Autor: Ex Apologist
Tradução: Iran Filho

Anteriormente, discutimos o argumento mais popular e intuitivo para pensar que existe um deus: O argumento do design. Esse argumento apela para nossas observações comuns da complexidade e ordem do universo como evidência de um desenhista divino. O argumento atual é o "gêmeo do mal" do argumento do design: O problema do mal. É o argumento mais popular e intuitivo para pensar que não há deus. Como o argumento do design, ele apela às nossas observações comuns, mas, neste caso, as observações são de desordens de vários tipos - em particular, males.

Existem dois tipos amplos de mal aos quais o argumento apela como evidência da inexistência de um deus: o mal moral e o mal natural. O mal moral é o "mal pessoa à pessoa" - o mal cometido por pessoas contra outras pessoas (ou por uma pessoa contra si mesma). Os males morais variam de horríveis perversidades, como genocídio, escravidão, tortura, assassinato e estupro, até as ocorrências mais mundanas de "pequenas" mentiras e pequenos furtos. Por outro lado, males naturais são coisas ruins causadas por forças impessoais, como furacões, tornados, tsunamis, pragas, a lei da predação (isto é, o fato de que a única maneira de os carnívoros permanecerem vivos é matar e comer outras pessoas conscientes. criaturas), doenças, depressão, etc.

A ideia básica é que o mundo está cheio de males morais e naturais, mas um deus que tudo sabe, todo-poderoso e perfeitamente bom não permitiria esse mal; portanto, não existe deus - ou pelo menos não existe um deus assim. O argumento pode ser declarado com mais cuidado da seguinte maneira:

1. Se um deus onisciente, onipotente e perfeitamente bom existe, então o mal não existe.
2. Não é verdade que o mal não exista.
-------------------------------------------------- ------------------
3. Portanto, não existe um deus todo-poderoso, onisciente e perfeitamente bom.

O argumento é uma instância do modus tollens (1. Se P, então Q; não-Q; portanto, não-P) e, portanto, é dedutivamente válido; portanto, a única maneira de resistir racionalmente à conclusão é mostrar que pelo menos uma das premissas é falsa ou injustificada. Bem, por que devemos aceitar as premissas?

O apoio a (1) remonta a, pelo menos, Epícuro (Hume cita Epícuro em seus Diálogos sobre Religião Natural): “Ele [Deus] está disposto, mas é incapaz de impedir o mal? Então ele é impotente. Ele não está disposto, mas não é incapaz? Então ele é malévolo. Ele está disposto e é capaz? Então de onde vem o mal? ”A lógica do raciocínio aqui pode ser descompactada e declarada com mais rigor:

1. Se Deus é onisciente e onipotente, Deus é capaz de impedir o mal.
2. Se Deus é perfeitamente bom, então Deus está disposto a impedir o mal.
3. Se Deus é capaz e deseja impedir o mal, o mal não existe.
-------------------------------------------------- ---------
4. Portanto, se Deus é onisciente, todo poderoso e perfeitamente bom, então o mal não existe. [1]

A premissa 2 é apoiada pela observação e testemunho sobre o mal no mundo: Observamos e ouvimos notícias sobre os males morais do genocídio, escravidão, tortura, assassinato, estupro, sequestros etc. e os males naturais dos furacões, tornados, tsunamis, fome, seca, doenças, depressão, etc.

-----------------------------------
Notas:
[1] Prova: Pegue: P = Deus é onisciente; Q = Deus é todo-poderoso; R = Deus é capaz de impedir o mal; S = Deus é perfeitamente bom; T = Deus está disposto a impedir o mal; U = O mal não existe. A prova é executada da seguinte maneira:

1. (P∧Q) → Premissa R
2. Premissa S → T
3. (R∧T) → Premissa U
-----------------------
4. (P∧Q) ∧ S (Assume-se)
5. P∧Q 4 ∧E
6. R 1, 5 MP
7. S 4 ∧E
8. T2, 7 MP
9. RtT 6, 8 ∧I
10. MP 3, 9 MP
11. ((P∧Q) ∧ S) → U 4-10 → I


Q.E.D.

2 Comentários

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

  1. Pela lógica, o bom Deus descrito pela bíblia não existe, claro, eu não acredito em Deus, mas supondo que existisse, uma teoria tbm surge, no qual diz que Deus e o Demônio são dois lados da mesma moeda, ou seja, são o mesmo "Ser".

    ResponderExcluir
  2. Eu adorei a matéria, são boas observações

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem