Autor: Joe Schmid
Tradução: Cezar Souza

Feser (2014, pp. 34-35) lê o argumento de Parmênides contra a mudança da seguinte forma:
  1. A mudança exigiria que o ser surgisse do não-ser ou do nada.
  2. Mas nada pode surgir do não-ser ou do nada.
  3. Portanto, a mudança é impossível.

Onde o argumento está errado? Aqui está a resposta de Feser:

O problema com o raciocínio de Parmênides, na visão de Aristóteles, não está nem na inferência de (1) e (2) a (3), nem na premissa (2), com a qual Aristóteles concorda. É mais com a premissa (1), a tese de que a mudança envolveria ser surgindo do não-ser. Pois há, de acordo com Aristóteles, uma análise alternativa da mudança, na qual envolve, não o ser surgindo do não-ser, mas sim um tipo de ser surgindo de outro. Em particular, existe o ser-em-ato - a maneira como uma coisa realmente é; e existe estar-em-potência - as maneiras como uma coisa poderia ser.

- P. 35

Essas potencialidades ou potências são características reais da própria bola, mesmo que não sejam atualidades. O potencial achatamento, elasticidade, aspereza, etc. da bola não são nada, mesmo que não tenham o tipo de ser que a redondeza, a solidez, a suavidade, etc. da bola atualmente têm. É por isso que a bola pode se tornar plana, mole e áspera de uma forma que não pode se tornar senciente, eloquente ou capaz de fazer aritmética. O estar-em-potência é, portanto, um meio termo entre estar-em-ato, por um lado, e o puro nada ou não ser, por outro. E a mudança não é uma questão de estar surgindo do não-ser, mas sim de estar-em-ato surgindo de estar-em-potência. É a atualização de um potencial - de algo antes não atual, mas ainda real.

- P. 36



O argumento da mudança de Feser para a distinção ato-potência, então, é essencialmente o seguinte:

  1. Se houver mudança, então, se não houver distinção entre ato e potência, o ser surge do não-ser.
  2. Existe mudança.
  3. O ser não pode surgir do não ser
  4. Portanto, há uma distinção entre ato e potência.

O que fazer com esse argumento?

O que faço com o argumento depende da verdade do eternalismo ou do presentismo.
Com o chapéu eternalista colocado, eu digo que (i) certamente há mudança, mas (ii) mudança é simplesmente a variação nas propriedades de objetos quadridimensionais ao longo de sua dimensão temporal. Isso não envolve ou implica ser decorrente do não-ser. Simplesmente envolve variação nas características reais. Nesse caso, a premissa (1) é falsa, pois, haja ou não uma distinção entre ato e potência, não há instância de ser surgindo do não-ser.
Com o chapéu presentista, eu digo que a mudança é (aproximadamente) o seguinte: x não existe em algum ponto, e então em algum ponto posterior x existe, ou então x existe em algum ponto, e então em algum ponto posterior x não existe (onde x é algum item ontológico positivo). (Se quisermos impedir o surgimento e o desaparecimento como mudanças, podemos modificar a conta da seguinte forma: S é F em algum ponto e, em algum ponto posterior, S é ~F, ou então S é ~F em algum ponto e então, em algum ponto posterior, S é F.)
Isso não acontecerá inexplicavelmente - haverá alguma explicação para o porquê disso acontecer. Normalmente, algo produzirá causalmente (ou destruirá causalmente) x. O único sentido em que temos "ser surgindo do não-ser" aqui é o sentido totalmente não problemático em que x não existia anteriormente, mas agora existe. Não há nada de absurdo nisso. Não é como se algo estivesse surgindo sem causa e inexplicavelmente. Isso, tendo a pensar, seria absurdo. Mas essa não é a proposta.
Assim, se Parmênides ou Feser querem mostrar por que a visão que delineei acarreta algum problemático "ser surgindo do não-ser", eles precisam de algo mais do que a mera afirmação de ajuste ex nihilo nihil. Pois, na minha opinião, x não "vem do nada" - x, em vez disso, vem de uma causa (ou explicação) anterior. Isso não exige que x exista em algum "estado de potência" fantasmagórico ou etéreo antes de x vir à existência. Na análise que esbocei, (i) há mudança, (ii) não há instância problemática de ser decorrente do não-ser, e ainda (iii) a mudança não envolve a transição ou redução de ser potencial para ser atual. E então a premissa (1) é falsa.
O argumento de Feser, então, não apóia a análise de ato-potência da mudança - pelo menos, não como o argumento está atualmente (visto que carece inteiramente de justificativa para o princípio "o ser não pode surgir do não-ser" no sentido de "não pode ser o caso de <x não existir em t-1 e então x existir em t> ”).
Além do mais, a "solução" de Feser não parece resolver o quebra-cabeça de Parmênides. Pelas próprias luzes de Feser, a mudança envolve um tipo de ser - um determinado ser-em-ato [por exemplo, ser-caloroso-em-ato] - surgindo de um estado sem esse tipo de ser (ou seja, um estado envolvendo um tipo diferente de ser - ser-em-potência [por exemplo, ser-quente-em-potência]). Nesse caso, entretanto, Feser deve admitir - junto comigo - que algo existe em t que não existia em t-1 - a saber, o ser-em-ato relevante.
Para tornar as coisas concretas, suponha que o café passe de quente (em t-1) para frio (em t). Então, na própria análise de Feser, em t-1 o ser atual relevante (a frieza real do café) não existia (ou seja, não era atual ou estava na realidade). Então, em um momento posterior t, ele existe. Feser, então, está igualmente comprometido em negar o princípio de que "não pode ser o caso de <x não existir em t-1 e então x existir em t>." E, portanto, Feser tem que admitir exatamente o que é supostamente problemático em minha análise. O que isso nos diz, eu acho, é que simplesmente não é problemático.
Assim, não apenas o argumento de Feser da mudança enquanto potência para ato falha em justificar a exclusão de minha visão (o que precisaria ser bem-sucedido, uma vez que minha visão é aquela em que a premissa (1) é falsa), mas a própria análise de Feser está comprometida com o que é supostamente problemático em minha análise.
Além desses dois problemas, há um terceiro: a proposta de Feser requer pluralismo sobre o ser. Mas muitos filósofos competentes argumentaram - de maneira razoavelmente vigorosa, segundo minha opinião - contra o pluralismo sobre o ser.

[Como nota de conclusão, não afirmo ter oferecido aqui uma análise adequada ou verdadeira da mudança. Eu usei 'minha análise' e 'minha visão' como um contraste para comparar a visão de Feser com uma visão alternativa. Eu acho que a visão alternativa é superior à visão de Feser, mas eu não afirmo (nesta postagem do blog) que ela seja simples ou provavelmente verdadeira.]

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem