Autor: IEP
Tradução: Iran Filho

O problema evidencial do mal é o problema de determinar se e, em caso afirmativo, até que ponto a existência do mal (ou certos casos, tipos, quantidades ou distribuições do mal) constitui evidência contra a existência de Deus, ou seja, um ser perfeito em poder, conhecimento e bondade. Argumentos evidenciais do mal tentam mostrar que, uma vez que deixamos de lado qualquer evidência que possa haver em apoio à existência de Deus, torna-se improvável, se não altamente improvável, que o mundo tenha sido criado e governado por um ser onipotente, onisciente e totalmente bom. Tais argumentos não devem ser confundidos com os argumentos lógicos do mal, que têm o objetivo mais ambicioso de mostrar que, em um mundo em que existe o mal, é logicamente impossível - e não apenas improvável - que Deus exista.

Esta entrada começa esclarecendo alguns conceitos e distinções importantes associados ao problema do mal, antes de fornecer um esboço de um dos argumentos evidenciais mais fortes e influentes desenvolvidos nos tempos contemporâneos, a saber, o argumento evidencial apresentado por William Rowe. O argumento de Rowe ocasionou uma série de respostas dos teístas, incluindo a chamada crítica do "teísta cético" (segundo a qual os caminhos de Deus são misteriosos demais para compreendermos) e a construção de várias teodicias, isto é, explicações sobre por que Deus permite o mal. Essas e outras respostas ao problema evidencial do mal são aqui pesquisadas e avaliadas.

01: Contexto do problema do mal

Antes de mergulhar nas águas profundas e muitas vezes sombrias do problema do mal, será útil fornecer alguma base filosófica a esse venerável assunto. O primeiro e talvez o mais importante passo desse processo de definição de etapas será identificar e esclarecer a concepção de Deus que normalmente é pressuposta nos debates contemporâneos (pelo menos dentro da tradição analítica anglo-americana) sobre o problema do mal. O próximo passo envolverá fornecer um esboço de alguns conceitos e distinções importantes, em particular a antiga distinção entre "bem" e "mal", e a distinção mais recente entre o problema lógico do mal e o problema evidencial do mal.

a. Teísmo Ortodoxo
A concepção predominante de Deus no mundo ocidental e, portanto, o tipo de divindade que normalmente é objeto de debate nas discussões sobre o problema do mal na maioria dos círculos filosóficos ocidentais, é o Deus do "teísmo ortodoxo". De acordo com o teísmo ortodoxo, existe apenas um Deus, sendo esse Deus uma pessoa ou "como uma pessoa". A noção operativa por trás dessa forma de teísmo é que Deus é perfeito, onde ser perfeito é ser o maior possível ou, emprestando a conhecida frase de Anselmo, o ser do qual nada maior pode ser concebido. (Tal concepção de Deus constitui o ponto de partida no que se tornou conhecido como "teologia do ser perfeito"; ver Morris 1987, 1991 e Rogers 2000). Nesta visão, Deus, como um ser absolutamente perfeito, deve possuir as seguintes perfeições ou qualidades de fazer grandes coisas.

  1. Onipotência: refere-se à capacidade de Deus para trazer à tona qualquer estado de coisas que seja logicamente possível em si mesmo, bem como logicamente consistente com seus outros atributos essenciais.
  2. Onisciência: Deus é onisciente, pois conhece todas as verdades ou sabe tudo o que é logicamente possível saber.
  3. Bondade perfeita: Deus é a fonte das normas morais (como no comando divino da ética) ou sempre age de acordo com as normas morais.
  4. Asseidade: Deus tem asseidade (literalmente, sendo de si mesmo, um ser) - isto é, ele é auto-existente ou ontologicamente independente, pois ele não depende nem de sua existência nem de suas características de nada fora de si.
  5. Incorporeidade: Deus não tem corpo; ele é um espírito não físico, mas é capaz de afetar coisas físicas.
  6. Eternidade: tradicionalmente, acredita-se que Deus é eterno em um sentido atemporal - isto é, Deus é atemporal ou existe fora do tempo (uma visão sustentada por Agostinho, Boécio e Tomás de Aquino). Em uma visão alternativa, a eternidade de Deus é considerada de natureza temporal, de modo que Deus é eterno ou existe no tempo, tendo duração temporal infinita nas duas direções temporais.
  7. Onipresença: Deus está totalmente presente em todo espaço e tempo. Isso geralmente é interpretado metaforicamente para significar que Deus pode realizar um evento imediatamente em qualquer lugar e hora, e sabe o que está acontecendo em todo lugar e hora da mesma maneira imediata.
  8. Perfeitamente livre: Deus é absolutamente livre, no sentido de que nada fora dele pode determiná-lo a executar uma ação específica, ou no sentido de que está sempre ao seu alcance não fazer o que faz.
  9. Único digno de adoração e compromisso incondicional: Deus, sendo o maior ser possível, é o único a ser apto a ser adorado e o único a quem se pode comprometer a vida sem ressalvas.
O Deus do teísmo tradicional também costuma receber outro atributo, que ele acredita possuir apenas contingentemente:
 
10. Criador e sustentador do mundo: Deus trouxe à existência o mundo (físico e não físico) e também mantém o mundo e todos os objetos nele existentes. Assim, nenhuma coisa criada poderia existir em um dado momento, a menos que naquele momento existisse por Deus. Além disso, nenhuma coisa criada poderia ter os poderes e responsabilidades causais que possui em um determinado momento, a menos que naquele momento fossem supridos com esses poderes e responsabilidades por Deus.

Segundo o teísmo ortodoxo, Deus era livre para não criar um mundo. Em outras palavras, há pelo menos um mundo possível no qual Deus não cria nada. Mas então Deus é um criador apenas contingentemente, não necessariamente. (Para uma descrição mais abrangente das propriedades do Deus do teísmo ortodoxo, veja Swinburne 1977, Quinn & Taliaferro 1997: 223-319, e Hoffman & Rosenkrantz 2002).

b. O bem e o mal
Esclarecer a concepção subjacente de Deus é apenas o primeiro passo para esclarecer a natureza do problema do mal. Para chegar a um entendimento mais completo desse problema irritante, é necessário desembalar ainda mais parte de sua bagagem filosófica. Volto-me, portanto, a alguns conceitos e distinções importantes associados ao problema do mal, começando pelas idéias de "bem" e "mal".

Os termos "bem" e "mal" são notoriamente difíceis de definir. Alguns relatos, no entanto, podem ser dados sobre esses termos, à medida que são empregados nas discussões sobre o problema do mal. Começando com a noção do mal, isso normalmente recebe uma extensão muito ampla, de modo a cobrir tudo o que é negativo e destrutivo na vida. O âmbito do mal incluirá, portanto, categorias como o mau, o injusto, o imoral e o doloroso. Uma análise do mal nesse sentido amplo pode proceder da seguinte forma:

Um evento pode ser classificado como ruim se envolver qualquer um dos seguintes:

a. algum dano (seja pequeno ou grande) sendo causado ao bem-estar físico e / ou psicológico de uma criatura sensível;
b. o tratamento injusto de alguma criatura sensível;
c. perda de oportunidade resultante de morte prematura;
d. qualquer coisa que impeça um indivíduo de levar uma vida plena e virtuosa;
uma pessoa fazendo aquilo que é moralmente errado;
e. a "privação do bem".

A condição (a) captura o que normalmente se enquadra na rubrica da dor como um estado físico (por exemplo, a sensação que você sente quando tem dor de dente ou maxilar quebrado) e o sofrimento como um estado mental em que desejamos que nossa situação fosse diferente ( por exemplo, a experiência de ansiedade ou desespero). A condição (b) introduz a noção de injustiça, de modo que a prosperidade dos ímpios, a morte dos virtuosos e a negação dos direitos de voto ou oportunidades de emprego para mulheres e negros contariam como males. A terceira condição visa cobrir casos de morte prematura, ou seja, morte não provocada apenas pelo processo de envelhecimento. A morte desse tipo pode resultar em perda de oportunidade, no sentido de que alguém é incapaz de realizar seu potencial, sonhos ou objetivos, ou apenas no sentido de que é impedido de viver o período completo de sua vida natural. É em parte por isso que consideramos um grande mal se uma criança foi morta depois de impactar com um trem a toda velocidade, mesmo que a criança não sentisse dor ou sofrimento no processo. A condição (d) classifica como maligna qualquer coisa que impeça alguém de levar uma vida que seja ao mesmo tempo satisfatória e virtuosa - pobreza e prostituição seriam casos em questão. A condição (e) relaciona o mal a escolhas ou atos imorais. E a condição final expressa a ideia, destacada em Agostinho e Tomás de Aquino, de que o mal não é uma substância ou entidade por si só, mas uma privatio boni: a ausência ou falta de um bom poder ou qualidade que uma coisa por sua natureza deveria possuir.

Paralelamente à análise do mal acima, pode ser oferecida a seguinte descrição do “bem”: 

Um evento pode ser classificado como bom se envolver qualquer um dos seguintes:
  1. alguma melhoria (seja pequena ou ótima) no bem-estar físico e / ou psicológico de uma criatura sensível;
  2. o tratamento justo de alguma criatura sensível;
  3. qualquer coisa que avance no grau de satisfação e virtude na vida de um indivíduo;
  4. uma pessoa fazendo aquilo que é moralmente correto;
  5. o funcionamento ideal de uma pessoa ou coisa, para que não falte a medida completa de ser e bondade que deveria pertencer a ela.
Voltando às muitas variedades do mal, o seguinte se tornou padrão na literatura:

Mal moral. Esse é o mal que resulta do uso indevido do livre arbítrio por parte de algum agente moral, de tal maneira que o agente se torna moralmente culpável pelo mal resultante. O mal moral, portanto, inclui atos específicos de irregularidades intencionais, como mentir e assassinar, além de defeitos de caráter, como desonestidade e ganância.

Mal natural. Em contraste com o mal moral, o mal natural é o mal que resulta da operação de processos naturais; nesse caso, nenhum ser humano pode ser responsabilizado moralmente pelo mal resultante. Exemplos clássicos de males naturais são desastres naturais, como ciclones e terremotos, que resultam em enorme sofrimento e perda de vidas, doenças como leucemia e Alzheimer e deficiências como cegueira e surdez.

Uma qualificação importante, no entanto, deve ser feita neste momento. Uma grande parte do que normalmente passa como mal natural é provocada por irregularidades ou negligências humanas. Por exemplo, o câncer de pulmão pode ser causado pelo fumo intenso; a perda de vidas ocasionada por alguns terremotos pode ser devida, em grande parte, a urbanistas irresponsáveis, localizando suas criações em falhas que acabarão se soltando e se dividindo; e algumas secas e inundações podem ter sido evitadas se não fosse pela maneira descuidada com que tratamos nosso planeta. Como é o mau uso do livre arbítrio que causou esses males ou contribuiu para sua ocorrência, parece melhor considerá-los como males morais e não naturais. No presente trabalho, portanto, um mal natural será definido como um mal resultante exclusiva ou principalmente da operação das leis da natureza. Alternativamente, e talvez mais precisamente, um mal será considerado um mal natural somente se nenhum agente não-divino puder ser considerado moralmente responsável por sua ocorrência. Assim, uma inundação causada pela poluição humana do meio ambiente será classificada como um mal natural, desde que os agentes envolvidos não possam ser responsabilizados moralmente pelo mal resultante, o que seria o caso se, por exemplo, eles não pudessem ser razoavelmente esperados prever as conseqüências de seu comportamento.

Outra categoria do mal que recentemente teve um papel importante nas discussões sobre o problema do mal é o mal horrendo. Isso pode ser definido, seguindo Marilyn Adams (1999: 26), como o mal “na participação na qual (ou seja, o fazer ou o sofrimento) constitui uma razão prima facie para duvidar se a vida do participante poderia (dada sua inclusão nela) ser um grande bem para ele / ela em geral. Como exemplos de tal maldade, Adams lista “o estupro de uma mulher e a retirada de seus braços, tortura psicofísica cujo objetivo final é a desintegração da personalidade, traição das mais profundas lealdades de alguém, abuso infantil do tipo descrito por Ivan Karamazov, pornografia infantil, incesto dos pais, morte lenta por fome, a explosão de bombas nucleares em áreas povoadas” (p.26).

Um mal horrendo, pode-se notar, pode ser um mal moral (por exemplo, o Holocausto de 1939-45) ou um mal natural (por exemplo, o terremoto de Lisboa em 1755). Também é importante notar que é a noção de um "terrível mal moral" que se compara ao uso atual e cotidiano do "mal" pelos falantes de inglês. Hoje, quando normalmente empregamos a palavra “mal”, não pretendemos escolher algo que é apenas ruim ou muito errado (por exemplo, um roubo), nem pretendemos nos referir à morte e destruição provocadas por processos puramente naturais (não pensamos, por exemplo, no desastre do tsunami na Ásia em 2004 como algo “maligno”). Em vez disso, a palavra “mal” é reservada em uso comum para eventos e pessoas que têm uma qualidade ou caráter moral especialmente horrível.

Claramente, o problema do mal é mais difícil quando declarado em termos de mal horrendo (seja da variedade moral ou natural), e como será visto na Seção II abaixo, é exatamente assim que a afirmação de William Rowe do problema evidencial de o mal é formulada.

Finalmente, essas noções de bem e mal indicam que o problema do mal está intimamente ligado à ética. A teoria ética subjacente de alguém pode ter influência na abordagem de alguém do problema do mal de pelo menos duas maneiras.

Em primeiro lugar, alguém que aceita uma teoria da ética de comando divino ou não-realismo na ética não está em posição de levantar o problema do mal, ou seja, de oferecer a existência do mal como pelo menos uma boa razão prima facie para rejeitar o teísmo. Isso ocorre porque uma teoria de comando divino, ao considerar que a moralidade depende da vontade de Deus, já assume a verdade daquilo que está em disputa, a saber, a existência de Deus (ver Brown, 1967). Por outro lado, teorias éticas não realistas, como subjetivismo moral e teorias de erro da ética, sustentam que não existem julgamentos morais objetivamente verdadeiros. Mas, então, um não-teísta que também é realista na ética não pode se servir de algumas das premissas centrais encontradas em argumentos evidenciais do mal (como “Se houvesse um Deus perfeitamente bom, ele iria querer um mundo com nenhum mal horrível nele”), pois estes pretendem ser julgamentos morais objetivamente verdadeiros (ver Nelson 1991). Isso não quer dizer, no entanto, que ateólogos como David Hume, Bertrand Russell e J.L. Mackie, cada um dos quais apoiava o não-realismo na ética, estavam contradizendo sua própria meta-ética ao levantar argumentos do mal - pelo menos se seu objetivo fosse apenas para mostrar uma contradição no conjunto de crenças dos teístas.

Em segundo lugar, a teoria ética normativa específica que se adota (por exemplo, consequencialismo, deontologia, ética da virtude) pode influenciar a maneira pela qual alguém formula ou responde a um argumento do mal. De fato, alguns chegaram ao ponto de afirmar que argumentos probatórios do mal geralmente pressupõem a verdade do consequencialismo (ver, por exemplo, Reitan 2000). Mesmo que não seja assim, parece que a adoção de uma teoria específica na ética normativa pode facilitar ou dificultar o problema do mal, ou pelo menos delimitar o leque de soluções disponíveis. (Para um excelente relato das dificuldades enfrentadas pelos teístas em relação ao problema do mal, quando a estrutura ética é restrita à deontologia, veja McNaughton 1994).

c. Versões do Problema do Mal
O problema do mal pode ser descrito como o problema da reconciliação da crença em Deus com a existência do mal. Mas o problema do mal, como o próprio mal, tem muitas faces. Por exemplo, pode ser expresso como um problema experiencial ou como um problema teórico. No primeiro caso, o problema é a dificuldade de adotar ou manter uma atitude de amor e confiança em relação a Deus quando confrontado pelo mal que é profundamente desconcertante e perturbador. Alvin Plantinga (1977: 63-64) fornece um relato eloquente desse problema:

"O teísta pode encontrar um problema religioso no mal; na presença de seu próprio sofrimento ou de alguém próximo a ele, pode achar difícil manter o que considera ser a atitude adequada para com Deus. Diante de grande sofrimento ou infortúnio pessoal, ele pode ser tentado a se rebelar contra Deus, apertar o punho na cara de Deus ou até desistir totalmente da crença em Deus... Esse problema exige, não a iluminação filosófica, mas o cuidado pastoral. (ênfase no original)"

Por outro lado, o problema teórico do mal é a questão puramente "intelectual" de determinar que impacto, se houver, da existência do mal têm sobre o valor da verdade ou o status epistêmico da crença teísta. Certamente, esses dois problemas estão interconectados - considerações teóricas, por exemplo, podem colorir a experiência real do mal, como acontece quando o sofrimento que é melhor compreendido se torna mais fácil de suportar. Neste artigo, no entanto, o foco será exclusivamente a dimensão teórica. Esse aspecto do problema do mal vem em duas amplas variedades: O problema lógico e o problema evidencial.

A versão lógica do problema do mal (também conhecida como versão a priori e versão dedutiva) é o problema de remover uma suposta inconsistência lógica entre certas afirmações sobre Deus e certas afirmações sobre o mal. J.L. Mackie (1955: 200) fornece uma declaração sucinta deste problema:

"Na sua forma mais simples, o problema é este: Deus é onipotente; Deus é totalmente bom; e ainda existe o mal. Parece haver alguma contradição entre essas três proposições, de modo que, se duas delas fossem verdadeiras, a terceira seria falsa. Mas, ao mesmo tempo, todas as três são partes essenciais da maioria das posições teológicas: O teólogo, ao que parece, deve aderir ao mesmo tempo e não pode aderir consistentemente a todos os três. (ênfases no original)"

De maneira semelhante, H.J. McCloskey (1960: 97) enquadra o problema do mal da seguinte forma:

"O mal é um problema para os teístas, pois uma contradição está envolvida no fato do mal, por um lado, e na crença na onipotência e perfeição de Deus, por outro. (ênfase minha)"

Ateólogos como Mackie e McCloskey, ao sustentar que o problema lógico do mal fornece evidências conclusivas contra o teísmo, estão reivindicando que os teístas estão comprometidos com um conjunto de crenças internamente inconsistentes e, portanto, que o teísmo é necessariamente falso. Mais precisamente, alega-se que os teístas geralmente aceitam as seguintes proposições:

11. Deus existe
12. Deus é onipotente
13. Deus é onisciente
14. Deus é perfeitamente bom
15. O mal existe.

As proposições (11) - (14) formam uma parte essencial da concepção ortodoxa de Deus, como foi explicado na Seção 1 acima. Mas os teístas normalmente acreditam que o mundo contém o mal. A acusação, então, é que esse compromisso com (15) é de alguma forma incompatível com o compromisso do teísta com (11) - (14). Obviamente, (15) pode ser especificado de várias maneiras - por exemplo, (15) pode se referir à existência de algum mal, ou uma certa quantidade de mal, ou tipos particulares de mal, ou algumas distribuições desconcertantes de mal. Em cada caso, será gerada uma versão diferente do problema lógico do mal e, portanto, uma carga distinta de incompatibilidade lógica.

A alegada incompatibilidade, no entanto, não é óbvia ou explícita. Em vez disso, a afirmação é de que as proposições (11) - (15) são implicitamente contraditórias, onde um conjunto S de proposições é implicitamente contraditório se houver uma proposição necessária p de modo que a conjunção de P com S constitua um conjunto formalmente contraditório. Aqueles que defendem argumentos lógicos do mal devem, portanto, adicionar uma ou mais verdades necessárias ao conjunto de cinco proposições acima, a fim de gerar a contradição fatal. A título de ilustração, considere as seguintes proposições adicionais que podem ser oferecidas:

16. Um ser perfeitamente bom iria querer evitar todos os males.
17. Um ser onisciente conhece todas as maneiras pelas quais os males podem surgir.
18. Um ser onipotente que conhece todas as maneiras pelas quais um mal pode surgir tem o poder de impedir que esse mal ocorra.
19. Um ser que conhece todas as maneiras pelas quais um mal pode surgir, que é capaz de impedir a existência desse mal e que deseja fazê-lo, impediria a existência desse mal.

Desse conjunto de proposições auxiliares, segue-se claramente que
20. Se existe um ser onipotente, onisciente e perfeitamente bom, então não existe mal.

Não é difícil ver como a adição de (16) - (20) a (11) - (15) produzirá uma contradição explícita, a saber:

21. O mal existe e o mal não existe.

Se tal argumento for sólido, o teísmo não carecerá de apoio evidencial, mas seria, como Mackie (1955: 200) coloca, "positivamente irracional".

O assunto deste artigo, no entanto, é a versão evidencial do problema do mal (também chamada de versão a posteriori e versão indutiva), que busca mostrar que a existência do mal, embora logicamente consistente com a existência de Deus, conta contra a verdade do teísmo. Como no problema lógico, as formulações evidenciais podem se basear na pura existência do mal, ou em certos casos, tipos, quantidades ou distribuições do mal. Os argumentos evidenciais do mal também podem ser classificados de acordo com o emprego (i) de uma abordagem indutiva direta, que visa mostrar que o mal conta contra o teísmo, mas sem compará-lo a alguma hipótese alternativa; ou (ii) uma abordagem indutiva indireta, que tenta mostrar que algum conjunto significativo de fatos sobre o mal conta contra o teísmo, e faz isso identificando uma hipótese alternativa que explica esses fatos de maneira muito mais adequada do que a hipótese teísta. A estratégia anterior, como será visto na Seção II, é empregada por William Rowe, enquanto a última estratégia é exemplificada melhor no artigo de Paul Draper de 1989, "Dor e prazer: um problema evidente para os teístas". (Uma taxonomia útil de argumentos probatórios do mal pode ser encontrada em Russell 1996: 194 e Peterson 1998: 23-27, 69-72.)

Argumentos evidenciais pretendem mostrar que o mal conta contra o teísmo no sentido de que a existência do mal diminui a probabilidade de que Deus exista. A estratégia aqui é começar colocando de lado qualquer evidência positiva que possamos achar que existe em apoio ao teísmo (por exemplo, o argumento do ajuste fino), bem como qualquer evidência negativa que possamos pensar que existe contra o teísmo (ou seja, qualquer informação negativa). evidência que não seja a evidência do mal). Portanto, começamos com um "campo de jogo nivelado", definindo a probabilidade de Deus existir em 0,5 e a probabilidade de Deus não existir em 0,5 (compare Rowe 1996: 265-66; vale a pena notar, no entanto, que esse "campo de jogo nivelado ”Não é totalmente incontroverso: ver, por exemplo, as objeções levantadas por Jordan 2001 e Otte 2002: 167-68). O objetivo é determinar o que acontece com o valor de probabilidade de "Deus existe", uma vez que consideramos as evidências geradas por nossas observações dos vários males em nosso mundo. A questão central, portanto, é: motivos de crença em Deus à parte, o mal torna a verdade do ateísmo mais provável do que a verdade do teísmo? (Um debate recente sobre o problema probatório do mal foi apresentado em tais termos: ver Rowe 2001a: 124-25.) Portanto, os defensores dos argumentos probatórios não estão afirmando que, mesmo se levarmos em conta quaisquer razões positivas que apoiam o teísmo , a evidência do mal ainda consegue diminuir a probabilidade da existência de Deus. Eles estão apenas alegando que, se deixarmos de lado temporariamente razões positivas, pode ser demonstrado que os males que ocorrem em nosso mundo empurram significativamente a probabilidade da existência de Deus para baixo.

Mas se o mal conta contra o teísmo, diminuindo o valor da probabilidade de "Deus existe", o mal constitui evidência contra a existência de Deus. Argumentos evidenciais, portanto, afirmam que existem certos fatos sobre o mal que não podem ser adequadamente explicados em uma descrição teísta do mundo. O teísmo é assim tratado como uma hipótese em larga escala ou teoria explicativa que visa compreender alguns fatos pertinentes e, na medida em que falha em fazê-lo, não é confirmado.

Nos argumentos evidenciais, no entanto, a evidência apenas probabiliza sua conclusão, em vez de verificá-la conclusivamente. A natureza probabilística de tais argumentos se manifesta na forma de uma premissa no sentido de que "Provavelmente é o caso em que alguma instância (ou tipo, quantidade ou padrão) do mal E é gratuita". Esse julgamento de probabilidade geralmente se baseia na afirmação de que, mesmo após cuidadosa reflexão, não podemos ver boas razões para a permissão de Deus para tal. A inferência dessa afirmação para o julgamento de que existe mal gratuito é de natureza indutiva e é indutiva. Etapa que diferencia o argumento evidencial do argumento lógico.

    Comentário(s)

    Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

    Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

    Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

    Postagem Anterior Próxima Postagem