões da teoria do comando divino, quando Deus ordena aos humanos que executem uma determinada ação, Ele não está agindo meramente como um mensageiro, informando aos humanos que eles têm uma razão considerada de tudo para executar a ação em questão.  Em vez disso, ao emitir a ordem, Deus faz com que os humanos comandados tenham uma razão considerada todas as coisas para realizar o ato em questão porque, ao dar a ordem, Deus impõe aos humanos comandados a obrigação moral de cumprir o que foi ordenado  Aja.  Por exemplo, Robert Adams afirma que 'a obrigação moral é constituída por mandamentos divinos'. Nesse tipo de abordagem, a afirmação (f) é impossível porque o fato de Deus nos ordenar que amemos nosso próximo como amamos a nós mesmos implica que temos  uma razão ponderada para fazê-lo.  Portanto, as considerações que apresentei até agora não são suficientes para mostrar que o teísmo cético está em desacordo com a visão de que os mandamentos de Deus fornecem razões para a ação consideradas todas as coisas (e, portanto, acho que o raciocínio de Almeida e Oppy na passagem citada também é rápido).  O resultado é que, embora TDD vise mostrar que o elemento cético do teísmo cético tende a transbordar de certas maneiras, para todos os programas de TDD, este estouro permanece dentro de limites bastante definidos.  Especificamente, ele se estende a todas as reivindicações que têm apenas a justificação da palavra de Deus.  Ela pode se estender além disso;  entretanto, o TDD não tem a intenção de mostrar que sim.  


Descartes, Kant, Hobbes e Ross 


Descartes afirmam que Deus não pode enganar com o fundamento de que Deus é perfeito e "a luz da natureza nos ensina que o engano deve sempre ser o resultado de alguma deficiência" . Vamos distinguir dois tipos de casos.  No primeiro tipo de caso, Deus nos engana involuntariamente.  Deus mantém uma falsa crença de que p e nos diz que p é verdadeiro.  Nesse tipo de caso, Deus exibe uma deficiência intelectual ou cognitiva.  Tal deficiência entra em conflito com a natureza perfeita de Deus (especificamente, com Sua onisciência) e, portanto, é impossível.  No segundo tipo de caso, Deus sabe que p é falso, mas nos diz que p é verdadeiro para assegurar algum grande bem (ou prevenir algum grande mal).  Se houver uma deficiência aqui, é mais moral do que intelectual.  Mas, para saber que esse tipo de engano da parte de Deus implicaria em uma deficiência moral de Deus, teríamos que saber que Deus nunca poderia ser moralmente justificado em nos enganar.  Se TDD for correto, então o teísta cético não pode sustentar consistentemente que Deus nunca poderia ser moralmente justificado em nos enganar.  Existe alguma maneira de um teísta cético rejeitar o TDD sem também desistir do STQ?  Uma estratégia para resistir ao TDD baseia-se na visão de que uma coisa que nós, seres humanos, sabemos sobre moralidade é que mentir é sempre moralmente errado, independentemente das consequências.  Kant parece ter defendido tal ponto de vista. Se este ponto de vista kantiano estiver correto, então podemos saber que nenhuma mentira divina tem uma justificativa além de nossa compreensão (uma vez que nenhuma mentira é jamais justificada), e, portanto, a premissa (1) de TDD é  falso.  A fraqueza central dessa linha de raciocínio é que a alegação de que mentir é sempre moralmente errado, independentemente das consequências, seja qual for o seu pedigree, é implausível.  Não é difícil pensar em situações em que seja bastante plausível supor que mentir seja moralmente permissível.  Muitas dessas situações envolvem mentir para alcançar um grande bem ou prevenir um grande mal.  Em sua discussão de uma sociedade ideal, Platão defende o uso de uma 'nobre falsidade' pelos governantes, uma mentira contada aos cidadãos para o bem da sociedade como um todo. John Stuart Mill defende a mentira quando fazê-lo é a única maneira  para salvar alguém de um 'grande e imerecido mal'. Um dos exemplos mencionados por Mill é o de mentir para reter más notícias de uma pessoa perigosamente doente, um cenário explorado longamente no romance de ficção científica de James Morrow sobre um homem que mente  a seu filho moribundo sobre a gravidade de sua doença. De fato, cenários em que os pais mentem para os filhos para o bem dos filhos apresentam alguns dos exemplos mais plausíveis de mentira admissível.  Este tema é explorado no cinema e na literatura;  exemplos incluem o romance de Morrow, bem como o filme de Robert Benigni de 1997, Life is Beautiful e o romance de McCarthy Cormac, The Road. Esses exemplos são particularmente salientes no presente contexto porque os teístas costumam sugerir que a relação entre Deus e Suas criaturas é análoga àquela entre pais e seus filhos. Curiosamente, Hobbes apela apenas a esses tipos de exemplos em objeção à afirmação de Descartes de que Deus não pode nos enganar: 


É crença comum que nenhuma falha é cometida por médicos que enganam pessoas doentes por causa da saúde, nem por pais que enganam seus filhos para o seu bem … M. Descartes deve, portanto, olhar para esta proposição, Deus não pode em caso algum nos enganar, tomada universalmente, e ver se ela é verdadeira …  


Pode ser sugerido que, embora esses tipos de exemplos mostrem que às vezes é permitido que seres humanos imperfeitos enfrentando escolhas difíceis mentem,  eles não mostram que é permitido a um ser perfeito mentir.  Afinal, que motivo Deus poderia ter para mentir para nós?  Mais especificamente, que razão Deus poderia ter para mentir para nós a respeito da afirmação de que todos os que crêem em Cristo terão vida eterna?  É difícil pensar em uma justificativa divina para mentir sobre algo assim.  Mas é claro que esse é precisamente o tipo de raciocínio que o teísmo cético supostamente causa problemas.  Teístas céticos sustentam que o fato de que não podemos pensar em uma justificação para Deus permitir um certo mal faz pouco para sugerir que tal justificação não existe.  Se o teísmo cético apóia esta afirmação, então também apóia a afirmação de que o fato de que não podemos pensar em uma justificativa para Deus dizer uma certa mentira faz pouco para sugerir que tal justificação não existe.  No mínimo, o teísta cético nos deve uma explicação do que distingue os dois tipos de casos.  Com base em que pode um teísta cético descartar a existência de algum bem espetacularmente grande que está conectado com a mentira divina de forma a justificá-lo?  Outra razão pela qual um teísta cristão em particular pode achar a visão inspirada por Kant de que é sempre errado Deus mentir insustentável é que há passagens nas Escrituras que parecem descrever o engano divino.  Por exemplo, o Evangelho de São João retrata Jesus dizendo a seus irmãos que não comparecerá ao Festival de Barracas na Judéia, mas sim mais tarde em segredo. E em uma de suas cartas, Paulo descreve Deus como enviando a certas pessoas 'uma poderosa ilusão, levando-os a acreditar no que é falso'. Também relevante aqui é a amarração de Isaque no Antigo Testamento. Embora Deus não seja retratado como mentindo explicitamente naquele episódio, uma leitura natural do episódio mostra que Deus intencionalmente cria na mente de Abraão a crença de que Abraão terá que sacrificar Isaque, uma crença que no final das contas se revela falsa.  A linha kantiana pode não estar disponível para aqueles que levam essas passagens a sério. Essas passagens também são relevantes para a premissa (4) do TDD.  Aqui, novamente, está essa premissa: 


(4) Não temos bons motivos para pensar que, mesmo que Deus tenha alguma justificativa para mentir, Deus não age com base nessa justificação.


Se as passagens bíblicas mencionadas acima sugerem engano divino, então tais passagens fornecem algum suporte indireto para a premissa (4).  Eles fazem isso apresentando um desafio para qualquer cristão que queira argumentar que temos uma boa razão para pensar que, mesmo que Deus tenha alguma justificativa para mentir, Deus não age com base nessa justificação.  As passagens discutidas acima podem sugerir que, pelo menos em alguns casos, Deus está justificado em mentir, e que Ele realmente age com base nessa justificação.  A estratégia kantiana para resistir ao TDD, então, não é particularmente promissora.  No entanto, talvez haja uma visão mais fraca nas proximidades que ajudará o teísta cético.  Considere o conceito de dever prima facie de Ross. Talvez mentir seja prima facie errado;  mentir é realmente errado, a menos que haja uma razão moral suficientemente forte para mentir.  Considere a afirmação de que mesmo se o teísmo cético for verdadeiro, temos alguma razão para pensar que é falso ou improvável que Deus minta.  As mentiras divinas, porque são mentiras, são prima facie erradas;  que eles estão prima facie errados constitui uma razão (inviável) para acreditar que as mentiras divinas não ocorrem.  Assim, a premissa (1) do TDD é falsa.  O problema com essa linha de raciocínio é o seguinte: a alegação de que mentir é errado prima facie é quase tão plausível quanto a alegação de que permitir o mal que alguém poderia ter evitado é prima facie errado.  De acordo com a STQ, o teísmo cético implica que, para cada caso em que Deus permite o mal, não sabemos se é falso ou mesmo improvável que a permissão de Deus para esse mal tenha uma justificação além de nossa compreensão.  Portanto, se permitir o mal é prima facie errado, os teístas céticos devem dizer que saber que permitir o mal é prima facie errado não nos permite saber que é falso ou improvável que Deus permita o mal.  À luz disso, é difícil ver como o teísta cético pode consistentemente afirmar que saber que mentir é prima facie errado nos permite saber que é falso ou improvável que Deus minta.  Assim, a estratégia Rossiana não permite que o teísta cético refute minha afirmação de que STQ e TDD permanecem ou caem juntos.  


Outras objeções e respostas 


Eu argumentei que os teístas céticos que endossam o STQ enfrentam um dilema: rejeitar o STQ ou aceitar que não conhecemos nenhuma proposição que tenha apenas a justificação da palavra de Deus.  Nesta seção, considero e respondo a várias objeções ao meu argumento.  Uma estratégia para responder ao meu argumento envolve tentar resolver o dilema sugerindo que os crentes religiosos não deveriam ficar particularmente preocupados com a conclusão do TDD.  De acordo com essa estratégia, os teístas céticos deveriam responder ao meu argumento simplesmente aceitando a solidez do TDD.  Uma versão dessa estratégia se baseia na afirmação de que, se Deus nos diz algo, podemos ter certeza de que Ele deseja que acreditemos, mesmo que não possamos saber se é verdade.  Além disso, o fato de Deus querer que acreditemos em algo é razão suficiente para nós acreditarmos.  Desta forma, pode-se argumentar que mesmo que o TDD seja sólido, os crentes religiosos ainda têm boas razões para acreditar no que (eles pensam) Deus lhes disse.  A primeira coisa a notar sobre essa resposta são suas implicações incomuns a respeito da natureza da revelação divina.  Suponho que a compreensão tradicional da revelação divina afirma que se Deus nos diz que p, então Ele está nos revelando a verdade de p.  No entendimento alternativo em consideração, se Deus nos diz que p, então Ele não está revelando a verdade de p de forma alguma.  Em vez disso, Ele está revelando algo sobre Si mesmo, a saber, que Ele deseja que acreditemos p.  


Além disso, o tipo de razão que temos para acreditar que p não fornece garantia para nossa crença de que p (eu uso o termo "garantia" para indicar quaisquer fatores que fazem a diferença entre a mera crença verdadeira e o conhecimento).  Em vez disso, é uma razão que fornece uma justificativa prudencial e / ou moral para o nosso "ato" de acreditar p.  A resposta em questão constrói revelações divinas que p muito parecido com mandamentos divinos para acreditar p.  Um problema mais profundo com essa resposta é que, dada a solidez do TDD, é difícil ver como os teístas céticos podem ter certeza de que quando Deus nos diz que p, Ele deseja que acreditemos em p.  Para saber isso, teríamos que saber qual é o objetivo final de Deus ao nos dizer p.  Mas o teísmo cético parece tornar impossível que saibamos disso.  Dado o teísmo cético e a solidez do TDD, carecemos de justificativa para acreditar que é falso ou improvável que o ato de Deus de nos dizer que p tem uma justificação além de nosso alcance.  E isso implica que, pelo que sabemos, o objetivo de Deus nos informando que p não é que passemos a acreditar em p, mas sim que reagimos de alguma outra forma.  Se não temos ideia de quais são os objetivos finais de Deus, talvez, então não temos idéia de quais são os objetivos finais de Deus, talvez, e, portanto, não temos ideia de como Ele quer que respondamos quando nos diz algo - ou, na verdade, faz qualquer outra coisa.  O problema básico aqui é que, se não temos ideia do que Deus está fazendo, então não temos ideia de como Ele quer que respondamos às Suas interações conosco.  Há outra resposta que também envolve aceitar o TDD, mas procurando neutralizar sua importância.  Essa resposta começa com a observação de que nada em TDD implica que Deus não seja moralmente perfeito.  Assim, mesmo que não possamos conhecer quaisquer proposições que tenham apenas a justificação da palavra de Deus, podemos pelo menos ter certeza de que, no final, tudo dará certo.  É importante reconhecer o quão pouco isso nos diz no contexto do teísmo cético.  Dado o teísmo cético, pode ser que os bens finais que Deus busca estejam inteiramente além de nossa compreensão.  Portanto, mesmo que possamos ter certeza de que tudo sairá da melhor maneira, não temos motivos para aceitar qualquer especificação específica de como esse grande resultado final irá assumir.  Por exemplo, pelo que sabemos, tudo que deu certo inclui todos aqueles que acreditam que Cristo será aniquilado no momento da morte.  Isso parece muito diferente de qualquer compreensão cristã reconhecível do destino dos crentes após a morte.  Saber que tudo vai dar certo é, no contexto do teísmo cético, saber muito pouco.  Seria mais correto dizer que o que pode ser conhecido, apesar da solidez do TDD, é simplesmente que tudo acabará bem - seja o que for que isso signifique. 


Assim, parece que o teísta cético que deseja endossar  STQ enfrenta a tarefa de fazer o caso que TDD e STQ não resistem ou caem juntos.  Isso envolveria argumentar que, embora nossa falta de conhecimento sobre a integridade de nosso conhecimento axiológico nos impeça de saber, com respeito a qualquer mal em particular, que é falso ou improvável que o ato de Deus de permitir que o mal esteja além de nosso alcance e  justificação, nossa falta de conhecimento quanto à completude de nosso conhecimento axiológico não nos impede de saber, com respeito a qualquer proposição particular que tenha apenas a justificação da palavra de Deus, que é falso ou improvável que o ato de Deus mentir ao afirmar que  proposição tem uma justificativa além do nosso conhecimento.  Não consigo ver como esse argumento funcionaria;  é claro, isso não quer dizer que tal argumento não possa ser feito.  Talvez este artigo incite algum teísta cético ou outro a apresentar esse tipo de argumento. 


Conclusão 


Teístas e não teístas têm se preocupado com as dificuldades associadas à crença em um Deus cujos caminhos e pensamentos são muito superiores aos nossos.  Hume, por exemplo, conclui que a religião natural nos deixa com uma concepção de Deus tão pobre que "não oferece nenhuma inferência que afete a vida humana". CS Lewis se preocupa que "uma qualidade totalmente desconhecida em Deus não pode nos dar base moral para amar ou obedecer a Ele". Os teístas céticos procuram explorar os limites de nossa compreensão dos caminhos de Deus para neutralizar a ameaça ao teísmo representada pela presença de um mal inexplicável no mundo.  Mas o ceticismo é uma arma complicada, e acredito que os teístas céticos estão sujeitos a uma espécie de contra-ataque filosófico.  Se sua marca de ceticismo neutraliza a ameaça representada pela inferência noseeum, então também ameaça sua reivindicação de conhecimento dos propósitos e intenções de Deus.  O Deus representado pelas principais tradições religiosas monoteístas é aquele que ajuda os seres humanos a entender o que Ele está fazendo, pelo menos em parte, ao nos contar alguns fatos importantes sobre a realidade última.  O problema colocado para os teístas céticos por TDD é que não é razoável para eles acreditarem na palavra de Deus.  Se TDD for correto, então o teísmo cético implica que, por tudo que sabemos, a palavra de Deus não constitui revelação divina, mas sim uma mentira divina justificada.  Além disso, observe que se o TDD for correto, então cristãos, judeus e muçulmanos devem pensar cuidadosamente sobre se o teísmo cético é coerente com seus outros compromissos religiosos.  Pois, como observa Nicholas Wolterstorff, "profundamente nas tradições do judaísmo, cristianismo e islamismo, está a atribuição da palavra a Deus.  Eliminar essas atribuições dessas religiões seria ter apenas fragmentos restantes." Mais tarde, Wolterstorff observa que entre os "princípios tradicionais que orientam a interpretação bíblica na tradição cristã "está o princípio" de que Deus nunca

fala falsidade'. E em uma discussão sobre a necessidade da revelação divina dentro da tradição cristã, Richard Swinburne disse: 


[Nós] precisamos de informações históricas sobre como Deus providenciou uma expiação, e informações práticas sobre como podemos defendê-la  .  É difícil ver como poderíamos obter as informações históricas sem Deus, ele mesmo ou por outro, nos dizendo o que estava acontecendo;  ou as informações práticas sem outras instruções divinas….  E ... o objetivo do Céu e o perigo do Inferno são coisas que só podemos imaginar, sem que Deus nos diga mais.  Para fortalecer algumas dessas crenças necessárias para nossa salvação, e para fornecer outras delas, precisamos de revelação proposicional.  ... [S]e existe um Deus, a verdade sobre o universo é muito profunda, bem distante da experiência humana comum.  Precisamos da ajuda de cima, a fim de compreender a realidade mais profunda. 


Essas passagens sugerem que existe uma tensão prima facie entre o Cristianismo tradicional e a afirmação de que não podemos conhecer qualquer proposição que tenha apenas a justificação da palavra de Deus.  Portanto, se TDD é válido, há tensão prima facie entre o Cristianismo tradicional e o teísmo cético.  Tem sido sugerido que o teísmo cético não é uma nova hipótese avançada por filósofos contemporâneos, mas sim fez parte do cristianismo tradicional o tempo todo.  Por exemplo, Stephen Wykstra escreve: 


[S]e pensarmos cuidadosamente sobre o tipo de ser que o teísmo propõe para nossa crença, é inteiramente esperado - dado o que sabemos de nossos limites cognitivos - que os bens em virtude dos quais este Ser permite conhecer  o sofrimento deve frequentemente estar além do nosso alcance.  ... [E] isto não é um postulado adicional: estava implícito no teísmo (tomado com um pouco de realismo sobre nossos poderes cognitivos) o tempo todo. 


Existem várias passagens bíblicas que dão suporte a tal visão. Em vez de mergulhar aqui em questões complicadas de interpretação das escrituras, ficarei contente em fazer a simples observação de que se (i) o teísmo cético faz parte do cristianismo tradicional, (ii) o TDD é válido e (iii) o cristianismo tradicional também inclui a visão de que podemos conhecer proposições  que têm apenas a justificação da palavra de Deus, então o Cristianismo tradicional é internamente incoerente.


Link:https://www.cambridge.org/core/journals/religious-studies/article/abs/sceptical-theism-and-divine-lies/CC865D9C5DA391DFC7563C7C10FE2E23


Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima.

Postagem Anterior Próxima Postagem