Por: Thomas W. Smythe e Michael Rectenwald
Tradução: Alisson Souza

RESUMO: Neste artigo, avaliamos criticamente um argumento apresentado por William Lane Craig para a existência de Deus com base no pressuposto de que, se não houvesse Deus, não poderia haver moralidade objetiva . Ao contrário de Craig, mostramos que existem algumas verdades morais necessárias e um raciocínio moral objetivo que sustenta se existe um deus ou não. Continuamos a argumentar que a fé religiosa, quando tomada sozinha e sem razão ou evidência, realmente corre o risco de minar a moral e é uma fonte não confiável de verdades morais. Recomendamos um ponto de vista sobre a moral que se baseie na razão e no consenso público, que seja compatível com a ciência, e que atravesse toda a série de posições religiosas e não religiosas.
HÁ UM DEBATE HISTÓRICO na filosofia que começa com o Euthyphro de Platão na relação entre a autoridade onisciente de Deus e a moralidade. Não pretendemos reviver a vasta literatura sobre este tema.1 Em vez disso, nos concentraremos nos argumentos dados por William Lane Craig, um conhecido filósofo da religião cuja influência sobre os cristãos é considerável. Craig deu um argumento moral para a existência de Deus.2 Se ele está correto, as teorias morais não-crentes e não-teísticas são inadequadas. Consideramos a visão de Craig como inválida e precisa de correção. Nós afirmamos que o argumento que Craig dá não é errado. Digamos primeiro o argumento que Craig dá:
1. Se Deus não existe, valores morais objetivos não existem.
2. Existem valores morais objetivos.
3. Portanto, Deus existe. (pág. 19)
O argumento é dedutivamente válido porque se (1) e (2) forem verdadeiros, então (3) deve ser verdadeira. No entanto, o argumento não é errado porque, como mostraremos, (1) é claramente falso.
Vamos provar isso mostrando que (a) Craig não deu nenhuma razão boa para supor que (1) é verdade, e que (b) há uma excelente razão para supor que (1) é falso. Consideramos que existem valores morais objetivos, no sentido de Craig dessa frase, mesmo que não haja Deus. Então, argumentaremos que é desejável que razões pragmáticas levem a justificação da moral das mãos da religião inteiramente. Primeiro, argumentamos que (a) o autor não dá boas razões para acreditar que (1) é verdade. Vejamos os motivos que o autor nos dá para (1). O autor deve mostrar que os valores morais objetivos são impossíveis sem Deus. Qual é um valor moral objetivo? Craig diz que os valores morais objetivos são "valores que são válidos e vinculados se alguém os acredita ou não" (p. 17). Um exemplo que o autor dá é que o Holocausto era objetivamente errado, independentemente de os nazistas ou de qualquer outra pessoa acreditarem que era errado. O autor cita filósofos não-teístas Bertrand Russell, Michael Ruse e Friedrich Nietzsche, que negaram que existam valores morais objetivos. Deve-se mencionar aqui que há muitos filósofos não-teístas que defenderam valores morais objetivos.3 Além disso, simplesmente encontrar alguns não-teístas que negam valores morais objetivos não é uma boa razão para pensar que eles não existem se Deus não existe. Levamos algumas questões sobre a concepção de Craig de valores morais objetivos. Em primeiro lugar, é uma proposição vinculativa independentemente do que alguém considera suficiente para a objetividade? Nós levamos Craig para dizer que é suficiente. Em segundo lugar, se ser válido e vinculativo, independentemente do que alguém pensa, é necessário para a objetividade na moral, acreditamos que essa condição pode ser atendida por uma teoria moral não teísta. Mas vejamos os argumentos do autor. O autor diz que, na ausência de Deus, não há razão para pensar que, se evoluíssemos apenas através de um processo de evolução, que poderia haver valores objetivos.4 O autor diz que se uma pessoa violasse a outra e se o estuprador fosse um ateu, não haveria nada de errado com ele. Em resumo, se Deus não existe, não há realmente nada de errado em violar alguém (18).
Pensamos que o autor comete uma forma de falácia genética aqui. Seu raciocínio parece ser assim:
1. Sem Deus, a moral dos seres humanos simplesmente evoluiu por processos naturais.
2. Qualquer código moral que evolua por processos naturais não pode ser objetivo. 3. Portanto, uma moral não teísta não pode ser objetiva.
Mais uma vez, o argumento é dedutivamente válido, mas, no entanto, infundado. É insípido porque a premissa (2) é falsa. A premissa (2) é falsa porque pressupõe que, se a moral é algo que só é concebido pelos seres humanos, então, uma vez que os seres humanos a concebem, não pode ser verdadeira independentemente de nossas crenças. Mas uma origem humana para a moral não anula sua verdade como algo independente das crenças de qualquer pessoa ou grupo. Pensamos que podemos aludir a verdades morais universais que são verdadeiras independentemente do que as pessoas pensam e que são verdadeiras universalmente em virtude do significado dos termos envolvidos: são verdades morais logicamente necessárias. O reconhecimento explícito dessas verdades evoluiu à medida que a humanidade fez, mas são verdades morais universalmente necessárias que estão sendo expressas nas formas em que nosso idioma é realmente usado. Um exemplo de uma verdade moral universal que é logicamente necessária e verdadeira independentemente da crença de qualquer pessoa é a afirmação "o assassinato é moralmente errado". O termo "assassinato" significa "matar ilegalmente e com malícia" ou "o assassinato ilegal e malicioso de uma ser humano por outro. "É universalmente e necessariamente verdadeiro que" o assassinato é uma matança ilícita ", seja alguém que acredite ou não e se existe ou não um deus.5 O autor tem um outro argumento. Suponha que "os valores morais existem independentemente de Deus. . . . Como isso resulta em uma obrigação moral para mim? . . . Quem ou o que me impõe essa obrigação? "(P. 19).
Nossa questão aqui é por que os valores morais devem ser dados por alguém, ou colocado sobre nós, para ter uma base? Por que os agentes morais, ou os humanos, não podem dar-se obrigações morais em virtude das relações em que se colocam, e em virtude da linguagem moral comum que usam? Tais obrigações morais, uma vez concebidas, seriam vinculativas para todos os agentes morais, quer acreditassem ou não. O autor argumenta que, sem Deus, não haveria fundamento ou fundamento para a moralidade (p.20). Mesmo que existam valores morais objetivos, de acordo com o autor, não haveria motivos para nossas obrigações morais. Nossa resposta é que a ética utilitarista, a ética kantiana, a ética das teorias da virtude e as teorias de contratos sociais da ética forneceram todos os fundamentos e fundamentos da moral que atendem à concepção de valores morais objetivos que o autor especificou. Em qualquer uma dessas teorias morais, razões podem ser dadas para fundamentar nossas teorias morais. Nós não precisamos de uma deidade para fazer o trabalho.6 Agora argumentamos (b) que existem excelentes razões para supor que (1) é falso. Considere nossa linguagem moral. Nossa linguagem moral é suficiente para prover uma moral objetiva que é verdadeira independentemente do pensamento de qualquer pessoa.
Considere o seguinte argumento moral:
1. A mentira tende a prejudicar outras pessoas.
2. Otimizar outras pessoas está presumidamente moralmente errado.
3. Portanto, mentir, quando resulta em prejudicar outras pessoas, é presuntamente moralmente errado.
Este é um argumento moral dedutivo sólido e válido. O argumento soa independentemente de alguém acreditar ou não. Se alguém aceitasse (1) e (2) mas negar (3), simplesmente seria enganado. As instalações (1) e (2) implicam logicamente (3) se qualquer agente moral faz uma inferência das premissas (1) e (2) à conclusão (3) ou não. É como se alguém não conseguisse fazer a inferência de 3x = 3 para x = 1. Ambos seriam erros lógicos. Essa consideração satisfaz completamente a concepção do autor de que os valores morais objetivos são válidos e vinculam se alguém os acredita ou não. Não precisamos apelar para abstrações ou entidades morais ou comandos divinos. A objetividade dos valores morais reside no raciocínio moral e na lógica moral. Craig pensa que Deus tem autoridade moral porque conhece as verdades morais? Em caso afirmativo, por que também não podemos conhecê-los? Deus pode estar melhor colocado epistemicamente por ser onisciente. Isso ainda não mostrará que as verdades morais não existem independentemente de Deus. Craig pode significar que Deus é o criador das exigências morais por causa divina. Isso pode ser verdade, mas não é necessariamente o caso e a ausência do divino não abroga a possibilidade de uma moralidade objetiva. Craig não faz uma boa resposta ao famoso dilema de Euthyphro de Platão. Está abusando de crianças imorais porque Deus o proíbe, ou Deus nos proíbe de abusar de crianças porque é errado? O autor não diz nada para mostrar que abusar de uma criança não é objetivamente errado se Deus não existe. Seu comando - como Sua existência - não é necessário tornar o abuso infantil imoral. É necessariamente verdade que o abuso infantil é imoral, quer exista um deus ou não.
O autor não mostra "como" Deus subscreve a moral de qualquer maneira significativa. De acordo com William Hasker (em correspondência), ainda não obtivemos uma razão convincente para pensar que a justiça e outros valores morais poderiam ser objetivos se não houvesse Deus.8 Craig poderia muito bem dizer que "(2) prejudicar outras pessoas é presuntamente moralmente errado "é verdade só porque existe um deus, e não seria verdade de outra forma. Então, de acordo com Hasker, não refutamos a posição de Craig. Nós concordamos que não refutamos Craig ou que ele errou para manter sua posição. Na verdade, a moralidade objetiva pode existir devido a fiat divino. No entanto, mostramos que é possível manter uma posição alternativa. Craig afirma que a moral objetiva é impossível sem Deus, mas ao mostrar que é possível manter outra posição, mostramos que ninguém é obrigado a manter a posição de Craig. Nós pensamos que temos uma visão alternativa plausível para o autor porque ele não mostrou exatamente como Deus subscreve uma moralidade objetiva, ou porque nenhuma posição alternativa pode ser verdadeira. O autor pode dizer que ele está argumentando que apenas um ser onisciente que pode tomar uma vista sub espécie aeternitatis pode ser moralmente objetivo, pois haveria uma resposta correta para cada questão moral de tal ponto de vista. No entanto, o autor nunca deixa isso claro. Um problema com essa visão é que não nos ajuda a resolver os dilemas morais. Se for esse o caso, não há fonte de conhecimento para os seres humanos em certos dilemas morais, como os direitos dos trabalhadores, os efeitos do capitalismo, a pesquisa com células-tronco e a clonagem de seres humanos.
Se o único objetivo dos agentes morais é descobrir o que Deus quer que façamos, não há confiança responda a essa pergunta. Considere os métodos para descobrir o que Deus quer que façamos. A fé religiosa é um desses recursos. Mas a fé religiosa faz com que algumas pessoas se comportem abominavelmente e cometer crimes contra a humanidade em nome de Deus. Os textos sagrados, como a Bíblia, fornecem outra maneira. Mas nada é verdadeiro apenas porque está na Bíblia ou em outros textos sagrados. Quando alguém está dizendo a outras pessoas como viver suas vidas, ou o que elas deveriam fazer, é preciso ter razões para agir sobre o que qualquer texto sagrado manda ou proíbe. Se não se pode dar nenhum motivo, ainda não há uma boa razão pela qual alguém deve ou não deve fazê-lo. Isto é especialmente verdadeiro porque existem diversas religiões com vários textos sagrados que não são todos compatíveis. Não encontramos o método da revelação como um indicador confiável do que é certo e errado para os seres humanos fazer. Acreditamos firmemente que a revelação nunca foi e nunca será um guia confiável para entender as razões pelas quais algo está moralmente certo ou errado. Algumas pessoas não são agraciadas com tais revelações, e assim a revelação sente falta de algumas das pessoas que mais precisam de instruções. O Apocalipse pode ser um terreno para um relacionamento pessoal com uma deidade, mas não é uma base confiável para dizer a outras pessoas como devem viver suas vidas em relação a outros métodos, como evidência e razão. Há uma maneira mais perspicaz de que podemos trazer o nosso argumento. Considere o abuso infantil. Nós pensamos que é uma verdade necessária que "é errado abusar de alguém".
É objetivamente errado da mesma maneira que uma verdade da aritmética é verdadeira, seja ela alguém que acredite ou não, independentemente do que alguém pensa. Se alguém pensa que "é errado abusar de alguém" não é verdade em virtude do significado dos termos na declaração, então pedimos que ele descreva uma situação logicamente possível na qual seria bom abusar de alguém. Nós afirmamos que não pode ser feito. Para abusar significa "usar erroneamente, usar mal; para maltratar ". A afirmação" é errado abusar de alguém "é necessariamente verdadeira independentemente da crença de qualquer pessoa se existe um deus ou não. Por outro lado, se de alguma forma Deus quis que devemos abusar de uma criança, então Deus estaria errado. Mesmo que não houvesse Deus, então seria sempre objetiva e necessariamente verdade que é errado abusar de alguém. Craig admite esse ponto quando argumenta que existem valores morais objetivos. Ele diz: "Nós sabemos que valores morais objetivos existem porque nós claramente apreendemos alguns deles. A melhor maneira de mostrar isso é descrever situações em que claramente vemos o certo e o errado: torturando uma criança, incesto, estupro. . "(P. 21). Nós concordamos, e vemos essas verdades como sendo independentemente do que qualquer um pode pensar (assim são objetivamente verdadeiras) e se existe ou não um deus. Portanto, podemos concluir que essas verdades existem independentemente da vontade de Deus e não fazem nada para mostrar que Deus existe. Além disso, não é verdade que, se não houvesse Deus, os julgamentos éticos seriam uma questão de "expressões de gosto pessoal" (p.20). Existem verdades éticas objetivas tanto para o crente quanto para os não-crentes. O argumento do autor pode ser interpretado de outra maneira. Premise (1) diz que, se Deus existe, existem valores morais objetivos. Isso é verdade. Se Deus existe, e ele quer que esse roubo seja errado, então é uma verdade objetiva de que roubar é errado porque Deus diz isso, seja alguém que acredite ou não.
O argumento prossegue assim, uma vez que existem valores morais objetivos, existe um deus. No entanto, isso não se segue. Uma vez que existem outras formas de explicar a existência de valores morais objetivos,  existência dele não implica a existência de uma divindade. O argumento é inválido. Tem a forma se p, então q; q, portanto, p. Este padrão é claramente um exemplo de afirmação do consequente, que é um formulário de argumento dedutivamente inválido. Nem é um bom argumento indutivo ou um argumento a partir da melhor explicação. Concluímos assim que os valores que o autor cita são necessariamente bons ou maus independentemente do pensamento de qualquer pessoa, e bom ou ruim, seja ou não um deus. Craig não mostrou premissa (1), ou seja, se não existe Deus, valores morais objetivos não existem, para ser verdade. Existem excelentes razões para pensar que não é verdade. Por isso, seu argumento moral para a existência de Deus é incorreto ou inválido. Agora argumentamos que, por razões pragmáticas, devemos rejeitar os argumentos morais da existência de Deus, bem como a posição de que a moralidade é de alguma forma dependente da religião, porque, na realidade, mina a moral. Começamos por notar o que William K. Frankena disse em um artigo sobre a relação lógica entre moralidade e religião: "não se pode deixar de pensar se existe algum método racional e objetivo de estabelecer qualquer crença religiosa contra defensores de outras religiões ou irreligiões". Ele nos advertiu contra a introdução "nos fundamentos da moralidade". . . todas as dificuldades envolvidas na adjudicação de controvérsias religiosas ". Essa visão" encoraja o ceticismo ético e político naqueles que não podem aceitar as crenças religiosas exigidas ". Ele acrescenta que" se honestamente acreditar que a moral pode ser estabelecida se e somente se for fundamentado na religião, então é preciso também acreditar que a religião tem motivos adequados para defender ".9 Sustentamos que a moralidade não deve ser fundamentada na religião e, além disso, que um esforço em uma base religiosa mina a moralidade. Frankena era muito gentil e sutil. A fé religiosa é compatível com a falta de evidências e a falta de razão.
Então, se a moralidade depende do forte sentido da religião, o fundamento da moral terá que ser fé religiosa. Mas a fé cega de qualquer tipo (inclusive religiosa) não provou ser propícia à produção da verdade. Se eu tenho fé cega de que alguém que tenha ido para lutar na guerra no Iraque retornará indemne, esse não é um indicador confiável da verdade de tal crença. Pensamos que é melhor basear a moralidade sobre o conhecimento científico e o raciocínio humano, tanto quanto possível. Para tirar um exemplo da cena contemporânea, o presidente George W. Bush, líder do mundo livre em 2008, acredita que os embriões congelados são seres humanos totalmente humanos e não devem ser usados ​​para a pesquisa com células-tronco. Sua crença baseia-se na visão de que o embrião incorpora um genoma humano no momento da fertilização, e isso parece ser um fato cientificamente estabelecido. Mas o conhecimento científico mostra que os embriões humanos que são destruídos para a pesquisa com células-tronco não têm cérebros, nem mesmo neurônios. Não há motivos para acreditar que eles sofrem sua destruição de forma alguma. Embora contenham genomas humanos, não se segue que sejam seres humanos de pleno direito. Matar uma mosca pode causar mais sofrimento do que matar um blastocisto humano. Como resultado, podemos prolongar desnecessariamente a miséria de milhões de seres humanos que provavelmente poderiam ser auxiliados pelo desenvolvimento da pesquisa com células-tronco. Achamos isso moralmente suspeito.
Outro exemplo é o de um papa que, aparentemente, defende que pessoas em países pobres não devem ter abortos ou usar outros métodos anticoncepcionais. Em vez disso, ele parece recomendar que eles usem um dos métodos de planejamento familiar natural, mas acreditamos que tais métodos podem se tornar menos efetivos do que a contracepção, permitindo-lhes ter numerosos filhos, apesar de sofrerem falta de comida e habitação, e contribuindo para a explosão populacional. Novamente, nós assumimos esse tipo de posição defendida por um líder mundial moralmente suspeito. Outra maneira que a fé religiosa pode minar a moral tem a ver com o conhecimento moral. Como sabemos o que Deus exige de nós? Isso geralmente é feito apelando para algum texto sagrado, como a Bíblia. Embora não tenhamos espaço suficiente para abordar o assunto, a Bíblia provavelmente foi escrita por seres humanos, e nada é verdadeiramente necessário apenas porque é proferido na Bíblia. Em vez disso, suas proposições exigem um raciocínio moral independente para estabelecer-se como moral aceitável. É bastante controverso se a bíblia inteira deve ser considerada como a palavra inerrante de Deus, e não entraremos nesse mato aqui. Nós ressaltamos que a Bíblia documenta coisas como a escravidão, matando homossexuais e adúlteros, matando prostitutas, matando crianças que amaldiçoam seus pais, queimando bruxas e dezenas de outros preceitos questionáveis. Embora a Bíblia não aprova tudo o que menciona, pensamos que existem diretrizes moralmente suspeitas implicadas ou explicitamente mencionadas, e pensamos que é suficiente ressaltar que se a moral pode ser estabelecida sem fundamentos tão polêmicos, vale a pena fazê-lo. Pensamos que é relevante ressaltar que utilitários clássicos como David Hume, Jeremy Bentham e John S. Mill formularam o princípio da utilidade sem qualquer menção à vontade de Deus. Essas teorias são compatíveis com o teísmo, mas o não-crente também pode adotar essas teorias também. A ética deontológica kantiana baseia-se no que é racional fazer e, embora seja compatível com o teísmo, pode ser realizada sem depender de uma deidade. A teoria do contrato social da ética não depende de uma deidade para o contrato social ser objetiva, uma vez que o consentimento é dado. A ética da virtude, tal como formulada por Platão e Aristóteles, não depende de uma divindade. Existe um certo tipo de pessoa que devemos ser para os seres humanos prosperarem, independentemente de qualquer deidade. Isso permanece verdadeiro para a ética mais recente das teorias da virtude.10 A ética religiosa também pode prejudicar a moralidade por sua tendência a ser autoritária. As autoridades religiosas, como sacerdotes ou pregadores, podem ser autorizadas a dizer aos outros o que Deus quer que eles façam ou evitem. Mas achamos toda a idéia de que tais autoridades são problemáticas na medida em que obstruem nosso acesso a verdades morais, e achamos que essa é uma maneira adicional pela qual a religião pode prejudicar a moralidade. Nós não pensamos que os recursos para tais autoridades morais são preferíveis. Como sugerimos, em alguns casos, eles podem implicitamente ou explicitamente manter posições moralmente suspeitas.
Em vez disso, a moral deve ser como a ciência, na qual uma comunidade de estudiosos busca a verdade usando normas epistêmicas confiáveis. Sentimos que a moral deve mudar à medida que os fatos, as situações e as descobertas da ciência mudam. Tal visão é incompatível com a maioria dos meios religiosos para ganhar conhecimento sobre a realidade e a moral, como revelação e autoridade bíblica. Quando pessoas razoáveis ​​estão em desacordo moral, não queremos aceitar sem mais qualificação que um deles fala por Deus, ou que o outro está atacando a Deus, sendo blasfemo ou cometeu uma heresia. O desacordo moral deve ser razoável e aberto ao debate público, com os participantes chegando ao consenso com base em considerações razoáveis, sem reversão à autoridade religiosa que possa sufocar tal debate e consenso. Concluímos que uma moral objetiva é possível sem Deus. Achamos isso libertador, edificante e benéfico para todos os envolvidos. Podemos direcionar nossas próprias vidas baseando a moral em evidências e razões, em vez de satisfazer diretrizes divinas. Se não vejamos nenhuma razão convincente para fazer o contrário, somos felizes não-adivinhadores. Além disso, consideramos necessário por razões pragmáticas não fundamentar a moral na religião, uma vez que a moral religiosa pode provar, em alguns casos, ser hostil ao bem-estar humano. A fé religiosa pode inibir o desenvolvimento de agentes morais competentes. Concordamos com os filósofos que defendem ter uma moral comum para toda a humanidade com base na evidência, na razão e na crença justificada independentemente de qualquer religião particular. 11 Precisamos de uma moral comum que seja filosófica e justificada que atravesse as diferenças religiosas e a irreligião.
International Philosophical Quarterly Vol. 51, nº 3, edição 203 (setembro de 2011)
Postagem Anterior Próxima Postagem