Tradução: Alisson Souza
Por: Graham Oppy
Reportar erro de tradução

Koons (2008) argumenta a conclusão muito surpreendente de que "qualquer exceção ao princípio da causalidade geral [ou seja, o princípio de que tudo tem uma causa] que é suficientemente estreita para evitar um colapso no ceticismo global sobre o conhecimento empírico também é suficientemente estreita para permitir a construção de uma prova bem-sucedida da existência de Deus "(106). Embora Koons supõe que existem duas maneiras pelas quais um "princípio de causalidade geral" poderia ser conectado à possibilidade de conhecimento empírico - ou seja, (i) como um fato objetivo necessário como o fundamento da confiabilidade de nossos processos cognitivos e (ii) ) como uma presunção subjetivamente necessária para a imunidade aos derrotistas internos - ele faz pouco mais do que esboçar os começos do desenvolvimento de um argumento do primeiro tipo, reservando quase toda a sua atenção para o desenvolvimento de um argumento do segundo tipo. Seguiremos o seu exemplo.

1

Aqui estão as definições, proposições, lemas e teoremas que compõem o argumento de Koons para o Teorema 2, ou seja, para "o resultado principal" (121) de seu artigo:

Definição 0: A rede de conhecimento de uma pessoa consiste em toda sua crença estados, juntamente com seus objetos e esses estados, se houver, que ambos causem um desses estados de crença e intermediários causalmente entre ele e seu objeto (ou entre ele e a causa comum dele e seu objeto).

Definição 1: uma proposição que q é uma derrota refutativa de proposição que p para um agente S iff S acredita que q e a proposição que q fornece S com motivos adequados para julgar que p é falso, mesmo quando combinado com a evidência de S para p.

Definição 2: Uma proposição de que q é uma derrota subjacente à proposição de que p para o agente S se f S acredita que q e a proposição de que q fornece S com motivos adequados para julgar que não é altamente provável que os processos que levaram à sua * disposição para acreditar que p são garantia de concessão.

Definição 3: Uma proposição de que r é uma derrota neutralizante da proposição que q em relação à proposição de que p para S iff S acredita que r e q q, a proposição de que q é uma derrota da proposição de que p para S, e a proposição conjuntiva de que r e q não é uma derrota da proposição de que p para S.

Proposição 1: S sabe que p somente se toda derrota ou subcotação derrotando a proposição de que p para S é neutralizado por S.

Proposição 2: S sabe que p somente se S está em posição de acreditar que p com justificativa interna.

Proposição 3: S está em posição de acreditar com a justificativa interna que p somente se S estiver em posição de acreditar com justificativa interna que é muito improvável que q seja verdadeira, para cada proposição disponível que q que, se acreditado, fosse uma derrota de subcotação não-neutralizada para S da proposição de que p.

Proposição 4: S está em posição de acreditar com a justificativa interna que p somente se S estiver em posição de acreditar com justificativa interna que é altamente provável que sua * crença de que p é garantida.

Proposição 5: Se a crença de S que p não é fortemente a priori justificada ou auto-verificável, ou seja, se a crença de S que p é uma crença empírica comum, então S está em posição de acreditar com a justificativa interna que p somente se S estiver potencialmente em uma posição para acreditar com a justificativa interna de que é altamente provável que a sua * crença de que p é garantida - ou seja formado por um processo normal e aleatoriamente confiável - de tal forma que a crença de S de que p dependeria para sua justificativa interna sobre a justificativa da última crença.2

Proposição 6: É evidente que - com a possível exceção de fortemente a priori justificada crenças e crenças auto-verificadoras - qualquer crença que não é causada ou cujo motivo epistêmico não é justificado não é justificado, porque essa crença não é formada por um processo normal, aleatoriamente confiável. Além disso, a proposição de que algumas ou todas as suas crenças não são utilizadas está disponível para S.

Lemma 1: Se a crença de S de que p é uma crença empírica comum, então S sabe que p somente se S está em posição de acreditar com a justificativa interna que é altamente provável que a sua crença de que p e os fundamentos de sua crença de que p são causados ​​de tal forma que a crença de S que p depende para justificar a justificativa de sua * crença de que p e os fundamentos de sua crença de que p são causados. (Propostas 1-6.)

Proposição 7: Seja R uma relação cujo alcance é o conjunto de proposições crença em que S está em posição de ser internamente justificado em ter. Deixe R segurar entre as proposições que p e que q apenas no caso de S estar potencialmente em posição de estar em um estado noético em que a crença de S que p depende de sua justificativa interna na crença de S de que q. Então, R é uma ordem de bem-estar parcial: bem fundamentada, transitiva e irreflexiva.

Lemma 2: Se a crença de S que p é uma crença empírica comum, então S sabe que p somente se houver um estado noético n e uma proposição que q de tal tipo que (i) S esteja em posição de estar em n, (ii) no estado n, a crença de S de que p depende de sua justificativa interna na crença de S de que é altamente provável que sua * crença de que q seja causada, e (iii) no estado n, a crença de S de que é altamente provável que ele * A crença de que q é causada não depende da sua justificativa interna sobre qualquer crença empírica comum de S's. (Do Lema 1 e Proposição 7.)

Lemma 3: Se a crença de S que p é uma crença empírica comum, então S conhece isso p somente se houver uma proposição de que q S que potencialmente esteja em posição de ser fortemente a priori justificado em acreditar que sua * crença empírica comum que q é causado e acredita que os motivos epistêmicos de sua crença de que q são muito prováveis ​​causados.

Proposição 9: Necessariamente, se a crença de S que p é uma crença empírica comum, então S está potencialmente em posição de ser fortemente a priori justificado em acreditar que é altamente provável que sua * crença de que p e os fundamentos de sua * crença de que p são causados ​​apenas se S está em posição de ser fortemente a priori justificado em acreditar que é altamente provável que qualquer uma das situações em sua rede de conhecimento empírico seja causada.

Lemma 4: Necessariamente, se a crença de S que p é uma crença empírica comum, então S sabe que p somente se S está em posição de ser fortemente a priori justificado em acreditar que é altamente provável que qualquer uma das situações em seu conhecimento empírico a rede é causada. (Do Lema 3 e da Proposição 9.)

Definição 4: γ é um princípio de causalidade geral se f γ assume a forma: é nomologicamente impossível que uma situação de tipo T seja real na ausência de uma causa. Para tal princípio, T é a gama de aplicação de γ. Definição 5: γ é um princípio qualificado de causalidade geral se f γ assume a seguinte forma: as probabilidades objetivas são de tal natureza que, para todas as situações possíveis do tipo T, a probabilidade de s ocorrer não causada é fraca, isto é, tão baixa Isso, não importa quão improvável seja a ocorrência causada de s pode ser de acordo com um possível estado noético, sua ocorrência não causada é muito mais provável.

Proposta 10: S está potencialmente em posição de ser fortemente a priori justificado em acreditar que é altamente provável que qualquer uma das situações em sua rede de conhecimento empírico seja causada somente se S for fortemente a priori justificado em acreditar que é muito provável que exista algum tipo T tal que (i) algum princípio - ou princípio qualificado - de causalidade geral γ mantém com T como sua gama de aplicação, e (ii) é evidente para S que quase todas as situações em sua rede de conhecimento empírica caem dentro de T.

Proposta 11: S é potencial e está em posição de ser fortemente a priori justificado em acreditar que é altamente provável que qualquer uma das situações em seu conhecimento científico possa ser causada somente se houver algum tipo T tal que S seja fortemente a priori justificado em acreditar que (i) é muito provável que seja nomologicamente impossível que situações do tipo T sejam reais na ausência de uma causa, e (ii) é evidente para S que quase todas as situações em sua rede de conhecimento empírica caem dentro de T (Da Proposição 10.)

Teorema 2: Se a crença de S que p é uma crença empírica comum, então S sabe que p somente se houver algum tipo T tal que S é fortemente a priori justificado em acreditar que (i) é muito é provável que seja nomologicamente impossível que situações de tipo T sejam reais na ausência de uma causa, e (ii) é evidente para S que quase todas as situações em sua rede de conhecimento empírico se enquadram em T. (De Lema 4 e Proposição 11.)

2

Claramente, há muitas questões que podem ser levantadas sobre o argumento do Theorem 2. Koons próprio reconhece que "há muito mais trabalho a ser feito sobre a natureza da imunidade à derrota, sobre a natureza das relações de dependência relacionadas entre as proposições , e sobre o alcance possível de crenças fortemente a priori "(131) - e outros certamente querem levantar objeções contra os pressupostos epistemológicos básicos que ajudam a impulsionar o argumento. No entanto, proponho-me concentrar em apenas uma dificuldade que vejo no argumento do Teorema 2, a saber, a aceitabilidade da Proposição 9. Com as complicações irrelevantes, a Proposição 9 nos diz que, para se justificar em acreditar que a crença de que p e os motivos para a crença de que p são causados, é preciso justificar-se em acreditar que é altamente provável que qualquer uma das situações na rede de conhecimento seja causada.

No entanto, é claro que isso não é assim - e, de fato, como veremos, o próprio Koons concede tacitamente que não é assim. Lembre-se de que, de acordo com Koons, existem três tipos de elementos em uma rede de conhecimento: Estados de crença, objetos de crenças e eventos que medeiam entre estados de crença e seus objetos. Em qualquer caso particular de crença empírica, dado os outros pressupostos que Koons faz, é claro que podemos admitir isso, a fim de justificar-se em acreditar que a crença de que p e os motivos para a crença de que p são causados, é preciso para ser justificado em acreditar que o estado de alguém acredita que p e os eventos que medeiam entre o estado de acreditar que p e o objeto da crença de que p são causados ​​- mas, pelo menos, por tudo o que foi dado até agora , não temos nenhum motivo para admitir que precisamos acreditar que o objeto da própria crença de que p é causado. Quando o próprio Koons apresenta as considerações relevantes, ele escreve da seguinte maneira:

No caso do conhecimento empírico, é preciso justificar-se em acreditar que existe uma probabilidade objetiva alta de que qualquer uma das situações que compõem o conhecimento de uma pessoa - a afirmação de alguém afirma que constituem um método empírico comum O conhecimento e qualquer um dos eventos epistemologicamente mediadores (eventos pertencentes à cadeia causal que conecta esses estados de crença com seus objetos ou a causa comum dos estados e seus objetos) são causados ​​de forma normal epistemológica. (115) A omissão aqui de qualquer consideração dos objetos dos estados de conhecimento é contente: pois é claro que não há nada no confiabilismo, nem na teoria da função adequada, nem em qualquer outra teoria epistemológica contemporânea do tipo que Koons permite no jogo que exige que, para que algo seja um objeto de conhecimento para um determinado assunto, deve ser muito provável que esse objeto de conhecimento tenha uma causa.


Suponha que o fato de que p não é causado. Enquanto minha crença de que p é causada, e existe uma cadeia apropriada de eventos epistemologicamente mediadores que conectam minha crença de que p para o fato de que p, não há nada nos tipos de teorias epistemológicas contemporâneas que Koons favorece que requeira que é simplesmente fora de questão que eu sei que p. Considere o caso de um agente ideal que tenha conhecimento empírico total. Após Koons, podemos supor que esse agente terá uma rede de conhecimento que abraça Todo o Cosmos (119). No entanto, mesmo que suponhamos que o Cosmos é um plenum causal, ainda será o caso de que podemos supor que o Cosmos tem um limite e, por tudo o que tem sido argumentado até agora, que o limite do Cosmos não tem causa. Além disso, e mais importante, não há nada nos tipos de condições sobre o conhecimento empírico para o qual Koons é atraente, o que nos obriga a supor que o limite do Cosmos tem uma causa: pois, claramente, os elementos na fronteira do Cosmos podem apenas figura em nossas redes de conhecimento como objetos de conhecimento. (Os elementos no limite do Cosmos não podem ser estados de crença que são constituintes de estados de conhecimento empíricos, uma vez que - nos pressupostos agora em jogo - não pode haver estados de conhecimento empíricos sem objetos causalmente anteriores e os elementos na fronteira do Cosmos não podem ser estados mediadores para o conhecimento empírico, uma vez que não são causalmente posteriores a nada no Cosmos.) Se essas considerações estão no caminho certo, a maioria dos Koons pode derivar dos vários pressupostos que ele faz não é o Teorema 2, mas Em vez disso, o Teorema 2 *:

Teorema 2 *: Se a crença de S de que p é uma crença empírica comum, então S sabe que p somente se houver algum tipo T tal que S seja fortemente a priori justificado em acreditar que (i) é muito provável que seja nomologicamente impossível que situações de tipo T sejam reais na ausência de uma causa, e (ii) é evidente para S que quase todas as situações em seu conhecimento empírico Isso não está na fronteira de seu conhecimento empírico: a rede cai dentro de T.

3

Koons (1997) defende o seguinte argumento cosmológico (aqui eu sigo a apresentação em Koons (2008)):

Axioma 1: x é parte de e se tudo o que se sobrepõe x sobrepõe y.
Axioma 2: Se houver algum φ, então existe uma soma de todos os φ; para qualquer x, x sobrepõe esta soma se xx sobrepõe uma das φ's.
Axioma 3: x = y se x é uma parte de y e y é uma parte de x.
Axioma 4: as situações exigem a existência real de suas partes.
Axioma 5: A existência real de todos os membros de uma soma necessita da existência real da soma.
Axioma 6: Causação é uma relação binária entre situações realmente existentes.
Axioma 7: Causas e efeitos não se sobrepõem (ou seja, não têm partes em comum).
Axioma 8: Para qualquer situação totalmente contingente x, há uma (viável) presunção de que x tem uma causa

Teorema: Se houver situações contingentemente existentes, existe uma situação necessariamente existente que é a causa do Cosmos, ou seja, de a soma de todas as situações totalmente contingentes.

Para os propósitos presentes, a característica principal deste argumento é Axiom 8. Ao deixar de lado as considerações sobre a reversibilidade, esse axioma equivale à seguinte suposição sobre causalidade:

Causa 0: Todas as situações totalmente contingentes têm causas.

Como Koons (2008) observa, existem muitos princípios causais alternativos que podem ser propostos que são tais que, quando adicionamos de volta às considerações sobre a reversibilidade, e insira-as no argumento acima no lugar de Axiom 8, não permitiremos a derivação do teorema.

Em particular, Koons menciona todos os princípios seguintes, que ele afirma ser inaceitável como princípios gerais de causalidade:

Causa 1: Todas as situações não primárias têm causas.

Causa 2: Todas as situações com duração temporal finita têm causas.

Causa 3: Todas as situações que não ocorrem em um primeiro momento têm causas.

Causa 4: Todas as situações que não incluem regressões temporais têm causas.

Causa 5: Todas as situações que não são extremamente simples e de escala cósmica têm causas.

Causa 6: Todas as situações que poderiam (de re) ser causadas causarem causas.

Causa 7: Todas as situações que poderiam ter causas totalmente contingentes têm causas.

Além disso, Koons também menciona os seguintes princípios, que ele alega ser aceitável como princípios gerais de causalidade, e que ele afirma ser tal que, quando adicionamos de volta às considerações sobre a reversibilidade, permitirá a derivação do Teorema se inserido no acima argumento no lugar de Axiom 8:

Causa 8:
Todas as situações que são compostas de partes, para cada uma das quais é metafisicamente possível que exista uma situação que a duplique e tenha uma causa, causar causas

Causa 9: Todas as situações que são naturais - ocorrendo no espaço e no tempo, ou envolvendo poderes e disposições finitas - ou que envolvem atos ou estados de consciência que são de conteúdo finito, ou que envolvem atos ou estados de consciência que são compostos de partes que são finitárias em conteúdo. causas.

Causa 10: Todas as situações que não envolvem atos de consciência metafisicamente simples com conteúdo infinitamente rico têm causas.

Antes que ele tente usar seu Teorema 2 para separar as ovelhas das cabras, Koons dá uma lista do que ele toma para ser critério de aceitabilidade dos princípios de causalidade geral. Esses critérios são os seguintes:

Critério 1: se alguém está fortemente a priori justificado em acreditar que o conhecimento-líquido de alguém está dentro do alcance da aplicação de um princípio de causalidade geral, então é metafisicamente necessário que qualquer conhecimento-rede de qualquer pessoa com A consciência humanóide cai no mesmo intervalo.

Critério 2:
deve ser plausível supor que é evidente que o alcance da aplicação de um princípio de causalidade geral engloba nossas redes de conhecimento.

Critério 3: Um princípio epistemologicamente aceitável de causalidade geral deve ser aquele cuja variedade de aplicação especifica um conjunto de propriedades intrínsecas das situações.

Critério 4: Se a crença em um princípio de causalidade geral deve ser fortemente justificada a priori, os limites do alcance da aplicação desse princípio devem ser não arbitrários e isolados metricamente.

Critério 5: O alcance da aplicação de um princípio de causalidade geral deve ser fechado sob o bom termo de parto.

Critério 6: Um princípio epistemologicamente aceitável de causalidade geral deve ser sensível ao fato de que a cognição humana inclui uma forma aberta e altamente geral de inferência abdutiva.

Dado esses critérios, e dado o seu Teorema 2, Koons compromete-se a mostrar que nenhum dos Casos 1 a Causa 7 é um princípio aceitável de causalidade geral, enquanto que cada uma das Causas 8 a Causa 10 - e, também acho, também é 0 - é uma princípio aceitável de causalidade geral.

4

Aqui está o argumento de Koons contra a Causa 1:

Como eu poderia ser SAP justificado em acreditar que meu atual estado de crença é uma situação não inicial? Para fazer isso, eu teria que saber que havia situações que precederam minha crença atual - estado no tempo, mas meu conhecimento do passado consiste inteiramente em crenças empíricas comuns (incluindo memória e testemunho), o que pressupõe (como Eu argumentei) a crença na aplicabilidade do princípio causal ao meu estado de crença atual. Portanto, não podemos ter uma justificativa não-circular de imunidade para vencer dependendo de [Causa 1]. (124/5)

O que Koons tem em mente aqui é, eu acho, isso. Para satisfazer as demandas de seu Teorema 2, deve ser o caso de que um é fortemente a priori justificado em acreditar que é evidente que quase todas as situações na própria rede de conhecimento empírico são situações não primárias. Por conseguinte, em particular, deve ser o caso de que um é fortemente a priori justificado em acreditar que é evidente que o estado de crença atual é uma situação não anterior. Ou, mais simplesmente, deve ser o caso de que um é fortemente a priori justificado em acreditar que o estado de crença atual é uma situação não-primeira. Mas se alguém é fortemente a priori justificado em acreditar que o estado de crença atual de alguém é uma situação não anterior, então um é fortemente a priori justificado em acreditar que houve situações que precederam o atual estado de crença atual. No entanto, no relato de Koons, não se justifica fortemente a priori em acreditar que houve situações que precederam o atual estado de crença atual: a crença de que houve situações que precederam o atual estado de crença atual depende necessariamente das crenças empíricas comuns - Memória, testemunho e similares - tudo o que pressupõe que houve situações que precederam o estado de crença atual. Então, a Causa 1 não atende às demandas do Teorema 2.

É claro onde nossa crítica desse argumento começará. Como argumentamos acima, o Theorem 2 não é suportado pelas considerações que Koons avança em seu nome. A maioria que obtemos das considerações que Koons avança é o Teorema 2 *. Mas, para satisfazer as demandas do Teorema 2 *, só precisa ser o caso de que um é fortemente a priori justificado em acreditar que é evidente que quase todas as situações na rede de conhecimento de um * que não mente no limite da rede de conhecimento empírico são situações não primárias. E, é claro, isso é verdade: de fato, um é fortemente a priori justificado em acreditar que é evidente que todas as situações na rede de conhecimento de um * que não estão no limite dessa rede não são -fronteira situações. Então, é claro, porque 1 consegue atender às demandas do teorema 2 *. Claro, mesmo se a causa 1 conseguir satisfazer as demandas do teorema 2 *, isso não implica que a causa 1 é um princípio epistemologicamente aceitável de causalidade geral. Por tudo o que argumentamos até agora, pode ser que haja outra forma de estabelecer o Teorema 2.

Além disso, por tudo o que argumentamos até agora, pode haver alguma outra forma em que possamos argumentar diretamente que a Causa 1 não é um princípio epistemologicamente aceitável de causalidade geral. Tudo o que temos argumentado, até agora, é que Koons não conseguiu estabelecer que há algo inaceitável sobre a Causa 1. Mas podemos fazer mais. Suponhamos que aceitamos Cause 0-i.e., suponha que aceitamos a afirmação de Koons de que todos os eventos totalmente contingentes têm causas. Será da minha aceitação da Causa 0 que estou fortemente a priori justificado em rejeitar a afirmação de que meu estado de crença atual foi causado diretamente por um anjo caído? Suponhamos que existe o Deus do teísmo, e que o Deus do teísmo criou anjos com a capacidade de fazer domínios independentes de coisas contingentemente existentes. Um desses anjos se rebelou e optou por fazer um domínio independente de coisas contingentemente existentes em que meu estado de crença atual é um estado inicial, ou seja, um estado que não é precedido por outros elementos nesse domínio independente de coisas contingentemente existentes.

Uma vez que a Causa 0 está claramente satisfeita neste cenário, não pode ser que a aceitação da Causa 0 justifica a atribuição de uma baixa probabilidade à afirmação de que meu estado de crença atual foi causado diretamente por um anjo caído. Mas, por meio das luzes de Koons, como eu poderia ser fortemente a priori justificado em rejeitar a afirmação de que meu estado de crença atual era diretamente causado por um anjo caído? Talvez Koons possa tentar argumentar que estamos fortemente a priori justificados em acreditar que o Deus do teísmo não poderia fazer um anjo com a capacidade de fazer domínios independentes de coisas contingentemente existentes. Mas isso parece altamente implausível. Por um lado, o Deus do teísmo é onipotente: não pode ser que Deus seja incapaz de fazer tal anjo porque Deus não tem o poder ou capacidade de fazê-lo. Por outro lado, mesmo que o Deus do teísmo seja perfeitamente bom, os teístas normalmente acharão difícil negar que a bondade do Deus do teísmo é consistente com a criação, por esse Deus, de criaturas livres em relação às decisões que têm consequências muito significativas. Por estas razões, parece que os teístas normalmente não serão justificados em acreditar que o Deus do teísmo não poderia fazer um anjo com a capacidade de fazer domínios independentes de coisas contingentemente existentes, e muito menos fortemente a priori justificado por tanto acreditar.

No entanto, se nós concedemos que o Deus do teísmo poderia fazer um anjo com a capacidade de fazer domínios independentes de coisas contingentemente existentes, então, como pode descartar a possibilidade de que o estado de crença atual de alguém fosse criado diretamente por um anjo caído? Para estabelecer que o estado de crença atual de alguém não é um estado inicial de um mundo "natural", seria preciso mostrar que havia situações que precederam o atual estado de crença no tempo. Mas, segundo o próprio julgamento de Koons, "meu conhecimento do passado consiste inteiramente em crenças empíricas comuns (incluindo memória e testemunho), o que pressupõe ... a crença na aplicabilidade do princípio causal ao meu atual estado de crença". Assim, segundo o próprio julgamento de Koons, parece que não podemos ter uma justificativa não-circular de imunidade para vencer dependendo da Causa 0.

Se o argumento dos dois últimos parágrafos for concedido, parece que podemos concluir que o tipo de argumento que o Koons faz contra a Causa 1 pode ser reembalado para eliminar quase qualquer princípio de causalidade geral. Em particular, é óbvio que o mesmo tipo de consideração estenderá para Causa 9 e Causa 10: se o argumento que Koons faz contra a Causa 1 é bom, então o mesmo tipo de argumento que fizemos contra a Causa 0 eliminará aqueles princípios causais também.

5

Penso que é natural supor que, dada a estrutura que desenvolve antes no artigo, o argumento de Koons contra a Causa 1 dá errado ao supor que "o conhecimento do passado consiste inteiramente em crenças empíricas comuns - incluindo memória e testemunho - tudo o que pressupõe a crença na aplicabilidade do princípio causal aos estados de crença atuais ". O que é necessário para derrotar a hipótese de que meu estado de crença atual é uma primeira situação - ou seja. que meu estado de crença atual é uma situação que não tem um passado natural ou empírico - é uma crença justificada de que houve situações naturais ou empíricas antes do meu atual estado de crença. Mas parece-me que as próprias razões que Koons dá para acreditar que um é fortemente a priori justificado em acreditar que quase todas as situações na própria base de conhecimento empírico causam extensão a razões para acreditar que alguém está fortemente justificado em acreditar que Houve situações naturais ou empíricas antes do estado de crença atual.

Antes que eu possa explicar por que suponho que seja assim, preciso fazer algumas observações preliminares sobre redes de conhecimento e redes de crenças. Como observamos anteriormente, Koons toma redes de conhecimento para ter três tipos de constituintes: para um determinado assunto S, o conhecimento-rede para S consiste em (i) todos os estados de crença que p para o qual é verdade que S sabe que p, (ii) todas as situações que p para o qual é verdade que S sabe que p, e (iii) todas as situações que causalmente mediam entre a situação que p e S acreditam que p nos casos em que S sabe que p4. Assim, uma rede de conhecimento para um determinado assunto tem duas partes bastante diferentes: por um lado, a rede de conhecimento contém todos os estados de crença desse assunto que são estados de conhecimento; Por outro lado, a rede de conhecimento contém uma parte (provavelmente provável) do Cosmos que consiste em (a) todas as partes do Cosmos que são objetos de conhecimento do assunto, e (b) todas as partes de o Cosmos que pertence a tipos apropriados de cadeias que causalmente conectam esses objetos de conhecimento ao assunto. De uma perspectiva de terceira pessoa sobre um assunto S, é, em princípio, fácil distinguir entre as crenças de S que constituem conhecimento (e, portanto, que pertencem ao conhecimento-rede de S), e as das crenças de S que não constituem conhecimento (e daí que não pertencem à rede de conhecimento de S). No entanto, de uma perspectiva de primeira pessoa sobre si mesmo, é mais difícil distinguir essa distinção.

É verdade, se supusermos que somente as crenças que se mantenham com firmeza suficiente podem ser o conhecimento, então pode-se identificar uma classe de suas próprias crenças que não são candidatos para serem conhecedores. Mas O modéstico intelectual sensível requer que se segure, mesmo entre as crenças que se sustentam com firmeza suficiente para torná-los candidatos ao conhecimento, um tem algumas crenças falsas. No entanto, para qualquer crença particular de que alguém detém com firmeza suficiente, parece que só se pode aceitar que essa crença não é um conhecimento, quer reduzindo a firmeza com a qual se detém essa crença ou desistindo por completo. (Se eu suponho que está em dúvida se é verdade que p, então eu simplesmente não acredito nisso, e se eu suponho que seja duvido que eu esteja garantido em acreditar que p, então eu simplesmente não acredite que p com o tipo de firmeza que é necessária para o conhecimento.)

Considere a coleção de minhas crenças que mantenho com o tipo de firmeza que é necessária para o conhecimento - minha opinião-rede. Por luzes de Koons, parece que ele deve estar preparado para dizer que tenho um forte direito a priori às reivindicações (i) que a maioria da crença na minha opinião-rede tem situações no Cosmos como seus objetos, e (ii ) que, onde as crenças na minha opinião-rede têm situações no Cosmos como seus objetos, existem situações no Cosmos que mediam causalmente entre minhas crenças e seus objetos. Além disso, pelas luzes de Koons, parece que ele deveria estar preparado para dizer que, para qualquer crença particular na minha rede de crenças, tenho um forte direito a priori às reivindicações (i) que é muito provável que essa crença tenha uma situação no Cosmos como seu objeto, e (ii) que é muito provável que existam situações no Cosmos que medem causalmente entre essa crença e a situação correspondente. Se é verdade que se tem um direito a priori forte às reivindicações (i), é muito provável que qualquer crença particular na rede de crenças de uma pessoa tenha uma situação no Cosmos como seu objeto, e (ii) que é muito provável que há situações no Cosmos que medem causalmente entre qualquer crença particular na rede de crenças e a situação que é o objeto dessa crença, então parece plausível supor que também é verdade que se tem um forte direito a priori para a afirmam que o "interior" do Cosmos é (muito próximo) de um plenum causal. (Como pode ser verdade, para qualquer crença particular na rede de crenças de alguém, é muito provável que existam situações no Cosmos que mediam causalmente entre essa crença e a situação que é o objeto dessa crença, se houver muitas situações em o "interior" do Cosmos que não tem causas? Como poderia ser verdade, para qualquer crença particular na rede de crenças de qualquer agente racional, que esse agente racional é fortemente priorizado a crença de que é muito provável que há situações no Cosmos que mediam causalmente entre a crença particular detida por esse agente e a situação que é o objeto dessa crença se houver muitas situações no "interior" do Cosmos que não têm causas?) Suponha que eu acredito que eu tive Weetbix e vegemite em torradas para o café da manhã na última sexta-feira, e que eu acredito nisso com o tipo de firmeza que é necessária para o conhecimento.

Em particular, suponha que eu me leve a lembrar de ter tido Weetbix e vegemite na torrada para o café da manhã na última sexta-feira: lembrei-me vivamente de obter o pacote de cereais e o pão do armário e o leite da geladeira, e assim por diante. Então, pelos princípios introduzidos nos dois parágrafos anteriores, eu tenho direito à crença de que é muito provável que eu tenha Weetbix e brinde para o café da manhã na última sexta-feira, e à crença de que é muito provável que exista uma causalidade A liderança da cadeia por ter Weetbix e torradas para o café da manhã na última sexta-feira, acredito que tive Weetbix e vegemite na torrada para o café da manhã na última sexta-feira. Mas, se eu tiver o direito de acreditar que eu tinha Weetbix e brindar para o café da manhã na última sexta-feira, então eu tenho o direito de rejeitar o sugestão de que a história começa com o momento presente, ou seja, eu tenho o direito de acreditar que meu atual estado de crença é uma situação não anterior. Pode Koons objetar que esta justificação da crença de que o estado de crença atual de uma pessoa é uma situação não primária é circular: ele tem o direito de dizer - como, pelo menos inter alia, ele faz - que só se pode acreditar que alguém teve Weetbix e vegemite no brinde para o café da manhã na sexta-feira passada, se alguém é fortemente a priori justificado em acreditar que o atual estado de crença é uma situação não-primeira? Acho que não. Imagine o primeiro momento da existência de um agente totalmente racional que ainda não teve experiências, e que não é dotado de falsas observações enganosas de experiências anteriores, mas que tem capacidade para perceber o mundo e formar memórias de anteriores experiências. No primeiro momento de sua existência, essa criatura não terá visão sobre a extensão do passado: não teve experiências e não possui memórias aparentes de experiências anteriores, de modo que não possui dados que possam ser utilizados no enquadramento de qualquer tipo de visão. Suponha, no entanto, que, em seu primeiro momento de existência, essa criatura começa a perceber seu ambiente: recebe impressões sensoriais iniciais, etc. Suponha, além disso, que, tendo recebido impressões sensoriais iniciais em seu primeiro momento de existência, a criatura começa para processar essas impressões e para armazenar os resultados desse processamento na memória. Em todos os momentos subsequentes de sua existência, esta criatura será justificada ao acreditar que esses momentos não são o primeiro momento de sua existência, desde que seja justificado confiar nos resultados do processamento de memória que é ativado por suas experiências iniciais. Embora possamos conceder a Koons que parte da justificativa para confiar nos resultados do processamento de memória que é ativado pela experiência inicial reside no forte direito a priori de uma das reivindicações (i) que é muito provável que qualquer crença particular em A própria rede de crenças tem uma situação no Cosmos como objeto, e (ii) que é muito provável que existam situações no Cosmos que mediam causalmente entre uma crença particular na própria rede de crenças e a situação que é objeto de essa crença, também devemos insistir em que outra parte da justificativa para confiar nos resultados do processamento de memória que é ativado pela experiência inicial reside no forte direito a priori de alguém, na ausência de refutações de derrotas, para tratar as aparentes lembranças de os estados experientes anteriores como verídicos. Se Koons não aceita alguma versão da afirmação de que um tem um direito a priori forte, na ausência de derrotas de refutação, para tratar as aparentes lembranças e as percepções aparentes de objetos externos como verídicos, então é difícil ver como ele pode evite a conclusão cética de que os agentes racionais não têm como neutralizar hipóteses céticas em que há uma causância desviante de memórias aparentes e percepções aparentes de um mundo externo.

O forte direito a priori a um princípio causal pode bastar para derrotar hipóteses céticas sobre a ausência de causas de estados de crença ou a ausência de conexões causais apropriadas entre estados de crença e partes do mundo externo, mas esse tipo de direito por si só não será suficiente para derrotar hipóteses céticas sobre causas desviantes de estados de crença ou conexões causais desviantes entre estados de crença e partes do mundo externo. Da mesma forma, embora o forte direito a priori a um princípio causal possa ser suficiente para derrotar hipóteses céticas sobre a ausência de causas de estados de crença ou a ausência de conexões causais apropriadas entre estados de crença e partes do mundo externo, esse tipo de direito sozinho ganhou claramente ' é suficiente para derrotar as hipóteses céticas sobre desajustes entre os conteúdos dos estados de crença, com uma firmeza suficiente para serem candidatos ao conhecimento e ao mundo externo. Em suma: é apenas um erro para suponha que o apelo a um princípio de causalidade geral possa ser suficiente para derrotar todas as hipóteses céticas sobre a correspondência do Cosmos com as memórias e percepções de alguém. Suponha que Koons conceda que, quando se confronta com uma hipótese céptica que implica que as memórias aparentes de alguém são simplesmente evidentes, as considerações sobre a presença de causas para essas memórias aparentes não serão suficientes para permitir que alguém rejeite essa hipótese céptica. Uma vez que é claro que a hipótese de que o estado de crença atual é uma primeira situação é uma hipótese cética que implica que as memórias aparentes de alguém são simplesmente aparentes, Koons terá que conceder que a hipótese de que o atual estado de crença atual seja uma primeira situação não pode ser derrotado por recurso a um princípio de causalidade geral. Mas, se for correto, não é uma objeção que cause 1 observar que não se pode vencer a hipótese de que o estado de crença atual é uma primeira situação por recurso à Causa 1.

6

Se o argumento da seção anterior estiver correto, então estabelece que Koons não conseguiu mostrar que não poderíamos ser "fortemente a priori justificado em acreditar que quase todo o nosso conhecimento-rede está dentro do alcance da aplicação" da Causa 1. Além disso, se o argumento da seção anterior for correto , então pode ser prontamente adaptado para estabelecer que Koons não conseguiu mostrar que não poderíamos ser "fortemente a priori justificados em acreditar que quase todo o nosso conhecimento-rede se enquadra no âmbito da aplicação" de outros entre os princípios gerais causalidade que ele julga inaceitável. Assim, penso, se o argumento da seção anterior estiver correto, podemos ver que a tentativa de Koons de fornecer bases epistemológicas para o argumento cosmológico falha em seus próprios termos: mesmo que concedamos os muitos pressupostos que Koons precisa para argumentar para o Teorema 2, ainda temos boas razões para insistir em que é perfeitamente compreensível que seu princípio favorecido de causalidade geral "não conseguiu ganhar aceitação universal" (105). Claro, há muito mais no papel de Koons que merece um comentário. Por exemplo, eu não disse nada aqui sobre seus critérios de aceitabilidade dos princípios propostos de causalidade geral. Qualquer comentário desse tipo precisará esperar por outra ocasião.

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima.

Postagem Anterior Próxima Postagem