Autor: Graham Oppy
Tradução: Alisson Souza

"Reflections on 'Uncaused Beginnings" de William Lane Craig é uma crítica constante de meus "Uncaused Beginnings".  Argumento que os argumentos centrais do meu ensaio sobrevivem ilesos à crítica. Quando fazemos uma comparação justa e precisa das alegações naturalistas e teístas sobre a realidade causal global, vemos que considerações sobre causalidade e a forma da realidade causal não decidem entre naturalismo e teísmo.  Além disso, a objeção de Edwards / Prior / Craig não exclui a visão de que existe um estado causal global inicial que envolve apenas entidades existindo contingentemente.


1


Compare duas visões sobre a realidade causal global.  Ambas as visões supõem que existe um estado causal global inicial contingente envolvendo pelo menos uma entidade necessariamente existente.  Ambas as visões supõem que o estado causal global inicial é o único estado causal global que não tem causa; ambas as visões também supõem que os únicos estados causais adicionais que não têm causa são estados iniciais de entidades que pertencem e / ou são sub-estados do estado causal global inicial.  Uma visão é naturalista. Essa visão diz que a realidade causal global é a evolução causal de uma entidade inteiramente natural e necessariamente existente: o universo (ou multiverso, ou o que você tem). O estado causal global inicial é o estado inicial do universo; todos os estados causais globais subseqüentes são estados causais subseqüentes do universo, alcançados por um processo de evolução causal a partir do estado inicial do universo.  A outra visão é teísta. Essa visão diz que a realidade causal global é a evolução causal de um sistema parcialmente sobrenatural que contém um Deus criador necessariamente existente e uma entidade natural existente contingentemente: o universo (ou multiverso, ou o que você tem). O estado causal global inicial é o estado inicial de Deus (antes da criação); subseqüentemente à criação, estados causais globais são estados de um sistema que inclui Deus e o universo, atingidos por um processo de evolução causal a partir do estado inicial do sistema.  Ambas as visões compartilham a seguinte tese sobre a modalidade: todos os mundos possíveis começam com um estado inicial da mesma entidade, e esse estado inicial é brutalmente contingente. Na visão teísta, a entidade em questão é Deus: todo mundo possível começa com Deus, mas as disposições criativas com as quais Deus está equipado são brutalmente contingentes - não há explicação, em

qualquer mundo possível, por que Deus tem as disposições criativas que Deus tem naquele mundo, em vez de outras disposições criativas que Deus poderia ter tido em seu lugar.  Na visão naturalista, a entidade em questão é o universo: todo mundo possível começa com um estado inicial do universo, mas as propriedades iniciais do universo que governam sua evolução subsequente são brutalmente contingentes - não há explicação, em nenhum mundo possível.  , por que o universo tem as propriedades iniciais que possui, em vez de outras propriedades iniciais que ele poderia ter. Ambas as visões vêm em versões determinísticas e não determinísticas. Nas versões determinísticas dessas visões, a evolução causal do estado da realidade causal global é determinística;  nas versões não determinísticas dessas visões, a evolução causal do estado da realidade causal global - e de entidades que pertencem e / ou são sub-estados da realidade causal global - é (pelo menos em algum lugar) arriscada. Em qualquer uma das versões, não há um ponto não inicial no qual exista uma evolução do estado totalmente sem causa: não há um ponto não inicial no qual as entidades "surgem sem causa".  Além disso, é uma questão de decisão semântica se dizemos, sob cada ponto de vista, que qualquer entidade que existe no estado inicial "surge sem causa": poderíamos definir "surgir" de tal maneira que Deus (na visão teísta) e o universo (na visão naturalista) surgem sem causa; ou poderíamos definir "surgir" de tal maneira que nem Deus (na visão teísta) nem o universo (na visão naturalista) surjam sem causa. Obviamente, existem muitas variantes de ambas as visualizações.  Podemos supor que não exista um estado inicial, mas uma regressão infinita. Podemos supor que o estado inicial é necessário. Podemos supor que as entidades que existem no estado inicial são contingentes e que pode não ter havido nada. Podemos supor que as entidades que existem no estado inicial são contingentes e que possam ter havido entidades iniciais diferentes. E assim por diante.


2


"Reflections on 'Uncaused Beginnings" de William Lane Craig 1 está comprometido com a visão teísta que identifiquei inicialmente.  Por outro lado, estou indeciso entre uma série de visões naturalistas: a visão naturalista que identifiquei inicialmente, a variante daquela visão na qual o estado inicial é necessário, a variante daquela visão na qual há uma regressão infinita;  e talvez outras visões além. Se forçado a escolher, provavelmente optaria pela variante da visão na qual o estado inicial é necessário, embora não com nenhum grau de confiança. No entanto, nego que precise escolher para ter razões para preferir o naturalismo ao teísmo: pois, a meu ver, em cada variante das duas visões, o relato naturalista é preferível ao relato teísta.


Se compararmos as duas visões que identifiquei inicialmente, parece-me óbvio que essas duas visões estão ligadas quando se trata de considerações sobre causalidade e a estrutura da realidade causal (global).  No entanto, parece que Craig discorda. Ele afirma, por exemplo, (a) que a visão naturalista apenas supõe que as coisas que aparecem em um estado inicial de realidade devem ser capazes de persistir (75); e (b) que é apenas uma conjectura ad hoc, por parte da visão naturalista, supor que todos os mundos possíveis tenham um estado inicial constituído inteiramente pelo estado contingente de uma entidade necessariamente existente (76);  e (c) que a visão naturalista envolve uma fusão de ordem causal com ordem temporal (72); e (d) que a visão naturalista exclui a causalidade simultânea (73); e (e) que a visão naturalista falha porque o devir temporal é uma característica objetiva da realidade (74). Pelo contrário, parece-me que existe uma paridade óbvia entre as duas visões em relação a todas essas afirmações: se a visão naturalista "apenas assume" que as coisas que aparecem em um estado inicial de realidade devem ser capazes de persistir  , o mesmo acontece com a visão teísta; se é apenas uma conjectura ad hoc para o naturalista supor que todos os mundos possíveis têm um estado inicial constituído inteiramente pelo estado contingente de uma entidade necessariamente existente, então é igualmente uma conjectura ad hoc para o teísta fazer essa suposição; se a visão naturalista envolve uma fusão da ordem causal com a ordem temporal, o mesmo ocorre com a visão teísta; se a visão naturalista exclui a causalidade simultânea, o mesmo ocorre com a visão teísta;  se a visão naturalista falha porque o devir temporal é uma característica objetiva da realidade, o mesmo ocorre com a visão teísta. Um árbitro deste periódico sugeriu que a visão naturalista fica atrás da visão teísta, porque envolve a rejeição de princípios plausíveis de recombinação modal. Mas aqui também me parece óbvio que há paridade. Se supomos que exista um estado inicial contingente envolvendo uma entidade necessariamente existente, a natureza e a existência dessa entidade necessariamente existente impõem restrições a quaisquer princípios modais de recombinação que possam existir.  Em particular, dado que existe essa entidade necessariamente existente, é impossível que existam mundos em que não haja senão entidades contingentemente existentes; e é impossível que existam mundos em que nada instancia as propriedades essenciais da entidade necessariamente existente.


3


Os principais argumentos do meu "Uncaused Beginnings" 2 referem-se a uma objeção específica à opinião de que o estado inicial envolve apenas entidades existentes contingentemente.  Essa objeção - a objeção Edwards / Prior / Craig - alega que, se você negar que é possível que um tigre furioso "subitamente venha a existir sem causar nada" na sala em que está lendo este artigo, não poderá consistentemente permitir que seja possível que o estado inicial da realidade "subitamente venha a existir sem causa do nada".  Em "Uncaused Beginnings" argumentei que essa afirmação é falsa. Há razões independentes para pensar que, seja possível ou não que o estado inicial da realidade "repentinamente venha a existir sem causa do nada", é impossível que um tigre raivoso "repentinamente exista sem causa do nada" na sala em que você está lendo este artigo. Em particular, argumentei, é impossível que um tigre furioso "subitamente venha a existir sem causar nada" na sala em que você está lendo este artigo, porque não há lugar na sala em que você esteja lendo este artigo que um tigre poderia vir a ocupar sem causa.  Na minha opinião, algo que não existe não pode provocar a inexistência de algo que existe; e uma entidade natural não pode existir, exceto como ocupante de um local na variedade da realidade natural. Na ordem causal, a atividade de deslocamento do objeto de deslocamento - o objeto "surgindo" - teria que ser ambos (causalmente) antes do deslocamento do objeto deslocado (para causar o deslocamento) e (causalmente ) posterior ao deslocamento do objeto deslocado (para que o objeto deslocado exista e, portanto, seja capaz de provocar o deslocamento). Mas isso é impossível: não pode ser que a atividade de deslocamento do objeto de deslocamento seja (causalmente) anterior e (causalmente) posterior ao deslocamento do objeto de deslocamento.  Craig considera minha opinião "perversa". Ele diz: "Na ordem causal, o novo objeto que surge em algum lugar faz com que o antigo ocupante desocupe o espaço" (76). Como acabei de argumentar, se existe uma visão aqui que é "perversa", é de Craig, pois sua visão teria objetos inexistentes dando uma contribuição causal à sua própria existência. Também argumento que, se - por impossível - algo "surgisse" em um local específico, consideraríamos adequadamente as férias do espaço agora ocupado pela coisa que passa a existir pela (s) coisa (s) que anteriormente ocupavam aquele local. o espaço como causa - isto é, uma condição causal necessária - da existência do novo ocupante desse espaço. Assim, mesmo neste caso, não teríamos algo surgindo sem causa.  Sobre esse caso, Craig comenta:


na visão de Oppy, o atual ocupante que desocupa o espaço faz com que o novo objeto seja criado, o que é claramente errado.  Na verdade, na visão de Oppy, ficamos nos perguntando por que um objeto com exatamente a mesma forma e tamanho não surgiu como resultado da evacuação de uma determinada região espacial por um objeto.  Por que o movimento de uma mesa fazia surgir um tigre? (77)


Eu não aceito isso.  Dado que a mesa não tem a forma de tigre, o mero "surgir da existência" da mesa não criaria um espaço no qual um tigre pudesse se encaixar.  O que é necessário para isso é um espaço apropriado em forma de tigre. Para fazer com que esse espaço se sobreponha onde está agora a mesa, a mesa teria que ir: mas, por si só, o "surgimento da existência" da mesa nem seria suficiente para a criação de um espaço apropriado em forma de tigre, deixado para o "surgimento" de um tigre.  Na verdade, não penso mais que as coisas possam "sair da existência dentro da realidade natural" sem causa, como penso que as coisas podem "surgir dentro da realidade natural" sem causa. Meu argumento central é independente do argumento adicional de que, se fosse possível que as coisas "surgissem dentro da realidade natural" e "emergissem dentro da realidade natural", então "surgiriam" sempre teria  "surgindo da existência" como causas.


4


Há uma segunda sequência na objeção de Edwards / Prior / Craig.  Afirma que, se você acredita que é possível que o estado inicial da realidade "subitamente exista a partir do nada", não é possível negar consistentemente que possam ter sido átomos de hidrogênio ou coelhos que "brotaram espontaneamente do vazio."  Em "Uncaused Beginnings", sugeri que qualquer pessoa que suponha que seja possível que o estado inicial da realidade "repentinamente venha a existir sem causa do nada" deve manter ainda mais: (a) que um estado inicial contingente da realidade e o contingente  as coisas que nela aparecem são os únicos tipos de coisas contingentes que não podem ter causa; (b) que qualquer coisa que seja ou possa ser um estado inicial contingente da realidade não pode ser outra coisa senão um estado inicial contingente da realidade; (c) que qualquer coisa que seja ou possa ser um estado de realidade não inicial não pode ser outra coisa senão um estado de realidade não inicial;  (d) que qualquer coisa que se destaque em um estado de realidade inicial contingente só pode vir a existir como uma característica de um estado de realidade inicial contingente; e (e) que qualquer coisa que venha a existir como uma característica de um estado de realidade não inicial só pode vir a existir como uma característica de um estado de realidade não inicial. Além disso, sugeri que um naturalista que suponha que é possível que o estado inicial da realidade "subitamente exista sem causa do nada" deveria manter: (f) que a única coisa que pode existir desacompanhada é a realidade natural;  (g) que o único estado sem causa que a realidade natural pode ter é o seu estado inicial; (h) que as únicas coisas que não têm causa de sua existência são as que estão presentes no estado inicial da realidade natural; e (i) que os únicos estados de coisas que não têm causa para sua obtenção são estados que as coisas têm no estado inicial da realidade natural. Craig diz que essas afirmações são "simplesmente fantásticas" e "explicitamente vazias" (75). No entanto, parece-me que ele próprio está comprometido com um conjunto de reivindicações muito semelhantes: (a) o estado inicial contingente da realidade e o Deus necessariamente existente que apresenta nele são os únicos tipos de coisas que não podem ter causa;  (b) qualquer coisa que seja ou possa ser um estado inicial da realidade não pode ser outra coisa senão um estado inicial da realidade; (c) qualquer coisa que seja ou possa ser um estado de realidade não inicial não pode ser outra coisa senão um estado de realidade não inicial; (d) qualquer coisa que se destaque em um estado inicial de realidade não pode vir a existir em um estado não inicial da realidade; (e) qualquer coisa que venha a existir como uma característica de um estado de realidade não inicial só pode vir a existir como uma característica de um estado de realidade não inicial; (f) Deus é a única coisa que pode existir desacompanhada na realidade causal; (g) o único estado não causado de realidade causal é o seu estado inicial;  (h) a única coisa que não tem causa de sua existência é a coisa (Deus) que está presente no estado inicial da realidade causal; (i) o único estado de coisas que não tem causa para sua obtenção é o estado de Deus no estado causal inicial da realidade. Na minha opinião, para decidir entre as visões concorrentes aqui, precisamos pesar suas virtudes teóricas. Qual visão faz o melhor trade-off entre (a) minimizar compromissos ontológicos e ideológicos e (b) maximizar a explicação dos dados? Se verifica-se que as visões segundo as quais há um estado inicial contingente da realidade causal global envolvendo apenas as entidades existentes contingentemente são piores do que as visões concorrentes - por exemplo, visões segundo as quais existe um estado inicial necessário da realidade causal global envolvendo apenas as  entidades necessariamente existentes e visões segundo as quais há um estado inicial contingente envolvendo apenas entidades necessariamente existentes e visões segundo as quais há um regresso infinito de estados causais - quando se trata de gerenciar o trade-off entre minimizar ontologias e ideologias, compromissos e maximizando a explicação dos dados, há boas razões para rejeitar as visões de acordo com as quais existe um estado inicial contingente da realidade causal global, envolvendo apenas entidades existentes contingentemente. Mas não podemos discernir que as visões segundo as quais existe um estado inicial contingente da realidade causal global, envolvendo apenas as entidades existentes contingentemente, são piores do que as visões concorrentes sobre essa troca, apenas inspecionando os tipos de princípios mencionados nos dois parágrafos anteriores.  Em vez disso, devemos determinar os compromissos ontológicos e ideológicos das visões concorrentes, e devemos fazer um exame cuidadoso de exatamente como os dados relevantes são explicados pelas visões concorrentes. Embora eu ache que podemos ver que as teorias naturalistas se saem melhor do que suas correlações teísticas sob essa avaliação, sou cético quanto ao fato de podermos pesar adequadamente as teorias naturalistas concorrentes (daí a minha indecisão sobre qual visão naturalista aceitar).




Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem