Tradução: Iran Filho

Um novo artigo científico revisado por pares foi publicado que tenta calcular uma taxa real de abiogênese em escalas cósmicas, “Emergence of Life in an Inflationary Universe” por Tomonori Totani, na Scientific Reports 10 (2020). É muito bom, mas tem algumas falhas fatais das quais você deve estar ciente antes de citá-lo sem crítica (falhas que o próprio artigo reconhece, mas não o suficiente para muitos leitores leigos). Vale a pena escrever um artigo sobre porque geralmente isso nunca acontece - tais taxas propostas tendem a ser especulações fora da revisão por pares ou um disparate completo que alguns ignorantes acabaram de inventar, ou não eram afirmações reais de frequência, mas apenas alguns cálculos grosseiros para mostrar por que precisamos para fazer mais trabalho para descobrir qual poderia ser a frequência real (que outra pessoa - geralmente um apologista cristão - mais tarde tentou “fazer passar” como uma afirmação real da frequência cósmica para a abiogênese). Além disso, as falhas que podem ser questionadas neste artigo não são óbvias, mas é importante entender. Espero que o seguinte seja útil.

História
Este é um assunto no qual estou devidamente publicado. Meu artigo revisado por pares sobre argumentos de frequência de abiogênese apareceu em Biology & Philosophy em 2004: "The Argument from Biogenesis: Probabilities Against a Natural Origin of Life." Abordei a questão, é claro, não como um cientista (eu confio em fontes científicas reais para isso), mas como um filósofo, analisando o uso desses tipos de cálculos para impulsionar narrativas ideológicas específicas, o que realizei diagramando a lógica de tais argumentos e pesquisando quem realmente os fez e em que bases e quais eram seus argumentos originais - além de ilustrar sua obsolescência em muitos casos, uma vez que muitas alegações anteriores foram refutadas pela ciência subsequente, como também documentei.

Desde então, escrevi alguns artigos de blog sobre o assunto da abiogênese também, mais recentemente resumindo o assunto em minha crítica de vídeos promovendo teísmo na PragerU, mas mais particularmente em Why Life must be Complex (and thus probably won't be on Mars) e Could Be a 38% Chance We Are the Only Civilization in the Known Universe. Ao longo de todo este trabalho, inclusive sob revisão por pares, descobri que todas as tentativas de localizar uma frequência real esperada de biogênese espontânea no universo são fatalmente falhas e pode-se provar que subestimam grosseiramente essa frequência. E a maioria dos cientistas concorda. O consenso na comunidade de protobiologia e exobiologia é basicamente que a abiogênese é provavelmente relativamente comum cosmicamente, embora rara galacticamente. Apenas a descoberta real de vida alienígena (ou algum modo confiável de realmente provar sua ausência galáctica por observação) provavelmente alterará a avaliação neste ponto.

Em meu artigo para a B&P, descobri que todas as frequentes reivindicações anteriores sofriam de uma ou mais de várias falhas fatais (e por "fatal" quero dizer: você não pode corrigi-los; não é um erro trivial que uma vez corrigido produz um resultado utilizável):
  1. Fontes obsoletas: Qualquer frequência que estivesse sendo citada era tão antiga que a ciência subsequente já a refutou ou a tornou inutilizável.
  2. Omissão de contexto: Os números citados não foram realmente usados ​​para afirmar uma frequência de biogênese em primeiro lugar.
  3. Matemática errada: Não calcular corretamente uma probabilidade (muitos erros diferentes são cometidos aqui, alguns indesculpáveis).
  4. Confundir o vencedor com os jogadores: Supondo que apenas exatamente nossa vida seja possível (ou que haja apenas uma molécula auto-replicante possível), quando na verdade muitos outros tipos de vida são possíveis (e deve haver muitos auto-replicadores diferentes que poderia iniciá-lo), o que deve ser corretamente levado em consideração na matemática.
  5. Implorando pelo tamanho do protobionte: não derivar uma estimativa sólida baseada em evidências de quão pequena (ou seja, quão estruturalmente simples) uma molécula auto-replicante pode ser.
  6. Confundir evolução com características espontâneas: Bizarramente assumindo que o primeiro replicador tem que ser um organismo altamente evoluído, ou ter todas as mesmas características de um (e, portanto, superestimar grosseiramente o tamanho de um primeiro replicador).
  7. Exigir mais acidentes do que a física realmente sugere: Assumindo incorretamente que certas características como a homoquiralidade devem ser originais em vez de evoluídas (auto-replicadores heteroquirais são realmente possíveis e poderiam ter evoluído para homoquirais), e / ou incorretamente assumindo que tais características devem ser obtidas aleatoriamente chance quando muitas condições conhecidas podem produzi-los de forma não aleatória (por exemplo, condições estelares podem causar homoquiralidade muito antes de a montagem aleatória produzir um primeiro replicador; a recombinação em superfícies de argila já produz homoquiralidade; as cadeias homoquirais são mais estáveis ​​e, portanto, mais capazes de crescer em comprimentos necessários para a auto- replicação; etc.).
O artigo de Totani parece evitar todos esses erros, exceto os números 5 e 7, e mesmo com aqueles que ele faz muito melhor do que a maioria, seus argumentos são todos baseados em ciência sólida, o que é uma conquista em si. Seu único erro Tipo 5 é ignorar mundos pré-RNA e superestimar até mesmo o tamanho mínimo do RNA com base em alguma lógica defeituosa. Com relação ao seu erro Tipo 7, ele não comete aquele erro comum sobre homoquiralidade, mas sua matemática ainda ignora muitos mecanismos conhecidos para ordenar moléculas e, portanto, só pode subestimar grosseiramente a frequência da biogênese. Como veremos em breve, Totani realmente admite isso na conclusão de seu próprio artigo, e é importante examinar por que isso é mais importante do que ele deixa transparecer.

No entanto, mesmo com esses dois erros, a conclusão de Totani é que devemos esperar que a abiogênese aleatória ocorra várias vezes no volume provável do universo, mas em média menos de uma vez por volume de cosmos equivalente ao universo atualmente visível. Esta é uma estimativa muito mais pessimista da biogênese do que qualquer especialista em protobiologia viva jamais proferiu. Normalmente, esse pessimismo extremo se atribui apenas à frequência das civilizações, não à vida simples ou aos meros eventos de origem (a maioria dos quais nunca evoluirá nem mesmo para uma vida complexa, muito menos civilizações). E, no entanto, Totani mostra que o universo observável é uma fração tão minúscula do tamanho que o universo deve ter nas teorias cosmológicas atuais (por exemplo, dada a planura do espaço-tempo que envolve um universo muito maior do que o mero horizonte de luz visível) que a abiogênese espontânea é ainda um evento inevitável, mesmo com suas suposições extraordinariamente pessimistas. Como ele coloca, mesmo suas estimativas mais conservadoras implicam que "a vida teria surgido em incontáveis ​​planetas em todo o universo inflacionário em que existimos."

No entanto, suas suposições ainda são excessivamente pessimistas. Vamos dar uma olhada…

Erro de Classe VII: Superação de Acidente vs. Necessidade
Totani calcula apenas para a montagem aleatória de uma molécula de RNA de comprimento de 40 nucleotídeos (no mínimo). Ele desconsidera a homoquiralidade (e explica corretamente por que devemos) e permite a um grande número de tais moléculas a possibilidade de serem autorreplicantes (evitando o erro número 4) e demonstra por que pequenas variações nas suposições iniciais têm pouco efeito em suas conclusões, que são logarítmicas ( portanto, os efeitos dos microparâmetros variáveis ​​são minúsculos demais para ter importância). Mas embora ele mencione a probabilidade de forças de ordenação que aumentam muito a probabilidade de montagem espontânea, ele não inclui nenhuma delas em seus cálculos - pela razão óbvia de que ainda não temos dados experimentais sobre sua eficiência. Mas isso torna seu cálculo uma falácia do Argumento da Ignorância. Ele corretamente pede mais trabalho experimental para corrigir esse problema, mas um leitor desatento pode perder isso e pensar que seus resultados são fatos científicos quando até o próprio Totani admite que eles são subestimados devido à atual ignorância científica, e não ao conhecimento científico.

Por exemplo, Totani acrescenta em sua conclusão:

Um processo possivelmente importante é a polimerização em vários ciclos. Na polimerização em superfícies de argila, monômeros e oligômeros inativos restantes do ciclo anterior devem ser liberados de uma superfície de argila para que o próximo ciclo funcione, mas uma fração de oligômeros longos pode permanecer na superfície. Adicionar monômeros recentemente ativados a tais oligômeros ao longo de muitos ciclos pode ser uma maneira eficiente de montar um polímero longo.

Ou seja, sua matemática apenas assumiu a montagem aleatória do zero, quando sabemos com certeza que muitos polímeros serão construídos sobre os já existentes, de modo que cordas longas tenham probabilidades mais altas do que o acaso aleatório poderia prever. E quando levamos isso em conta, diz ele, isso implicaria “uma possibilidade de que a abiogênese tenha ocorrido mais de uma vez dentro do universo observável” e, portanto, “essa possibilidade não deve ser negligenciada”. Claro, sua matemática o ignora.

Isso é como roubar Peter para defender Paul aqui. Ele admite que não devemos ignorar isso; depois de tê-lo negligenciado. Portanto, para traduzir o que acabou de acontecer para o inglês coloquial: ele está aqui dizendo a você, talvez muito obscuramente, que seus resultados reais são uma subestimação grosseira de quantos eventos formadores de vida espontâneos provavelmente existem no universo. Sua desculpa é simplesmente que o efeito de incluir tais forças ordenadoras é desconhecido, portanto, sua matemática não as leva em conta. Mas isso equivale a admitir que seus resultados são, na verdade, falsos. É como dizer "se desconsiderarmos todas as coisas que tornam a vida frequente, obtemos um resultado de que a vida é rara". Sendo praticamente uma tautologia inútil, este não é um resultado científico muito significativo.

Mas é pelo menos um começo útil.

O que Totani está fazendo aqui é descobrir de uma forma bem informada e responsável quais seriam as probabilidades "pelo processo de polimerização mais conservador, ou seja, adição Poissoniana aleatória de monômeros", e então admite corretamente que esse não é provavelmente o modo de vida real surgiu, é apenas a única maneira pela qual podemos provar empiricamente ser possível no momento (porque ele está usando apenas como premissas processos bem demonstrados para funcionar empiricamente e amplamente documentados para ocorrer na natureza; fatos, ao invés de meras teorias). E ao admitir que está apenas calculando os números para o processo "mais conservador", ele está na verdade construindo um argumento a fortiori: em vez de dizer que a vida deve ser tão rara a ponto de ocorrer nem mesmo uma vez por universo visível (ou seja, por "volume de Hubble" ), ele está dizendo que mesmo que a vida seja tão rara como esta (ou seja, mesmo que a vida surja apenas de processos puramente aleatórios, a mera "adição Poissoniana aleatória de monômeros"), ela inevitavelmente ocorrerá inúmeras vezes por universo real (uma vez que o visível o universo é necessariamente apenas uma fração do todo, e a teoria cosmológica bem-sucedida atual dá fortes indicações do tamanho mínimo do universo real nas observações atuais, por exemplo, a planura extrema do espaço-tempo implica que o universo estende uma distância extraordinária além do horizonte visível).

Portanto, embora um apologista possa citar erroneamente o artigo de Totani como um argumento contra a biogênese natural, seu artigo está na verdade apresentando um forte argumento a favor da biogênese natural. E explicitamente: essa é a sua tese. Mas alguém poderia até mesmo usá-lo de forma responsável e válida como um argumento contra a criação divina da vida, mesmo que essa não seja a tese de Totani, porque o divino não precisa de um cosmos tão vasto e uma química complexa para obter vida, ao passo que todo universo ímpio precisa, portanto, as observações correspondem exatamente às expectativas sobre o ateísmo, sem quaisquer suposições adicionais, ao passo que este não é o caso do teísmo. O fator de Bayes, portanto, sempre se inclina para o ateísmo aqui.

Mas podemos ir além da matemática de Totani para uma ideia mais sólida de como a vida pode surgir de um mundo para outro usando suas próprias declarações qualificativas. Como o próprio Totani admite:

Deve-se notar, no entanto, que o caso de uma alta taxa de abiogênese ... não pode ser excluído por este trabalho, porque assumimos que a polimerização de RNA abiótico ocorre apenas pelo processo de Poisson aleatório de adição de monômeros. Os papéis potenciais de processos muito mais eficientes [na] origem da vida, como reações não lineares auto ou cruzadas catalíticas, foram estudados teoricamente [por exemplo].

Totani também observa que a detecção direta de vida em mundos alienígenas apoiaria a conclusão de que alguns desses processos de fato operam na origem da vida, e que de fato os resultados de seu artigo reforçariam essa conclusão (uma vez que prevê uma frequência de vida muito menor por processo aleatório sozinho, descobrir uma frequência mais alta demonstraria que processos aleatórios não operam sozinhos). Portanto, “esta possibilidade não deve ser excluída”. Em vez disso, Totani deixa claro, tudo o que “é mostrado por este trabalho é que tal processo hipotético não é necessário se nós [exigirmos] que eventos de abiogênese ocorram em algum lugar em um universo inflacionário.” Em outras palavras, apenas um processo aleatório é totalmente suficiente. Nenhuma intervenção divina necessária - uma vez que levamos em consideração a cosmologia bem estabelecida (ele corretamente deixa em aberto a questão no nível do ajuste fino dos parâmetros do universo como “muito além do escopo deste trabalho”).

Acho que Totani dá uma falsa impressão, porém, do status da química autocatalítica na origem da vida, particularmente na geração mais rápida e, portanto, na seleção de longas cadeias de nucleotídeos. Portanto, não incluir isso em sua matemática é um descuido muito mais sério do que ele deixa transparecer. A contabilização da autocatálise melhoraria muito a frequência da formação de vida; permaneceria cosmicamente raro, mas não tão raro quanto sugere a matemática de Totani. Totani parece dizer que a autocatálise é meramente "teórica", mas isso não é exatamente verdade. Ele simplesmente não foi usado para gerar auto-replicadores espontâneos no laboratório - porque isso exigiria milhões de anos. Caso contrário, o fenômeno é bem demonstrado ser real e bem documentado na natureza. Na verdade, seria estranho se isso não desempenhasse nenhum papel na formação dos polímeros longos essenciais para qualquer evento de abiogênese, uma vez que os sistemas autocatalíticos podem ser muito mais simples do que os polímeros que eles produzem e, portanto, surgirão espontaneamente com uma frequência muito maior. Cito pesquisas abundantes sobre esse ponto no meu artigo para a B&P e mais surgiram desde então (por exemplo, o resumo da pesquisa de 2018 da Hordijk & Steel “Autocatalytic Networks at the Basis of Life’s Origin and Organization” em Life and Hordijk's no início de 2013, resumo “Autocatalytic Sets: From the Origin of Life to the Economy ” na BioScience).

Erro Classe V: Implorando pelo Tamanho do Protobiont
Outro problema com o artigo de Totani é que ele parece estar superestimando o tamanho mínimo de um autorreplicador. Isso ajuda seu caso, na medida em que sustenta seu argumento a fortiori: mesmo com uma estimativa tão conservadora, a vida acaba sendo inevitável. Mas se você quiser entender as reais chances de vida se formando por acaso, você precisa se afastar de sua suposição excessivamente conservadora aqui. O que é derivado apenas por falácia, quando ele apresenta dois argumentos para sua afirmação de que o menor autorreplicador de RNA possível deve ter pelo menos 40 aminoácidos (na forma de nucleotídeos) de comprimento.

Em primeiro lugar, Totani argumenta sobre “a falta de evidências de múltiplos eventos de abiogênese na história da Terra ou em laboratórios”, mas em outro lugar no artigo ele se contradiz dando uma explicação já conhecida para isso: na biogênese “um longo polímero de RNA montado por o processo de Poisson seria raro e não haveria competidor ou predador em torno dele. ” Então ele sabe por que não observamos mais deles: qualquer autorreplicador espontâneo seria tão rapidamente digerido ou destruído pela biosfera existente que não teria chance de evoluir para uma vida mais ordenada. Portanto, nunca poderíamos esperar ver um segundo evento de biogênese na Terra, mesmo que ocorresse. No máximo, podemos dizer que um autorreplicador deve ser mais longo do que teria sido descoberto em laboratórios até agora, mas realmente nem chegamos perto de explorar totalmente todas as sequências de nucleotídeos possíveis no domínio que Totani exclui.

Ainda assim, concordo que dois desses eventos na terra seriam altamente improváveis. Sim, Totani subestima grosseiramente sua frequência; mas tenho certeza de que qualquer ajuste de sua matemática em direção a uma frequência mais realista ainda não nos levaria para além de "uma vez por mil sistemas solares", muito menos "uma vez por lua ou planeta." E a maioria dos especialistas concorda nisso. O ponto de Totani é que sua matemática encontra uma frequência de montagem espontânea de auto-replicadores bem acima de um por sistema solar se os auto-replicadores puderem ter apenas 21 aminoácidos de comprimento. Em particular, Totani conclui, “O comprimento mínimo do RNA deve ser” ou “21, 27 e 32 para esperar um evento de abiogênese para um levantamento de uma única estrela”, “galáxia” ou “o universo observável”, respectivamente. O que significa que os auto-replicadores não podem ser tão pequenos, ou então vimos muitos mais deles agora.

Isso é, no entanto, um non sequitur - não apenas porque, por exemplo, um comprimento mínimo de 27 implicaria apenas uma média de um evento de biogênese por galáxia, e não podemos esperar ter pesquisado toda a galáxia para a vida já (e isso é novamente apenas com suas suposições conservadoras sobre o processo, que observamos acima já são muito conservadoras); mas também porque, mesmo se o tamanho mínimo fosse inferior a 21, permitindo vários eventos em nosso sistema solar, ainda não podemos esperar ter visto isso mesmo que estivesse acontecendo, então não ver isso é inútil como dados. Portanto, esse não é um argumento válido.

O segundo argumento de Totani é mais defensável, mas ainda falho: não há atualmente conhecidas "moléculas de RNA menores que 25 nucleotídeos" que exibam "uma função específica", enquanto "há uma esperança razoável de encontrar uma ribozima replicase funcional maior que 40-60 ”Nucleotídeos. Em outras palavras, não observamos nada na natureza tão pequeno que sequer tenha uma função, muito menos a função de autorreplicação, então, se continuarmos com o que foi experimentalmente realizado até agora, o mínimo que podemos argumentar é de 40 nucleotídeos . Não está claro se todas as possibilidades foram exploradas - as fontes de Totani afirmam que seria possível montar e testar todas as combinações possíveis de 25 nucleotídeos no laboratório, mas não indicam que alguém já fez isso. Mas concordo que é razoável supor (mesmo que não seja certo) que alguém já teria encontrado um. O problema é que “deve ser maior que 25” não significa que você “deve ter pelo menos 40”. A Terra primitiva teve milhões de anos para sequenciar moléculas aleatoriamente; os cientistas não. Portanto, replicadores de, digamos, 30 nucleotídeos de comprimento estão além de nossa capacidade de descobrir por mistura meramente aleatória. Portanto, não podemos excluí-los - e de fato, como veremos em um momento, não devemos.

Este é o único ponto em que Totani exagera o que suas fontes realmente dizem. Ele cita apenas dois: um artigo de 2012 de Robertson & Joyce que só tem isso a dizer sobre o ponto:

É difícil afirmar com certeza o tamanho mínimo possível de uma ribozima de RNA replicase. Um RNA que consiste em um único elemento estrutural secundário, ou seja, uma pequena alça de haste contendo 12-17 nucleotídeos, não deveria ter atividade replicase, enquanto ... [algo] contendo 40-60 nucleotídeos, oferece uma esperança razoável de funcionamento como uma ribozima replicase.

Portanto, o número "40-60" de Totani é na verdade apenas especulação. Não é nenhum argumento real baseado em evidências para um tamanho mínimo. Concedido, é uma especulação bem fundada e, portanto, funciona a fortiori. Mas se você quiser saber o que é verdade, não apenas a fortiori, isso não é útil. A única outra fonte de Totani é um antigo capítulo de 1993 de Szostak & Ellington, que na verdade conclui que o intervalo mínimo viável é de 30-60 nucleotídeos, não 40-60.

E isso, veja bem, é apenas para um cenário de primeiro RNA. Sabe-se agora que o RNA pode realmente ser uma característica evoluída, não original, da vida. O que nos leva ao maior erro de Totani: ele sempre considera protobiontes de RNA. Em nenhum lugar de seu artigo ele sequer menciona, muito menos explica, os modelos de biogênese primeiro PNA. No entanto, estes são cada vez mais prováveis ​​(ver Nelson et al. 2000, Nielson 2007, Sharma & Awasthi 2016). Como escrevi para a B&P em 2004:

Mesmo um simples sistema de RNA pode ser uma estrutura evoluída. A vida pode ter começado com um peptídeo ou sistema PNA ainda mais simples e mais forte (Travis 2000). Nós criamos peptídeos auto-replicantes de até 32 aminoácidos [na forma de monômero] de comprimento (Lee 1996), demonstrando que o menor produto químico possível que poderia desencadear a vida pode ser muito, muito mais minúsculo do que qualquer coisa que qualquer [um] tenha assumido ser possível . McFadden calcula as chances de o peptídeo Lee surgir por acaso como 1 em 10 [à potência de] 41 (1996: 98), o que está tão longe do reino da possibilidade cósmica que já é certo que aconteceu muitas vezes [mesmo dentro do universo visível].

Totani, em outras palavras, está lendo a literatura errada. Ele está procurando a menor molécula de RNA autorreplicante, quando o que deveríamos procurar é a menor molécula de PNA, porque já provamos experimentalmente que existem auto-replicadores de PNA que são muito mais simples do que tudo o que conhecemos do RNA. Na verdade, se aplicarmos a matemática altamente conservadora de Totani ao menor auto-replicador PNA empiricamente conhecido (que pode nem ser o menor possível), então sua própria conclusão seria que a vida já se originou em média uma vez por volume de Hubble, não menos que uma vez. E, novamente, sua matemática já é excessivamente conservadora nesse ponto, como expliquei anteriormente.

Portanto, podemos realmente ter certeza de que a vida é mais comum do que Totani conclui. Ainda deve ser extraordinariamente raro; apenas não tão raro.

Conclusão
O estudo matemático de Tomonori Totani ainda é muito bom. É provavelmente a melhor tentativa de executar tal cálculo já publicada, e suas premissas são todas cientificamente e matematicamente corretas de uma perspectiva a fortiori: ele admite que está sendo muito conservador em suas estimativas, e ainda descobre que a vida surgirá espontaneamente inúmeras vezes em um único universo inflacionário com propriedades como as nossas. Mas a conclusão de Totani se torna falaciosa se for tomada como mais do que um argumento a fortiorti. Se alguém o citar erroneamente como mostrando o que é o caso, ao invés do que seria o caso, mesmo em suposições falsas mais conservadoras do que as evidências garantem, você estaria deturpando o que até o próprio Totani diz. Portanto, fique atento para que os apologistas cristãos não façam esse truque.

Totani admite isso em vários aspectos. Por exemplo, ele sabe que ignorar processos de ordenação conhecidos (como sistemas autocatalíticos e montagem sucessiva em superfícies de argila) ao calcular o número de polímeros longos que surgirão por acaso é logicamente inválido; ele está meramente se apegando ao que é mais empiricamente certo para argumentar um caso a fortiori para sua conclusão - que é a de que a vida existirá comumente por acidente em nosso universo (o oposto do que os apologistas cristãos podem alegar). Mas Totani nem mesmo menciona outros aspectos importantes nos quais sua conclusão é muito conservadora, como que a vida tem muito mais probabilidade de se originar com PNA do que com RNA, e já se sabe que moléculas de PNA auto-replicantes são muito mais simples que Totani. assume.

Finalmente, há uma outra maneira pela qual o artigo de Totani pode ser mal utilizado pelos criacionistas que vale a pena encerrar. E é um ponto sobre matemática. O que Totani calcula não é a probabilidade de abiogênese, mas a frequência dela. Em certo sentido, essas são as mesmas coisas, mas em um sentido importante, não são. Totani quer saber qual é a taxa média de abiogênese que deve receber quatro volumes diferentes (sistema solar, galáxia, universo visível, universo real). Ele acha que está bem acima de um para o último desses volumes (o único que realmente importa), mas bem abaixo de um para os outros (especialmente os dois primeiros), o que seria uma má notícia para cientistas que buscam vida em outros mundos (muito menos Marte!). Já vimos essa conclusão mudar quando inserimos o menor autorreplicador realmente conhecido, em uma média de um evento por universo visível (e vejam só, aqui estamos!).

Mas, na verdade, muitas coisas acontecerão em qualquer volume que se desvie da média. Este é um ponto matematicamente crucial. Portanto, preste muita atenção aqui. Não apenas o universo é tão incomensuravelmente grande que a abiogênese é inevitável, mesmo nas suposições excessivamente conservadoras de Totani, mas é tão grande que eventos extraordinariamente improváveis ​​também acontecem nele. E é por isso que a probabilidade é mais importante do que a frequência. A frequência informa a distribuição média de uma coisa (como quantos royal flushes que podemos esperar ver em todos os jogos de pôquer já jogados), não a distribuição específica dessa coisa (como onde ou com que frequência grupos de royal flushes serão observados )

Portanto, mesmo que a probabilidade de a vida surgir em nosso universo fosse de 1 em 10 ^ 41, incontáveis ​​eventos dessa improbabilidade ocorrerão em nosso universo. Até o matemático criacionista William Dembski admitiu que podemos esperar que pelo menos um evento aconteça no universo visível com uma improbabilidade de 1 em 10 ^ 150! Agora, isso significa eventos em geral, não a vida especificamente. Mas se eventos dessa improbabilidade podem ocorrer, aquela vida deveria ser um deles não é mais notável. Afinal, só nos encontraremos em um universo que ganha essa loteria, de modo que nos observamos em um não é notável; e como até mesmo Dembski apontou, um universo pode facilmente ganhar na loteria por acaso. Porque está ganhando loterias nessa escala o tempo todo.

Dembski argumentaria que, sim, isso é verdade, mas a vida é uma maneira tão específica de ganhar na loteria, não deveríamos ainda considerá-la notável? E a resposta é ... não, na verdade não. Se até mesmo o universo visível terá ganhado 10 ^ 109 loterias até agora - como a própria matemática de Dembski mostra ser o caso - é realmente tão notável que uma dessas vitórias tenha se revelado acidentalmente "uma molécula auto-replicante ”? Em vez de, digamos, uma supernova com a forma exata de Salma Hayek, ou um sistema solar cujos planetas se movem em círculos perfeitamente sincronizados exatamente como Copérnico imaginou, ou qualquer um dos zilhões de outras coisas com chances de 1 em 10 ^ 41 que inevitavelmente acontecerão em todos espaço e tempo cósmico.

Objetivamente, não há nada mais notável sobre a vida ser uma dessas coisas do que a nova Salma Hayek seria. Somos os únicos que pensam que um é mais notável do que o outro, e isso simplesmente porque, por aquele mesmo acidente, somos capazes de pensar em tudo. Mas o acidente permanece. E é por isso que uma nebulosa de Salma Hayek não provaria mais que Deus existe, do que uma abiogênese terrestre igualmente improvável. Ambos são igualmente improváveis ​​- e igualmente inevitáveis. Esse é o quão grande é o nosso universo.

Este é provavelmente um ponto muito mais difícil de entender. Os criacionistas têm muita dificuldade em compreender a probabilidade de coincidência. Então, eu não gastaria muito tempo discutindo isso com eles. É muito mais fácil argumentar a fortiori: Totani provou que, mesmo usando suposições irrealistas conservadoras quanto aos fatos, podemos esperar que a vida tenha surgido espontaneamente inúmeras vezes em todo o volume do universo real em que vivemos; e quando corrigimos o erro de Totani em relação ao menor autorreplicador conhecido - quando refazemos toda a sua matemática com o peptídeo Lee como nosso modelo - podemos esperar que a vida tenha surgido espontaneamente pelo menos uma vez, mesmo no volume visível de nosso universo. Que é, até agora, exatamente o que observamos.

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem