Autor: Taylor Carr
Tradução: Iran Filho

Amanhã de manhã, milhões de homens e mulheres fiéis se amontoarão em igrejas ao redor do mundo para ouvir a familiar história da Páscoa da ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos. Crucificado sob Pôncio Pilatos, enterrado no túmulo de José de Arimatéia, apenas para ser descoberto desaparecido no terceiro dia, com a pedra removida da entrada. As mulheres e os apóstolos expressam seu choque e talvez lamentem o que consideram uma piada cruel. Então Jesus começou a aparecer diante de seus seguidores, dizendo-lhes que seu corpo não havia sido roubado, mas ressuscitado por Deus. Esta mensagem de ressurreição tornou-se a boa notícia (ou evangelho) que é sem dúvida o elemento mais importante no coração da fé cristã hoje.

Mas e se esta mensagem não for confiável? É evidente que haveriam mensagens falsas espalhadas por indivíduos persistentes. A melhor maneira de determinar o fato da ficção é considerar as evidências e ter em mente onde está o ônus da prova. Muitos apologistas cristãos parecem ansiosos para oferecer os próprios evangelhos como evidência, afirmando triunfantemente que, a menos que você possa refutar a ressurreição, você não tem motivos para duvidar dela. Não precisamos transportar essas pessoas de volta no tempo para a tumba para expor seu raciocínio falho. Tudo o que realmente precisamos fazer é examinar as evidências que eles apresentam, para ver se elas se sustentam. E como o título deste artigo já revelou, há buracos a serem encontrados nas histórias do evangelho da ressurreição.

I. Quatro Histórias Muito Diferentes


O gráfico acima ilustra apenas algumas maneiras pelas quais os evangelhos diferem uns dos outros em suas descrições dos eventos que cercam o túmulo vazio e a ressurreição de Jesus. Essas são todas pequenas diferenças, como alguns cristãos podem afirmar? Não necessariamente. Cada evangelho lista um número único daqueles que chegaram ao túmulo, e enquanto a maioria de nós pode pensar que as primeiras pessoas a ver Jesus ressuscitado foram as mulheres que encontraram o túmulo (já que três evangelhos afirmam isso), o evangelho de Lucas contradiz tal noção. Cada evangelho também tem algo diferente a dizer sobre quem foi encontrado no túmulo; Marcos tem um jovem, Lucas tem dois homens, Mateus tem um anjo e João tem dois anjos. Nem todas essas contas variantes podem estar corretas, podem?

Na verdade, quando discrepâncias como essas são encontradas na Bíblia, os cristãos parecem não ter problemas em reconciliá-las, basicamente misturando as leituras variantes sobre “o que provavelmente aconteceu”. Por exemplo, um site de apologética lida com os relatos díspares das mulheres no túmulo vazio, explicando que “nenhum relato fala dos listados como sendo os únicos que foram ao túmulo”. [1], mas mesmo isso enfrenta um problema. A maioria dos cristãos que usam esse raciocínio para explicar aparentes contradições acredita que os autores dos evangelhos escreveram sob a inspiração e influência de Deus. Se este for o caso, por que Deus não poderia ter guiado todos eles para listar o mesmo número correto de indivíduos no túmulo?

Como o estudioso do Novo Testamento Bart Ehrman apontou,

Para entender o que cada autor está tentando dizer, temos que olhar os detalhes de cada relato – e de forma alguma tratar um relato como se estivesse dizendo a mesma coisa que outro relato. João é diferente de Marcos em um ponto chave, embora aparentemente menor. Se quisermos entender o que João está dizendo sobre Jesus, não podemos conciliar a discrepância, ou perdemos seu ponto.[2]

Não passa de um artigo de fé supor que os autores dos evangelhos optaram por não listar todos os que estavam presentes no túmulo, porque pretendiam que seus escritos fossem lidos junto com os outros evangelhos. O fato é que cada evangelho dá um relato muito diferente de quem viu pela primeira vez o Jesus ressuscitado, quem foi ao túmulo vazio, quem eles encontraram no túmulo e o que se seguiu depois. Se quatro indivíduos diferentes contassem a você sobre o mesmo suposto encontro alienígena, com detalhes variados sobre quem estava com eles no momento, quantos alienígenas eles viram e quais foram as reações, você não ficaria nem um pouco cético em relação à história deles? Agora imagine que esses quatro relatos não foram entregues por testemunhas oculares, mas foram escritos anonimamente, como no caso dos evangelhos. Você estaria disposto a assumir que todos os quatro autores estavam relatando o mesmo evento de diferentes ângulos?

II. O diabo está nos detalhes

As diferenças nos relatos da ressurreição do evangelho não terminam aí, no entanto. Em Marcos, Lucas e João, as mulheres chegam e encontram a pedra já rolada da entrada do túmulo. O evangelho de Mateus não apenas descreve as mulheres testemunhando um anjo descendo do céu para remover a pedra, mas também associa o evento a um terremoto que não é mencionado nos outros evangelhos (Mateus 28:2). Mateus também é o único texto a mencionar guardas na tumba, enquanto as mulheres em Marcos, Lucas e João parecem se aproximar e entrar na tumba sem preocupação ou aviso de qualquer guarda. Muitos deles podem parecer pequenos detalhes, mas depois de tantas diferenças e discrepâncias entre os textos, não se pode deixar de questionar a veracidade dos autores.

O que os discípulos fizeram após a ressurreição de Jesus? Em Marcos 16:6-8, o jovem no túmulo instrui as mulheres a dizerem aos discípulos que devem ir para a Galiléia, onde verão Jesus. No entanto, assustadas e confusas, as mulheres fogem e “[não dizem] nada a ninguém”. Em Mateus, um anjo e Jesus dizem às mulheres que deixem os discípulos saberem que devem ir para a Galiléia e, neste caso, elas obedecem (Mt 28:5-10,16). Curiosamente, porém, o evangelho de Lucas não inclui nenhum comando para ir para a Galiléia. Em vez disso, eles encontram Jesus em Betânia, onde ele ascende ao céu, e depois retornam a Jerusalém (Lucas 24:50-52). Muitos estudiosos pensam que o livro de Atos foi escrito pelo autor de Lucas, o que torna intrigante notar que os discípulos são realmente proibidos de deixar Jerusalém em Atos 1:4. Galiléia, Betânia e Jerusalém não são marcadamente a mesma região. O evangelho de João não dá nenhuma instrução sobre ir ou ficar em qualquer lugar.

Deve-se notar, porém, que os quatro evangelhos não são os primeiros relatos da ressurreição. De acordo com a esmagadora maioria dos estudiosos do Novo Testamento, as epístolas de Paulo são anteriores aos evangelhos e, infelizmente para os inerrantistas bíblicos, ainda há mais discrepâncias nesses relatos adicionais. 1 Coríntios 15:3-8 dá uma série de detalhes que discordam ainda mais dos quatro evangelhos, como Jesus aparecendo primeiro a Pedro (nenhuma menção de mulheres no túmulo é feita), e depois para mais de 500 crentes mais tarde. Essa última parte sobre as 500 ‘testemunhas’ é favorecida por muitos apologistas como evidência da ressurreição, mas nada do tipo é descrito em qualquer evangelho, e é apenas em 1 Coríntios que encontramos um número tão grande.

As epístolas de Paulo também refletem a crença em uma ressurreição mais espiritual, em oposição à ressurreição física ensinada nos evangelhos posteriores. Em 1 Coríntios 15:46, Paulo diz que “não veio primeiro o espiritual, mas o natural, e depois o espiritual”. Quatro versículos depois, ele continua dizendo que “carne e sangue não podem herdar o reino de Deus, nem o perecível herda o imperecível”. De acordo com Paulo, Jesus foi “revelado na carne, [e] foi justificado no Espírito” (1 Timóteo 3:16); ele “tornou-se um espírito vivificante” (1 Coríntios 15:45). 1 Pedro 3:18 também diz que Cristo foi “morto na carne, mas vivificado no espírito”. Entre todos esses relatos iniciais da ressurreição, você não encontrará a profundidade dos detalhes contidos posteriormente nos evangelhos. Não há história do túmulo vazio, apenas menções breves e casuais de aparições pós-morte.

Quando nos voltamos para os evangelhos posteriores, no entanto, encontramos uma história muito mais “realizada” da ressurreição, incluindo o desenvolvimento de uma crença em uma ressurreição corporal. Lucas 24:36-43 afirma claramente que os discípulos ficaram com medo quando Jesus apareceu a eles, porque “pensavam que estavam vendo um espírito”. Jesus então os encoraja a dissipar essa noção, dizendo: “Toque-me e veja, pois um espírito não tem carne e ossos, como você vê que eu tenho”. O Cristo ressuscitado continua a comer um pedaço de peixe grelhado diante de seus seguidores, demonstrando ainda mais sua ressurreição física e corporal. Em João 20:27, Jesus instrui Tomé: “Põe aqui o teu dedo e vê as minhas mãos; e estenda aqui a sua mão e coloque-a no Meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente”.

Cada relato de ressurreição no Novo Testamento tem áreas de desacordo com os outros relatos. Embora essas disparidades não refutem a própria ressurreição, elas certamente lançam suspeitas sobre a confiabilidade dos autores do Novo Testamento e a precisão de seus relatos. Por uma questão de rigor, porém, é importante não apenas examinar os conflitos textuais na história da Páscoa, mas também os conflitos históricos. Apologistas como Josh McDowell gostam de afirmar que a ressurreição é um fato histórico[3], mas eles estão corretos?

III. O silêncio da história

Há um silêncio peculiar no registro histórico sobre a morte e ressurreição de Jesus. A crucificação foi supostamente marcada por um terremoto que abriu túmulos e resultou na dispersão de zumbis por Jerusalém (Mateus 27:51-54), e a ressurreição também foi supostamente marcada por um terremoto (Mateus 28:2) e testemunhada por mais de 500 pessoas (Mateus 27:51-54). 1 Coríntios 15:6). Com isso em mente, é impressionante notar que a mais antiga referência não bíblica a Jesus ocorre aproximadamente 64 anos após sua suposta morte e ressurreição, nas Antiguidades de Josefo. Como se isso não fosse questionável o suficiente, a passagem relevante para Jesus é amplamente contestada pelos estudiosos, com muitos considerando-a uma interpolação.[4]

Mas o ponto mais importante a reconhecer aqui é que, mesmo que a passagem fosse autêntica, ainda levanta dúvidas, porque Josefo não estava vivo a tempo de testemunhar nada da vida de Cristo. Esta é a situação para todas as outras fontes não bíblicas também, como Tácito, Suetônio, Luciano e assim por diante. Sem saber de onde vieram suas informações, não está claro que eles relataram algo histórico. É muito mais provável, especialmente depois de ler atentamente essas passagens, que eles simplesmente relatem as crenças dos cristãos regionais, não os eventos reais que se desenrolaram envolvendo Jesus por volta de 30 E.C. Eu lido mais com esses relatos extra-bíblicos em outros lugares, então não vou buscá-los mais aqui.

Por que os evangelhos não podem ser contados como evidência histórica? Os cristãos muitas vezes parecem bastante confusos quando trato os evangelhos como algo menos do que registros históricos perfeitos, mas há boas razões para vê-los com um olhar crítico e cético. Além das muitas discrepâncias entre eles que já apontei, os evangelhos (e de fato todos os livros do Novo Testamento) expressam uma mensagem teológica clara. Eles estão repletos de histórias de milagres, doutrinas religiosas, reivindicações de cumprimento de profecias e descrições de outras ressurreições além da de Jesus. O propósito dos evangelhos não é relatar a história da forma mais objetiva possível, mas comunicar certos conceitos sobre deus, humanidade, moralidade e outros assuntos. Você pode encontrar alguns pedaços de informação histórica neles, mas isso não os torna registros históricos mais do que uma referência a Tróia faz da Ilíada um registro histórico.

A verdade é que mesmo se tivéssemos registros históricos confiáveis ​​da crucificação e do túmulo vazio, isso ainda não seria evidência de que a ressurreição realmente aconteceu. Por quê? Porque a ressurreição não é uma afirmação verificável, e um túmulo vazio tem muitas explicações possíveis além da ressurreição. Em resposta a William Lane Craig, Jeffery Jay Lowder propõe que uma alternativa mais provável à ressurreição é que José de Arimatéia, que era um membro piedoso da Suprema Corte Judaica, simplesmente enterrou Jesus em seu próprio túmulo temporariamente, por respeito ao Sábado.[5] Uma vez passado, ele devolveu o corpo às autoridades ou a uma vala comum, como era o tratamento habitual para as vítimas da crucificação. Eu encorajo fortemente meus leitores a conferir o artigo de Lowder – é muito mais completo e convincente do que o formato condensado que apresentei aqui, e certamente é uma explicação mais plausível para uma tumba vazia do que a intervenção divina.

A ressurreição de Cristo é uma explicação sobrenatural a ser tomada pela fé, não pela evidência histórica. A ressurreição não é a melhor ou mais comum explicação para um corpo desaparecido ou para aparições pós-morte. O problema é ainda maior, porque não temos razões confiáveis ​​para pensar que havia um corpo desaparecido em primeiro lugar! Como já foi dito, NÃO há fontes extra-bíblicas que façam referência a Jesus antes de ~90 EC. Tudo o que temos antes disso são textos com motivação teológica, em sua maioria escritos por autores anônimos. A fé é um componente essencial em todos os aspectos do cristianismo, não apenas para passar da Bíblia à crença. Não há evidência real da ressurreição de Cristo, na história ou na Bíblia.

4. A história continua a mesma

Uma das objeções mais frequentes dadas à exposição de discrepâncias nos relatos da ressurreição do evangelho, e a falta de corroboração histórica, é que, apesar de todas essas questões aparentemente problemáticas, a história fundamental de Jesus ressuscitando dos mortos permanece a mesma. Esta é uma resposta um tanto cômica, na minha opinião, porque não tenho certeza de como seus proponentes esperariam que as histórias de ressurreição verdadeiramente contraditórias se parecessem. Talvez em um evangelho Jesus ressuscitasse dos mortos e se encontrasse saindo da sepultura errada? Talvez ele apareça para um discípulo que o confunde com um ladrão e o envia de volta aos mortos com uma faca no peito? Ou ele volta apenas para aterrorizar tanto seus seguidores que eles fogem e nunca contam a ninguém sobre sua ressurreição? Espere, esse é realmente o final original do evangelho de Marcos.

Espero que você entenda o ponto que estou tentando fazer. Se não houvessem elementos centrais da história que permanecessem os mesmos, eles não seriam considerados a mesma história. Como eu disse, os evangelhos são textos teologicamente motivados, e parte da mensagem que eles estão tentando transmitir envolve Jesus sendo o esperado messias judeu. Um rabino morto não é candidato a messias, portanto, mesmo que todos os evangelhos estivessem cheios de mentiras descaradas, devemos esperar que certos aspectos da história sejam idênticos, como a própria ressurreição. Também pode haver outra razão para essas consistências internas.

No século 19, os estudiosos do Novo Testamento começaram a aceitar uma visão sobre as origens dos evangelhos conhecida como a Hipótese das Duas Fontes. De acordo com essa visão, os autores de Mateus e Lucas usaram o evangelho mais antigo, Marcos, como fonte de material, além de outro documento hipotético conhecido como “Q” (considerado um texto perdido de ditos, como o evangelho de Tomé). Essa hipótese é formada em torno de notáveis ​​semelhanças entre os textos em gramática, linguagem, dicção, teologia, omissão, redação e muitos outros critérios. Atualmente, a Hipótese das Duas Fontes “requer o apoio da maioria dos críticos bíblicos de todos os continentes e denominações.”[6] Se os autores de Mateus e Lucas estavam usando Marcos como fonte, isso explica facilmente por que a história básica da ressurreição é bastante consistente em todas as três contas. Não são necessários milagres.

Acho que não é exagero dizer que, se apresentado com todas essas informações, nenhum júri de seres racionais acharia convincente a história da ressurreição da Páscoa. Não há evidência histórica, todos os relatos do Novo Testamento se chocam em muitos detalhes, há um viés teológico muito evidente nos textos, e a maioria das tentativas comuns de conciliar esses problemas equivalem a pouco mais do que uma justificativa vazia para a fé. Para emprestar e corrigir um título de Josh McDowell, a ressurreição é um veredito que exige algumas evidências.

Fontes

  1. Contender Ministries. Who was at the empty tomb? Bible Contradictions Answered. Retrieved Apr. 3, 2010.
  2. Bart Ehrman, Jesus, Interrupted (HarperCollins, 2009), p. 29.
  3. 3. Josh McDowell, “Although the resurrection of Jesus is much more than a historical fact, it is nothing less than one.” Evidence For The Resurrection (Regal 2009), p. 53.
  4. 4. Louis Feldman, Josephus, the Bible, and History (1989), p. 430.
  5. 5. Jeffrey Jay Lowder, Historical Evidence and the Empty Tomb Story, The Secular Web (2001). Retrieved Apr. 3, 2010.
  6. 6. S.C. Carlson, The Two Source Hypothesis, Synoptic Problem Website (1999). Retrieved Apr. 3, 2010.

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima.

Postagem Anterior Próxima Postagem