Cristãos gostam de negar a existência da Idade das Trevas, e ao invés disso, a reimaginam como uma gloriosa era de conhecimento e progresso. O que não é verdade. Eu documentei a evidência material e textual contra isso no meu capítulo sobre o assunto em Christianity Is Not Great, para qualquer um que realmente queira explorar por que essa nova tese não se sustenta. Mas uma parte dessa nova mitologia é a afirmação de que somente os Cristãos inventaram ou implantaram a automação e a maquinaria industrial. Eu já escrevi sobre esse mito antes (em Flynn's pile of Boners, Lynn White on Horse Stuff, e Did the Environment Kill Rome?). Mas aqui vou me concentrar em um assunto específico sobre o qual venho refletindo ultimamente: Automação industrial.


Tradução: Iran Filho

O mito
O apologista medievalista e Cristão James Hannam escreveu em 2011:

"No campo da física, os estudiosos encontraram recentemente teorias medievais sobre o movimento acelerado, a rotação da terra e a inércia embutida nas obras de Copérnico e Galileu. Mesmo as chamadas "idades das trevas" de 500 dC a 1000 dC foram, na verdade, um período de avanço após o vale que se seguiu à queda de Roma. A produtividade agrícola aumentou com o uso de arados pesados, coleiras de cavalos, rotação de culturas e moinhos de água, levando a um rápido aumento da população."

Isso tudo é um pouco ilusório. Na verdade, os astrônomos da era romana já estavam discutindo “teorias sobre o movimento acelerado, a rotação da Terra e a inércia” e, de fato, parece que Copérnico, Galileu e outros estavam obtendo essas idéias de fontes antigas. Geralmente fontes que não sobreviveram à Idade Média. Só os conhecemos de fontes de segunda mão que os mencionam, como Plutarco, que tem Menelau, o astrônomo mais famoso de sua época (c. 100 dC), que discute tais teorias em seu diálogo semificial No rosto no Lua.

Outros autores antigos mencionam as teorias geocêntricas heliocêntricas e dinâmicas, ambas postulando a rotação da Terra, e princípios de inércia e força centrípeta, até gravitação universal para explicar todo o movimento planetário, assim como as marés lunissolares. Eles estavam debatendo na época que algo semelhante à gravitação acelerou todos os objetos em sua atração e isto já era uma posição consensual desde Aristóteles, e experimentalmente estudada por Strato, e matematicamente modelada por Hiparco. Nos tratados, os Cristãos medievais não se importavam em copiar. Em vez disso, optaram por preservar apenas o trabalho do geocentristo estático anti-inércia de Ptolomeu (e mesmo assim, apenas com pouca exatidão e com mínima compreensão). Discuto tudo isso, as fontes, evidências, erudição, em The Scientist in the Early Roman Empire (pp. 184-88; e mais em pp. 138-39, 259-60, 369-70).

Claro que Copérnico data dos anos 1540 e Galileu de 1600. Não na Idade Média. Essa fusão de períodos é um dispositivo comum na criação de mitos Cristãos hoje em dia. Onde está o heliocentrismo dinâmico antes disso? Onde, literalmente, há qualquer avanço científico antes de 1300? Você sabe, antes da Idade Média terminar. Depois de aproximadamente mil anos de domínio Cristão no Ocidente. Simplesmente não existe nenhum (Scientist, pp. 535-41). Mesmo que avanços triviais tenham sido feitos pelos muçulmanos antes dessa data, parecem ser recuperações de avanços antigos perdidos, ou pequenas melhorias na medição realmente solicitadas por fontes antigas (ibid., Pp. 17, 98, 152-54, e páginas citadas no parágrafo anterior).

Mas aqui estamos falando de tecnologia. A “Idade das Trevas” não foi um tempo significativo de “avanço”, mas, na verdade, uma era condenada de perda e privação, para preceder uma recuperação pobre, lenta e fraca de conhecimento e habilidade perdidos. Hannam alega que “a produtividade agrícola aumentou”, mas, na verdade, permaneceu maciçamente deprimida em comparação com a antiguidade; A agroprodução ocidental nunca se recuperou até 1300, pra dizer o mínimo. Então, mesmo o final da Idade Média não nos levou de volta [ao progresso]. Apenas lentamente saiu de um longo buraco profundo. Uma vez que saímos, o Renascimento começou. Mas demorou mil anos para fazer isso. Não é um elogio retumbante. Se o Cristianismo tivesse sido útil para essa recuperação, deveria ter levado menos de um século. Não um milênio.

Na verdade, os antigos romanos empregavam amplamente “arados pesados” (Scientist, p. 229), sistemas de arreios totalmente funcionais (Scientist, pp. 203-04), “rotação de culturas” e “moinhos de água” e mais (ver Scientist). , “Index of Ancient Inventions,” pp. 625-27); e por causa disso, apoiou uma população muito maior do que qualquer coisa que a Idade das Trevas tenha alcançado. Não foi até o final da Alta Idade Média que as populações ocidentais recuperaram os mesmos níveis do auge do Império Romano. Todos os atuais historiadores econômicos da antiguidade concordam: O Ocidente não voltou atrás em nenhuma medida agrícola ou industrial até depois da Idade Média.

Podemos ver vários marcadores físicos disso. Os núcleos de gelo da Groenlândia preservam a escala da poluição industrial causada pelo comércio e pela indústria romana. Usando a proxy de quanto pó de chumbo o Império chutou para a atmosfera do planeta da mineração e da fundição, a Idade das Trevas se destaca dolorosamente:


O modelo é o mesmo. Mais uma vez, o comércio explodiu e floresceu sob o Império Romano, a partir de cerca de 150 a.C. a 150 d.C. Diminuiu para cerca de metade dessa capacidade durante a crise do século 3, por volta de 250 d.C., caindo ainda no século seguinte. E, então, atingiu o fundo do poço na Idade das Trevas, caindo para uma escala de metade dos níveis da era da crise, então um quarto, depois um oitavo, então quase inexistente. Mesmo no final da Idade das Trevas, o comércio e o mercado estavam em um oitavo do período da Crise, um décimo sexto da média sob o Império Romano. Mesmo em 1450 o comércio ainda não havia se recuperado para os níveis de Roma pós-queda. É claro que nesse século começou a Era da Exploração que recuperaria enormemente a economia mundial - ainda que nas engrenagens fossem unidas à escravidão em massa e ao genocídio. Mas ainda assim, não era Idade Média.

Outra representação é a população urbana, que podemos determinar a partir de pesquisas no campo arqueológico. A incapacidade de manter cidades, ou até mesmo a falta de necessidade delas, é uma forte indicação do declínio maciço da população e declínios maciços na atividade e capacidade econômica. Também é uma representação da produção agrícola; Como a maioria dos produtos agrícolas serviam para sustentar as cidades. É literalmente a base fundamental da civilização como um desenvolvimento na história humana. Se você não está sustentando cidades, obviamente não está produzindo um excedente agrícola suficiente para isso. Um declínio maciço na urbanização implica num declínio maciço na própria civilização. E, bem...


A linha que eu mostrei em azul mostra a porcentagem da população que vive em cidades da Itália do século I ao século XIX. Eu marquei a parte vermelha da linha indicando esta estatística para a Holanda, cujas medidas começam no século 16, mostrando cerca de 15% de urbanização, subindo para níveis antigos novamente no século 17 antes de superá-los. E, no entanto, os Países Baixos eram incomparáveis ​​nessa ascensão em qualquer outro lugar no Ocidente. Observe onde está a Idade das Trevas.

A taxa de urbanização da Itália sob o Império Romano era de cerca de 20%. Em An Urban Geography of the Roman World, J.W. Hanson encontra a mesma taxa de urbanização para todo o Império Romano em seu pico, em algumas províncias ainda mais altas (acima de 20% até 30%). Mas veja isto: Assim que a Idade das Trevas atingiu [seu auge], na verdade já no século 4, quando o Cristianismo assumiu, essa taxa declinou abruptamente, caindo abaixo de 10% até o Renascimento, com apenas um pequeno aumento para cerca de 10% durante a Alta Idade Média (Não na Idade das Trevas), ainda metade do que era uma vez. Não recupera a níveis antigos até o século XIV. Com o renascimento. Pior, se você olhar para a medida para a Europa como um todo, ela não combina com a era romana até o final do século XIX! A Inglaterra, potência da Revolução Industrial, nem chega a esse nível até o século XVIII.

Pense sobre isso. Isso não apenas combina, reforça e confirma os outros dois marcadores que acabamos de observar - na verdade, a indústria entrou em colapso para um oitavo da capacidade de Roma; O comércio entrou em colapso com a capacidade de um décimo sexto de Roma - aqui temos medidas reais de população. A Idade das Trevas poderia apoiar nem a metade da população do antigo Império Romano. Isso significa que dezenas de milhões de pessoas morreram de fome e metade de todas as cidades caíram em ruínas ou entraram em colapso para meras aldeias. O horror disso não deve escapar de sua compreensão. As pessoas que viveram isso passaram por tempos sombrios. É tolice tentar negar isso. Um aumento maciçamente correspondente na disparidade de renda pode ter sido mantido alguns centros de riqueza e a elite tenha engordado feliz, mas ao seu redor o mundo estava caindo em ruínas e mortes.

Não, James Hannam. A Idade das Trevas não produziu "um aumento rápido da população". Ela produziu um declínio horrível. A partir do qual o Ocidente não se recuperaria até o final da Idade Média.

Mesmo a suposta recuperação da Idade Média posterior foi exagerada em relação à evidência real de produtividade e urbanização. Essas contagens foram corrigidas por estimativas mais modernas, mas também incluem a Alemanha, a Polônia, a Rússia e a Escandinávia, criando assim comparações inválidas com estimativas da população do Império Romano que não governou, desenvolveu ou civilizou essas regiões. No entanto, segundo estimativas recentes, o Império continha quase 100 milhões de pessoas, metade delas "na Europa", mas a maioria da "Europa" sob essa definição medieval não era romana, e muito dos que eram, não estavam em seu centro de desenvolvimento.

Portanto, comparações diretas não fazem sentido. O norte da África e o Oriente Médio foram massivamente povoados sob o Império [Romano], junto com suas províncias européias com portos mediterrâneos. Este é o lugar onde a maior parte de sua energia e produção estava indo, onde a maioria de sua civilização estava. Será que a Europa medieval tardia o superou simplesmente deslocando seus centros de população e produção? Não que possamos dizer. Tudo o que fizeram foi movê-los. E ainda não está em dia. Se Roma já estava alimentando cinquenta milhões de pessoas somente no sul da Europa, o que teria sido sua população européia se também tivesse ocupado e desenvolvido a Alemanha, a Polônia, a Rússia e a Escandinávia? Certamente muito maior que todas as médias da Europa Medieval.

Então, quando olhamos para medidas mais aplicáveis de sucesso comparativo (como comércio, produtividade e urbanização), a Europa Medieval tardia não alcançou a Roma Antiga. O Renascimento teve de fazer isso. Um período amplamente definido pela recuperação de antigos valores, descobertas e ideais pagãos.

O historiador econômico Josiah Ober recentemente ilustrou este fato em The Rise and Fall of Classical Greece, mapeando um índice de consumo ao longo do tempo, multiplicando a população pela quantidade produzida e consumida além da subsistência - em outras palavras, quanta riqueza foi gerada em vez de simplesmente algo para subsistência, ou mesmo pessoas morrendo de fome. Seu gráfico resultante corresponde a todos os outros que analisamos e confirma nosso ponto:


Notavelmente, isso é apenas para o Oriente Grego, nem mesmo para a Idade das Trevas do Ocidente. E, no entanto, veja como o Oriente está arruinado em relação aos piores declínios do Ocidente. O período marcado pela Idade das Trevas mostra um declínio maciço no consumo, para um mero quinto do que era sob o Império Romano (que, por sua vez, é metade do que o mundo grego desfrutava antes do domínio romano). Na verdade, ela é praticamente a mesma que a Idade das Trevas anterior, assim chamada por ser uma era sombria de conhecimento perdido, regiões desoladas e economias esmagadas entre o colapso de Micenas e a aurora da Grécia Arcaica e Clássica. Notadamente também, o consumo diminui à metade já no momento em que os Cristãos assumiram o controle no século IV, depois da ruína causada pela crise do século III. E a Grécia não recuperou nem mesmo metade dos níveis da era romana antes do século XIX. Pense sobre isso. É maravilhoso.

O "maquinista" como o fundamento da civilização
Um fã meu, um maquinista, enviou-me um livro de Fred Colvin, semelhante a uma autobiografia e, de certa forma, uma biografia de tecnologia mecânica, publicado aos seus 70 anos, em 1947. Também maquinista de profissão e famoso jornalista da indústria. que desempenhou papéis fundamentais na modernização das forças armadas americanas nas Guerras Mundiais, Colvin viveu até quase cem anos. Ele morreu em 1965, tendo testemunhado a raça humana vindo da então contínua revolução industrial dos anos 1880, construída sobre uma base de padrões fragmentados e muitas vezes secretos e as artes cruas dos artesãos, quando as bicicletas eram modernizadas e o cavalo e a carruagem a locomoção e as ferrovias tinham acabado de começar a se espalhar por todo o país e o voo motorizado ainda era uma fantasia louca, para as primeiras guerras mecanizadas, forças aéreas e companhias aéreas, a era do automóvel, a era da eletricidade, a era digital, a era atômica e a era espacial , todo o caminho para as primeiras fábricas robóticas. Esse cara viu um mundo de mudanças que dificilmente podemos imaginar. E nós mesmo vivemos em um mundo de mudança!

O livro de Colvin, Sixty Years with Men and Machines, faz um ponto realmente sólido e importante: que toda a civilização, toda a indústria em particular, só existe por causa dos maquinistas; mecânica no sentido mais amplo, as pessoas que realmente fazem as coisas que fazem as coisas. Sem ferramentas fundamentais, não há indústria nem civilização. Colvin, em particular, identifica o torno como um dos dispositivos mais fundamentais sobre os quais a civilização é construída. Mas não exclusivamente isso. Plainas, polidores, prensas, brocas, punções, serras. Tudo o que realmente precisamos para fazer as coisas. Colvin aponta que o primeiro exemplo na história da humanidade é o primeiro machado, a primeira ferramenta que fabrica ferramentas, até mesmo se faz.


Nós tomamos isso muito por garantido. E, no entanto, pense em como qualquer trabalho se torna útil: têm que ser moldado, cortado e perfurado. Quase sempre, tem que ser moído, seja por torno, plano ou outra coisa. De carros, a computadores, a naves espaciais. Tudo impossível, exceto para peças e modelos montados; assim impossível, mas para o maquinista e suas ferramentas mais básicas. Parece algo do Star Trek. O que pode ser incrivelmente sofisticado, mas na verdade é apenas uma tecnologia antiga. Os tornos, por exemplo, agora vêm em incontáveis ​​variedades e são de uma construção tão incrível que atrairia qualquer observador antigo com espanto (admire esta maravilha da era espacial, acima). Mas ainda é basicamente um torno.

Infelizmente, não há escritos sobreviventes sobre ferramentas de maquinistas da antiguidade. Então, só podemos adivinhar quais variedades de tecnologia de tornos eles tinham, observando as coisas que produziam, entre as poucas coisas que sobreviveram para vermos. Eu tenho uma extensa seção em The Scientist in the Early Roman Empire sobre tecnologia, que é fortemente originada, então você pode encontrar lá os principais trabalhos em qualquer tecnologia particular que lhe interessa, incluindo ferramentas antigas, até mesmo tornos (pp. 200, 216, 227, 243). E, de fato, recuperamos exemplos do período romano que demonstram “ferramentas de precisão de cilindros aninhados até um décimo de milímetro”, o que nos diz que eles tinham mais do que meros tornos comuns disponíveis. Isso será relevante novamente em um momento. Mas é uma das centenas de exemplos de como avaliações medievais modernas da tecnologia antiga costumam estar altamente desinformadas. E, consequentemente, sua avaliação das conquistas medievais foi extremamente exagerada.

Automação Industrial Antiga
Costumava-se acreditar que os romanos "tinham" automação, mas simplesmente não a usavam significativamente. Mas uma enorme mudança no consenso dos historiadores antigos ocorreu nas últimas duas décadas, que reverteu completamente essa conclusão. Acontece que os romanos implantaram e utilizaram extensivamente automação capitalizada em numerosas indústrias, muito além de qualquer coisa vista na Idade das Trevas - que, quando vemos qualquer coisa, é apenas um reflexo obscuro da tecnologia que os romanos já inventaram e muito mais amplamente usada. Mais frequentemente, essa tecnologia foi esquecida na Idade das Trevas e teve que ser reinventada no final da Idade Média. Ou até mais tarde que isso. O Renascimento foi mais uma recuperação de inúmeras coisas perdidas, tanto ciência quanto tecnologias, do que qualquer progresso além delas.

Como escrevi em Scientist, “a mecanização de indústrias maiores estava começando” e expandindo-se consideravelmente durante a Pax Romana:

"Uma inscrição do século II, por exemplo, relata que a cidade de Beréia, na Macedônia, estava obtendo renda substancial de toda uma série de “Máquinas de água” (hidromêchanai), um termo que envolve muito mais do que apenas moagem de grãos. Sabemos que a tecnologia foi disseminada para outras indústrias. Para a madeira e a lapidação há evidências claras de que os romanos inventaram e disseminaram amplamente a serraria movida a água, enquanto na indústria de mineração há evidências do uso de energia hidráulica para mecanizar o esmagamento de minério, e a energia da água foi certamente empregada nas primeiras formas de mineração de cascalhos e de tiras.

Moinhos rotativos, torneados por animais ou homens, também eram usados ​​para moer minérios, bem como areia para a indústria de vidro, e não há razão particular para acreditar que moinhos de água não fossem assim empregados também. Martelos mecânicos movidos a água também estavam em uso, na agricultura (para descascar e bater), e na mineração e metalurgia, e possivelmente para enchimento e feltragem também. E como já observamos, os romanos certamente expandiram o uso do poder da água para moer grãos. De fato, Kevin Greene confirma que “agora é sabido pelas evidências arqueológicas” que os moinhos de água “foram amplamente usados ​​no Império Romano”, com os restos recuperados de diversos locais, da Palestina a Roma, às fronteiras da Grã-Bretanha e quase em toda parte. De fato, a tecnologia era tão comum que, no século 2 dC, havia guildas de hidrelétricas inteiras. E Plínio, o Velho, relata que em meados do século 1 dC “a maior parte da Itália usa o pilão nu, bem como as rodas giradas pela passagem de água e o moinho [cabrestante comum]”.

O exemplo mais espetacular recuperado até agora é o maciço moinho industrial em Barbegal, na França, onde um aqueduto romano alimentava um sistema binário de dezesseis moinhos de água arcaicos, uma instalação atualmente conhecida desde o início do império. Há algumas evidências de que os romanos também podem ter desenvolvido moinhos de marés."

As citações acima, Scientist (pp. 225-28), e as notas de rodapé com fontes e erudição são extensas para cada ponto. A Wikipédia tem até algumas boas páginas sobre essas coisas (por exemplo, "Lista de Moinhos de Água Antigos", "Serraria de Hierápolis", etc.). "Os moinhos de turbinas da era romana também existiam", e há "evidências de martelos automatizados em ferro romano, e possivelmente um fole movido a água", e indícios de uso "em moinhos romanos" e "na fabricação de armaduras romanas". O poder da água também foi empregado para alimentar toda uma gama de autômatos, desde relógios a planetários até elaboração de oráculos (por exemplo, Scientist, p. 146).

As guildas de moinhos de água eram essencialmente associações licenciadas de maquinistas e engenheiros especializados na construção e manutenção de todo o maquinário movido a água, seja para moer grãos, minério ou areia, seja para cortar madeira ou pedra. E, de fato, relógios movidos a água e autômatos em templos, teatros, banhos e museus. Temos até o epitáfio de uma dessas mecânicas, gabando-se de suas conquistas no campo com um relevo esculpido exibindo uma de suas serrarias automatizadas e comparando-se ao mítico Daedalus.

Nós também recuperamos “o virabrequim de metal de uma serraria romana na Suíça que data do século II” (Scientist, p. 225). De fato, a manivela e o eixo eram uma tecnologia romana amplamente empregada, ao contrário das suposições anteriores de que estes foram inventados mil anos depois. E aqui revisitamos o significado dos maquinistas nas fundações da civilização: Esse virabrequim precisava ser fabricado. E não apenas feito, mas ligado a um torno ou outro aparelho para dar a ele a suavidade e consistência necessárias de forma e tamanho para uma operação eficaz. Esta é uma evidência de considerável habilidade e capacidade entre os maquinistas romanos.

Da mesma forma, os romanos que hoje conhecemos inventaram o came, o eixo de comando e o bloco de cilindros. As suas bombas de água operadas por cames de blocos de cilindros de madeira mantiveram um fluxo contínuo de volume considerável. Para o qual os buracos precisavam ficar entediados. Maquinistas. Os cilindros precisavam ser feitos com precisão, virados e encaixados. Maquinistas. Todas as partes do aparato de came, eixo e alavanca tinham que ser feitas, vestidas, perfuradas e ajustadas. Maquinistas. E a partir do uso contínuo, reparos regulares seriam necessários e peças substituídas. Maquinistas. Tudo só por essa coisa. Isso foi empregado em todo o império. E ainda é apenas uma variedade de tecnologia de bombas entre uma grande variedade de bombas e tipos de bombas que os romanos construíram e usaram para todos os propósitos.

Por fim, mencionei a moagem de Barbegal. Isso exemplifica muito do que dá errado quando os medievalistas tentam fabricar narrativas triunfalistas para a Idade das Trevas. Você ainda vai ler de alguns deles a alegação de que (se eles ainda estão cientes de que este exemplo existe) a instalação de Barbegal era um projeto financiado pelo governo desesperado em alimentar os militares construídos no século IV e, portanto, não seriam representativos do Alto Império Romano. Tudo isso agora é conhecidamente falso.

A fábrica de Barbegal está agora firmemente datada do século II. E é agora apenas uma das muitas instalações conhecidas dessa época. E está confirmado que foi um empreendimento privado financiado por capital. Que é notável pela sua escala. A reprodução de um artista inclusive ilustra este artigo. Não só operou dezesseis enormes pedras de moer para moer grãos em farinha, produzindo 25 toneladas de produtos por dia, mas toda uma extensão de aqueduto e derivação foi construída unicamente para fornecer energia a essa fábrica. Análises mais recentes sugerem que ela provavelmente era de propriedade e operada por investidores que dominam o mercado de biscoitos secos, que seriam vendidos a cidadãos que abasteciam a diversa indústria naval. Em outras palavras, foi construído não por necessidade (como alimentar uma cidade local), mas para ganhar dinheiro.

Note que a Idade Média não produziu nada parecido com essa escala de aplicação do poder da água, em números ou áreas de uso até pouco antes do Renascimento, posterior ao século 13. (Ao contrário do que é comumente afirmado, o "Domesday Book" do século 11 nunca menciona um único moinho de água. Excesso de conjectura sobre quais usinas ele alega serem movidas a água gerou, em vez distoum número absurdamente alto, não mais propenso a ser congruente com a realidade. mais do que na antiguidade.)

Conclusão
Seja extremamente cauteloso sempre que ouvir o revisionismo triunfalista da Idade Média, especialmente por apologistas Cristãos e seus semelhantes. É quase sempre factualmente impreciso, muitas vezes descontroladamente. Então, aqui está um lembrete, e acima de um exemplo, de como manter seus olhos em táticas comuns.

Eles vão tentar te levar a um joguinho desonesto, combinando períodos históricos - coisas que realmente aconteceram no Renascimento inexplicavelmente se tornando coisas que aconteceram na Idade Média; e coisas que aconteceram na Alta Idade Média se tornando coisas que aconteceram na Idade das Trevas. Às vezes eles também entendem os fatos erroneamente sobre o que realmente foi feito, dito ou realizado no período medieval, ou por quem. Mas, mais comumente, eles estarão completamente inconscientes, ou até mesmo desorientados, sobre o que a antiga civilização greco-romana havia feito, dito ou realizado, em primeiro lugar. Muitas vezes usando, como é frequentemente o caso na apologética Cristã, uma bolsa de estudos descontroladamente obsoleta, que não reflete conhecimento ou consenso atual - muitas vezes, isso não refletia fatos conhecidos, mesmo em séculos atrás, quando foi escrito.

É com este último dispositivo que os revisionistas mais obscuros inventam uma narrativa pela qual a Cristandade inventou tudo o que é fantástico... que, de fato, já tinha sido inventado e feito melhor e mais amplamente usado pelos pagãos muito antes. De fato, muitas vezes, uma tecnologia foi esquecida na Idade das Trevas e teve que ser reinventada mil anos depois. Que é uma das muitas razões pelas quais os chamamos de Idade das Trevas. Quanta coisa foi perdida, em tecnologia e conhecimento, em técnica e habilidade. Mas também quanta civilização entrou em colapso e declinou, e quanto tempo permaneceu em péssima ruína em comparação com o que antes era. Quantas dezenas de milhões foram horrivelmente para suas sepulturas por causa disso, populações inteiras que não puderam se recuperar, nem mesmo depois de centenas de anos de miséria sob o calcanhar de uma encolhida elite que acumulava riquezas. Até que finalmente algo mudou. E essa mudança não foi "descobrir o Cristianismo".

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem