Autor: Jeff Lowder
Tradução: Iran Filho

Trecho do debate entre Jeff Lowder e Frank Turek

O naturalismo é a melhor explicação para a base neurológica da empatia e apatia, incluindo algumas desvantagens morais. [1]

Em muitos casos, nossa capacidade de escolher ações moralmente boas depende de termos capacidades emocionais funcionando adequadamente, especialmente empatia, ou seja, nossa capacidade de identificar o que outra pessoa está pensando ou sentindo e de responder aos seus pensamentos e sentimentos com uma emoção apropriada. [2]

Agora sabemos, graças à disciplina relativamente nova da neurociência, que certas anormalidades cerebrais fazem com que as pessoas experimentem menos ou mesmo nenhuma empatia. [3] De acordo com Simon Baron-Cohen, da Universidade de Cambridge, “há um consenso na neurociência de que pelo menos dez regiões cerebrais interconectadas estão envolvidas na empatia.” [4] Essas regiões são mostradas no slide.

Por exemplo, psicopatas violentos podem saber em algum sentido abstrato que seu comportamento é moralmente errado, mas carecem totalmente de empatia. [5]

Embora o teísmo seja compatível com uma base neurológica para desvantagens morais, o fato de que pelo menos algumas desvantagens morais podem ser explicadas neurologicamente é muito mais provável no naturalismo do que no teísmo. Se o teísmo for verdadeiro, isso significa que ambos

a. Deus cria alguns seres humanos com limitações morais que não são o resultado das ações livremente escolhidas por qualquer ser humano;

e

b. Essas limitações morais tornam mais provável que prejudiquem outras pessoas.

Que justificativa moral Deus teria para permitir que (a) e (b) fossem obtidos? Isso parece totalmente surpreendente e completamente aleatório do ponto de vista teísta e moral, mas precisamente o que esperaríamos do naturalismo (e a natureza cega sendo indiferente às consequências morais das anormalidades cerebrais). [6]

Referências
[1] Jeffery Jay Lowder, “The Evidential Argument from Physical Minds,” The Secular Outpost, 13 de junho de 2012.

[2] Simon Baron-Cohen, The Science of Evil: On Empathy and the Origins of Cruelty (Nova York: Basic Books, 2012), 16.

[3] Baron-Cohen 2012, 39.

[4] Baron-Cohen 2012, 28.

[5] Como Baron-Cohen aponta, a base neurológica para desvantagens morais desafia as visões tradicionais sobre responsabilidade moral. “Se zero grau de empatia for realmente uma forma de deficiência neurológica, até que ponto esse indivíduo que comete um crime pode ser responsabilizado pelo que fez? Isso se confunde com o debate do livre arbítrio, pois se zero grau de empatia deixa um indivíduo até certo ponto "cego" ao impacto de suas ações nos sentimentos dos outros, então certamente eles merecem nossa simpatia em vez de punição.” Veja Baron-Cohen 2012, 160.

[6] Alguns teístas têm apontado que o mal moral, como anjos caídos ou demônios que escolhem fazer o mal, pode explicar os chamados "males naturais". Este argumento faz o ponto inverso: Certos males naturais explicam pelo menos algum mal moral.

Comentário(s)

Fique a vontade para comentar em nosso artigo!

Pedimos apenas que seja respeitoso(a), comentários desrespeitosos serão excluídos.

Você pode comentar usando sua conta do Google, nome+URL ou de forma anônima

Postagem Anterior Próxima Postagem