Autor: Joe Schmid
Tradução: Cezar Souza

Alexander Pruss escreve:

Não consigo acreditar em um Deus que é um velho barbudo no céu. Isso seria apenas um conto de fadas.

O que há de errado com esse conceito de Deus? É a barba! Sério, o problema é que um cara que tem barba tem partes e muda. Se as partes são materiais ou imateriais, não parece ter um significado metafísico muito profundo. Mas ter partes ou mudar é um antropomorfismo absurdo, qualquer um dos dois.

E, portanto, não consigo acreditar em um Deus que muda ou tem partes.

Isso provavelmente leva o bolo de pior argumento para o teísmo clássico que eu encontrei. [Fn] (Para uma avaliação crítica da maioria dos argumentos para o teísmo clássico - incluindo muitos feitos pelo próprio Pruss - veja estes dois vídeos [Parte 1 e Parte 2 ]  e o documento nas descrições desses vídeos.) Pois há muitas diferenças relevantes entre o homem barbudo do céu e um Deus não-Teísta Clássico. (Suponhamos que nosso modelo não-TC assuma atemporalidade, mas diga que a onipotência de Deus, bondade moral, atemporalidade, necessidade e o que não é numericamente distinto.)
Primeiro, há um tipo de unidade essencial, metafisicamente necessária e inteligível para as partes de Deus que está ausente do homem barbudo do céu. Não é coincidência, por exemplo, que onisciência, onipotência, etc. sejam co-instanciadas. Em contraste, um homem do céu barbudo envolve uma série de limitações e coincidências aparentemente arbitrárias: por que a barba tem 7,8 polegadas de comprimento e não 7,81 ou 7,79? Por que o homem não está bem barbeado? E assim por diante. No caso de Deus, a perfeição ilimitada dEle pode fornecer os recursos para ver por que cada um dos seus atributos numericamente distintos estão todos presentes, sem qualquer arbitrariedade, possibilidade de serem separados uns dos outros ou limitações. Em contraste, o homem barbudo do céu é limitado, tem muitas arbitrariedades, tem partes que podem estar separadas, assim por diante. Sem mencionar que um homem barbudo do céu seria plausivelmente contingente, ao passo que o Deus não-CT é necessariamente existente. Não vejo por que todos esses pontos (e mais) não contam como tendo um "significado metafísico muito profundo". Na verdade, a negação de que eles têm tal significado parece obviamente errada.
Também posso imaginar, digamos, Plotino dizendo que é a visão de Pruss da realidade última que é um antropomorfismo patentemente absurdo. Para Pruss, a realidade última é pessoal. Ele é um agente intencional com livre arbítrio e age por razões (mesmo que seja de forma análoga). Ele deseja relacionamentos com criaturas. Ele adora criaturas. Ele até tem emoções [a impassibilidade divina, mais importante, não nega que Deus tenha uma vida emocional; simplesmente diz que ela é de bem-aventurança/ bênção/ felicidade imperturbável]. E se isso não é antropomorfismo absurdo, o que é? No mínimo, todas essas afirmações são obviamente muito mais "antropomorfizantes" do que meramente atribuir mudança e não simplicidade à realidade última.
Um argumento mais plausível (embora ainda profundamente implausível) poderia ser algo como:

“A visão de Pruss não é aquela em que a realidade fundamental é verdadeiramente definitiva. Sua visão está repleta de antropomorfismos absurdos. Ele genuinamente diz que a realidade última é pessoal, tem livre arbítrio, tem uma vida emocional, age intencionalmente por motivos, é mental e assim por diante. Mas isso é apenas uma projeção para a realidade última. Lembro-me da crítica contundente de Xenófanes ao antropomorfismo grego: "Se os cavalos tivessem mãos, bois ou leões, ou se pudessem desenhar com as mãos e produzir obras como os homens, eles desenhariam figuras de deuses como cavalos e bois como bois, e cada um faria com que os corpos fossem da mesma estrutura que cada um deles”(B15). E, em uma linha semelhante, ele observa que “os etíopes dizem que seus deuses têm nariz arrebitado e morenos”, enquanto os trácios dizem “que os deles têm olhos grisalhos e cabelos ruivos” (B16). Aqui, Xenófanes está observando correlações entre as características de grupos específicos de pessoas (por um lado) e as características que esses grupos associam à realidade última (por outro). Assim como os próprios etíopes têm pele escura, suas realidades finais (deuses) também têm pele escura; e assim como os próprios trácios têm cabelos ruivos, suas realidades (deuses) supremas também têm cabelos ruivos. E assim como Pruss tem livre arbítrio, intenções, atua por motivos, amores, desejos e tem emoções, também a realidade "última" de Pruss tem essas características. Mas isso é como supor que a realidade última seja morena ou ruiva. Não. A realidade última é radicalmente transcendente - um princípio irracional, impessoal e absolutamente simples do qual deriva *toda* a multiplicidade e diferenciação - incluindo uma multiplicidade de pessoas trinitárias. O Deus de Pruss é um ser dependente. O Deus de Pruss tem multiplicidade interna e diferenciação entre as pessoas. Essa multiplicidade interna requer uma fonte extrínseca ou princípio responsável pela unidade da multiplicidade. Essa fonte extrínseca é aquela absolutamente simples, que transcende toda multiplicidade, diferenciação e qualificação. Qualquer coisa à parte do Um requer uma causa para a unidade de sua multiplicidade, distinção, diferenciação e qualificação. Assim, uma diferenciação ou multiplicidade de pessoas divinas distintas exigem uma causa extrínseca. A multiplicidade é um antropomorfismo absurdo. Lance esse antropomorfismo às chamas, pois ele não contém nada além de sofismas e ilusões. Ou a realidade última é a que acaba de ser articulada, impessoal, irracional, absolutamente simples, ou então o naturalismo ateu é verdadeiro. Não há meio termo."

-

[Fn] Não está exatamente claro se Pruss pretende que sua postagem no blog seja um argumento. Portanto, quero enfatizar que não estou muito preocupado aqui se o próprio Pruss está apresentando um argumento. O que quer que ele tenha feito, e quaisquer que sejam suas próprias intenções, parece estar oferecendo algum tipo de razão, ou pelo menos afirmações avaliáveis. E essas afirmações avaliáveis podem ser reunidas naturalmente em um argumento contra os modelos não clássicos de Deus com base em seu (suposto) questionável "antropomorfismo absurdo". (Por exemplo, Pruss afirma que há algo errado com um modelo de Deus e, em seguida, aponta isso em virtude do qual ele está errado, e então alega que os modelos não clássicos de Deus compartilham esta característica questionável. Mas certamente esta afirmação pode ser avaliada criticamente por, digamos, apontar diferenças relevantes entre o exemplo e os modelos não clássicos de Deus que tornam os dois categoricamente diferentes.) E então meu post está aqui para avaliar tais afirmações.

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem