Tradução: Alisson Souza

Há algo sobre o argumento de Nicholas Everitt de escala para o ateísmo que apela para as minhas intuições, mas eu não consegui explicar o que é. Então, vou tentar reformular o argumento da escala como um argumento bayesiano. Antes, porém, vamos analisar a formulação do argumento de Everitt. Em seu livro The Non-Existence of God, Everitt começa introduzindo a forma genérica para a família de argumentos dos quais o argumento da escala é um membro:

Forma do Argumento Geral de Everitt

  1. Se existe um agente com natureza N, crenças B e intenção I, então ele produzirá a mudança C no mundo.
  2. O mundo não exibe C. Então:
  3. Há evidências contra a hipótese de que existe um agente com N e I e B. [1]
Everitt então se volta para seu argumento da escala.

Estamos agora em condições de apresentar a formulação de Everitt do argumento a partir da escala:

Argumento de Everitt de escala (AS)

  1. Se o deus do teísmo clássico existisse, com os propósitos tradicionalmente atribuídos a ele, então ele criaria um universo em escala humana, ou seja, um que não é inimaginavelmente grande, inimaginavelmente velho, e no qual os seres humanos formam uma minoria inimaginável parte disso, temporal e espacialmente.
  2. O mundo não exibe uma escala humana.
  3. Portanto, há evidências contra a hipótese de que o Deus do teísmo clássico existe com os propósitos tradicionalmente atribuídos a ele. [2]
No início, observe que o AS não corresponde exatamente ao formulário de argumento geral que analisamos anteriormente. Enquanto a primeira premissa do argumento geral inclui referências à natureza, às crenças e às intenções do agente, o AS explicitamente se refere apenas à natureza de Deus ("teísmo clássico") e às intenções ("propósitos tradicionalmente atribuídos a ele"). Não diz nada sobre as crenças de Deus. Se isso é um problema, continua a ser visto.

A premissa (2) é inegável. Para uma demonstração gráfica muito legal da escala do universo, veja aqui. (HT: Luke Muehlhauser)

Quanto à premissa (1), estou muito menos confiante sobre a verdade da premissa (1) do que sobre a premissa (2). Ao lê-lo, Everitt dá dois argumentos de apoio (ou esboços de tais argumentos) para (1)

Primeiro argumento de apoio

4. Se o teísmo clássico é verdadeiro, então os humanos são a “joia da criação”.
5. Se os seres humanos são a joia da criação, então “o resto do universo será pelo menos não incessantemente hostil ou até mesmo indiferente ao florescimento humano”.
1. Se o Deus do teísmo clássico existisse, com os propósitos tradicionalmente atribuídos a ele, então ele criaria um universo em escala humana.

Uma preocupação que tenho com esse argumento é (4). Os termos-chave "teísmo clássico" e "jóia da criação" não são tão bem definidos como eu gostaria. Pelo que entendi os termos, o “teísmo clássico” não implica logicamente que os humanos são a “jóia da criação”; além disso, não é óbvio para mim que “o teísmo clássico” torna provável que os humanos sejam a “jóia da criação”, especialmente Se "teísmo clássico" significa "teísmo genérico". Dado o teísmo clássico, Deus poderia ter criado criaturas que são mais impressionantes do que os humanos, em outras partes do universo ou mesmo em outros universos (se houver um multiverso).

A premissa (5) também é questionável. Mesmo que os seres humanos sejam “a jóia da criação”, não é óbvio que “o resto do universo será pelo menos não incessantemente hostil ou até mesmo indiferente ao florescimento humano”. Os seres humanos não ocupam “o resto do universo”, então não é óbvio por que Deus precisaria criar o resto do universo de tal forma que seja favorável à vida humana. Por exemplo, o objetivo do meu carro é transportar seres humanos; o interior do meu carro é bastante confortável. O resto do carro (por exemplo, sob o capô, o tubo de escape, o tanque de gasolina, etc.), no entanto, é indiferente ou mesmo hostil ao florescimento humano. De fato, pode haver uma analogia adicional entre meu carro e a escala do universo. Assim como essas outras partes do meu carro são necessárias para que funcione, talvez (por razões relacionadas ao chamado "ajuste fino" do universo) o resto do universo seja de alguma forma necessário para o florescimento da vida humana. Esta não é uma analogia perfeita, já que um ser onipotente poderia ter criado um universo com leis físicas radicalmente diferentes, de modo que o resto do universo fosse desnecessário para a existência da vida humana. No entanto, acho que (5) é duvidoso.

Vamos, então, para o que eu considero ser o segundo argumento de apoio de Everitt para (1).

Segundo argumento de apoio

6. A escala humana do universo descrita pelas lojas de criação de Gênesis é exatamente o que poderíamos esperar “por causa da hipótese do teísmo e [o (s) autor (es) do Gênesis não tinha] conhecimento científico”.
7. O naturalismo metafísico não fornece nenhuma razão antecedente para esperar que o universo mostre uma escala humana. [premissa implícita]
1. Se o Deus do teísmo clássico existisse, com os propósitos tradicionalmente atribuídos a ele, então ele criaria um universo em escala humana.
 
Eu adicionei a premissa (7) ao argumento, que eu considero uma premissa não declarada e implícita.

Este argumento é inválido: (1) não segue de (6) e (7). O argumento parece passar de uma conclusão sobre a autoria humana das histórias de Gênesis para uma conclusão sobre os propósitos de Deus ao criar o universo. Embora possa haver um argumento contra a inerrância bíblica que aparece aqui, não tenho certeza se esse argumento funciona contra o teísmo clássico.

Concluo, então, que (1) não é suportado. No entanto, há algo sobre o argumento da escala que apela às minhas intuições. No meu próximo post sobre o tópico, tentarei revisar e reformular o argumento em forma Bayesiana para ver se consigo construir uma versão mais forte.
Postagem Anterior Próxima Postagem