Tradução: Iran Filho

Este senhor também diz que "Voltaire foi vítima de angústia e pavor, alternadamente suplicando e blasfemando contra Deus; que ele se queixou de que foi abandonado por Deus; que quando ele morreu seus amigos fugiram da sala, declarando que a visão era terrível demais para ser suportada . "

Não há uma palavra de verdade nisso. Todo mundo que leu a vida de Voltaire sabe que ele morreu com a maior serenidade.

Deixe-me contar como Voltaire morreu.

Ele era um velho de oitenta e quatro anos. Ele havia sido cercado pelos confortos da vida. Ele era um homem rico - de gênio. Entre os literatos do mundo, ele ficou em primeiro lugar. Deus havia permitido que ele tivesse a aparência de um sucesso. Seus últimos anos foram cheios da embriaguez da lisonja. Ele estava no auge de sua idade. Os padres ficaram ansiosos. Começaram a temer que Deus se esquecesse, numa multiplicidade de negócios, de fazer de Voltaire um péssimo exemplo.

No final de maio de 1788, foi sussurrado em Paris que Voltaire estava morrendo. Sobre as cercas da expectativa reuniram-se as aves impuras da superstição, esperando impacientemente por sua presa.

"Dois dias antes de sua morte, seu sobrinho foi buscar a Cura de São Sulpício e do Abade Gautier, e os trouxe para o quarto de seu tio, que foi informado de que eles estavam lá.

 'Ah, bem', disse Voltaire, 'dê-lhes meus cumprimentos e meus agradecimentos.'

O abade dirigiu algumas palavras a Voltaire, exortando-o à paciência. A Cura de São Sulpício apresentou-se então, anunciando-se, e perguntou a Voltaire, levantando a voz, se reconhecia a divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo. O doente empurrou uma das mãos contra a touca do curador, empurrando-o para trás e chorou, virando-se abruptamente para o outro lado:

“'Deixe-me morrer em paz!'

"A cura aparentemente considerava sua pessoa suja e sua touca desonrada ao toque do filósofo. Ele fez a enfermeira escová-lo um pouco e saiu com o Abade Gautier.

“Ele expirou”, diz Wagniere, “em 30 de maio de 1788, por volta das onze e quinze da noite, com a mais perfeita tranquilidade.

“Dez minutos antes de seu último suspiro, ele pegou a mão de Morand, seu valet-de-chambre, que o observava, apertou e disse: 'Adeus, meu querido Morand. Estou indo!'

"Estas foram suas últimas palavras."

Desta morte, tão simples e serena, tão natural e pacífica - dessas palavras tão totalmente destituídas de hipocrisia ou toque dramático - todas as imagens assustadoras, todas as declarações desesperadoras foram desenhadas e feitas. A partir desses materiais, e apenas deles, foram construídas todas as calúnias descaradas sobre a morte deste grande e maravilhoso homem.

Voltaire foi o autocrata intelectual de sua época. De seu trono no sopé dos Alpes, ele apontou o dedo do desprezo para cada hipócrita na Europa. Ele foi o pioneiro de seu século. Ele era o assassino da superstição. Através das sombras da fé e da fábula; através da escuridão do mito e do milagre; até a meia-noite do Cristianismo; através da escuridão da intolerância; pela catedral e masmorra; passado rack e jogo; além do altar e do trono, ele carregava, com mãos cavalheirescas, a tocha sagrada da Razão.

Deixe-me contar também sobre a morte de Thomas Paine. Após a publicação de seus "Direitos do Homem" e "A Idade da Razão", toda falsidade que a malignidade poderia cunhar e passar a malícia foi dada ao mundo. Em seu retorno à América, embora Thomas Jefferson, outro infiel, fosse presidente, não era seguro para Paine aparecer na via pública.

Sob a própria bandeira que ele ajudou a colocar no céu, seus direitos não foram respeitados. Segundo a Constituição que ele havia sugerido, sua vida era insegura. Ele ajudou a dar liberdade a mais de três milhões de seus concidadãos, e eles estavam dispostos a negá-la a ele.

Ele foi abandonado, condenado ao ostracismo, rejeitado, difamado e amaldiçoado. Mas ele manteve sua integridade. Ele manteve as convicções de sua mente, e nem por um momento hesitou ou vacilou. Ele morreu quase sozinho.

No momento em que morreu, o piedoso começou a fabricar horrores para seu leito de morte. Eles tiveram sua câmara cheia de diabos chacoalhando correntes, e essas falsidades antigas são confirmadas pelo clero até os dias atuais.

A verdade é que Thomas Paine morreu como viveu. Alguns ministros foram indelicados o suficiente para visitá-lo contra sua vontade. Vários deles ele encomendou de seu quarto. Alguns padres católicos, com toda a mansidão da arrogância, telefonaram para que pudessem desfrutar as agonias de um amigo moribundo do homem. Thomas Paine, levantando-se da cama, os poucos momentos da vida expirando transformados em chamas pelo sopro da indignação, teve a bondade de amaldiçoar os dois.

Seu médico, que parece ter sido um tolo intrometido, no momento em que a mão fria da Morte tocava o coração do Patriota, sussurrou no ouvido entorpecido do moribundo: "Você acredita, ou quer acreditar, que Jesus Cristo é o Filho de Deus? "

E a resposta foi: "Não quero acreditar nesse assunto."

Estas foram as últimas palavras lembradas de Thomas Paine. Ele morreu tão serenamente como qualquer outro mortal. Ele morreu em plena posse de sua mente e à beira da morte proclamou as doutrinas de sua vida.

Todo filantropo, todo crente na liberdade humana, todo amante da grande República, deve sentir-se obrigado a Thomas Paine pelos esplêndidos serviços prestados por ele nos dias mais sombrios da Revolução Americana. À meia-noite de Valley Forge, "The Crisis" foi a primeira estrela que brilhou no amplo horizonte de desespero.

Devemos lembrar que Thomas Paine foi o primeiro homem a escrever estas palavras: "Os Estados Unidos da América."

O Rev. Sr. Hamilton parece ter uma espécie de alegria em imaginar o que os infiéis irão sofrer quando vierem para morrer, e ele escreve como se quisesse estar presente.

De minha parte, espero que todos os filhos e filhas dos homens morram em paz; que eles passarão tão causalmente quanto o crepúsculo se transforma na noite.

Claro, quando eu disse que "o cristianismo não trouxe notícias de grande alegria, mas uma mensagem de dor eterna", eu quis dizer o cristianismo ortodoxo; e quando eu disse que "o cristianismo enche o futuro de fogo e chamas, e fez de Deus o guardião de uma penitenciária eterna, na qual a maioria dos filhos dos homens ficaria presa para sempre", eu estava dando o que entendi ser o evangélico crença sobre esse assunto.

Se as igrejas abandonaram a doutrina do castigo eterno, estou muito contente e sentirei que o pouco que fiz para esse fim não foi em vão.

O reverendo Sr. Hamilton, desfrutando de minha agonia agonizante na imaginação, diz: "Deixe o mundo esperar apenas por alguns anos, no máximo, quando os dedos gelados da Morte sentirem por ti as cordas do coração do fanfarrão e, como muitos de seus semelhantes ter ido antes dele ter feito, ele vai cantar outra canção. "

Como devo caracterizar o espírito que poderia motivar a redação de tal frase?

O reverendo cavalheiro "ama seus inimigos", e ainda assim fica cheio de alegria quando pensa nas agonias que suportarei quando os dedos gelados da Morte sentirem as cordas do meu coração! Mesmo assim, não fiz mal a ele.

Ele então cita, como sendo aplicável a mim, uma passagem do profeta Isaías, começando: "O vil falará vilania."

Esta passagem é aplicável apenas a mim?

O Rev. Sr. Holloway não está satisfeito com o "Sermão de Natal". Para seu benefício, repito, de outra forma, o que contém o "Sermão de Natal":

Se o Cristianismo ortodoxo ensina que esta vida é um período de provação, que estabelecemos aqui nosso destino eterno, e que todos os que ouviram o Evangelho e não acreditaram nele serão perdidos para sempre, então eu digo que o Cristianismo não " trazem notícias de grande alegria ", mas uma Mensagem de dor eterna. E se as igrejas ortodoxas ainda estão pregando a doutrina da Dor Infinita, então eu digo que seria muito melhor se todas as igrejas se desintegrassem em pó do que tal pregação e ensinamento continuados.

Seria muito melhor, porém, se os ministros pudessem ser convertidos e suas congregações iluminadas.

Eu admito que as igrejas ortodoxas pregam algumas coisas além do inferno; mas se eles não acreditam na eternidade da punição, eles devem mudar publicamente seus credos.

Admito, também, que o ministro comum aconselha sua congregação a ser honesta e tratar a todos com bondade, e admito que muitos desses ministros falham em seguir seus próprios conselhos quando fazem o que chamam de "respostas" para mim.

É claro que existem muitas coisas boas sobre a igreja. Na medida em que é caritativo, ou melhor, na medida em que causa caridade, é bom. Na medida em que faz com que homens e mulheres levem uma vida moral, é bom. Mas na medida em que enche o futuro de medo, é ruim. Na medida em que convence qualquer ser humano de que existe algum Deus que não apenas pode, mas irá, infligir tormentos eternos a seus próprios filhos, isso é ruim.

E tal ensino tende a prejudicar a humanidade. Esse ensino polui a imaginação da infância. Tal ensino enruga o rosto dos melhores e mais ternos com lágrimas. Tal ensino rouba toda a alegria da velhice e cobre cada berço com uma maldição!

O Rev. Sr. Holloway parece estar extremamente familiarizado com Deus. Ele diz: "Deus parece ter atrasado seu advento através de todos os tempos para dar ao mundo a oportunidade mais completa de fazer tudo o que a mente humana poderia sugerir para o bem da raça."

Segundo esse senhor, Deus apenas atrasou seu advento com o propósito de ver o que o mundo faria, sabendo o tempo todo exatamente o que seria feito.

Deixe-nos fazer uma sugestão: se o credo ortodoxo for verdadeiro, então todas as pessoas se tornaram contaminadas ou corrompidas ou depravadas, ou de alguma forma estragadas pelo que é conhecido como "Pecado Original".

De acordo com o Antigo Testamento, essas pessoas pioravam cada vez mais. Não parece que Jeová fez qualquer esforço para melhorá-los, mas ele esperou pacientemente por cerca de mil e quinhentos anos sem ter estabelecido nenhuma igreja, sem ter dado a eles uma Bíblia, e então ele afogou quase oito pessoas.

Agora, essas oito pessoas também eram depravadas. A mancha do "Pecado Original" também estava em seu sangue.

Parece-me que Jeová cometeu um erro. Ele também deveria ter matado os oito restantes e começado de novo, mantido a serpente fora de seu jardim e fornecido ao primeiro par uma Bíblia e a Confissão de Fé Presbiteriana.

O Rev. Dr. Tyler tem como certo que toda caridade e bondade são filhos do Cristianismo. Isto é um erro. Todas as virtudes já existiam no mundo muito antes da vinda de Cristo. Provavelmente o Sr. Tyler será convencido pelas palavras do próprio Cristo. Ele provavelmente se lembrará da história do Bom Samaritano e, se o fizer, verá que está exatamente no ponto. O Bom Samaritano não era hebreu. Ele não era um "povo escolhido". Ele era um pobre, "miserável pagão", que nada sabia sobre o Jeová do Antigo Testamento e que nunca tinha ouvido falar do "esquema da salvação". E ainda assim, de acordo com Cristo, ele era muito mais caridoso do que os levitas - os sacerdotes de Jeová, o mais alto do "povo escolhido". Não fica perfeitamente claro com esta história que a caridade existia antes do estabelecimento do Cristianismo?

Muito se tem falado sobre asilos e hospitais, como se os cristãos tivessem direito a grande crédito por esse motivo. Se o Dr. Tyler ler o que é dito na Enciclopédia Britânica, sob o título de "Doenças Mentais", ele descobrirá que os egípcios tratavam os insanos com a maior bondade e que chamaram a razão de volta ao seu trono pela voz de música; que os templos eram frequentados por multidões de insanos; e que "quaisquer dons da natureza ou produções de arte calculados para impressionar a imaginação estavam ali unidos. Jogos e recreações foram instituídos nos templos. Bosques e jardins cercavam esses retiros sagrados. Barcos alegremente decorados às vezes transportavam pacientes para respirar a brisa pura de o Nilo."

Assim, na Grécia antiga, é dito que "das mãos do sacerdote, a cura da mente desordenada passou primeiro para o domínio da medicina, com os filósofos. Diz-se que Pitágoras empregou a música para a cura de doenças mentais. A ordem dos o dia de seus discípulos mostra um profundo conhecimento das relações do corpo e da mente. A madrugada foi dividida entre exercícios suaves, conversa e música. Depois veio a conversa, seguida de exercícios de ginástica e uma dieta moderada. Depois, um banho e jantar com uma pequena porção de vinho; então, a leitura, a música e a conversa encerraram o dia. "

Portanto, "Asclupiades era celebrado por seu tratamento de transtornos mentais. Ele recomendava que a contenção corporal deveria ser evitada tanto quanto possível." Também se afirma que "a filosofia e as artes da Grécia se espalharam por Roma, e o primeiro tratado especial sobre a loucura é o de Celso, que distingue as variedades de loucura e seu tratamento adequado".

"Sobre as artes e ciências da Grécia e de Roma, os erros e a ignorância da Idade Média gradualmente se espalharam, até que os envolveram em uma nuvem pior do que a escuridão egípcia. Os insanos foram novamente entregues às ordenanças milagrosas dos sacerdotes ou então totalmente negligenciados . Idiotas e imbecis podiam ficar sem roupas e sem teto. Os frenéticos e furiosos eram acorrentados em masmorras solitárias e exibidos por dinheiro, como feras. Os monomaníacos se tornavam, segundo as circunstâncias, objetos de horror ou reverência supersticiosa. Eles eram considerados possuído por demônios e sujeito a exorcismo sacerdotal ou cruelmente destruído como feiticeiros e bruxas. Esse tratamento cruel dos insanos continuou com pouco ou nenhum alívio até o final do século passado em todos os países civilizados da Europa. "

Deixe-me citar uma descrição desses asilos cristãos.

"Asilos públicos de fato existiam na maioria das cidades metropolitanas da Europa, mas os insanos eram mais geralmente, se é que eram problemáticos, confinados em prisões, onde eram acorrentados nas masmorras mais baixas ou transformados em bundas e servos dos criminosos mais degradados. Nos asilos públicos, os internos eram confinados em porões, isolados em jaulas, acorrentados ao chão ou às paredes. Essas pobres vítimas eram exibidas ao público como feras. Freqüentemente, eram mortos pela ignorância e brutalidade de seus tratadores. "

Chamo atenção particular para o seguinte parágrafo: "Tal era o estado dos insanos em geral em toda a Europa no início deste século. Continuou a ser na Inglaterra até o final de 1815 e na Irlanda em 1817, conforme revelado pelas investigações de comissões parlamentares nesses anos, respectivamente. "

O Dr. Tyler é totalmente bem-vindo a todo o conforto que esses fatos podem oferecer.

Não apenas os gregos, romanos e egípcios estavam muito à frente dos cristãos no tratamento dos doentes mentais, mas mesmo os maometanos estavam à frente dos cristãos cerca de 700 anos, e além disso trataram seus lunáticos com grande gentileza.

O templo de Diana de Éfeso era um refúgio para devedores insolventes e o Tésio era um refúgio para escravos.

Novamente, eu digo que centenas de anos antes do estabelecimento do Cristianismo, havia na Índia não apenas hospitais e asilos para pessoas, mas até mesmo para animais. O grande erro do clero cristão é atribuir toda a bondade ao cristianismo. Eles sempre estiveram envolvidos em difamar a natureza humana - em atacar o coração humano - nos esforços para destruir todas as paixões naturais.

Máximas perfeitas para a conduta da vida foram proferidas e repetidas na Índia e na China centenas e centenas de anos antes da era cristã. Cada virtude foi elogiada e cada vício denunciado. Todo o bem que o Cristianismo contém veio do coração humano. Tudo naquele sistema de religião veio deste mundo; e nele você encontrará não apenas a bondade do homem, mas as imperfeições do homem - não apenas o amor do homem, mas a malícia do homem.

Deixe-me dizer por que os cristãos por tantos séculos negligenciaram ou abusaram dos insanos. Eles acreditavam no Novo Testamento e honestamente supunham que os insanos estavam cheios de demônios.

Quanto à disputa entre o Dr. Buckley, que, pelo que entendi, é doutor em teologia - e creio que essa teologia precisava de um médico - e o Telegrama, nada tenho a dizer. Existe apenas um lado dessa competição; e na medida em que o Doutor até agora criticou o que é conhecido como o "Sermão de Natal", eu respondi a ele. deixando muito pouco ao que gostaria de responder em seu último artigo.

O Dr. Buckley, como muitos outros, apresenta nomes em vez de razões - em vez de argumentos. Milton, Pascal, Elizabeth Fry, John Howard e Michael Faraday não são argumentos. Eles são apenas nomes; e, em vez de fornecer os nomes, o Dr. Buckley deve fornecer as razões apresentadas por aqueles cujos nomes ele pronuncia.

Jonathan Edwards pode ter sido um bom homem, mas certamente sua teologia era infame. Então o Padre Mathew era um bom homem, mas era impossível para ele ser bom o suficiente para convencer o Dr. Buckley da doutrina da "Presença Real".

Milton era um homem muito bom e descreveu Deus como uma espécie de general-de-brigada, vestiu os anjos com uniforme e travou batalhas regulares; mas a bondade de Milton não pode de forma alguma estabelecer a verdade de seus caprichos poéticos e absurdos.

Toda a abnegação e bondade do mundo nem mesmo tendem a provar a existência do sobrenatural ou do milagroso. Milhões e milhões dos homens mais devotados não puderam, por sua devoção, comprovar a inspiração das Escrituras.

Existem, no entanto, algumas distorções no artigo do Dr. Buckley que não devem ser deixadas de lado em silêncio.

A primeira é no sentido de que fui convidado a escrever um artigo para a North American Review, o juiz Jeremiah Black respondeu, e que o juiz Black foi tratado indevidamente.

Bem, é verdade que fui convidado a escrever um artigo, e escrevi um; mas eu não sabia na época quem responderia. Também é verdade que o juiz Black respondeu, e que meu artigo e sua resposta apareceram no mesmo número da Review.

O Dr. Buckley alega que a North American Review me deu a oportunidade de revisar o Juiz, mas negou ao Juiz Black uma oportunidade de responder. Isso não tem o menor fundamento de fato. O Sr. Metcalf, que na época era gerente da Review, ainda está vivo e contará os fatos. Pessoalmente, não tive nada a ver com isso, de uma forma ou de outra. Não considerei a resposta do juiz Black formidável, e não apenas desejava que ele fosse ouvido novamente, mas ansioso para que o fizesse.

Tanto para esse.

Quanto ao debate, com o Dr. Field e o Sr. Gladstone, deixo que digam se foram ou não tratados com justiça. O Dr. Field, por sua franqueza, sua justiça e pelo espírito viril que exibiu, conquistou meu respeito e amor.

A maioria dos ministros imagina que qualquer homem que difere deles é um blasfemador. Esta palavra parece saltar inconscientemente de seus lábios. Eles não podem imaginar que outro homem ame a liberdade tanto e com devoção tão sincera quanto eles amam a Deus. Eles não podem imaginar que outro valorize a liberdade acima de todos os deuses, mesmo que os deuses existam. Eles não podem imaginar que qualquer mente seja tal que coloque a Justiça acima de todas as pessoas. uma mente que não pode conceber nem mesmo um Deus que não está obrigado a fazer justiça.

Se Deus existe, acima dele, em eterna calma, está a figura da Justiça.

Nem podem alguns ministros entender um homem que considera Jeová e Júpiter como substancialmente o mesmo, com esta exceção - que ele pensa muito mais em Júpiter, porque Júpiter tinha pelo menos alguns sentimentos humanos.

Não entendo que um homem possa ser culpado de blasfêmia quando afirma seus pensamentos honestos em linguagem adequada, seu objeto sendo, não para torturar os sentimentos dos outros, mas simplesmente para expressar seus pensamentos - para encontrar e estabelecer a verdade.

O Dr. Buckley faz uma acusação de que ele deveria saber que não tinha fundamento. Falando de mim mesmo, ele disse: "Nele as leis para impedir a circulação de publicações obscenas por meio dos correios encontraram seu mais vigoroso oponente."

Nem é preciso dizer que isso não é verdade. O fato é que foi feito um esforço para classificar a literatura obscena com o que os piedosos chamam de "obras blasfemas e imorais". Uma petição foi encaminhada ao Congresso para emendar a lei para que a literatura do Freethought não pudesse ser jogada fora do correio, solicitando que, se não houvesse separação, a lei fosse revogada.

Foi dito que eu tinha assinado esta petição e certamente o teria feito se ela tivesse sido apresentada a mim. A petição era absolutamente apropriada.

Há alguns anos, encontrei a petição e descobri que, embora levasse meu nome, nunca havia sido assinada por mim. Mas, para efeitos desta resposta, estou perfeitamente disposto a que a assinatura seja considerada genuína, uma vez que não há nada na petição que não devesse ter sido concedido.

A lei tal como estava foi contestada pela Liga Liberal - mas nenhum membro dessa sociedade era a favor da circulação de literatura obscena; mas pensavam que a privacidade dos correios havia sido violada e que era da maior importância manter a inviolabilidade do serviço postal.

Eu discordava dessas pessoas e era a favor da destruição da literatura obscena não apenas, mas que fosse considerado crime enviá-la pelo correio. Aliás, fiz resoluções nesse sentido que foram aprovadas. Depois disso, eles foram mudados, ou alguns outros foram aprovados, e eu pedi demissão da Liga por causa disso.

Nada pode ser mais absurdo do que eu estar, direta ou indiretamente, ou poderia ter estado interessado na circulação de publicações obscenas pelos correios; e pagarei um prêmio de US $ 1.000 por palavra para cada palavra que disse ou escrevi a favor do envio de publicações obscenas pelo correio.

Posso usar uma linguagem muito mais forte. Eu poderia seguir o exemplo do próprio Dr. Buckley. Mas acho que já disse o suficiente para satisfazer a todas as pessoas sem preconceitos que a acusação é absurdamente falsa.

Agora, quanto ao elogio ao uísque. Tenho um certo prazer ler isso agora mesmo, e acredito que os leitores do Telegram gostariam de lê-lo mais uma vez; Então aqui está:

"Eu mando para vocês um pouco do uísque mais maravilhoso que já tirou o esqueleto de uma festa ou pintou paisagens no cérebro do homem. São as almas misturadas de trigo e milho. Nele você encontrará o sol e a sombra que perseguiu cada um outro sobre os campos ondulados; o sopro de junho; a canção da cotovia; o orvalho da noite; a riqueza do conteúdo rico do verão e do outono, tudo dourado com a luz aprisionada. Beba e você ouvirá as vozes de homens e donzelas cantando a 'Casa da Colheita', misturada com o riso das crianças. Beba e você sentirá em seu sangue as auroras iluminadas pelas estrelas, o entardecer sonhador e fulvo de muitos dias perfeitos. Por quarenta anos, essa alegria líquida esteve dentro dos cajados felizes de carvalho, desejando tocar os lábios dos homens. "

Eu recito isso porque o Dr. Buckley, que não é muito preciso, cometeu alguns erros em sua versão.

Agora, para mostrar a profundidade da degradação a que me afundei nesta direção. Confesso que também escrevi um elogio ao tabaco, e aqui está:

"Quase quatro séculos atrás, Colombo, o aventureiro, na abençoada ilha de Cuba, viu pessoas felizes com folhas enroladas entre os lábios. Acima de suas cabeças havia pequenas nuvens de fumaça. Seus rostos estavam serenos, e em seus olhos estava o céu outonal de conteúdo. Essas pessoas eram gentis, inocentes, gentis e amorosas."

“O clima de Cuba é a amizade da terra e do ar, e desse clima nasceram as folhas sagradas - as folhas que se geram na mente de quem as usa nos dias felizes e sem nuvens em que cresceram."

“Estas folhas fazem amigos e celebram com ritos suaves os votos de paz. Eles deram consolo ao mundo. Eles são os companheiros dos solitários - os amigos dos presos, do exílio, dos trabalhadores nas minas, dos companheiros das florestas, dos marinheiros nos mares desolados Eles são os doadores de força e calma para as mentes atormentadas e cansadas daqueles que constroem com o pensamento e sonham os templos da alma."

"Eles falam de esperança e descanso. Eles suavizam as sobrancelhas enrugadas da dor - expulsam medos e estranhos temores deformados da mente e enchem o coração com descanso e paz. , quando liberado pelo fogo, rouba suavemente dentro da fortaleza do cérebro e prende no sono as sentinelas capturadas de cuidado e tristeza."

“Estas folhas são amigas da lareira, e sua fumaça, como incenso, sobe de miríades de lares felizes. Cuba é o sorriso do mar”.

Existem algumas pessoas constituídas de tal forma que não há lugar no céu de suas mentes para que as borboletas e as mariposas da fantasia abram suas asas. Tudo é levado com seriedade solene e estúpida. Esses homens considerariam Shakespeare responsável pelo que Falstaff disse sobre "saque" e pelas noções de propriedade da Sra. Quickly.

Há um velho ditado grego que se aplica aqui: "na presença da estupidez humana, até os deuses permanecem indefesos".

John Wesley, fundador da Igreja Metodista, carecia de todo o senso de humor. Ele pregou um sermão sobre "A Causa e a Cura dos Terremotos". Ele insistiu que eles foram causados ​​pela maldade do homem, e que a única maneira de curá-los era crer no Senhor Jesus Cristo.

O homem que não carrega a tocha do Humor está sempre em perigo de cair no abismo do Absurdo.

O Rev. Chades Deems, pastor da Igreja dos Estranhos, contribui com sua parte na discussão.

Ele tirou um texto de João, como segue: “Aquele que comete pecado é do diabo, porque o diabo peca desde o princípio. Para este propósito o Filho de Deus se manifestou, para destruir as obras do diabo”.

De acordo com o credo ortodoxo do Rev. Dr. Deems, todos cometeram pecado e, conseqüentemente, todos são do diabo. O médico não é um metafísico. Ele não se importa em brincar de prestidigitação com as palavras. Ele fica de pé sobre a rocha e afirma que o diabo não é um mito persa, mas uma personalidade, que trabalha sem ser impedida pelas limitações de um corpo físico e obtém personalidades humanas para ajudá-lo em suas obras.

De acordo com o texto, parece que o diabo foi pecador desde o início. Suponho que deve significar desde o início dele, ou desde o começo das coisas. De acordo com o credo do Dr. Deems, seu Deus é o Criador de todas as coisas e, conseqüentemente, deve ter sido o Criador do diabo. De acordo com as Escrituras, o diabo é o pai da mentira, e o Dr. Deems 'Deus é o pai do diabo - isto é, o avô da mentira. Isso me parece quase "blasfemo".

O médico também nos diz "que Jesus acreditava tanto na personalidade do diabo quanto na de Herodes, Pilatos, João ou Pedro".

Isso eu admito. Não há a menor dúvida, se o Novo Testamento for verdadeiro, que Cristo acreditava em um diabo pessoal - um diabo com quem ele conversava; um demônio que o levou ao pináculo do Templo e se esforçou para induzi-lo a pular para a terra abaixo.

Claro que ele acreditava em um demônio pessoal. Não só isso; ele acreditava em milhares de demônios pessoais. Ele expulsou sete demônios de Maria Madalena. Ele expulsou uma legião de demônios do homem nas tumbas. ou melhor, fez uma barganha com esses demônios mencionados por último para que eles entrassem em uma manada ou manada de porcos, se deixassem o homem.

Eu não apenas admito que Cristo acreditava em demônios, mas ele acreditava que alguns demônios eram surdos e mudos, e assim declarou.

O Dr. Deems está certo e espero que ele defenda contra todos os que vierem a respeito da integridade do Novo Testamento.

O doutor, porém, não satisfeito exatamente com o que encontra no Novo Testamento, desenha um pouco na própria imaginação. Ele diz:

"O diabo é um intelecto organizador e imperial, vingativo, astuto, astuto, perseverante, cujo objetivo é destruir a autoridade da lei de Deus."

Como o doutor sabe que o diabo tem um intelecto organizador e imperial? Como ele sabe que é vingativo, astuto, astuto e perseverante?

Se o diabo tem um "intelecto imperial", por que ele tenta o impossível?

Robert Burns chocou a Escócia ao dizer do diabo, ou melhor, ao diabo, que sentia pena dele e esperava que ele pensasse e se curasse.

Dr. Deems foi muito antes de Burns. Para um clérigo, ele parece ser extremamente educado. Falando do "arquiinimigo de Deus" - daquele "intelecto organizador e imperial que está procurando minar a igreja" - o doutor diz:

"O diabo pode ser considerado sincero."

Isso foi dito:

“Um Deus honesto é a obra mais nobre do homem”, e agora pode ser acrescentado: Um diabo sincero é a obra mais nobre do Dr. Deems.

Mas, com toda a esperteza do demônio, astúcia e astúcia, o Doutor diz que ele "não pode escrever um livro; que ele não pode dar palestras" (como eu, suponho), "editar um jornal" (como o editor do Telegram ) ou fazer discursos após o jantar; mas ele pode fazer com que seus servos façam essas coisas por ele. "

Há uma coisa no endereço do médico que quero corrigir (cito o relatório do Telegram):

"O Dr. Deems mostrou longamente como o Filho de Deus, o Cristo da Bíblia - não o Cristo das caricaturas da plataforma de palestras - operando para superar todas essas obras."

Tenho como certo que ele se refere ao que supõe que eu disse sobre Cristo e, por medo de que ele não tenha lido, dou aqui:

"E deixe-me dizer aqui, de uma vez por todas, que pelo homem Cristo tenho infinito respeito. Deixe-me dizer, de uma vez por todas, que o lugar onde o homem morreu pelo homem é solo sagrado. E deixe-me dizer, de uma vez por todas, que a esse grande e sereno homem presto de bom grado o tributo da minha admiração e das minhas lágrimas. Ele foi um reformador em seus dias. Foi um infiel em seu tempo. Ele foi considerado um blasfemador, e sua vida foi destruída por hipócritas, que têm, em todas as épocas, feito o que podem para espezinhar a liberdade e a masculinidade da mente humana. Se eu tivesse vivido naquela época, teria sido seu amigo, e se ele voltasse não encontraria melhor amigo do que Eu estarei. Isso é para o homem. Para a criação teológica eu tenho um sentimento diferente. "

Não respondi a cada um que atacou pelo nome. Também não mencionei aqueles que concordaram comigo. Mas aproveito esta ocasião para agradecer a todos, independentemente de seus credos, que corajosamente defenderam o direito à liberdade de expressão e que defenderam o Telegram no curso que tomou.

Agradeço a todos os que me disseram uma palavra gentil e também sou muito grato por aqueles que não disseram palavras gentis. Epítetos não são argumentos. Abusar não é convencer. A raiva é estúpida e a malícia ilógica.

E, depois de tudo o que apareceu como resposta, ainda insisto que o Cristianismo ortodoxo não veio com "notícias de grande alegria", mas com uma mensagem de dor eterna.

Robert G. Ingersoll.
Nova York, 5 de fevereiro de 1892.

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem