Autor: Paul Draper
Tradução: Iran Filho

I. A natureza do problema
Argumentarei neste artigo que nosso conhecimento sobre dor e prazer cria um problema epistêmico para os teístas. O problema não é que algumas proposições sobre a dor e o prazer podem ser mostradas como verdadeiras e logicamente inconsistentes com o teísmo. Em vez disso, o problema é evidencial. Uma declaração relatando as observações e testemunhos sobre os quais nosso conhecimento sobre a dor e o prazer é baseado carrega uma certa relação de evidência negativa significativa com o teísmo.   E por causa disso, temos uma boa razão epistêmica prima facie para rejeitar o teísmo - isto é, uma razão que é suficiente para rejeitar o teísmo, a menos que seja substituída por outras razões para não rejeitar o teísmo.

Por "teísmo", quero dizer a seguinte declaração:

Existe uma pessoa onipotente, onisciente e moralmente perfeita que criou o Universo.

Usarei a palavra "Deus" como um título ao invés de um nome próprio, e estipularei que as condições necessárias e suficientes para portar esse título são que alguém seja uma pessoa onipotente, onisciente e moralmente perfeita que criou o Universo. Dado este uso (provavelmente técnico) do termo "Deus", teísmo é a declaração de que Deus existe.

Alguns filósofos acreditam que os males que encontramos no mundo criam um problema probatório para os teístas porque o teísmo falha em explicar esses males (ou a maior parte do que sabemos sobre eles). (Veja, por exemplo, Hare 1968.) Esta posição é atraente. Parece refletir as intuições de muitas pessoas que consideram o mal um problema epistêmico para os teístas. Afinal, a maneira mais comum de expressar o problema do mal é fazer uma pergunta do tipo "se Deus existe, então por que existe tanto mal no mundo?" E essas perguntas são pedidos genuínos ou retóricos de explicação. Além disso, a relevância das teodiceias para este alegado problema do mal é bastante clara, uma vez que uma teodiceia pode muito naturalmente ser entendida como uma tentativa de explicar certos males ou fatos sobre o mal em termos de teísmo.

Mas outros filósofos que concordam que o teísmo falha em explicar a maioria dos males que encontramos no mundo negam que isso crie um problema epistêmico para os teístas - isto é, eles negam que essa falha explicativa seja uma boa razão prima facie para rejeitar o teísmo. Essa discordância levou a um debate sobre quanto mal, se houver, o teísmo precisa explicar para evitar a desconfirmação. (Ver, por exemplo, (Yandell 1969a e 1969b), (Kane 1970), (Mavrodes 1970, pp. 90-111), (Ahern 1971), (Hare 1972) e (Yandell 1972).) Do que os membros ambos os lados deste debate falharam em reconhecer que não se pode determinar quais fatos sobre o mal teísmo precisam explicar ou quão bem ele precisa explicá-los sem considerar alternativas ao teísmo. A questão importante, uma questão que David Hume fez (1980, Parte XI, pp. 74-75), mas que a maioria dos filósofos da religião contemporâneos ignoraram, é se alguma hipótese séria que seja logicamente inconsistente com o teísmo explica algum conjunto significativo de fatos sobre o mal ou sobre o bem e o mal são muito melhores do que o teísmo.

Vou defender uma resposta afirmativa a esta pergunta. Especificamente, compararei o teísmo à seguinte alternativa, que chamarei de "a hipótese da indiferença" ("HI", para abreviar):

HI: nem a natureza nem a condição dos seres sencientes na terra são o resultado de ações benevolentes ou malévolas realizadas por pessoas não humanas.

Ao contrário do teísmo, HI não implica que existem seres sobrenaturais e, portanto, é consistente com o naturalismo. Mas HI também é consistente com a existência de seres sobrenaturais. O que torna HI inconsistente com o teísmo é que implica que, se seres sobrenaturais existem, então nenhuma ação realizada por eles é motivada por uma preocupação direta com nosso bem-estar. Agora, deixe "O" representar uma declaração relatando as observações que alguém fez de humanos e animais experimentando dor ou prazer e o testemunho que encontrou sobre as observações que outros fizeram de seres sencientes experimentando dor ou prazer. Por "dor", quero dizer sofrimento físico ou mental de qualquer tipo. Vou argumentar que a dor e o prazer em nosso mundo criam um problema epistêmico para os teístas, argumentando que:

C: HI explica os fatos O relata muito melhor do que o teísmo.

Um problema com essa formulação de C é que o verbo "explicar" tem vários significados distintos, mas facilmente confundidos. Para os meus propósitos aqui, será suficiente apontar que em alguns casos a afirmação de que uma hipótese explica algum relatório de observação muito melhor do que outra é equivalente em significado, ou pelo menos tem uma conexão conceitual próxima, à afirmação de que a verdade disso o relatório de observação é muito menos surpreendente na primeira hipótese do que na segunda. Uma vez que suspeito que é apenas nesses casos que comparações de poder explicativo suportam comparações de probabilidade, reformularei C como a alegação de que os fatos O relatos são muito mais surpreendentes no teísmo do que no HI, ou, mais precisamente, a probabilidade antecedente de O é muito maior na suposição de que HI seja verdadeiro do que na suposição de que o teísmo seja verdadeiro. Pela probabilidade "antecedente" de O, quero dizer a probabilidade de O, independente (e não temporalmente anterior) das observações e testemunhos que ela relata. Portanto, minha reformulação de C é melhor expressa da seguinte forma:

C: Independente das observações e testemunhos O relatos, O é muito mais provável na suposição de que HI é verdadeiro do que na suposição de que o teísmo é verdadeiro.

Para fins de brevidade, usarei P (x / y) para representar a probabilidade da afirmação x, independentemente das observações e dos relatos de depoimentos O, na suposição de que a afirmação y é verdadeira. Usando essa notação, posso abreviar C da seguinte maneira: 

C: P (O / HI) é muito maior do que P (O / teísmo).

Uma última observação elucidativa sobre C. As probabilidades empregadas em C são epistêmicas e não, por exemplo, estatísticas, físicas ou lógicas.2 Assim, elas podem variar de pessoa para pessoa e de tempos em tempos, uma vez que diferentes pessoas podem ser em diferentes situações epistêmicas ao mesmo tempo e a mesma pessoa pode estar em diferentes situações epistêmicas em momentos diferentes. Por exemplo, suponha que seis mãos de pôquer sejam distribuídas. Então, a probabilidade epistêmica de que uma mão inclui quatro ases será diferente para aqueles jogadores que inspecionam suas mãos e não encontram nenhum ases e para aqueles jogadores que inspecionam suas mãos e descobrem um ou mais ases. E a probabilidade epistêmica para qualquer um dos seis jogadores de que uma mão inclui quatro ases será diferente antes de inspecionar sua mão do que depois
inspecionando.

Agora suponha que eu consiga mostrar que C é verdadeiro (em relação à minha própria situação epistêmica e à de meus leitores). Então a verdade de C é (para nós) uma boa razão prima facie (epistêmica) para acreditar que o teísmo é menos provável do que HI. Assim, uma vez que a negação do teísmo é obviamente acarretada por HI e, portanto, é pelo menos tão provável quanto HI, a verdade de C é uma boa razão prima facie para acreditar que o teísmo é menos provável do que não. E uma vez que é epistemicamente irracional acreditar que o teísmo é verdadeiro e que é menos provável do que não, a verdade de C também é uma boa razão prima facie para rejeitar (ou seja, parar ou se abster de acreditar) no teísmo.

Na Seção II, argumentarei que C é verdadeiro. No entanto, meu argumento dependerá da suposição de que as teodiceias não aumentam significativamente P (O / teísmo). Na Seção III, defenderei essa suposição. E na Seção IV, discutirei o significado da verdade de C.

II. A utilidade biológica da dor e do prazer
A afirmação de que P (O / HI) é muito maior do que P (O / teísmo) não é de forma alguma obviamente verdadeira. O fato de O relatar observações e testemunhos sobre o prazer, assim como sobre a dor, deve deixar isso claro. Portanto, um argumento para esta afirmação é necessário. Argumentarei que é o papel biológico desempenhado pela dor e pelo prazer nos sistemas orgânicos direcionados a um objetivo que torna essa afirmação verdadeira. Para explicar precisamente por que isso acontece, precisarei apresentar um conceito de "utilidade biológica".

Embora ninguém duvide de que os sistemas orgânicos são direcionados a uma meta em algum sentido objetivo, não é de forma alguma fácil fornecer uma análise precisa desse tipo de direcionamento a uma meta. Como uma primeira aproximação, podemos dizer que um sistema S é "direcionado ao objetivo" apenas no caso de alguma propriedade G que S exibiu ou irá exibir, uma ampla gama de mudanças ambientais potenciais são tais que: (i) se elas ocorreram em um momento em que S está exibindo G e nenhuma mudança compensatória ocorreu nas partes de S, então S deixaria de exibir G e nunca exibiria G novamente, e (ii) se ocorressem em um momento em que S está exibindo G, então mudanças compensatórias ocorreriam nas partes de S, resultando em S continuando a exibir G ou em S exibindo G mais uma vez. (Cf. (Boorse 1976) e (Ruse 1973).) Observe que ser direcionado para um objetivo neste sentido não implica em direção ao fim consciente de algum ser inteligente. Observe também que o mundo orgânico é composto de sistemas complexos e interdependentes dirigidos por objetivos, incluindo ecossistemas, populações de organismos, organismos, partes de organismos, partes de partes de organismos e assim por diante.

Chamarei os objetivos aos quais os sistemas orgânicos são dirigidos, nesse sentido, de "objetivos biológicos". E direi que uma parte de algum sistema orgânico dirigido por objetivo S é "biologicamente útil" apenas no caso (i) de contribuir causalmente para um dos objetivos biológicos de S (ou para um dos objetivos biológicos de algum outro sistema orgânico dirigido por objetivo sistema do qual faz parte) e (ii) fazê-lo não é biologicamente acidental. (É em virtude da cláusula (ii) que, por exemplo, um ataque cardíaco não fatal que impede uma pessoa de cometer suicídio não pode ser chamado de biologicamente útil.) Observe que grande parte da dor e do prazer no mundo é biologicamente útil neste sentido . Considere, por exemplo, a dor que meu gato Hector sentiu ao pular em cima da porta de um forno quente. A resposta rápida de Hector a essa dor permitiu que ele evitasse ferimentos graves e agora ele foge sempre que a porta do forno é aberta. A dor de Hector neste caso, como grande parte da dor relatada por O, foi biologicamente útil. Pois contribuiu causalmente para dois objetivos biológicos centrais dos organismos individuais, a saber, sobrevivência e reprodução, e isso não foi claramente acidental do ponto de vista biológico. É claro que também há muita dor e prazer em nosso mundo que não são biologicamente úteis: por exemplo, prazer masoquista e dor resultantes de queimaduras que acabam sendo fatais. (Às vezes chamarei esse tipo de dor e prazer de "biologicamente gratuito".)

Essa noção de utilidade biológica me permite apresentar uma afirmação logicamente equivalente a O que me ajudará a mostrar que C é verdadeira. Deixe "O1," "O2" e "O3" representarem as declarações, respectivamente, relatando os fatos O relatórios sobre:

1. Agentes morais experimentando dor ou prazer que sabemos ser biologicamente úteis,
2. Seres sencientes que não são agentes morais experimentando dor ou prazer que sabemos ser biologicamente úteis, e
3. Seres sencientes experimentando dor ou prazer que não sabemos ser biologicamente úteis.

Uma vez que O é obviamente logicamente equivalente à conjunção de O1, O2 e O3, segue-se que, para qualquer hipótese h:

P (O / h) = P (O1 e O2 & O3 / h).

Mas o seguinte teorema do cálculo matemático da probabilidade vale para a probabilidade epistêmica:

P (O1 e O2 e O3 / h) = P (O1 / h) x P (O2 / h e O1) x P (O3 / h e O1 e O2) .3

Assim, C é verdadeiro - P (O / HI) é muito maior do que P (O / teísmo) - apenas no caso:

A: P (O1 / HI) x P (O2 / HI e O1) x P (O3 / HI e O1 e O2)

é muito maior que

B: P (O1 / teísmo) x P (O2 / teísmo e O1) x P (O3 / teísmo e O1 e O2).

Argumentarei que A é muito maior do que B argumentando que cada um dos multiplicandos de A é maior ou muito maior do que o multiplicando correspondente de B. Como explicarei na Seção III, meus argumentos assumirão que as teodiceias não aumentam significativamente P (O / teísmo).

Comecemos com O1, que relata os fatos relatados por O sobre humanos (que são agentes morais) experimentando dor ou prazer que sabemos ser biologicamente úteis. Sabemos com antecedência - isto é, sabemos, independentemente das observações e relatos de testemunhos, que os humanos são sistemas orgânicos dirigidos por objetivos, compostos de partes que contribuem sistematicamente para os objetivos biológicos desses sistemas. Isso parece nos dar motivos para esperar que a dor e o prazer humanos, se existirem, também contribuirão sistematicamente para esses objetivos. (E é isso, é claro, precisamente o que O1 relata.) Mas observe que a dor e o prazer são, em um aspecto, notavelmente diferentes de outras partes dos sistemas orgânicos: eles têm valor moral intrínseco. A dor é intrinsecamente ruim e o prazer é intrinsecamente bom. Essa diferença diminui substancialmente a quantidade de suporte que nosso conhecimento anterior sobre os humanos dá à "previsão" de que a dor e o prazer, se existirem, contribuirão sistematicamente para os objetivos biológicos? Eu proponho que sim se assumirmos que o teísmo é verdadeiro, mas não se assumirmos que HI é verdadeiro. É essa diferença entre HI e teísmo que torna P (O1 / HI) muito maior do que P (Ol / teísmo).

Permita-me explicar. HI implica que, se a dor e o prazer existem, então eles não são o resultado de ações malévolas ou benevolentes realizadas por pessoas não humanas. Portanto, em HI, a diferença moral entre dor e prazer e outras partes dos sistemas orgânicos não nos dá nenhuma razão antecedente para acreditar que a dor e o prazer não irão desempenhar o mesmo papel biológico que outras partes dos sistemas orgânicos desempenham. Na verdade, uma explicação biológica de dor e prazer é exatamente o tipo de explicação que se esperaria de HI. Mas o teísmo implica que Deus é responsável pela existência de qualquer dor e prazer no mundo. Visto que Deus é moralmente perfeito, Ele teria boas razões morais para produzir prazer, mesmo que nunca fosse biologicamente útil, e Ele não permitiria a dor a menos que tivesse, não apenas uma razão biológica, mas também uma razão moralmente suficiente para fazê-lo. E uma vez que Deus é onipotente e onisciente, Ele poderia criar sistemas orgânicos direcionados a objetivos (incluindo humanos) sem dor e prazer biologicamente úteis. Assim, o teísmo implica que Deus não precisa de dor e prazer biologicamente úteis para produzir sistemas orgânicos dirigidos por objetivos humanos e que, se a dor e o prazer humanos existem, então Deus tinha boas razões morais para produzi-los, razões que, por tudo o que sabemos anteriormente, podem muito bem ser inconsistente com a dor e o prazer contribuindo sistematicamente para os objetivos biológicos dos organismos humanos. Portanto, teríamos muito menos razão no teísmo do que no HI para ficarmos surpresos se descobríssemos que a dor e o prazer humanos diferiam de outras partes dos sistemas orgânicos por não contribuir sistematicamente para os objetivos biológicos desses sistemas. Assim, como 01 relata que a dor e o prazer experimentados pelos humanos (que são agentes morais) contribuem dessa forma, P (O1 / HI) é muito maior que P (Ol / teísmo).

Pode-se objetar que, a partir do teísmo e de nosso conhecimento anterior de que existem sistemas orgânicos direcionados a um objetivo, podemos inferir que as funções biológicas das partes desses sistemas são moralmente valiosas, o que nos dá uma razão sobre o teísmo que não temos de esperar. dor e prazer por ter funções biológicas. Pode-se pensar que isso contrabalança as razões oferecidas acima para concluir que O1 é antecedentemente muito mais provável dado HI do que teísmo. Agora, obviamente, não podemos inferir do teísmo e de nosso conhecimento anterior que, quanto maior o número de partes funcionais em um sistema orgânico, mais valioso será o sistema. Podemos ser capazes de inferir que os sistemas orgânicos são valiosos e que as partes desses sistemas que têm funções biológicas são valiosas porque os sistemas não poderiam existir sem partes funcionais. Mas isso não implica que tenhamos tanta ou quase tanta razão no teísmo quanto no HI para esperar que a dor e o prazer tenham funções biológicas. Pois um ser onipotente e onisciente poderia produzir
tais sistemas sem dor e prazer biologicamente úteis. Assim, uma vez que um ser moralmente perfeito tentaria realizar seus objetivos com o mínimo de dor possível, o valor dos sistemas orgânicos não nos dá nenhuma razão no teísmo para esperar que a dor tenha funções biológicas. E uma vez que o prazer tem valor intrínseco e, portanto, vale a pena ser produzido, quer ele promova ou não algum outro objetivo, o valor dos sistemas orgânicos nos dá muito pouca razão para o teísmo esperar que o prazer tenha funções biológicas.

O2 relata as observações e testemunhos relatados por O sobre seres sencientes que não são agentes morais (por exemplo, crianças humanas jovens e animais não humanos) experimentando dor ou prazer que sabemos ser biologicamente úteis. Independentemente das observações e relatos de testemunhos, sabemos que alguns seres sencientes que não são agentes morais são biologicamente muito semelhantes aos agentes morais. Visto que O1 implica que os agentes morais experimentam dor e prazer biologicamente úteis, esse conhecimento torna previamente provável em HI e O1 que alguns seres sencientes que não são agentes morais também experimentarão dor e prazer biologicamente úteis. Agora, à primeira vista, pode-se pensar que esse conhecimento torna a existência de tal dor e prazer tão provável quanto ao teísmo e O1. Afinal, partindo do pressuposto de que teísmo e O1 são verdadeiros, segue-se que Deus tem boas razões morais para permitir a dor biologicamente útil. Mas há uma diferença importante entre a dor biologicamente útil relatada pelo O1 e a dor biologicamente útil relatada pelo O2. Dado o teísmo e O1, temos motivos para acreditar que Deus permite a dor que O1 relata porque ela desempenha algum tipo de papel moral (atualmente indiscernível) na vida dos humanos que a experimentam. Mas os relatos de dor O2 não podem desempenhar tal papel, uma vez que os sujeitos dela não são agentes morais. Esta diferença não é claramente relevante em HI & O1, mas nos dá alguma razão sobre o teísmo & O1 para esperar que as boas razões morais que Deus tem para permitir que agentes morais experimentem dor não se aplicam a animais que não são agentes morais e, portanto, alguma razão para acreditar que Deus não permitirá que tais seres experimentem dor. Portanto, P (O2 / HI & O1) é um pouco maior do que P (O2 / teísmo & O1).

O3 relata fatos sobre seres sencientes que experimentam dor ou prazer que não sabemos ser biologicamente úteis. Isso inclui muita dor e prazer que sabemos ser biologicamente gratuitos, bem como alguns que não são sabidamente úteis e também não são sabidamente gratuitos. Apresentarei um argumento de duas partes para a conclusão de que P (O3 / HI & O1 & O2) é muito maior do que P (O3 / teísmo & O1 & O2).

Em primeiro lugar, obviamente temos muito mais razões no teísmo & O1 & O2 do que em HI & O1 & O2 para esperar que seres sencientes (especialmente animais não humanos) sejam felizes - em qualquer caso, muito mais felizes do que seriam se seu prazer fosse limitado ao relatado por O1 e O2. Em vez disso, quando os relatos dos fatos O3 são somados aos relatados por O1 e O2, descobrimos que muitos humanos e animais vivenciam sofrimento intenso e prolongado e um número muito maior está longe de ser feliz. Além disso, temos mais motivos no teísmo & O1 & O2 do que no HI & O1 & O2 para esperar descobrir uma conexão estreita entre certos bens morais (por exemplo, justiça e virtude) e dor e prazer biologicamente gratuitos, mas não descobrimos tal conexão.

Em segundo lugar, temos, antecedentemente, muito mais razão em HI & O1 & O2 do que no teísmo & O1 & O2 para acreditar que o papel fundamental da dor e do prazer em nosso mundo é biológico e que a presença de dor e prazer biologicamente gratuitos é epifenomenal, um acidente biológico resultante da falha da natureza ou de um criador indiferente em "ajustar" os sistemas orgânicos. E isso é inegavelmente suportado (embora não implicado) pelo que O3 relatórios. Para demonstrar isso, algumas definições são necessárias. Em primeiro lugar, por dor ou prazer "patológico", quero dizer dor ou prazer que resulta da falha de algum sistema orgânico em funcionar adequadamente. Por exemplo, a dor causada pelo câncer terminal e o prazer sádico são patológicos nesse sentido. E em segundo lugar, por dor ou prazer "biologicamente apropriado", entendo a dor ou o prazer que ocorre em uma situação tal que é biologicamente útil que a dor ou o prazer sejam sentidos em situações desse tipo. Por exemplo, a dor sentida por uma pessoa morta em um incêndio não é biologicamente útil, mas é biologicamente apropriada porque é biologicamente útil que os humanos sintam dor quando entram em contato com o fogo. É evidente que grande parte da dor e do prazer relatados por O3 são patológicos ou biologicamente apropriados, e muito pouco se sabe que é não patológico e biologicamente inadequado. E isso é exatamente o que se esperaria se a dor e o prazer fossem fundamentalmente fenômenos biológicos ao invés de morais, e assim é muito mais esperado no HI & O1 & O2 do que no teísmo & O1 & O2.Falta do criador diferente em "sintonizar" sistemas orgânicos. E isso é inegavelmente suportado (embora não implicado) pelo que O3 relatórios. Para demonstrar isso, algumas definições são necessárias. Em primeiro lugar, por dor ou prazer "patológico", quero dizer dor ou prazer que resulta da falha de algum sistema orgânico em funcionar adequadamente. Por exemplo, a dor causada pelo câncer terminal e o prazer sádico são patológicos nesse sentido. E em segundo lugar, por dor ou prazer "biologicamente apropriado", entendo a dor ou o prazer que ocorre em uma situação tal que é biologicamente útil que a dor ou o prazer sejam sentidos em situações desse tipo. Por exemplo, a dor sentida por uma pessoa morta em um incêndio não é biologicamente útil, mas é biologicamente apropriada porque é biologicamente útil que os humanos sintam dor quando entram em contato com o fogo. É evidente que grande parte da dor e do prazer relatados por O3 são patológicos ou biologicamente apropriados, e muito pouco se sabe como não patológico e biologicamente inadequado. E isso é exatamente o que se esperaria se a dor e o prazer fossem fundamentalmente biológicos, em vez de fenômenos morais e, portanto, é muito mais esperado no HI & O1 & O2 do que no teísmo & O1 & O2.

Portanto, supondo que as teodiceias não aumentem significativamente P (0 / teísmo), o primeiro e o terceiro multiplicandos de A são muito maiores que o primeiro e o terceiro multiplicandos de B, e o segundo multiplicando de A é maior que o segundo multiplicando de B. E isso implica que P (0 / HI) é muito maior do que P (0 / teísmo).

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem